Casal Perigoso
MEAK
A05

Casal Perigoso ler resumo

Noite. Uma pensão da cidade.
Nós queremos um quarto. (Elian)
A garota é maior de idade? (recepcionista)
Não te interessa. (Beatrice)
Sem identidade, não posso dar o quarto. (recepcionista)
Podes vir aqui? (Elian)
Eu? (recepcionista)
Sim, tu. Podes sair aí de trás do balcão? (Elian)
A pessoa dá a volta e fica de frente para Elian. Elian pega pelo pescoço e encosta na parede. Os caninos estão expostos inteiros.
Não, ela não é maior, está comigo e vais arranjar um quarto pra nós. Se pensares em ligar pra polícia ou qualquer outro lugar, pra nos denunciar, chegarão para encontrar teu corpo esquartejado e espalhado por esta espelunca. (Elian)
Elian solta a pessoa, que rapidamente pega uma chave e entrega a Elian. Elian pega a chave.
Vamos? (Elian)
Elian dá o braço a Beatrice, que coloca o braço sobre o de Elian. Seguem para o quarto.
Edmont entra em um bar.
Merda. (Edmont)
Falando sozinho? (Kinyn)
Kinyn... E seu irmão? (Edmont)
Eu vi o quebra que saiu entre você e ele outro dia. (Kinyn)
Não me dou muito bem com ele. (Edmont)
Mas o que tá fazendo aqui na noite de véspera do Natal? (Kinyn)
Tentando melhorar o mundo. E você? (Edmont)
Eu não queria entrar o Natal olhando pro focinho dele. (Kinyn)
Kinyn vira um copo.
Você e a tequila. Um dia se arrepende. (Edmont)
Ok, papai. Não sou eu quem aparece com cara de sono pra ensaiar. Aliás, não esquece que combinamos essa semana. (Kinyn)
Se eu esquecer, Angely me lembra. (Edmont)
Kinyn olha para uma pessoa que esta olhando para si.
Não parece o seu tipo. (Edmont)
É porque não tenho um tipo. (Kinyn)
Kinyn se levanta e vai sentar junto a pessoa.
Então, sozinho? (Kinyn)
Se teu amigo não atrapalhar, não estarei mais. (Elian)
Edmont chega em casa.
E o desenho? (Edmont)
Bom, pelo menos a Kat confirmou. (Angely)
Estava meio escuro, mas acho que é isso. (Kat)
Mel pega o desenho. Arregala os olhos.
Que foi? (Edmont)
Nada... É que... Eu vi na casa uma vez... Eu podia... (Mel)
Edmont pega o papel.
Onde fica a casa de Kinyn??? (Edmont)
Por que está perguntando? (Angely)
Ela estava com esse cara no bar! (Edmont)
Eu não lembro o endereço, mas pego e moto e nós vamos. (Angely)
Vou com vocês. (Mel)
Alguém tem que cuidar de Kat. (Edmont)
Luto melhor que vocês. (Mel)
Mas a gente conhece ela. (Edmont)
Edmont e Angely saem.
Hora de ir pra casa. (Mel)
Por quê? (Kat)
São oito da noite, véspera de Natal, Meg vai me matar. (Mel)
Bryan está na frente de casa, com uma pessoa. Edmont e Angely chegam.
Kinyn! (Angely)
Ela tá ocupada com um homem de verdade hoje pelo que vi... (Bryan)
Edmont derruba a porta. Edmont e Angely entram. Procuram pela casa. Angely entra em um quarto e sai. Olha para o teto.
Edmont! (Angely)
Edmont chega. Entra no quarto. Chega perto da cama. Pega o pulso. Vira a cabeça. Sem marcas, em nenhum dos dois lados. Olha para o lençol. Está sujo de sangue mais abaixo. Olha para o espelho. Está escrito "Feliz Natal" com sangue. Edmont sai. Olha para Angely, que se sentou no chão. Bryan chega olha para Angely, então para Edmont. Vai entrar no quarto, Edmont segura-lhe o braço. Bryan puxa. Entra no quarto. Grita. Edmont puxa Bryan de volta. Leva até a sala. A pessoa entra. Edmont olha. A pessoa abraça Bryan. Edmont volta até a porta do quarto. Coloca a mão no ombro de Angely. Angely olha para Edmont. Edmont estende a mão, Angely segura, Edmont ajuda a levantar. Vão para a sala.
Mel está no sofá da sala. Edmont e Angely entram. Mel levanta. Olha para Angely. Para Edmont. Senta.
Não conseguiram. (Mel)
Atrasados de novo. (Edmont)
Os pais deles chegaram, a gente achou melhor deixar só a família. (Angely)
Levei Kat em casa. Agatha e Meg pediram pra irem pra lá. Já são onze e meia. (Mel)
Ainda escreveu Feliz Natal no espelho, com o sangue dela. Esse maldito deve ter algum fetiche bizarro com isso. (Edmont)
Temos que pegar ele logo. (Angely)
Vão pra casa de Meg. (Mel)
Vou pegar os presentes lá. (Edmont)
Eu não estou com clima pra isso. (Angely)
Elas não sabem o que estamos fazendo. (Edmont)
Eu sei disso. (Angely)
Que explicação vou dar pra isso? (Edmont)
Podemos dizer que o Bryan ligou pra gente. (Angely)
Cara, elas não têm que saber disso hoje. (Edmont)
Edmont sobe.
Eu vou com vocês. (Mel)
De manhã, Mel, Angely e Edmont chegam em casa.
Bryan deve estar arrasado. (Angely)
Eu vou procurar esse desgraçado. (Edmont)
Bora. Vocês procuram, eu vou ver o que encontro sobre. (Mel)
Por que não usa o computador? (Angely)
Não acha que já não tentei? Não encontro nada. (Mel)
Mel entra em um prédio abandonado. Enquanto isso, Kat vai à MEAK. Toca a campainha e ninguém atende. Então Aurium (cachorro) chega. Kat sobe para o escritório. Tenta usar o celular. Sem sinal.
Não acredito que vou ter que ficar aqui esperando... (Kat)
Aurium late.
Que é? (Kat)
Aurium entrega a bolsa que tinha vindo na caixa.
Quer que eu escreva? (Kat)
Aurium senta a frente de Kat.
Pode achá-los? (Kat)
Aurium late.
Tudo bem. Parece loucura, mas tudo bem. (Kat)
Kat escreve algo num papel. Depois coloca na bolsinha e prende a Aurium. Aurium sai. Kat fica no escritório.
Três chaves... Mas de onde as outras duas? (Kat)
Um papel sobre a mesa aparece:
Desça a escada e procure uma árvore de maçãs.
Árvore de maçãs?! Tá... (Kat)
Kat vai até o jardim. Há uma árvore e a porta para o porão da casa. Kat abre a fechadura da porta. Desce a pequena rampa. Vai até o cadeado que tranca os dois armários e abre.
Nossa... Caramba... (Kat)
Edmont e Angely estão num bar.
Tá, até agora já vimos quase todos os hotéis, pousadas, pensões e o pulgueiros que estivesse na lista telefônica. (Edmont)
Será que saiu da cidade? (Angely)
Tem alguns lugares que não estão na lista. (Edmont)
Onde você se hospedaria se fosse um vampiro? (Angely)
Perto do centro, pra poder caçar e voltar antes que o sol nascesse. (Edmont)
Faz sentido. Mas teria que ser um lugar não muito público. (Angely)
Abandonado não, se alguém comprasse e resolvesse reformar não ia dar certo... Tá, essa não conta, ele tava na casa abandonada. (Edmont)
Embaixo do nosso nariz. (Angely)
Não tínhamos como saber. O lugar não estaria na lista telefônica, seria perto do centro, sem movimento. (Edmont)
Isso é confuso. (Angely)
Será que tem algum lugar aqui com essa descrição? (Edmont)
Vamos ter que perguntar. (Angely)
Moça! (Edmont)
Eu? (garçonete)
É, pode ser. (Edmont)
A pessoa vai até a mesa.
Nós chegamos a pouco na cidade e queríamos saber de algum lugar perto do centro, não muito movimentado e que não esteja na lista. (Edmont)
Tem alguns lugares com essa descrição. Mas pra que isso? (garçonete)
Somos investigadores. Temos que nos esconder. (Edmont)
Tá... Vou ver com o pessoal, já trago pra vocês. (garçonete)
A pessoa passa pelo bar.
Por que disse isso a ela? (Angely)
Acha mesmo que ela acreditou? (Edmont)
A pessoa volta.
Tá aqui. Não são fugitivos, né? (garçonete)
É uma história meio complicada e você não acreditaria. (Angely)
Tá... Boa sorte então. (garçonete)
Obrigado. Ah, a conta. (Edmont)
Já? (garçonete)
Bom, temos serviço. (Edmont)
Ah, claro. São doze. (garçonete)
Aqui. coloca uma nota de vinte na mesa Fica com o troco. (Angely)
Valeu. (garçonete)
Edmont e Angely saem e começam a procurar.
Mel chega em casa. Vai até o escritório e encontra Kat dormindo.
Kat, acorda... (Mel)
Ah??? (Kat)
O que veio fazer aqui em pleno Natal? (Mel)
Bom, eu também sou parte disso, esqueceu? (Kat)
E sua família, Meg e Agatha? (Mel)
Dormindo... Peraí, a Agatha não é minha irmã. (Kat)
Nem Meg, mas considera assim. Ou pelo menos foi o que me disse... (Mel)
Cadê os dois? (Kat)
Saíram pra procurar a coisa. (Mel)
Descobriu alguma coisa? (Kat)
É estranho falar com uma criança de dez anos. (Mel)
Tenho certeza que já teve a minha idade também. Descobriu algo ou não? (Kat)
Bom, o nome é Elian e tem parentesco fraterno com uma pessoa de quem Lara veio. (Mel)
E Lara é... (Kat)
Quem gerou Beatrice. (Mel)
Ih, eu tô meio por fora... (Kat)
Tá... (Mel)
Mel vai até um dos armários de arquivos e pega recortes que havia achado sobre Lara.
Lê isso e vai entender. (Mel)
Kat pega os recortes. Senta. Mel tira mais papéis da mochila.
Acho que vai ser uma leitura extensa. (Kat)
Bom, achei bem mais coisa nuns arquivos... (Mel)
Tem algo que eu queria dizer. Sobre Aurium. (Kat)
Fale. (Mel)
Noite. Chove muito. Edmont e Angely entram em uma pensão.
Nós queríamos saber se chegou um cara aqui... (Edmont)
Não, garoto. (recepcionista)
Mas eu nem... (Edmont)
Não chegou ninguém recentemente aqui. Nossos clientes são sempre os mesmos. (recepcionista)
Aurium entra.
É seu cachorro? (recepcionista)
É. (Edmont)
Tire ele daqui então. (recepcionista)
A pessoa na recepção aponta uma placa: proibido animais.
Só um instante. (Edmont)
Edmont tira a bolsa de Aurium. Pega um papel. Olha. Entrega a Angely. Angely olha também.
Obrigado, estamos indo já. (Angely)
Aurium sai. Angely e Edmont saem e não vêem Aurium.
Bom, pelo jeito Kat estava certa. (Angely)
Eu acho que a recepcionista estava mentindo. (Edmont)
Vamos voltar e falar com Mel. (Angely)
Voltam para a MEAK. Se encontram no escritório.
Nossa, vocês estão parecendo pingüins! (Kat)
Nem tinha percebido! (Edmont)
Porque não pega sinal por aqui? (Kat)
Eu não sei. Na sua casa pega? (Edmont)
Não, mas o resto da cidade pega. (Kat)
Acho que descobrimos onde o vampiro pode estar. (Angely)
Um lugar perto do centro, não muito movimentado e que não está na lista. (Edmont)
Parece perfeito. (Mel)
Perguntamos a recepcionista e ela negou. (Angely)
Mas sei que ela tava mentindo. (Edmont)
Receberam o recado? (Kat)
Descobriu aquilo por um sonho? (Edmont)
É. (Kat)
Tá. Então além de cachorro ele é um pássaro? (Angely)
Que tipo de pássaro? (Edmont)
Mel olha para a janela.
Esse tipo. (Mel)
Edmont, Angely e Kat olham também. Um pássaro de penas douradas está na janela.
Bom, foi o que eu vi no meu sonho... (Kat)
Saindo da janela, o pássaro voa pra debaixo da mesa. Sai cachorro.
Acho que acertei no nome. (Kat)
Já deu nome a isso? (Edmont)
Ele tinha pêlo amarelo, então coloquei o nome de Aurium. (Kat)
Não sabia que você sabia latim. (Angely)
Tabela periódica. (Kat)
Falando nela, ela deixou você ficar com a cachorro? (Edmont)
Deixou. (Kat)
Avisou elas que estava aqui? (Angely)
Deixei um bilhete. (Kat)
Vocês vão tomar bronca de novo. (Mel)
Casa de Meg.
Nossa, que horas são?! (Meg)
Tá de noite ainda... (Agatha)
Não, Agatha, acho que o certo seria: está de noite já. (Meg)
Será que bebemos tanto assim? (Agatha)
Agatha se levanta do sofá.
Droga, minha cabeça tá explodindo! (Agatha)
A minha também. Agora eu sei o que é ressaca. (Meg)
Teoria é bem melhor. (Agatha)
Meg pega um papel sobre a mesa.
Ei! Quem deu a ela o direito de ficar indo na casa do meu namorado?! (Meg)
Calma, Meg, ela tem só dez anos! (Agatha)
Mesmo assim. (Meg)
Eles são irmãos dela. Acho que você ainda tá bêbada. (Agatha)
Nossa, é mesmo um "já" que você devia ter dito, ela diz aqui que saiu de manhã... São dez horas... (Meg)
E não voltou ainda. Acho que devíamos ir buscá-la. (Agatha)
Ela sabe o caminho de casa. Foi sozinha, volte sozinha. (Meg)
Mas se formos buscar ela é um pretexto pra ver eles. (Agatha)
Na MEAK.
A essa hora o vampiro já foi embora. (Edmont)
Vale a hipótese. (Angely)
Kat, melhor você... a campainha toca ...ir pra casa. (Mel)
Devem ser elas. (Kat)
Descem do escritório. Edmont, Angely e Kat ficam na sala. Ligam a TV. Mel vai atender.
Vieram buscar Kat ou falar com Edmont e Angely? (Mel)
Os dois. (Agatha)
Entra aí. (Mel)
Agatha e Meg entram e Mel vai até a cozinha.
Oi, Angely. (Meg)
Kat vai até a cozinha. Vê Mel em frente a pia, olhando pra nada.
Que foi? (Kat)
Do que tá falando? (Mel)
Não vem com essa, não. (Kat)
Não é nada. (Mel)
Por que nada sempre é alguma coisa? (Kat)
Tem um princípio que diz que não existe zero absoluto. (Mel)
Sem desviar do assunto. (Kat)
Eu tô bem. (Mel)
Tá, fala quando quiser. (Kat)
Kat, eu já disse que... (Mel)
Mas se não quiser dizer, tudo bem. (Kat)
Mel respira fundo.
Eu não posso contar. Nem pra Angely e pra Edmont, que moram comigo, eu contei. (Mel)
Mas não tem a ver com eles, tem? (Kat)
Não, não tem. (Mel)
Então com quem? (Kat)
Não posso dizer. (Mel)
Ok. (Kat)
Não diga nada, iriam querer saber quem é. (Mel)
Tá. (Kat)
Algum tempo depois, Kat volta para a sala.
Meia noite, acabou o beijódromo! (Kat)
Nós só estamos assistindo um filme... (Angely)
E sobre o que é o filme? (Kat)
Todo mundo fica em silêncio.
Acho que não estavam muito interessados no filme. Agatha, Meg, eu não queria bancar a chata, mas eu não quero ficar em casa sozinha. Vamos? (Kat)
Agatha e Meg se levantam do sofá e vão até a porta.
Bom, nós temos que ir. (Meg)
Até amanhã então. (Agatha)
Ainda bem que estavam só beijando mesmo. (Kat)
Meg encara Kat.
Até amanhã. (Angely)
Não esqueçam, às quatro naquela lanchonete. (Meg)
Não esqueceremos. (Edmont)
Bom que não esqueçam, por que vamos esperar lá. (Agatha)
Edmont abre a porta. Agatha e Meg saem.
Vocês podiam esperar pra ficar a sós. (Angely)
Não fizemos nada de errado. (Edmont)
Vocês estavam quase... (Angely)
Tô indo dormir. (Edmont)
Edmont sobe a escada.
Toma um banho frio antes! (Angely)
Angely olha para a sala. Respira fundo. Sobe a escada também. Na casa de Meg, Agatha, Meg e Kat estão na sala.
Eu??? (Agatha)
Se eu e Angely não estivéssemos ali, tinha sido ali mesmo, né??? (Meg)
Que acha que eu sou??? (Agatha)
Que feio, Agatha... (Kat)
Tá vendo? Você foi falar , agora até a Kat vai me zoar! Você e o Angely estavam namorando ou olhando pra gente?! (Agatha)
Eu tava olhando também. (Meg)
Então quer dizer que gosta de ficar olhando... (Agatha)
Mudando de assunto, o que você disseram que iam fazer com o terreno da casa da Agatha? (Kat)
Nós estávamos pensando em ficarmos nós três morando numa das duas casas, demolir a outra e fazer um centro de pesquisas no terreno. (Meg)
Como essa casa ficou pra vocês duas e você é menor, não poderíamos fazer isso aqui. (Agatha)
Ah, tá... Então a Agatha vem morar com a gente? (Kat)
Exatamente. (Meg)
Que legal, agora posso dizer que você é minha irmã? (Kat)
Pode... (Agatha)
Peraí, você não disse que o Edmont e o Angely são seus irmãos? (Meg)
Ei, não quero ser irmã deles! (Agatha)
Sem problemas, vocês são só de consideração. (Kat)
Então tudo bem. (Meg)
Meg e Agatha riem e saem.
Tem gente que quando ama fica tão idiota que ri de qualquer merda. (Kat)
O sol está quase nascendo. Elian e Beatrice chegam à pensão.
Apareceram dois caras aqui, fazendo perguntas... (recepcionista)
Homens? (Beatrice)
É. Eram iguais, mas a cor do cabelo era diferente. (recepcionista)
Não disseste nada sobre mim, disseste? (Elian)
Não, senhor. (recepcionista)
Continue assim. (Elian)
E se eu ficar com sede no meio do dia? (Beatrice)
Vão para o quarto.
Acho que vamos ter que sair daqui. (Elian)
Não devia ter provocado. Tirar a amiga embaixo da fuça deles... (Beatrice)
Foi divertido seguir ele enquanto ele achava que estava me seguindo. (Elian)
A recepcionista não vai deixar eles virem aqui nos perturbar. (Beatrice)
Não. Ela está com medo, minha pequena. (Elian)
Sinto o medo dela. O cheiro do sangue... (Beatrice)
Não sei o que é melhor sentir: o medo deles ou o gosto do sangue. (Elian)
Se beijam.
De manhã, MEAK, quarto de Edmont.
Acorda! Temos que trabalhar! (Mel)
Eu tô com sono! (Edmont)
Vocês foram dormir só à meia-noite. (Mel)
É, e são seis ainda! (Edmont)
Já é tarde. Íamos levantar às quatro! (Mel)
Vai acordar o Angely! (Edmont)
Eu já acordei. (Angely)
Sorte sua! (Edmont)
Edmont cobre a cabeça com um travesseiro.
Eu já sei, vou buscar um copo d’água. (Angely)
Não, peraí, cara, isso é coisa de quando éramos crianças! (Edmont)
Tá, gente, vamos logo pra cidade. (Mel)
Falando em trabalho, nós temos que arranjar um. O dinheiro da poupança tá acabando. (Edmont)
Podemos fazer um teste vocacional. (Angely)
É uma boa idéia. Se ficarmos com essa batata quente, temos que arranjar um trabalho pra nos sustentar, né? (Edmont)
Na escola estão fazendo, não estão? (Angely)
É, fazem. (Edmont)
Mas e eu? (Mel)
Você também pode. (Edmont)
Vamos, levantando, preguiçoso! (Angely)
Mas depois a gente vai procurar Elian. (Mel)
Concordo. (Edmont)
Descem, tomam café e vão até a escola.
Bom, vocês preencham isso aqui... a pessoa entrega algumas folhas pra cada pessoa ...depois entreguem na secretaria. (atendente)
Tá, obrigado. (Angely)
As salas da escola podem ser usadas pra preencher. (atendente)
Kat acorda no susto. Aurium dormiu ao pé de sua cama.
Droga... Ela não estava... Aurium, a bolsa. (Kat)
Aurium atende. Kat escreve uma mensagem no bloco, guarda na bolsa e amarra a Aurium, que sai.
Tomara que você encontre eles... (Kat)
10:00. Agatha e Meg acordam.
Ouviu uns barulhos à noite? (Agatha)
Ouvi. Era o Aurium, o cachorro da Kat. (Meg)
Ela tem cachorro? (Agatha)
É, ela pediu pra eu deixar ela ficar com um cachorro, de presente de Natal, e eu deixei. (Meg)
Ah, tá... Vamos arrumar a casa, que isso pelo menos podemos fazer. (Agatha)
É mesmo, né? Pelo menos isso. (Meg)
Tá, levanta daí. (Agatha)
Eu vou chamar a Kat. Deve estar dormindo ainda. (Meg)
Meg sobe até o quarto.
Já acordada? E arrumou todo o quarto... (Meg)
Algum problema? (Kat)
Que deu em você? (Meg)
Nada. Só que eu estava sem sono. (Kat)
Bom que já tenha arrumado o quarto. Eu e Agatha vamos arrumar a casa. Vai poder nos ajudar. (Meg)
Ainda bem que resolveram arrumar. Tá uma bagunça. (Kat)
Você notou a bagunça?! Minha maninha tá crescendo... (Meg)
Quem sabe. Já tenho dez anos. (Kat)
Meg franze a testa.
Edmont e Angely voltam à pensão.
Que fazem aqui de novo? (recepcionista)
Olha, é dia. Esta pessoa que procuramos não anda no sol. Se nos disser que ele está aqui, não precisa se preocupar. (Edmont)
Já disse que não está aqui! (recepcionista)
É esta pessoa. Está provavelmente sozinho. (Angely)
Angely entrega um papel a pessoa.
Não, eu não sei quem é. Vão embora. (recepcionista)
Tudo bem. A gente vai achar, com ou sem sua ajuda. (Edmont)
Saem do hotel.
Continue assim. Se disseres uma só palavra, já sabes o que ele te fará. (Beatrice)
Por que estão procurando? (recepcionista)
Não sabes mesmo? (Beatrice)
Caça-vampiros? (recepcionista)
Hoje iremos embora. Não precisarás mais temer toda vez que ouvires barulhos. (Beatrice)
Por que está com ele? (recepcionista)
Não te intrometas nisto. (Beatrice)
Posso me proteger, não podem andar de dia. (recepcionista)
Sol tem só doze horas. As outras doze são da lua. (Beatrice)
Não pode me ameaçar. Logo serão pegos. (recepcionista)
Não me ameaces tu. Se ele é ruim, eu sou pior. (Beatrice)
Beatrice volta ao quarto. Passa a mão nos cabelos de Elian, que dorme.
Não te vão pegar. Não vão. (Beatrice)
Beatrice se deita na frente de Elian, de costas. Elian abraça Beatrice. Beatrice fecha os olhos.
Mais tarde, Edmont e Angely estão na lanchonete. Angely olha no relógio.
Elas tão demorando, né? (Angely)
Angely, são quatro e meia agora. (Edmont)
É, já era pra estarem aqui. (Angely)
Você é que tá com pressa. (Edmont)
Edmont olha no relógio também. Agatha e Meg chegam.
Ê, Edmont... (Agatha)
Ah, oi... (Edmont)
Vocês estão meio atrasadas, né? (Angely)
Edmont pisa no pé de Angely.
Foi só meia hora. (Meg)
Estavam assim com tanta saudade? (Agatha)
Angely dá uma risada tímida. Meg e Agatha se sentam. Aurium, em sua forma alada, vê. Olha para o céu e balança a cabeça. Na MEAK, Mel está em seu quarto.
Como que você pode lembrar tanto aquela desgraça? (Mel)
O pássaro chega à janela e Mel se assusta. Pega a bolsa, tira o bloco e vê o recado: Beatrice está viva, se podemos dizer isso deles.
Não pode ser... (Mel)
Mel escreve no bloco, coloca na bolsa e entrega a Aurium. Aurium voa até a janela do quarto de Kat. Kat pega a bolsa, tira o bloco e lê: Venha aqui, o mais rápido que puder. Coloca o bloco dentro da bolsa. Aurium pega a bolsa e some.
Ei, onde pensa que vai???... Por que ela quer que eu vá lá? (Kat)
Kat vai até a MEAK.
Que está procurando no computador? (Kat)
Beatrice cresceu três anos em dois. Não há nenhuma doença que se relacione a isso. (Mel)
Isso deve ter algo com o sobrenatural. (Kat)
É, pode ser. (Mel)
Mas, não foi pra isso que me chamou aqui. (Kat)
Foi outro sonho, ou viu? (Mel)
Sonho. Mas por que está perguntando? Não acredita? (Kat)
Não, não é isso. Tá tudo muito confuso. Eu consegui o endereço da pessoa que fez o parto. (Mel)
Acha que ele pode ajudar em alguma coisa? (Kat)
Talvez saiba por que Lara morreu e também o que fez Beatrice crescer mais rápido do que deveria. (Mel)
Isso não vai nos ajudar a pegar o vampiro. (Kat)
Tem algo errado com Beatrice, e eu tenho que descobrir o que é. É bom descobrir, pra saber o que vamos enfrentar. (Mel)
Por quê? (Kat)
Vem ou não vem? (Mel)
Vamos. De moto? (Kat)
Fazer o que, né? (Mel)
Vamos logo, antes que escureça. (Kat)
Mel e Kat saem.
18:00. Angely e Edmont levam Meg e Agatha pra casa.
Nem vi o tempo passar. (Meg)
É... Edmont, temos algo pra fazer, lembra? (Angely)
Edmont continua beijando Agatha.
Acho melhor arranjar um balde de água fria. (Meg)
Edmont... (Angely)
Que é? (Edmont)
Eu sei que você não queria desgrudar dela, mas temos uma coisa pra fazer. (Angely)
Do que ele está falando? (Agatha)
Teste vocacional. (Edmont)
Vamos? (Angely)
Nem se despede? (Meg)
Angely dá um sorriso sem graça. Meg beija Angely. Edmont volta a beijar Agatha.
Até outra hora. (Angely)
Até. (Meg)
Edmont... (Angely)
Tá, eu já tô indo. Edmont se vira para Agatha Tchau. (Edmont)
Tchau. (Agatha)
Continuam se beijando. Angely olha pro céu.
Caralho, que barata enorme... (Meg)
Agatha gruda no braço de Edmont. Edmont ri.
É, eu também já descobri que ela tem medo. (Meg)
Agatha encara Meg. Edmont dá mais um beijo em Agatha e sai. Angely segue.
19:00. Elian acorda.
Eu tombei. (Elian)
Disseste que íamos embora. (Beatrice)
E vamos. (Elian)
Hoje? (Beatrice)
Se quiseres... (Elian)
Não vamos precisar pagar a conta. (Beatrice)
Alguém bate à porta. Elian se levanta, vai até a porta e abre.
Meu Deus, você podia vestir uma roupa antes de fazer isso! (homem)
Posso ajudar? (Elian)
Sabe onde está a recepcionista? Eu vou sair hoje... (homem)
Ela está aqui. Entre. (Elian)
Se eu soubesse que elas participavam de festinhas, eu tinha chamado. (homem)
A pessoa entra. Elian fecha a porta. Um grito.
22:00. Angely e Edmont estão em casa.
Por que será que ela não voltou até agora? (Angely)
Sei lá... Melhor nós continuarmos a caça. (Edmont)
Mel chega com Kat.
Onde vocês foram? (Edmont)
Ver o que há de errado com a pessoa. (Mel)
Que pessoa? (Angely)
Beatrice. (Kat)
Então o certo é o que havia de errado. (Edmont)
Não morreu. (Mel)
Tá viva?! (Angely)
Bom, não exatamente. (Kat)
Então agora ela... É... (Angely)
Exatamente. (Kat)
Mas, foram atrás do que? (Edmont)
Fomos a pessoa que fez o parto. (Mel)
Quando Lara morreu e Beatrice nasceu? (Edmont)
Também fez o parto de Lara. O que Beatrice tem é hereditário. (Mel)
E o que ela tem? (Angely)
Diz ele que a pessoa cresce três anos a cada dois, isso até os doze anos, quando pára de envelhecer, tendo aparência de dezoito. (Mel)
Isso afeta todo mundo? (Edmont)
Não, disse que não afeta quem é XY, apenas passam o gene com esse defeito para frente, sem apresentar sinal dessa anomalia. (Kat)
Você não disse que não entendia o que dizíamos, Kat? (Edmont)
Andei lendo. (Kat)
Então ela não era uma humana comum. (Angely)
Aí é que eu queria chegar: não sendo comum antes, pode ter se tornado diferente depois da transformação também. (Mel)
Algo além disso? (Edmont)
Nada. Mas acho que tava mentindo sobre algo. (Mel)
Será que ela está com ele? (Angely)
Deve estar. (Mel)
Então temos que encontrá-los. (Edmont)
Vamos ter que matar Beatrice também. (Mel)
Mas ela... (Angely)
Não, Angely. Mel está certa. (Edmont)
Pode ser que não tenha se transformado por opção, mas se está com Elian, isso foi escolha. (Mel)
É que ela só tem doze anos... (Angely)
Melhor irmos pra cidade. Estão matando e não vão parar por si. (Mel)
Janeiro de 2019
Gente, gente! (Kat)
Que foi, Kat? (Angely)
Vocês não vão acreditar a Agatha trouxe uma carta que recebeu pra vocês... (Kat)
Calma, Kat, respira, fala pela boca... (Edmont)
Chegou uma carta daquela gravadora que vocês fizeram teste. (Kat)
Ah, era isso? (Edmont)
Bom, vamos abrir, não custa nada... (Angely)
Edmont pega a carta. Abre. Lê. Entrega a Angely. Senta no sofá. Angely lê a carta também. Joga no lixo.
Que foi? (Kat)
Eles disseram que tocamos bem. Pediram pra irmos fazer mais um teste. (Edmont)
Angely baixa a cabeça.
Que foi? Isso não é bom? Até agora não arranjamos emprego nenhum... (Mel)
Kinyn fazia parte da nossa "banda". (Edmont)
Quando é isso? (Kat)
Daqui à cinco dias. (Edmont)
Como vão encontrar alguém à tempo? (Kat)
Posso tentar. (Mel)
Mas você já fez algo parecido? (Kat)
A primeira coisa que aprendi foi com ela, Edmont. (Angely)
Teria que começar à ensaiar, imagino que não teve muito tempo entre escapar do planeta explodindo, dos militares e caçar um vampiro. (Edmont)
E como vamos encontrar Elian e ensaiar ao mesmo tempo? (Mel)
Deve ser isso. (Kat)
Mais problemas? (Mel)
Ah, que legal, agora que arranjamos algo pra ganhar dinheiro... (Edmont)
Isso o que? (Angely)
O fantasma falou comigo. Disse que Elian ia sumir e que devíamos cuidar das nossas vidas por ora. (Kat)
Como assim? (Mel)
Mas o vampiro vai continuar matando! (Edmont)
Não podemos fazer isso. (Angely)
Ele disse que se não fizermos ele vai tirar nossas memórias e nos transformar em normais. (Kat)
Nós já não somos normais. (Mel)
Bom, ele não disse até onde ia o poder dele. (Kat)
Se fosse tão foda assim, já tinha pego o Elian ele mesmo. (Edmont)
Eu não entendo essa pessoa. Primeiro diz que temos que resolver isso o mais rápido possível. Depois, que temos que arrumar nossas vidas primeiro... (Mel)
Ouvem um latido. Vão até a cozinha. Aurium, que estava em sua forma canina, entra embaixo da mesa, se transforma em pássaro e voa.
Pra onde ele foi? (Kat)
Tem alguma coisa no bloco de anotações. (Mel)
Edmont pega o bloco.
Construam suas vidas. Não podem se dedicar apenas à isso, pois não lhes trará dinheiro. Quando Aurium voltar, vocês retomaram a agência. (Edmont)
Angely pega as chaves no bolso.
Sumiram as chaves que davam acesso ao escritório e ao porão. (Angely)
Nós ainda podemos encontrar ele sozinhos! (Edmont)
Se nos tirar a memória, não podemos. (Mel)
Edmont vai pra sala e se joga no sofá. Angely e Mel se sentam, de cada lado de Edmont. Kat vem da cozinha e para na frente do sofá.
Kinyn não fazia o vocal também? (Kat)
É, fazia. (Angely)
Posso tentar??? (Kat)
Angely e Edmont ficam em silêncio.
Se falarem da minha idade de novo... (Kat)
Nunca te vi cantando. (Edmont)
Eu sei cantar! Eu já participei de coisa na escola, me disseram que sou boa! (Kat)
Algum tempo, algum lugar
Falaram disso. Mas foi assim? A pessoa decide e vai?! As pessoas costumam passar anos tentando, em geral desde crianças... (Xien)
Kat era criança. E as outras pessoas tocavam desde crianças. (Uehfo)
Eu disse tentando, não treinando. (Xien)
Vocês não eram da raça humana, tinham ouvidos muito melhores. Não ia ser difícil agradar. Agora vamos tentar pular essa parte, não tem importância. (Uehfo)
Xien coloca a mão na testa. Cambaleia. Cai no chão. Olha pra Uehfo.
Caralho... (Xien)
Legal. Continuemos. (Uehfo)
Começo de 2021
No jardim da MEAK, está todo mundo. Meg encostou-se em Angely, numa rede de dormir. Edmont deitou-se com a cabeça no colo de Agatha, que sentou-se no chão, encostou-se em uma árvore. Mel em outra rede e Kat em cima da árvore.
Nossa, eu nem acredito! (Edmont)
Kat, desce daí! (Meg)
Eu já tenho doze anos, subo onde quiser! (Kat)
Tá vendo? Deixou ela entrar na banda, agora se acha independente... (Agatha)
Um brinde a essa voz mirim e às pessoas mais parecidas e mais diferentes que existem no mundo! (Mel)
E também a você, que tem um fôlego enorme! (Edmont)
Adoro Saxofone. Ficar duas horas beijando é mais difícil. (Mel)
Ele fica mais tempo fazendo outras coisas... (Agatha)
Mel levanta e cambaleia um pouco.
Gente, vou pra casa, tá? (Mel)
Você tá bem? (Angely)
Tô, tô sim. Eu só quero ir pra casa. (Mel)
Mel sai.
Vocês perceberam que passou um pouco do ponto? (Edmont)
Ainda bem que estamos em casa. (Angely)
Kat desce da árvore e vai atrás de Mel.
No dia seguinte, Edmont e Angely chegam em casa.
Mel! (Edmont)
Kat! (Angely)
Mel veio pra cá, eu vim também, não queria ser vela. (Kat)
Mel tá bem? (Edmont)
Tava meio mal, mas com um banho e um café melhorou. (Kat)
Vai voltar pra casa agora? (Angely)
Na verdade, eu preciso falar com vocês. (Kat)
Fale. (Angely)
Estou esperando Mel acordar. Eu preciso falar com vocês três. (Kat)
Não vai querer fazer carreira solo, vai? (Edmont)
Quanto à isso não precisa se preocupar. (Kat)
Que horas são? (Mel)
Mel desce a escada.
Dez da manhã. (Angely)
Agora pode dizer o que queria falar, Kat. (Edmont)
Bom, lembram daquele negócio da MEAK? (Kat)
De novo isso... (Mel)
Nós já tentamos arrombar a porta, Kat. E tentamos achar a pessoa. E tentamos achar Elian. (Edmont)
Eu nunca mais tinha tido aqueles sonhos, lembra? (Kat)
É, e nós não recebemos mais recados. (Mel)
Aurium também não voltou mais. (Edmont)
Ontem eu tive um daqueles sonhos estranhos. (Kat)
Mas o que te garante que não era apenas um sonho? Todo mundo tem sonhos estranhos. Principalmente tendo passado pelo que você passou. (Edmont)
Eu sei que não era só um sonho. (Kat)
Como pode... (Mel)
Aurium pousa na janela.
Não pode ser... (Mel)
Faz dois anos. (Edmont)
Aurium? (Kat)
Aurium desce ao chão, vai pra baixo da mesa e se transforma em cachorro. Edmont pega o chaveiro e vê as outras chaves. Aurium pega a chave de Kat da bolsa e entrega a Kat.
Por que demorou tanto? (Edmont)
Ficam em silêncio por algum tempo.
Kat, como era seu sonho? (Mel)
Na cidade. (Kat)
Numa cama de hotel, Beatrice sentou-se olhando para a janela. Elian deitou-se.
De volta ao começo. (Beatrice)
Não esqueceste por que voltamos, esqueceste? (Elian)
Beatrice olha para o alto. Suspira fundo. Vira-se para Elian.
Porque não esqueces deles. (Beatrice)
Elian cruza os braços.
Poderia. Eles nos esqueceram. (Beatrice)
Não posso deixar aqueles moleques por aí. Viste a última letra? (Elian)
É ridículo. Viraram uma banda. Não vai ser difícil. (Beatrice)
Eu já sei quem vou atingir primeiro. Alguém que já me viu, viu algo em mim. (Elian)
Isso é passado. Essa parte de nós morreu. Nós matamos. Matar é minha palavra preferida. (Beatrice)
Matar, medo, sangue... (Elian)
Se beijam.
Melody. Deve estar com vinte e seis agora, não? (Beatrice)
Exatamente. (Elian)
Se pensares em... (Beatrice)
Ela bem que é bonita. (Elian)
Beatrice se levanta da cama.
Ela é uma humana. Só uma humana. (Elian)
Elian se levanta, joga Beatrice na cama e sobe em cima.
Lembras disso? (Elian)
Lembro. (Beatrice)
Repitas o que disseste então. (Elian)
Danem-se todos os humanos! (Beatrice)
De tarde, Mel, Edmont, Angely e Kat estão em uma lanchonete.
Quer dizer que estão num hotel de luxo? (Edmont)
E estiveram aqui ontem. (Kat)
Ei, eu conheço vocês... (garçonete)
Não, você não conhece. (Edmont)
É, eu já tava reconhecendo... (garçonete)
Por favor, não fale. (Edmont)
Vocês quatro poderiam assinar meu caderno? (garçonete)
Tá, mas não fale pra ninguém, tudo bem? (Mel)
A pessoa pega um caderno e cada pessoa assina.
A música de vocês é muito legal. (garçonete)
Obrigado... Escuta, podia nos dar uma informação? (Edmont)
Sim? (garçonete)
Viu essa pessoa aqui ontem? (Mel)
Mel pega a folha antiga, o desenho de Elian, e entrega a pessoa.
Chegou com uma garota, mas eles brigaram e ela saiu com um outro cara e ele saiu com uma outra, que parecia pouco mais velha. (garçonete)
Alguém veio procurando? (Edmont)
Não. (garçonete)
Agradecemos. Pode nos trazer a conta? (Mel)
A pessoa vai até o balcão.
Era teatro, com certeza. Não iriam brigar num bar. (Edmont)
Se estão num hotel de luxo, melhor começarmos a procurar. (Angely)
Noite. Angely e Mel entram em um hotel da cidade.
Oi, precisamos de uma informação... (Angely)
Não damos informações sobre os clientes do hotel. (recepcionista)
Só queremos saber se esta pessoa esteve aqui. (Mel)
Mel coloca o desenho sobre o balcão. A pessoa olha e empurra o desenho.
Já disse que não sou autorizada à dar informações. (recepcionista)
Viu? Eu não disse? Pagou... Como pôde me abandonar assim??? (Mel)
Mel coloca as mãos no rosto e finge chorar.
Senhora, por favor, pare com isso. (recepcionista)
Me desculpe, sabe como é, pessoas nessa situação choram fácil. (Angely)
Grávida? (recepcionista)
Como eu vou criar essa criança sem ajuda agora?! (Mel)
Calma, nós vamos descobrir onde está... (Angely)
Ele saiu. Mas a garota que estava com ele ainda está aí. (recepcionista)
Meu Deus, deve ser aquela criança... (Mel)
Criança?! (recepcionista)
É, uma pessoa de 12 anos que sumiu junto... Poderia dizer onde está? (Angely)
12 anos?! Isso é pedofilia. (recepcionista)
Não liga muito pra isso. (Mel)
Quarto quinhentos e três. Não falem pra ninguém, certo? (recepcionista)
Tudo bem, obrigada. (Angely)
Angely e Mel pegam o elevador.
Devíamos atuar... (Mel)
Como pensou tão rápido? (Angely)
Eu? Pensei em fingir que me abandonou, quem pensou na história da gravidez foi você. (Mel)
Na verdade, foi a pessoa na recepção. Não gostei disso. Na próxima, você vai com Edmont. (Angely)
Chegam ao andar. Vão até o quarto.
Bom, você se esconde e eu bato. (Mel)
Por que? (Angely)
Falo que sou do hotel. Beatrice nunca me viu. (Mel)
Tudo bem. (Angely)
Mel vai até a porta.
Serviço de quarto! (Mel)
Ninguém atende. Mel arromba a porta. Angely encara Mel. Olham todo o apartamento. Melody entra no banheiro.
Droga. (Mel)
Que foi? (Angely)
Angely vai entrar no banheiro, mas Mel sai e fecha a porta.
Uma pessoa do hotel. (Mel)
Morreu? (Angely)
Não precisa ficar assim. (Mel)
Atrasamos de novo. (Angely)
São inteligentes. E nós somos iniciantes. (Mel)
Não seríamos se tivéssemos continuado. (Angely)
Não conseguimos. Vamos pra casa. Temos que planejar isso direito. (Mel)
Descem o elevador. Passam direto pela recepção. A pessoa da recepção corre atrás. Toca o ombro de Mel.
Então? (recepcionista)
Mentimos. (Mel)
Vou chamar a polícia. (recepcionista)
Vai precisar. (Mel)
Vocês são loucos... (recepcionista)
Não, estávamos caçando vampir. (Mel)
Ah??? (recepcionista)
E se acha que vampirs não existem, sobe no quinhentos e três. (Mel)
De madrugada, Edmont chega em casa.
Nada? (Angely)
Definiu a noite. (Edmont)
E Kat? (Angely)
Levei em casa. Agatha e Meg já estavam dormindo. (Edmont)
Nós descobrimos onde tinham se hospedado. (Mel)
Mas não adiantou, tinham fugido. (Angely)
Que legal... (Edmont)
Adiantou sim. (Mel)
Mel mostra um cartão. Ouvem um barulho.
Que isso??? (Mel)
Vem do porão... (Edmont)
Vão até a cozinha e descem pelo alçapão. No meio do porão, Jak sorri.
Quem é você? (Angely)
Podem me chamar de Jak. (Jak)
Que tá fazendo aqui? (Edmont)
Não acham estranho alguém entrar aqui sem chave? (Jak)
Fantasma. (Mel)
Assim tá me ofendendo. (Jak)
Por que tudo isso? (Edmont)
Escolhi vocês. (Jak)
Deveríamos ficar felizes por isso? Roubou nossas vidas. (Mel)
Não. Eu dei-lhes um opção. Vou deixar vocês tentarem. Se decidirem continuar, continuem... (Jak)
E se não quisermos? (Mel)
Daí voltarão aquele dia em que receberam meu recado. (Jak)
Vão morrer? (Angely)
Não posso prever o que iria acontecer. (Jak)
Mas nós seremos como éramos? (Edmont)
Exatamente. (Jak)
Por que decidiu aparecer agora? (Angely)
Acho que estão meio sem treino. (Jak)
E vai nos treinar? (Edmont)
Não sei. (Jak)
Por que tem que falar tão vagamente? (Mel)
Porque não depende só de mim. (Jak)
Julho de 2021
Mais dois anos e meio e estamos fora da escola! (Meg)
Ainda bem que temos a empresa. (Agatha)
Eu ainda tenho dez anos e meio pela frente. (Kat)
Não, Kat. No ritmo que você vai, tem apenas cinco anos. (Meg)
Só por que eu estudo em casa? (Kat)
Foi o que me disseram seus professores. Que você está voando com o que aprende. E, bom, sua especialização você praticamente já está fazendo. (Meg)
Edmont e Angely também fizeram isso. (Agatha)
Odeio ser humana. (Meg)
Falando neles, percebeu como têm estado distantes ultimamente? (Agatha)
É... Eles não iam dar um tempo na banda? (Meg)
Iam... Será que eles estão ensaiando? (Agatha)
Vamos lá? (Meg)
Boa idéia... (Agatha)
Posso ir com vocês? Eu queria falar com Mel... (Kat)
Bora. (Meg)
Vão até a quarta casa. Tocam a campainha, ninguém atende. Dão a volta na casa. Agatha olha para Edmont e Angely lutando e se enfia no meio. Edmont baixa a espada e encara Agatha.
Não precisam fazer isso!!! (Agatha)
Isso o quê? (Edmont)
A gente só tá treinando. (Angely)
Manter a forma física é uma boa ideia para tocar. (Edmont)
Ah... Tá.... (Agatha)
Agatha sai da frente. Edmont joga a espada no chão e abraça Agatha. Kat vai até Mel, que está treinando arco e flecha.
Estão treinando desde de manhã? (Kat)
Estamos revezando. Cada vez alguém vem aqui treinar mira e as outras duas pessoas treinam luta. (Mel)
Mel atira uma flecha e erra.
Quantas já acertou? (Kat)
Nenhuma. Sou uma bosta nisso. Sirvo mesmo pra espada. O que Agatha e Meg vieram fazer aqui? (Mel)
Ver Edmont e Angely, o que mais poderia ser? Também andei treinando, aquele negócio do desmaio. Estou dominando isso um pouco mais. (Kat)
Que bom. Cada pessoa treina sua parte. (Mel)
Repararam que Edmont e Angely estão mais ausentes. Acredita que acham que é por causa da banda? (Kat)
Mel dá uma risada curta e balança a cabeça.
Não é isso, né? Não treinam sem mim, né? (Kat)
Não, Kat. (Mel)
Disseram também que só levarei mais cinco anos pra me formar. (Kat)
É, tá certo. Vai se formar com dezessete, e não vinte e dois. (Mel)
Legal. Tive mais um sonho. (Kat)
Porra, até que enfim! (Mel)
Acho que já tá na hora de vocês entrarem em ação. Tenho aula agora. Vou indo, tchau. (Kat)
Tá, nos vemos outra hora então. (Mel)
Kat sai.
Tempo para o lanche, podem ficar aí namorando, crianças. (Mel)
Mel entra.
Por que não contratam uma empregada? (Agatha)
A gente pode cuidar da nossa casa. (Edmont)
Tá vendo? É melhor casarmos, antes que escapem... (Meg)
Mel sai procurando nos hotéis onde Elian e Beatrice poderiam estar. Com Agatha e Meg, Edmont e Angely passeiam pela cidade, procurando também o casal de vampirs. Kat está no meio da cidade.
Tem alguém aqui? (Kat)
Ora, ora, ora... (Elian)
Droga. (Kat)
Fiquei sabendo que fazes sucesso... (Elian)
Kat vai fugir, mas Beatrice aparece atrás.
Desististe de nos caçar? (Beatrice)
Sabes que cheguei a pensar que estivesses morta? (Elian)
Mas nos parece que não sossegaste no túmulo. (Beatrice)
Vão me matar? (Kat)
Precisamos de uma isca. (Elian)
Será que matar um banda famosa nos deixará mais famosos? (Beatrice)
Não sei. Mas eu vou adorar. (Elian)
Enquanto isso, Mel está em um hotel.
Eu preciso muito saber... (Mel)
Já disse que não! (recepcionista)
A pessoa pega o desenho, amassa e atira longe. Mel encara. A pessoa dá um passo para trás. Mel sai. Outra pessoa pega o papel. Corre até Mel.
Ei, você... (Elisa)
Que é?! (Mel)
Caça-vampiros? (Elisa)
Como sabe? (Mel)
Meu nome é Elisabeth. E o seu? (Elisa)
Melody. Pode me chamar de Mel. (Mel)
Bom, então pode me chamar de Elisa mesmo. (Elisa)
Tá... Como sabe o que sou? (Mel)
Também estou atrás dele... (Elisa)
Elisa devolve o papel.
De onde você é? Seu sotaque não parece daqui. (Mel)
Moçambique. Atravessei o mar. Quer dizer que voltaram mesmo pra cá... (Elisa)
Que sabe sobre? (Mel)
Normalmente atacam igrejas e conventos. (Elisa)
Não faz sentido. (Mel)
É, ele querem ficar famosos e temidos.Tenho impressão que sempre querem. Você ganha a eternidade, podia usar estudando, pintando ou virando especialista em botos cor-de-rosa. Nunca pego um desse, é sempre a mesma bosta de "quero ser temido", "quero governar o mundo", "quero destruir o mundo". Sempre fazem questão de pintar alvos na bunda. Esses estão conseguindo fazer fama. (Elisa)
Como assim? (Mel)
Tem vários atrás deles. Principalmente pelo número de caça-vampiros que eles mataram, torturando e enlouquecendo. (Elisa)
Disso eu não sabia. (Mel)
Não faz muito tempo que você é caça-vampiros, faz? (Elisa)
Na verdade são o primeiro caso que estou atrás. Tudo o que sei até agora é teoria. (Mel)
Iniciante... Três hipóteses: está tentando fazer fama, é muito corajosa ou eles mataram alguém que você conhecia. (Elisa)
Descarte a primeira. (Mel)
Elisa franze a testa. Desfranze e arregala os olhos.
Peraí, acho que eu sei quem você é... (Elisa)
Saturn. (Mel)
Mas por que está nisso? (Elisa)
As duas segundas hipóteses. (Mel)
Eles também estão nisso? (Elisa)
Angely e Edmont? Sim... (Mel)
Pena que eles tenham namoradas. (Elisa)
Bom, temos alguém pra caçar. (Mel)
Você não é de sangue, né? (Elisa)
O que isso quer dizer? (Mel)
É complicado. Melhor caçar primeiro, depois explico com calma. (Elisa)
Edmont e Angely encontram Mel.
Ué, cadê Kat? (Angely)
Pensei que estivesse em casa. (Mel)
Ai, caralho, Kat não... (Edmont)
Talvez ela tenha pensado em ir sozinha procurar os vampiros. (Elisa)
Elisa. Bom, não preciso apresentar. (Mel)
De perto são ainda mais... Parecidos. (Elisa)
Aí que você se engana, de perto é que percebe o tamanho diferença. (Mel)
Se importa se nós não falarmos disso agora? (Edmont)
Tá, desculpa. (Elisa)
Desculpe você, é que nós estamos com preocupação com Kat. (Angely)
Tudo bem, eu entendo. (Elisa)
Se encontram, 10h da manhã, em uma lanchonete.
Isso tá ficando sério. (Edmont)
Melhor irmos em casa. Quem sabe não voltou lá? (Angely)
Vou ligar pra Meg e Agatha. (Mel)
Mel pega o telefone na bolsa e liga pra casa de Meg.
É Mel. ### Kat tá aí? ### Não, é que saiu com Angely e Edmont e não voltou ainda. ### Não têm juízo... ### Tá, quando voltarem eu aviso. ### Tchau. (Mel)
Nada? (Elisa)
É, parece que aconteceu alguma coisa. (Edmont)
Acorda, gente, eu tô falando pra gente voltar na MEAK. (Angely)
Não custa tentar. (Mel)
Bom, nós vamos procurar pela cidade e vocês vão verificar lá em casa. (Edmont)
Mel e Edmont pegam as motos e saem.
As namoradas de vocês sabem o que vocês são? (Elisa)
Não, não sabem que caçamos vampirs. (Angely)
Elas não ficam com ciúmes? (Elisa)
Será? (Angely)
Angely pega a moto, Elisa sobe na garupa e saem também. Algum tempo depois, na MEAK.
Kat? (Angely)
Angely anda pela casa. Elisa segue.
Kat! (Angely)
Acho que ela não está aqui. (Elisa)
Angely pega uma pedra enrolada em um papel no chão. Tem sangue espirrado no papel.
Ops... Carregueis uma cruz, cada um, a partir de agora.
Elisa! (Angely)
Com eles entraram? (Elisa)
Não entraram. Kat trancou a porta do quarto ontem de tarde e saiu pela janela. (Angely)
Então ela mora com vocês? (Elisa)
Não, saiu da casa que mora desse jeito. (Angely)
Quando perguntei como entraram, estava me referindo a esta casa. (Elisa)
Atiraram lá de fora. A janela tá quebrada. (Angely)
Será que mataram a menina? (Elisa)
Algum tempo, algum lugar
Ok, a gente ganhou fama. Isso não iria nos atrapalhar? (Xien)
Assistiu Miss Simpatia? (Uehfo)
Ah? (Xien)
Vocês tinham fama com música. Que caçavam, só quem tavam atrás sabia. (Uehfo)
É isso que acontece nesse filme? (Xien)
Não, se ferra porque todo mundo sabe das duas coisas. (Uehfo)
E como a gente foi... (Xien)
Uehfo sorri e some. Xien suspira fundo, com desânimo.

Resumo do Capítulo

Elian e Beatrice ficam em uma pensão. Elian segue Edmont, e mata Kinyn, amiga deles com quem tentavam montar uma banda. Descobrem que o cachorro que aparecera para Katerine como mensageiro - Aurium - pode se transformar em um pássaro dourado. Edmont e Angely fazem testes vocacionais. Kat descobre em sonho que Beatrice virou vampira. Os dois recebem uma carta de uma gravadora, um convite para fazer um novo teste. O fantasma os impede de continuar a agência durante dois anos, dizendo que Elian e Beatrice sumiriam. Nesse meio tempo, os quatro acabam montando a banda, chamada Saturn. Porém Elian não consegue se livrar da obcessão de matá-los, então Beatrice e Elian, que tinham ido embora, voltam. Os quatro conhecem Jak, o fantasma. Mel conhece uma caçadora de vampiros que está atrás dos dois. Elian e Beatrice pegam Kat.

Dara Keon