Elos fracos
MEAK
A08

Elos fracos ler resumo

Tarde. Angely está no corredor dos quartos. Mel sobe a escada. Olha para Angely e cruza os braços.
Já falamos que não pode ficar andando pela casa. (Mel)
Mel, eu já tô legal, não precisa... (Angely)
Eu vi o tamanho do buraco que eu fiz no seu estômago. Só passou uma semana e você já quer ficar andando? Volta pro seu quarto. (Mel)
Eu não preciso de babá... (Angely)
Daqui a pouco vai querer fazer show desse jeito! Você tem que descansar! (Mel)
Eu já tô bem... (Angely)
Você poderia ter morrido. (Mel)
Sabe que não... (Angely)
Volta já. Vai. (Mel)
Angely respira fundo, solta os ombros. Volta pra o quarto. Olha pela janela.
Deita aí na sua cama, sossega. (Mel)
Angely olha para a cama.
Mas e se acontecer alguma coisa? (Angely)
Os shows foram adiados e não temos nenhum problema na agência. Se aparecer algum problema ainda tem a gente. Não precisamos que você se fira mais do que já aconteceu. Deita e descansa. (Mel)
Mel, eu preciso falar com você. (Kat)
Viu? Tem problemas! (Angely)
Angely, tem uma visita pra você. (Kat)
Dara entra no quarto.
Oi. (Dara)
Fala a verdade, vocês mandaram só pra me vigiar... (Angely)
Olha, me desculpa por... (Dara)
Não precisa pedir desculpa. Aliás, queria te agradecer. Bela pontaria. (Angely)
Eu quem atraí aquilo, eu que tinha que botar ele pra correr. (Dara)
Você voltou pra casa? (Angely)
É, meus pais arranjaram um psiquiatra pra mim. Pelo menos a Denise nem entra mais no meu quarto. (Dara)
É, você não se dá bem com Denise mesmo, né? (Angely)
Se seu irmão fosse metido daquele jeito, também não se daria bem com ele. (Dara)
A pior coisa é ter que ficar dentro do quarto. (Angely)
Foi num médico de humanos, deu nisso. (Dara)
Angely franze a testa.
Edmont me contou tudo. (Dara)
Como assim? (Angely)
Sobre vocês, principalmente de onde tiraram o nome pra banda. (Dara)
Tudo mesmo? (Angely)
Seu pai, sua mãe, Kat, Egito, Jak... (Dara)
Não era pra contarmos pra ninguém. (Angely)
Não confia em mim? (Dara)
Angely dá meio riso.
Sabe onde está Edmont? (Angely)
Grudado naquela coisa daquela namorada dele. (Dara)
Tem alguém ali que você goste? (Angely)
Não é minha espécie preferida. Tenho que olhar todo dia pra uma no café da amanhã. (Dara)
Na sala...
Como vamos provar que tá se atirando em Angely? (Kat)
Não sei, talvez se deixássemos entrar no quarto... (Mel)
Duvido que fosse perder uma chance dessas. (Kat)
Tô pensando como. (Mel)
Poderíamos fingir que vamos sair e deixar aí. (Kat)
Isso daria muito na cara. (Mel)
Bom, podemos dizer que estamos indo pra gravadora e pedir pra impedir que Angely faça esforço. Mas Angely não vai querer ajudar a gente. (Kat)
Temos que fazer sem, antes que dê merda. Vai ser pior. (Mel)
Acha que Angely... (Kat)
Hoje à noite? (Mel)
Tá. (Kat)
Opa, o que tem hoje a noite? (Edmont)
Agatha entra atrás de Edmont. Dara desce a escada. Agatha abraça e beija Edmont.
Bom, gente, eu já tô indo. (Dara)
Já? (Edmont)
É. Tchau Mel, tchau Kat, tchau Edmont. (Dara)
Dara sai.
Essa garota é mesmo antipática. (Agatha)
Edmont, nós temos que ir até a gravadora. (Mel)
Agora? (Edmont)
É, agora. (Kat)
Mas quem vai ficar aqui com Angely? (Edmont)
Eu fico. (Agatha)
Não precisa, já está melhor. (Mel)
Bem melhor. (Kat)
Mas no hospital mandaram ficar na cama e não tá querendo obedecer... (Edmont)
É, ele não gosta de ficar parado. Nenhum dos dois nunca foi muito de gostar de cama. Exceto quando estão mesmo dormindo, porque aí é um inferno acordar. (Agatha)
Tem certeza que quer ficar aqui? (Mel)
Cuidando de Angely? (Kat)
Tudo bem, eu faço isso. (Agatha)
Eu posso ir com vocês... (Angely)
Que tá fazendo aqui? (Edmont)
Vem, eles vão sair e eu vou cuidar pra não ir parar no hospital de novo. (Agatha)
Agatha pega Angely pelo braço e sobe a escada.
Eu não preciso de babá! (Angely)
Precisa sim! (Edmont)
Vamos? (Edmont)
Tá. (Mel)
Saem. Edmont vai até o carro.
Edmont, nós vamos fingir que estamos indo à gravadora, deixamos o carro na casa de Kat e voltamos a pé. (Mel)
Como assim? (Edmont)
Faz o que Mel diz. (Kat)
Agatha chega no quarto com um copo d'água. Angely pega o copo e bebe. Deita na cama. Fecha os olhos. Agatha encosta na porta.
Quanto tempo eu vou ter que ficar aqui? (Angely)
Estamos sozinhos. (Agatha)
Angely abre os olhos.
Pensei que tivesse esquecido isso. (Angely)
Eu, esquecer? (Agatha)
Agatha senta em cima de Angely.
Que tá fazendo? (Angely)
Vai mesmo dizer que não sabe? (Agatha)
Agatha abaixa para beijar Angely. Angely empurra Agatha e sai da cama para o chão.
Agatha, pára com isso. (Angely)
Qual é o problema? (Agatha)
Você namora Edmont. Vocês decidiram ser mono... (Angely)
Seu irmão não está aqui. (Agatha)
Não pode trair Edmont. (Angely)
Qual o problema com uma traiçãozinha de nada? (Agatha)
De nada?! (Angely)
É homem como os outros, não é? (Agatha)
Não sabe do que Edmont é capaz. (Angely)
Ele nem vai saber. (Agatha)
Agatha se levanta da cama e desabotoa a própria blusa. Angely levanta do chão e dá passos para trás.
Não pensei que fosse reagir assim. (Agatha)
Por que tá fazendo isso? (Angely)
Agatha se aproxima de Angely.
Por que uma garota quer ficar com um cara? (Agatha)
Edmont é igual a mim. (Angely)
Será? (Agatha)
A gente tem a mesma cara, não é óbvio? (Angely)
Não são iguais, ele não foge de mim. (Agatha)
Vocês namoram, Edmont não estaria traindo a confiança de alguém por isso. (Angely)
Só um detalhe. (Agatha)
Não me faça agir com estupidez... A gente se conhece desde criança, vocês se gostam... (Angely)
Edmont e Mel sobem a escada. Edmont vai até a porta. Angely afasta Agatha.
Você? Estúpido? (Agatha)
Angely empurra Agatha. Agatha cai na cama.
Vai me machucar? (Agatha)
Se for necessário. (Angely)
Legal. Posso medir quem de vocês é melhor. Já amarrou alguém? (Agatha)
Agatha se levanta. Atrás da porta, Edmont se senta a porta e apoia a cabeça nas mãos. Mel desvia o olhar da porta e olha para Edmont.
Eu não... Era para te afastar. (Angely)
Esperava me afastar só com isso? (Agatha)
Agatha, eu não queria te machucar... (Angely)
Ah, bom. Comecei a achar que isso era tudo que tinha. (Agatha)
...mas, por favor, sai daqui. (Angely)
Por quê? (Agatha)
Angely respira fundo.
Preciso mesmo dizer? (Angely)
Angely pega a mão de Agatha e leva para a cama. Se sentam.
Agatha, você namora com Edmont, não podemos ter nada. (Angely)
E se eu desmanchasse com ele? (Agatha)
Vocês se amam! Que viagem é essa??? (Angely)
É assim que as coisas funcionam. (Agatha)
Se você sente atração por outras pessoas, porque não fala com Edmont sobre isso?! (Angely)
Está se preocupando à toa, seu irmão vai demorar. (Agatha)
Agatha vem chegando mais perto de Angely, Angely vai tentando se afastar e acaba deitando na cama, Agatha em cima de Angely.
Voltando ao ponto inicial. (Agatha)
Eu nunca trairia Edmont. (Angely)
Mas não vai ser você quem vai estar traindo, vou ser eu. (Agatha)
A porta vem abaixo. Edmont. Agatha e Angely se levantam da cama bruscamente.
Eu te mato. (Edmont)
Calma... (Angely)
Edmont tenta pegar Agatha, mas Angely segura Edmont contra a parede.
Tira Agatha daqui, Mel! (Angely)
Mel pega Agatha pelo braço e correm do quarto. Descem a escada. Saem.
Entra no carro. (Mel)
Por que? (Agatha)
Entra logo... respira fundo Entra antes que eu desista de te tirar daqui. (Mel)
Agatha entra no carro. Mel entra. Dá a partida. Arranca. Edmont aparece na varanda. Pula da varanda. Entra no porão pela porta de trás. Abre um armário. Angely chega ao porão.
Que vai fazer? (Angely)
Vou atrás daquela maldição. (Edmont)
Edmont pega um espada.
Não é assim que vai resolver isso! (Angely)
E como vai me impedir? (Edmont)
Essas armas não foram feitas pra isso. (Angely)
E daí? (Edmont)
Eu sei que Agatha tentou te trair, mas... (Angely)
Não percebeu o jeito como falava?! Acha mesmo que é a primeira vez que faz isso?! Você é mesmo muito inocente. (Edmont)
Edmont, por que simplesmente não termina? (Angely)
E todo aquele teatro de estar com ciúmes! Toda essa merda humana de monogamia, pra ir atrás de outras pessoas pelas minhas costas! Depois de a gente crescer junto!!! Eu achei que conhecia Agatha!!! Eu amava essa desgraça!!! Vou terminar, sim. Com a vida de Agatha. (Edmont)
Vai matar só por isso? (Angely)
Me traiu. É isso que merece. (Edmont)
Pensa, Edmont! (Angely)
Mentiu. Eu não admito mentiras. (Edmont)
Edmont sai do porão. Angely senta em um banco.
Não vai encontrar. (Angely)
Angely, o que aconteceu? (Kat)
Você e Mel armaram isso? (Angely)
Kat cruza os braços.
Não podíamos deixar enganar Edmont assim. (Kat)
Angely suspira. Olha para o teto. Levanta e olha para Kat.
Edmont vai matar Agatha se encontrar. (Angely)
É natural ficar com raiva... (Kat)
Não no sentido figurado, Kat. (Angely)
Como assim? (Kat)
Por que acharam que eu não queria que falassem? Acharam mesmo que eu queria enganar Edmont? Acharam que eu tava fazendo charme pra Agatha? Acharam que eu queria ficar com Agatha?! (Angely)
Não, Angely, achávamos que você estava com medo de Agatha virar Edmont contra nós! (Kat)
Não, vocês tinham esse medo, eu não. Edmont nunca acreditaria em Agatha ao invés de acreditar em mim! (Angely)
Então por que não falou com Edmont? (Kat)
Porque agora Edmont vai matar Agatha! (Angely)
E o que seria melhor, você ajudar Agatha a trair?! (Kat)
Não é isso que estou dizendo, eu estava conversando com Agatha... Eu ia convencer Agatha a falar com Edmont, se Agatha falasse... (Angely)
Você nunca iria convencer e, cedo ou tarde, Edmont iria ficar sabendo! Não é idiota! (Kat)
Angely se senta no banco grande embutido na parede.
Tá, tudo bem, não vai adiantar falarmos nisso agora. Mel deve ligar, dizendo pra onde foram. Espero que Edmont não encontre primeiro. (Angely)
Por que tem tanta certeza que vai matar? (Kat)
Não lembra do que eu falei? Sobre como ficou com raiva de Lisa? Não era sobre Lisa querer ficar com Hery, era sobre Lisa ter fugido simplesmente... (Angely)
Será que não mudou? (Kat)
Nunca tive tanta certeza de alguma coisa. Quando Edmont pegou aquela espada, o ódio no olhar... Era quase como se pudesse sentir de onde estava. (Angely)
Por que não me matou? (Kat)
Você não tinha culpa. Acabou enxergando isso. (Angely)
Nem meu pai. Nem nossa mãe. (Kat)
Às vistas de Edmont, não passavam de traição. (Angely)
Angely olha para o teto. Olhos marejados. Kat baixa a cabeça.
Agatha não merece morrer só por isso. Edmont deveria simplesmente terminar. Além do que, vai pra cadeia, e só por orgulho... (Kat)
Não, Kat, não é orgulho. Foi a traição que subiu o sangue. Acho que tudo voltou. Não quero lutar com Edmont de novo. (Angely)
Mas a luta não era só pela coroa? (Kat)
Edmont não aceitou a luta pela coroa. Sempre soube que acobertei a fuga. Agora vai achar que acobertei Agatha... Não quero ter que lutar contra Edmont de novo... (Angely)
Angely fecha os olhos. As lágrimas descem. Kat se aproxima e abraça Angely.
Olha, eu e Mel estamos aqui pra impedir isso, não vamos deixar lutarem. (Kat)
Kat se senta ao lado de Angely. Deita Angely em seu colo.
Nós não vamos deixar Edmont passar dos limites, não vai pra cadeia e muito menos vai querer lutar com você. (Kat)
Anoitece. O telefone toca. Angely corre e atende.
Alô? (Angely)
Estamos no apartamento de alguém de nome Jeremy, Agatha conhece. Kat tá aí? (Mel)
Tá. Quando vai voltar? (Angely)
Agora mesmo. Agatha vai ficar aqui, é mais seguro. (Mel)
Tá, tudo bem, até. (Angely)
Até. (Mel)
Angely desliga o telefone.
Estão no apartamento de alguém de nome Jeremy, Mel disse que Agatha vai ficar por lá e Mel vai voltar. (Angely)
Deve ser a pessoa que cuida da empresa. (Kat)
Ah? (Angely)
Presidente da empresa. (Kat)
Talvez. (Angely)
Angely se joga no sofá. Edmont chega. Angely levanta.
Vai mesmo continuar com isso? (Kat)
Agatha mentiu. Não aceito mentiras. (Edmont)
Qual vai ser a diferença de matar ou não? (Kat)
Vai acalmar minha raiva. (Edmont)
Só por que te traiu? (Kat)
"Só"? Está defendendo Agatha? (Edmont)
Não, eu só estou... (Kat)
Mentir é maior crime que matar. (Edmont)
Edmont sobe a escada. Angely se deixa cair no sofá. Baixa a cabeça. Kat se senta ao lado de Angely.
Não fica assim. Vamos resolver isso. (Kat)
Fala como se fosse fácil. (Angely)
Eu sei que não é. Mas é melhor nós pensarmos em algo, por que vai ser bem mais difícil tirar Edmont da prisão depois. (Kat)
Tenho pena da Agatha. (Angely)
Agatha falava pra mim que estava traindo Edmont. Falava que ia dizer que estávamos tentando proteger você, que você era quem estava tentando algo! Queria virar Edmont contra a gente e merece o que conseguiu! (Kat)
Kat, você não... (Angely)
Quer saber? Só estou fazendo isso por que não quero ver Edmont na cadeia. (Kat)
Kat se levanta.
Onde vai? (Angely)
Pra casa. Ver se consigo pensar em alguma coisa. (Kat)
Kat vai para a cozinha. Angely se deita no sofá.
Que droga, eu pedi tanto pra Agatha parar... Será que a culpa é minha? Talvez se eu tivesse inventado alguma coisa pra terminarem... Eu não ia conseguir, de qualquer jeito. Devia ter convencido Agatha. (Angely)
Edmont está em seu quarto, na cama.
Me paga... Me paga... Com Angely... Logo Angely... Como pode toda essa fraqueza?... Mas ao menos nisso Angely não cedeu. Nunca iria fazer isso comigo. (Edmont)
Posso entrar? (Angely)
Pode. (Edmont)
Angely entra e senta na cama de Edmont.
Vai mesmo atrás? (Angely)
Assim que amanhecer. (Edmont)
E vai matar? (Angely)
Quando encontrar. (Edmont)
Por que realmente vai fazer isso? (Angely)
Me traiu. (Edmont)
E qual vai ser a diferença? (Angely)
Não vai trair mais. (Edmont)
Se terminar também não haverá mais traição. (Angely)
Por isso que Mel e Kat nunca gostaram de Agatha... Mas por quê não me disseram? (Edmont)
Não sabiam se você iria acreditar. (Angely)
Mas como sabiam? (Edmont)
Agatha já tentou antes. (Angely)
Edmont se senta na cama e encara Angely.
Kat viu. Por isso armaram isso. (Angely)
Não entendo essa pena que você tem de quem trai a confiança das pessoas assim. (Edmont)
Não consigo ter toda essa raiva que você tem. (Angely)
Merecem punição. (Edmont)
Talvez você devesse olhar direito pro que faz. (Angely)
Agora você não está falando de Agatha. (Edmont)
Nem você. (Angely)
Lisa abandonou Modret. (Edmont)
Nos pôs no mundo e nos criou. (Angely)
Não por muito tempo. Fugiu com outra pessoa e nos abandonou. (Edmont)
Tenho certeza que ia voltar. Só não ia continuar com Modret. (Angely)
Prometi que me vingaria de quem traiu. (Edmont)
Modret te pediu isso? (Angely)
Não. Pediu que cuidasse do povo. Prometi isso por escolha. Hoje eu vejo que não faria sentido. Lisa sabia o que tava fazendo, Rith e Halen não tinham nada a ver com isso. (Edmont)
E Katerine? (Angely)
Kat não teve culpa. (Edmont)
Mas eu tive, não é? (Angely)
Apenas salvou inocentes da minha raiva cega. (Edmont)
A verdade é que você culpou pela morte de Modret. Eu não. (Angely)
Pode ser. (Edmont)
Me diga uma coisa: adiantou matar Hery e Lisa? (Angely)
Pode ser que você ainda considere como família, mas eu não. (Edmont)
Responda. Adiantou? (Angely)
Minha raiva foi embora. (Edmont)
Foi mesmo? Não é o que eu estou vendo. Será que não está fazendo isso por esta raiva que você diz ter morrido? (Angely)
Edmont fica em silêncio. Angely se levanta e sai.
Angely vai pra seu quarto. Deita-se na cama. Suspira.
Como ficou? (Mel)
Quer encontrar Agatha de qualquer jeito. (Angely)
Silêncio. Mel olha pra parede.
Você não pára de pensar nisso. (Mel)
Traiu Edmont, mas nem por isso... (Angely)
Não Agatha. Meg. (Mel)
Angely baixa a cabeça.
Tirei o retrato da cabeceira da cama. (Angely)
Eu vi. Agora é só tirar da cabeça. (Mel)
Como sabe? (Angely)
Mel aponta pra parede. Angely se levanta e olha. O nome de Meg está escrito.
Acho que esqueci de limpar esse. (Angely)
Angely, não pode ficar lembrando disso. (Mel)
Por que não? (Angely)
Por que Meg não vai voltar! (Mel)
Angely baixa a cabeça.
Eu não quis dizer isso... (Mel)
Quis sim, Mel, quis sim. É verdade e não tem por que se desculpar. (Angely)
Mel sai do quarto. Desce a escada e se senta no sofá. Kat entra na sala da cozinha, com um lanche, quase mordendo. Vira o lanche para Mel, que balança a cabeça para os lados.
Angely não esquece Meg. (Mel)
Kat olha parcialmente para o chão, e balança o corpo levemente. Mel olha para o teto. Volta a olhar pra Kat, que conserva a mesma expressão.
Tem alguma coisa que não sei? (Mel)
Jura que não fala pra Angely? (Kat)
Fala. (Mel)
Kat se senta ao lado de Mel.
Meg gostava de Edmont, não de Angely. (Kat)
Tá falando sério? (Mel)
Será que se estivesse trocado seria diferente? (Kat)
Talvez. Pena que Angely tenha olhado pra Meg e Edmont pra Agatha. Edmont aceitaria mais a morte do que a traição. Angely aceitaria mais a traição do que a morte. (Mel)
Poderiam ter me mandado isso em sonho. Poderíamos ter dado um jeito de "trocar". (Kat)
Não daria, de qualquer jeito. Como vamos convencer Edmont de não ir atrás de Agatha? (Mel)
Silêncio. Kat morde o sanduíche.
Poderíamos amarrar Edmont na cama e mandar Agatha fugir do país. (Kat)
Uma hora iríamos ter que soltar Edmont, que iria atrás com mais raiva ainda. (Mel)
Talvez não devêssemos mesmo ter contado. (Kat)
Silêncio. Kat morde novamente o sanduíche. Termina de comer. Levanta. Vai em direção a cozinha. Vira de volta.
Mel, lembra daquilo que você pediu pra eu não contar? (Kat)
Você não... (Mel)
Quase que eu solto. (Kat)
Não guardem segredos uns dos outros. (Jak)
Pensei que tivesse ido embora... (Mel)
Eu também... (Kat)
Disse que a agência era de vocês quatro agora, não que ia embora. (Jak)
E por que voltou? (Mel)
Estão com problemas. (Jak)
Que vai fazer? Bater a cabeça de Edmont na parede até perder a memória? (Kat)
Não sou eu quem deve fazer algo a esse respeito. (Jak)
Então o que veio fazer aqui? (Kat)
Estou falando do segredo que vocês estão escondendo. (Jak)
E por que acha que eu contaria? (Mel)
Por que eles fazem parte disso também. (Jak)
Não vai fazer diferença contar ou não. (Mel)
Isso quem tem que julgar são eles. (Jak)
E o que digo? Que quem confiavam tanto... (Mel)
Pensei que você tivesse ido embora. (Edmont)
Mel fecha a boca e vira para Edmont, com os olhos mais abertos. Edmont continua olhando para Jak.
Como vê, ainda estou aqui. (Jak)
Edmont, eu pensei que tava dormindo... (Kat)
E o que ainda está fazendo aqui? (Edmont)
Vim orientar uma garota de vinte e sete, outra de treze, e dois garotos de vinte e dois. (Jak)
E você, quantos anos tem? (Edmont)
Quando eu morri tinha vinte e dois. (Jak)
E quanto tempo faz que você morreu? (Edmont)
Perdi a conta do tempo. (Jak)
Isso que fez conosco, já tinha feito com alguém? (Edmont)
Existem mais caçadores de vampiros pelo mundo. (Jak)
Mas fazem por escolha. Por que não volta pro túmulo? (Edmont)
Você aceitou a agência. (Jak)
Jak some. Edmont vai pra cozinha. Mel solta o corpo no sofá.
Ainda bem que não ouviu. (Mel)
Jak tem razão, devemos contar. (Kat)
Não. Vamos guardar isso, não precisam saber. (Mel)
Manhã. Mel bate a uma porta. Jeremy atende, sem camisa.
Eu não queria perturbar a essa hora, mas... (Mel)
Agatha aparece. Só com a camisa de Jeremy.
Droga... (Jeremy)
Tá falando sério? (Mel)
Que você tem a ver com isso? (Agatha)
O que eu tenho a ver com isso? (Mel)
Vai fazer o que? Contar pra ele? (Agatha)
Acha que estou te protegendo? Só não quero que Edmont faça merda. (Mel)
Isso é ridículo. Só porque traí ele... (Agatha)
Edmont nunca te traiu. (Mel)
Duvido que você e ele nunca tenham feito nada. (Agatha)
Quantas vezes, Agatha? (Mel)
De tempos em tempos eu troco. (Agatha)
E quem era antes de tentar Angely? (Mel)
Mel olha pra Jeremy. Jeremy baixa a cabeça. Mel solta o ar e os ombros, balança a cabeça em para os lados.
Eu não sabia que... (Jeremy)
Agora eu sei por que quis vir pra cá. (Mel)
Mel vai até o elevador e aperta o botão de descer.
Não tenho culpa se nem namorado você tem. (Agatha)
Mel para. Ri. Olha para Agatha.
Eu retiro o que tinha dito antes. Duvido que um deles tenha sequer olhado pra você. (Agatha)
Acho que só não deu em cima de Júlio porque morreu antes. (Mel)
MEAK. Mel chega. Edmont está juntando as coisas pra sair.
Vai atrás da coisa? (Mel)
Bom saber que tem alguém do meu lado por aqui. (Edmont)
Angely é que tá com pena. (Mel)
Tem pena até de vírus. (Edmont)
Mas, querendo ou não, é um ser humano. Aos olhos do mundo, tem direitos. (Mel)
Nisso eu penso depois. (Edmont)
No que? (Angely)
No que vai fazer com o corpo de Agatha depois que matar. (Mel)
Mel sai da cozinha.
Por que insiste em dar atenção? (Angely)
Por que insiste em proteger? (Edmont)
Angely se senta a mesa e não responde.
Tem coração demais pra uma pessoa só. (Edmont)
Não entendo por que Kat e Mel... Kat nem tanto, mas Mel... (Angely)
Kat perdeu a família inteira, só teria sobrado a Agatha, mas Agatha abandonou. Eu tava sendo trouxa e achando que podia contornar, mas Agatha tá pouco se fodendo pra Kat. Mel nunca gostou de Agatha ou Meg. Nunca se bicaram. E Mel não vê a morte do mesmo jeito que nós. Ficou mais tempo lá que nós. (Edmont)
Mas Mel sabe que não deveríamos interromper a vida de alguém assim. Não é assim que nos criam. (Angely)
Volta pro seu quarto. Tem que descansar. (Edmont)
Na sala, Kat está no sofá. Mel chega.
Como podem ser às vezes tão iguais e outras vezes tão diferentes? (Kat)
Não são a mesma pessoa. (Mel)
Não vai mesmo dizer? (Kat)
Não, Kat. Pra que precisam saber? (Mel)
Onde foi hoje? Saiu tão cedo... (Kat)
Que bom que perguntou. Tenho que contar pra alguém, tá entalado na garganta... (Mel)
Que foi? (Kat)
Eu fui ver se a Agatha ainda estava lá. Quando cheguei no apartamento, Jeremy estava sem camisa e Agatha estava com a camisa de Jeremy. Só com isso. (Mel)
Nossa. Mas mal ficou lá... (Kat)
Pior. Agatha disse que troca de amante de tempos em tempos. Jeremy foi antes de Angely. (Mel)
Foi Agatha quem sugeriu o apartamento? (Kat)
Foi... E eu nem desconfiei. (Mel)
Kat se joga para trás no sofá.
Edmont vai pra cadeia. (Kat)
E somos cúmplices. (Mel)
Podem ficar em paz. Vou dizer que não sabiam de nada. (Edmont)
Edmont, por favor... (Mel)
Edmont pega as chaves e sai. Mel senta no sofá.
E não podemos ajudar em nada. (Mel)
Agatha já deve ter contratado um monte de seguranças. (Kat)
Como vocês podem agir com tanta frieza? (Angely)
Eu sei, eu exagerei na outra hora, não acho que... (Kat)
É a mesma facilidade com que pode agir daquele jeito. Eu tô começando a concordar com Edmont. Tá defendendo demais. (Kat)
Mel sobe a escada. Kat olha para Angely. Baixa a cabeça. Segue Mel. Angely se joga no sofá. Fica de cabeça pra baixo e olha pra porta da cozinha. Franze a testa.
Meg... (Angely)
Angely levanta, corre até a cozinha. Não há ninguém.
Entardece. A campainha toca. Angely atende.
Dara... (Angely)
Que cara é essa?! Que aconteceu?! (Dara)
Nada. Entra aí. (Angely)
Dara entra. Angely passa a mão nos olhos. Fecha a porta.
Nada sempre é alguma coisa. (Dara)
Tava lembrando de algumas coisas... (Angely)
Agatha tá lá em casa. (Dara)
Que? (Angely)
Chegou lá falando um monte de besteiras. (Dara)
É o primeiro lugar onde Edmont vai procurar... (Angely)
Peraí, então é verdade, ele tá mesmo atrás dela? (Dara)
Agatha tentou trair Edmont. (Angely)
Dara franze a testa.
Como assim? O que ela fez? (Dara)
É meio... Surreal... (Angely)
Dara desfranze a testa e abre mais os olhos.
Com você? (Dara)
O pessoal saiu, Edmont pediu pra Agatha ficar aqui, só por que o médico mandou eu descansar... (Angely)
Já tinha feito isso outras vezes? (Dara)
Eu não entendo, Edmont é igual a mim! Por que tinha que fazer isso? (Angely)
Só tendo algum problema mesmo... Não querendo ofender, eu só tô dizendo que... (Dara)
Figurinha repetida? (Angely)
É, isso. Não, não é, não estou dizendo que você seja cópia do seu irmão... (Dara)
Você já ouviu Denise falar alguma coisa de mim? (Angely)
Ah?! (Dara)
Alguma amizade de Denise? (Angely)
Por que quer saber? (Dara)
Queria saber o que viram em mim... (Angely)
E por que acha que eu tenho obrigação de saber?! (Dara)
Não é isso que estou dizendo... (Angely)
Angely pega a mão de Dara. Dara puxa e faz soltar.
Eu só... (Angely)
Silêncio.
Seu irmão vai mesmo matá-la? (Dara)
Espero que não. (Angely)
Jeremy está em uma lanchonete.
Então você acha que pode ter fundamento? (Jeremy)
Não sei. Eu teria que falar com ela. (Michael)
Está lá no meu apartamento. Poderíamos ir até lá. (Jeremy)
Ela pode não concordar, é difícil assumir um problema desse tipo. (Michael)
Mas e se minha desconfiança estiver certa? (Jeremy)
Jeremy, só passou uma noite com ela, talvez seja exagero seu. (Michael)
Não foi só uma noite, já estivemos juntos antes... (Jeremy)
Olha, eu não posso dar um diagnóstico com base no que alguém veio me dizer. Leva ela no meu consultório, eu faço alguns testes e... (Michael)
Ela não vai querer ir. (Jeremy)
Vai ter que convencê-la. (Michael)
Michael se levanta. Sai. Jeremy apoia a cabeça nas mãos. Se levanta e sai também.
Tarde. Casa de Denise.
Você não tem medo, não? (Denise)
Eu? Por que teria? (Agatha)
Bom, se você diz que a Melody te tirou de lá, isso deve ser sério. (Denise)
Mas eu acalmo ele. (Agatha)
Como? Aquele ali não tem jeito de quem aceita chifre. (Denise)
Quer mesmo que eu diga como? (Agatha)
Toca o telefone.
Denise? (Jeremy)
Por que ligou pra cá? (Denise)
Posso falar com Agatha? (Jeremy)
Agatha faz sinal de negativo para Denise.
Ela não está aqui. (Denise)
Eu sei que ela está. (Jeremy)
Olha, eu sinto muito se você não acredita... (Denise)
Fala pra ela que eu concordo. (Jeremy)
Denise tapa o telefone.
Agatha, do que ele está falando? (Denise)
Ah? (Agatha)
Ele disse que concorda. (Denise)
Fala pra ele que agora quem não quer sou eu. (Agatha)
Fala você. (Denise)
Denise passa o telefone a Agatha.
Jerry? (Agatha)
Agatha, volta pra cá. (Jeremy)
Por que quer que eu fique no seu apartamento? (Agatha)
Ele não vai vir te procurar aqui. (Jeremy)
E por que acha que ele vai vir me procurar aqui? (Agatha)
Ele conhece sua amiga. (Jeremy)
Não vou ficar aí. (Agatha)
Por que? (Jeremy)
Por que você não é homem. (Agatha)
Que?! (Jeremy)
É isso mesmo que ouviu. (Agatha)
Olha, eu não posso ficar com você enquanto não resolvermos isso. (Jeremy)
Viu? Não é homem. (Agatha)
Tá, tudo bem Agatha, eu faço o que você quiser, mas vem pra cá, me disseram que ele já saiu de casa, por favor... (Jeremy)
Tá, eu já vou. (Agatha)
Agatha desliga o telefone.
Nossa... Pensei que tinha dito que não iria de jeito nenhum... (Denise)
Mudei de idéia. (Agatha)
Agatha pega a bolsa e sai.
Imagino o que ele ofereceu... Agatha, Agatha... Cada vez pior. (Denise)
Apartamento de Jeremy.
Então? (Mel)
Ela vem. (Jeremy)
Não tá tentando me enganar, tá? (Mel)
Meu amigo disse que posso estar certo. (Jeremy)
E essa pessoa já falou com Agatha? (Mel)
Não, mas eu falei com ele... (Jeremy)
Vai convencer Agatha a ir a um médico, pra confirmar isso? (Mel)
Vou. Bom, vou tentar. Mas, enquanto isso, diz que não sabe onde ela está. (Jeremy)
Tudo bem. Vou indo, com ou sem doença, não quero ver a cara. (Mel)
Ah, é, sobre o que aconteceu... (Jeremy)
Eu não tenho nada a ver com isso. (Mel)
Mel sai. Chama o elevador. O elevador chega. Mel entra. Aperta para descer. A porta fecha. Jeremy fecha a porta. Encosta de costas na porta.
Se eu soubesse que você estava tão perto, não tinha nem encostado na louca da Agatha. (Jeremy)
Noite. Angely está na cozinha. Um barulho. Olha pela janela. Uma pessoa no jardim.
Que foi? Algo errado? (Mel)
Angely olha pra Mel. Volta seu olhar ao jardim. Ninguém.
Nada. Onde você foi? (Angely)
Não queimou o jantar dessa vez? (Mel)
Tá mudando de assunto. (Angely)
Edmont chega. Anda devagar. Para na sala. Na cozinha, Mel se senta à mesa.
Fui ver se Agatha ainda estava lá. (Mel)
No apartamento de Jeremy? (Angely)
É, mas foi embora. (Mel)
Como assim?! (Angely)
Jeremy não sabia do namoro. Nem dessa, da outra vez. (Mel)
Outra vez? (Angely)
Pelo jeito a traição fazia mais tempo. (Mel)
Você já não fala com tanta raiva. (Angely)
Edmont entra na cozinha.
Já voltou? (Angely)
Não, é meu holograma. (Edmont)
Edmont pega uma maçã.
Tem comida aí, hoje era meu dia de fazer a janta. (Angely)
Não tô com fome. (Edmont)
Edmont sai.
Vai dormir, acordar e ir atrás de Agatha de novo. (Angely)
E você deveria estar descansando. (Mel)
Por quê? Pra que? (Angely)
Faz nove dias. (Mel)
E daí? (Angely)
Eu tenho esperança de recuperar Edmont, não queira me dar problemas você também. (Mel)
Nos trata como se tivesse que cuidar da gente. (Angely)
É o que eu tenho feito. Desde sempre. Por que não? (Mel)
Angely franze a testa. Mel se levanta e sai.
"Por que não?"... (Angely)
Madrugada. Kat vai até a cozinha. Pega comida. Aurium chega, andando rastejando, e deita perto de Kat, com o focinho nas patas, olhando para Kat.
Isso você quer, né? (Kat)
Kat abre a geladeira. Pega um pedaço melão. Joga para Aurium. Aurium tenta pegar no ar, não consegue. Olha o do chão. Senta e olha para Kat, abanando o rabo. Kat pega outro pedaço e joga. Dessa vez, Aurium pega no ar. Mastiga, engole. Sai. Kat sai também. Não vê Aurium. Balança a cabeça para os lados.
Tô pra ver criatura mais fresca. (Kat)
Entra. Pega o pedaço de melão. Olha para os lados. Lava e devolve na geladeira. Do lado de fora, duas pessoas a observam a casa, de longe.
Preciso falar com Kat. Sobre tudo. (Derik)
Alguém está apaixonado. (Jak)
Não me interessa o nome que isso tem. Kat é importante pra mim. (Derik)
Aguarde mais um tempo. (Jak)
Quarto de Jeremy. Jeremy anda de um lado para outro.
Tá tudo bem? (Agatha)
Tô sem sono. Pensei que estivesse dormindo. (Jeremy)
Mas não estou. Não devia ficar gastando a energia aí. (Agatha)
Agatha! (Jeremy)
Qual o problema? Não agüenta mais? (Agatha)
Isso cansa, sabia? (Jeremy)
Pois eu não estou cansada. (Agatha)
Eu acho que você tem algum problema. (Jeremy)
Tenho mesmo. Não tem um homem de verdade por aqui... (Agatha)
Ei! (Jeremy)
É isso mesmo! Nenhum de vocês agüenta! São todos uns broxas! (Agatha)
Agatha se levanta da cama.
Onde vai?! (Jeremy)
Procurar um homem de verdade. (Agatha)
Fazer o que?! (Jeremy)
Além de broxa é surdo? (Agatha)
Você sabe qual é o perigo de você sair com o primeiro que aparecer?! (Jeremy)
Se for um broxa que nem você eu procuro outro. (Agatha)
Jeremy baixa a cabeça e suspira. Agatha vai na direção da porta. Jeremy puxa e beija Agatha.
Mudou de idéia? (Agatha)
Mudei. (Jeremy)
Agatha sorri. Beija Jeremy.
Angely está na cama. Levanta bruscamente. Vai até a janela e nada vê.
Minha imaginação de novo. (Angely)
Angely volta pra cama. Batidas na porta. Angely olha para a porta. Se vira para o canto. Mel entra. Se senta na beirada da cama.
Te acordei? (Mel)
Não, eu não consegui dormir. (Angely)
Nem eu... (Mel)
Edmont já saiu? (Angely)
São cinco da manhã ainda. (Mel)
E por que você veio até aqui? (Angely)
Eu preciso contar algo sobre Nilrem. (Mel)
Não dormiram também? (Edmont)
Preocupação. (Mel)
Age como se tivesse que cuidar da gente. (Edmont)
Estão falando isso com bastante frequência ultimamente. Seria ruim? (Mel)
Não, mas... (Angely)
E se Agatha tivesse algum problema? (Mel)
Como assim? (Edmont)
Um distúrbio psicológico. (Mel)
Angely se senta na cama, olhando para Mel. Olha para Edmont.
Então não seria traição, não é? (Angely)
Vocês têm imaginação fértil. (Edmont)
Edmont sai do quarto.
Tomara que desista dessa idéia. (Mel)
Por que não disse o que queria dizer na frente de Edmont? (Angely)
Eu? (Mel)
Mel, não disfarça. (Angely)
Deixa pra lá. Não importa. (Mel)
Mel se levanta.
Começou a dizer, agora termina. (Angely)
Esquece. (Mel)
Mel vai até a cozinha.
Edmont, lembra de Nilrem? (Mel)
Lembro. Aconselhava Modret, foi quem criou, e ajudou a gente depois. (Edmont)
Acha mesmo que era tudo isso? (Mel)
Você sabe de alguma coisa que eu não saiba? (Edmont)
Foi só uma suposição. (Mel)
Não é o que parece. (Edmont)
Nada é o que parece. (Mel)
Silêncio. Mel pega suco na geladeira. Coloca no copo. Angely chega na cozinha. Abre a janela. Vai até a geladeira. Abre. Olha. Fecha. Sai da cozinha de novo.
Vou sair. (Edmont)
Edmont olha para Mel. Mel continua olhando o suco no copo.
Não vai dizer nada? (Edmont)
Se você quer continuar pensando em Agatha isso não é problema meu. (Mel)
Então acha que eu ainda gosto de Agatha?! (Edmont)
Se não sentisse mais nada, não estaria correndo atrás. (Mel)
Edmont solta o ar e balança a cabeça para os lados.
Que férias malditas nós tiramos... (Edmont)
Precisávamos de um tempo. (Mel)
Deveríamos ter voltado antes. (Edmont)
Esqueceu do que eu fiz? (Mel)
Já passaram dez dias. (Edmont)
Daqui a cinco teremos que viajar. (Mel)
Mel vira o copo de suco. Sai da cozinha.
Vou acabar com a banda. (Edmont)
Vai mesmo. (Jak)
Que você tá fazendo aqui? (Edmont)
Nada. (Jak)
Jak desaparece.
Angely está no jardim, no chão, encostou-se em uma árvore. Levanta-se bruscamente. Olha para os lados.
Quem está chamando? (Angely)
Não reconhece mais minha voz? (Meg)
Angely vira para trás. Meg está olhando para Angely, com a cabeça meio de lado.
Meg... (Angely)
Por que você me abandonou? (Meg)
Onde você está? (Angely)
Estou me sentindo só... Vem comigo? (Meg)
Edmont sai. Vê Angely. Franze a testa. Vai até Angely.
Falando com quem? (Edmont)
Angely olha para Edmont. Olha em volta.
Onde tá?! (Angely)
Fica jogando indiretas o tempo todo. (Edmont)
Também está ouvindo? (Angely)
Estamos falando de Mel? (Edmont)
Mel... Parece que quer falar algo e não consegue. (Angely)
Toca o celular de Edmont. Edmont atende.
Alô? ### Sou eu. ### Quem? ### De onde nos... ### O que tem? ### Que horas? ### Tá, eu vou. ### Já disse que vou. ### Mas qual seu... (Edmont)
Edmont suspira. Desliga o telefone.
Quem era? (Angely)
Ninguém. (Edmont)
Edmont volta pra dentro. Angely olha ao redor. Baixa a cabeça. Entra.
Você não ia sair? (Angely)
Ia, disse bem. (Edmont)
Tarde. Casa de Kat.
Aurium... Onde é que você se enfiou?! (Kat)
Aurium entra. Está com o bloco na boca. Kat pega. Retrai os cantos da boca. Sacode o caderno. Escrito:
Roupas para um alguém de 18 anos
Pra que?! (Kat)
Aurium senta e fica olhando pra Kat.
Melhor irmos falar com o resto das pessoas. (Kat)
Kat pega a coleira em uma prateleira. Aurium puxa. Kat solta. Aurium guarda de volta.
Tá legal. (Kat)
MEAK.
Ei... Posso entrar? (Kat)
Já entrou. (Edmont)
Foram vocês que escreveram isso? (Kat)
Kat entrega o bloco a Edmont. Aurium fica em pé.
Não... Angely, Mel! (Edmont)
Mel sai da cozinha. Angely desce a escada. Melody olha para Aurium e franze a testa.
Que foi? (Mel)
Alguém de vocês escreveu isto? (Edmont)
Angely pega o bloco. Passa para Mel.
Eu não fui. (Angely)
Nem eu. (Mel)
Jak! (Kat)
Ei, não sou surdo. (Jak)
Foi você quem... (Edmont)
Nem vem botar a culpa em mim. (Jak)
Então quem... (Edmont)
Edmont olha pra Aurium, que ainda está de pé.
Acho que ele quer dizer algo. (Jak)
Não fala. (Kat)
Também não deveria saber escrever. Nem virar um pássaro. (Edmont)
Eu acho que eu tenho uma roupa que talvez vá servir. (Angely)
Angely sobe a escada. Aurium segue. Mel, Edmont e Kat se entreolham. Sobem também. Jak desaparece. Edmont entra no quarto de Angely, que está procurando em uma gaveta. Jak já está no quarto.
Ei! (Edmont)
Por isso é bom ser fantasma. (Jak)
Angely pega uma roupa. Entrega a Aurium, que carrega a roupa pro banheiro e bate a porta.
Que vai fazer? Vestir a roupa?! (Mel)
Não duvide. (Jak)
A porta do banheiro abre. Kat arregala os olhos.
Derik?! (Kat)
Tão bom ser chamado pelo meu nome... Só as roupas ficaram meio grandes... (Derik)
Não pode ser... (Kat)
Então procura o Aurium. (Jak)
Seu cachorro! (Kat)
P...parte do... tempo... só. (Derik)
Pensei que só pudesse ser cachorro e pássaro. (Angely)
Não, eu posso virar cachorro e pássaro. Ser mesmo, sou humano. (Derik)
Quase beijei um tomba saco... Acho que vou vomitar... (Kat)
Ei, eu sempre fui limpinho! (Derik)
Que os pássaros comem? (Edmont)
Acho que minhocas. (Mel)
Ai, que nojo! (Kat)
Kat sai do quarto.
Brigadão, hein! (Derik)
Derik sai do quarto.
Kat, espera, eu explico! (Derik)
Mel olha para Jak.
Você sabia disso. (Mel)
Por que não contou? (Edmont)
Não perguntaram. (Jak)
Há mais alguma coisa que você sabe e ainda não disse? (Edmont)
Eu não, ela sim. (Jak)
Angely e Edmont olham para Mel. Jak desaparece.
Acho que vou limpar a casa. (Mel)
Tá limpa. (Edmont)
Desperta o relógio de Edmont.
Droga, eu tenho que ir. (Edmont)
Edmont sai, com pressa.
Só posso falar com Edmont junto. (Mel)
Edmont! (Angely)
Edmont volta e encosta na porta.
Tá, eu ainda tenho algum tempo. (Edmont)
É algo sobre antes de vocês nascerem. (Mel)
Modret? (Edmont)
Nilrem. (Mel)
Você tinha medo de Elian, que... (Edmont)
Não consegui entender o parentesco. Mas, sim, eram parentes. (Mel)
Porque você tinha medo de um humano? (Edmont)
Mel se senta na cama.
Nilrem conhecia feitiços. Enfeitiçou Domnik. Domnik nunca gostou de Nilrem, até escondeu o fato de Modret ser de quem engravidou Domnik. Quando Domnik acordou... A explosão, não foi acidente, foi pra parar Nilrem. Era muito forte. A maioria ficou, para que Nilrem não soubesse. Houve um apontamento de quais de nós deveriam vir para a Terra. (Mel)
Mel baixa a cabeça.
Por que demorou tanto pra contar? (Angely)
Não sabia se iam entender... (Mel)
Angely senta na cama e abraça Mel. Edmont se endireita e dá um passo em direção a cama, mas o relógio desperta novamente. Edmont olha para o relógio. Angely afasta de Mel e olha para Edmont. Edmont olha para Angely e Mel e sai. Mel baixa a cabeça.
Vai mesmo, não é? (Mel)
Ainda tenho esperança que não. (Angely)
Mel levanta e sai. Angely se joga na cama. Franze a testa. Corre até a varanda.
Meg... (Angely)
Vem comigo... (Meg)
Frente da casa.
Não tem desculpa! (Kat)
Isso é preconceito! (Derik)
Você mentiu pra mim! (Kat)
E isso é uma desculpa pro seu preconceito! (Derik)
Olha aqui... (Kat)
Você via, eu não pegava nada do chão! Nem comia comida de cachorro!!! (Derik)
Na minha frente! (Kat)
É sério! (Derik)
Sério o ca... (Kat)
Derik solta os ombros. Se vira. Arregala os olhos. Kat se vira. Angely sobe na grade.
Angely!!! (Kat)
Vem... (Meg)
Angely, sai daí! (Kat)
Não tenha medo... (Meg)
Mel chega até a varanda. Puxa Angely. Caem no chão.
Que você pensa que tava fazendo?! (Mel)
Angely levanta e olha para o horizonte.
Meg... Onde tá? (Angely)
Bem longe daqui! (Mel)
Que tava fazendo?! (Kat)
Só quem voa aqui sou eu! (Derik)
Meg... (Angely)
Ia pular! (Mel)
Percebemos! (Kat)
Angely olha para o chão, apertando um pouco os olhos.
Você é minha irmã, agora Meg não tem mais motivo pra ter ciúmes... (Angely)
Derik franze a testa e olha para Kat.
A Meg tinha ciúmes de você? Por que? (Derik)
Mel. (Kat)
Mas a Mel... (Derik)
Eu sou por parte de Lisa, Mel de Modret. (Kat)
Ê, familiazinha complicada! (Derik)
Angely olha para o horizonte de novo.
Jak! (Derik)
Que é? (Jak)
Tem mais algum fantasma aqui? (Derik)
Não sei. (Jak)
Acha que possa estar vendo fantasma? (Mel)
Talvez não tenha deixado Meg ir. (Derik)
Peraí, agora que eu tô lembrando... Eu contava segredos pra você! (Kat)
Do que tá falando? (Mel)
Kat, eu juro que não usei isso pra te enganar! (Derik)
Por isso já sabia que eu ia terminar... Olha, eu retiro o que eu disse, nunca voltaria pra você! (Kat)
Kat sai.
Kat... (Derik)
Não vai atrás agora, vai ser pior. (Mel)
Meg... (Angely)
A Meg não tá aqui. (Derik)
Eu sei... (Angely)
Angely se senta no chão.
Era pra isso se transformar em apenas uma lembrança. (Mel)
Lembrança é o que vai sobrar dele. (Derik)
Angely vai até o quarto. Pega uma caneta. Começa a escrever na parede. Mel vai para o quarto.
Pára, Angely, pára! (Mel)
Já falou comigo duas vezes, vai vir de novo... (Angely)
Eu tenho que sair. Por causa de Edmont. (Mel)
Eu fico aqui com ele. (Derik)
Valeu! (Mel)
Mel abraça Derik. Sai correndo.
De nada. (Derik)
6:00, Derik sentou-se na cama, está lendo um livro. Angely ainda escreve o nome de Meg. As paredes estão todas escritas.
Tem algum lugar que eu não escrevi ainda? (Angely)
No teto e no chão. (Derik)
No chão não, que não quero pisar no nome de Meg. (Angely)
Angely sobe na cama. Começa a escrever no teto.
Levou a sério... (Derik)
Kat entra no quarto.
Que isso?! (Kat)
Juro que não fui eu. (Derik)
Eu sei! (Kat)
Ah, mas bota a culpa de tudo em mim! (Derik)
Tá escrevendo no teto?! (Kat)
Já arrastou tudo que podia, não tinha mais parede, foi escrever no teto. (Derik)
Por que você não impediu?! (Kat)
Nem a casa nem o quarto são meus. Mandaram eu impedir que se matasse, não que escrevesse. (Derik)
Tá ficando cada vez pior. (Kat)
Não sei quem tá pior: um querendo matar, outro pensando em quem já morreu... (Derik)
Kat cruza os braços e encara Derik, com a boca serrada.
Olha, eu sei que são seus irmãos, mas acho que vai ter que internar eles. Sabe onde a Mel foi? (Derik)
Como vou saber? Você quem estava aqui quando saiu! (Kat)
E o Edmont? (Derik)
Deve ter ido atrás de Agatha, só pra variar. (Kat)
Angely senta-se na cama.
Kat, me perdoa por... (Derik)
Olha aqui, Derik... (Kat)
Te contou antes que algo impedisse isso. (Angely)
Kat olha pra Angely.
Não sabe o que estou sentindo. (Kat)
Queria ter podido contar a Meg sobre tudo antes que fosse embora. Por medo que ficasse com raiva, não disse. (Angely)
Kat baixa a cabeça. Olha pra Derik.
Deveria ter me contado antes. (Kat)
Derik olha nos olhos de Kat.
Seria a mesma coisa. Reagiria do mesmo jeito e era essa a reação que eu temia. (Derik)
Kat desvia o olhar.
Bom, vou deixar você cuidando do seu irmão. (Derik)
Derik... (Kat)
Derik sai do quarto.
Será que gosta de mim de verdade? (Kat)
Não é pra mim que você tem que perguntar. (Angely)
Kat sai. Angely senta na cama. Suspira. Meg aparece novamente. Angely sorri.
Eu sabia que você voltaria... (Angely)
Melhor ir até a casa de Jeremy, seu irmão foi pra lá. (Meg)
Meg... (Angely)
Vai, por favor. Leva uma arma. (Meg)
Angely sai.
Não entendo. Primeiro tenta fazer com que ele se mate, agora avisa ele do que o irmão está prestes a fazer... (Jak)
Não entendeu o que? Edmont não vai desistir assim, barato. (Meg)
Mas Angely vencerá. (Jak)
Ele não tem coragem de matar o irmão. (Meg)
Edmont irá matá-lo... Por que quer isso? Só por que ele não te contou? Como pode guardar tanto ressentimento? (Jak)
Não é ressentimento, não entende? Ele me prendeu aqui. (Meg)
Que vai adiantar matá-lo? (Jak)
Não sei como, mas ele conseguiu me prender de tal forma aqui que só há dois jeitos de eu partir: ele deixa ou morre. (Meg)
E parece que você não conseguiu do primeiro jeito. (Jak)
Meg desaparece.
8:30. Apartamento de Jeremy.
Então, o que queria? (Edmont)
Eu preciso falar com você sobre Agatha. (Jeremy)
Como sabe que... (Edmont)
Eu sou presidente da empresa. (Jeremy)
Ah... A pessoa que não sabia do nosso namoro? (Edmont)
Como sabe? (Jeremy)
Ouvi Mel comentar. (Edmont)
Que mais ouviu? (Jeremy)
A campainha toca. Jeremy atende.
Entre. (Jeremy)
Onde tá... (Mel)
Mel olha para Edmont. Depois para Jeremy.
Não tá aqui, tá? (Mel)
Não. Saiu. (Jeremy)
Estava enganando Angely? (Edmont)
Que veio fazer aqui? (Mel)
Boa pergunta. (Edmont)
Eu tentei convencer Agatha de ir ao psicólogo, ela disse que ia se eu ficasse com ela, mas me deu sonífero e saiu antes que eu acordasse. (Jeremy)
Então foi Jeremy quem te fez pensar que Agatha é doente? (Edmont)
Se ela não te amasse ou pelo menos estivesse preocupada com o fato de você estar à caça dela, por assim dizer, eu nunca teria pensado nisso. (Jeremy)
Edmont solta o ar, com um meio riso.
Então quer dizer que Agatha não está com medo? (Edmont)
Não é isso que quis dizer. (Mel)
Então o que quis dizer? (Edmont)
Que tem mais preocupação em arranjar com quem trepar do que com o que você vai fazer. (Mel)
Ninfomania? Armaram todo esse circo pra proteger Agatha? (Edmont)
E ainda dizem que sou eu quem preciso de psiquiatra... Deixou a porta aberta. (Agatha)
Não pensou que eu estivesse aqui. (Edmont)
Eu sabia que ele tinha te chamado aqui. Então, já decidiram? Vão me internar ou me matar? (Agatha)
Acha que ela te procuraria em sã consciência?! (Jeremy)
Se vai me matar faz isso logo. (Agatha)
Cala a boca, Agatha! (Jeremy)
Se eu tivesse feito sem querer ou não soubesse que estava fazendo errado eu teria motivos pra fugir. (Agatha)
Enlouqueceu... (Jeremy)
Se quiser eu vou com você. (Agatha)
Edmont, pensa direito. (Mel)
Agatha, onde você jogou seu juízo?! Me diz que eu vou buscar agora mesmo! (Jeremy)
Vamos então. (Edmont)
Edmont sai do apartamento. Jeremy segura o braço de Agatha.
Agatha, o que você está fazendo??? (Jeremy)
É minha atitude mais sã. (Agatha)
Agatha puxa o braço e sai. Chegam no andar térreo. Edmont sobe na moto. Entrega o capacete a Agatha. Agatha pega o capacete, veste, sobe na garupa. Edmont arranca com a moto. Mel chega no estacionamento. Jeremy vem atrás, arfando.
Já era. (Jeremy)
Mel vai até a moto. Sobe. Não consegue dar partida.
Sem bateria?! (Mel)
Acha que o Edmont fez isso? (Jeremy)
Acha que teve tempo pra isso? (Mel)
Sei lá eu! (Jeremy)
Droga! (Mel)
Agora é entregar nas mãos de Deus. (Jeremy)
Mel encara Jeremy. Sai andando.
11:00. Edmont pára com a moto. Agatha desce. Tira o capacete. Olha para o horizonte.
Nunca pensei que fosse saber a hora de morrer. (Agatha)
Edmont olha para Agatha. Desce da moto.
Vai querer me matar de tédio? (Agatha)
Edmont desliga a moto. Continua olhando para Agatha.
Qual o problema, há alguma regra do carrasco não poder falar com a condenada? Ao menos responda! (Agatha)
Edmont cruza os braços.
Está com medo de ficar com pena?! (Agatha)
Pena? De você? (Edmont)
Pelo menos disse alguma coisa. (Agatha)
Não preciso falar com você. (Edmont)
Edmont pega a espada. Agatha olha para a espada.
Não pensei que treinasse pra isso. (Agatha)
E não é. (Edmont)
Sabe por que eu me entreguei? (Agatha)
Não ia adiantar continuar fugindo. (Edmont)
Se você fosse indiferente a mim eu fugiria. (Agatha)
Edmont coloca a espada no pescoço de Agatha.
Vai me matar de qualquer jeito, então pelo menos me ouça. (Agatha)
Edmont revira os olhos. Tira a espada. Se afasta. Senta em uma pedra. Apoia a ponta da espada no chão.
Fale. (Edmont)
Você me ama? (Agatha)
Isso não vai funcionar. (Edmont)
E traição é muito, não é? Mentira é demais. Trair a confiança é demais quando você ama alguém. (Agatha)
Sim. (Edmont)
Então porque você fez isso?! (Agatha)
Eu?! (Edmont)
Você! Todas as saídas! Não é só a banda, tem mais alguma coisa! (Agatha)
Tem! Tem muito mais coisa! Mas você não aguentaria, não entenderia! (Edmont)
Claro, eu sou só a merda de uma humana, não é?! (Agatha)
Não é isso... (Edmont)
É sim! Claro que é! (Agatha)
É, você é a merda da humana que eu achei que era confiável! A merda da humana que eu achei que podia amar e até abdicar de outras pessoas por isso! Essa é a merda de humana que você é! (Edmont)
Você mentiu pra mim antes! Como queria que eu fosse confiável se o que me deu foi um monte de baús trancados com segredos entre você e os seus?! (Agatha)
Agatha vai se aproximar de Edmont, mas Edmont levanta a espada. Encosta no peito de Agatha.
Edmont! (Angely)
Edmont olha para trás, ainda com a espada apontada.
Que você tá fazendo aqui? (Edmont)
Sai daqui, Angely! Isso é entre mim e ele! (Agatha)
Sai você, não é de você que Edmont tem raiva. (Angely)
É isso que acha? (Edmont)
Podemos acabar com isso. Sua raiva não tem sentido. (Angely)
Não? (Edmont)
Edmont puxa a espada e gira. Agatha respira fundo. Toca o peito. Fecha os olhos e suspira.
O que vai ser então? (Edmont)
Eu ganho e você solta Agatha. (Angely)
E se eu ganhar? (Edmont)
Mata nós dois. (Angely)
Não vou te matar. (Edmont)
Vai ter que me matar pra matar Agatha. (Angely)
Não se não conseguir se levantar. (Edmont)
Angely e Edmont começam a lutar. Edmont bate com a espada na de Angely, Angely defende. Edmont bate com o cabo no rosto de Angely, Angely cai. Se levanta. Batem espadas algumas vezes. Edmont desarma Angely. Angely pula para trás, desvia de outro golpe de Edmont, rola, pega a espada. Chuta Edmont quando Edmont vem. Edmont se levanta. Mais algumas vezes batem espadas. Angely desarma Edmont, joga Edmont no chão. Edmont fica de joelhos. Angely coloca a espada no pescoço de Edmont.
Vá em frente. (Edmont)
Eu venci, vai ter que deixar Agatha ir. (Angely)
Só vence se me matar. (Edmont)
Angely endireita o corpo, ainda com a espada no pescoço de Edmont.
Vai embora daqui. (Angely)
Não vou deixar você matar ele. (Agatha)
Agatha está com a espada nas costas de Angely.
Ouça. Não tem o costume a ver sangue. (Edmont)
Se vai matar ele, me mate primeiro. (Agatha)
Não vou matar. Vai embora. (Angely)
Que está fazendo? (Edmont)
Não posso viver sem você... (Agatha)
Edmont fica em silêncio. Angely baixa a espada e sai.
Angely olha para um lago.
Parece que não funcionou. (Jak)
Sem problemas, tem um jeito melhor. (Meg)
Meg se aproxima de Angely. Toca o ombro.
Meg... (Angely)
Não tem que ser tão difícil. Vem comigo. (Meg)
Meg anda em direção ao lago. Angely segue. Na MEAK, Mel entra no quarto de Angely.
Não posso perder Angely e Edmont de uma vez... (Mel)
Mel se joga na cama.
Droga, onde foi?! (Kat)
Eu não sei... (Mel)
Que aconteceu, Mel? (Derik)
Edmont encontrou Agatha. Ang sumiu, tô com péssimo pressentimento... (Mel)
Hora de eu dormir. (Kat)
No descampado, Edmont afasta Agatha de si.
Angely não ia me matar. (Edmont)
Nem sei se conheço vocês mais... Sequer sabia que ele seria capaz de te desafiar, que seriam capazes de lutar um contra o outro... Foi tanto medo de te perder... (Agatha)
Agatha abraça Edmont de novo. Edmont novamente afasta.
Não tenho medo de morrer. (Edmont)
Mas eu tenho medo que você morra. (Agatha)
Agatha beija Edmont. Afasta. Abraça novamente.
Que bom que está aqui, comigo... (Agatha)
Seu irmão foi atrás de Meg! (Jak)
Que?! (Edmont)
Vá atrás de seu irmão! (Jak)
Enlouqueceu que nem Angely! (Edmont)
Ele não deixou Meg partir, agora ela só vai se for com ele! (Jak)
Onde... (Edmont)
No lago... (Jak)
No lago, Angely caminha, já com a água batendo no queixo. Edmont começa a correr. A nadar. Mergulha. Levanta. Olha para os lados. Mergulha novamente. Vem a tona com Angely. Traz para fora da água. Faz respiração boca a boca. Angely cospe água. Senta-se.
Que estava pensando em fazer?! (Edmont)
Meg tava me chamando... (Angely)
Meg morreu! (Edmont)
Quer que eu vá junto... (Angely)
Deixa ir! Não é a sua hora! (Edmont)
Não, você não entende... (Angely)
Precisa ir. (Edmont)
Angely, se quiser pode vir comigo. (Meg)
Não, não vai! (Edmont)
Angely levanta. Vai em direção a Meg, mas Edmont segura pelo braço.
Se não vem então me deixa partir. (Meg)
Mas... (Angely)
Não pode ficar me prendendo aqui! (Meg)
Eu não sei o que fazer. (Angely)
Apenas me liberte. Diga que consegue viver sem mim. (Meg)
Não posso mentir. (Angely)
Não vai estar mentindo! Angely, acorda! (Edmont)
Angely olha pro céu. Olha para o chão.
Não posso te prender aqui. (Angely)
Adeus, Angely. (Meg)
Meg desaparece. Angely senta no chão.
Adeus, Meg... (Angely)
Edmont senta e se joga de costas no chão.
Não matou Agatha, matou? (Angely)
Ainda deve estar pensando porque tinha um cara semitransparente falando comigo. E porque eu respondi. (Edmont)
Vamos ter que explicar isso. (Angely)
Edmont senta. Levanta. Dá a mão para Angely. Ajuda a levantar. Seguem andando.
Achei que dessa vez vocês iam. (Jak)
Algum tempo, algum lugar
O que Agatha fez não foi certo. (Xien)
Merecia morrer por isso? (Uehfo)
Edmont chegou a conclusão que não. E não foi pela doença. (Xien)
Não. Foi porque fez cuzonice e mentiu antes. Mesmo com o papinho de "só quero te proteger". (Uehfo)
Conseguiu separar. Por isso não matou. Não se mata alguém porque tem falhas humanas. (Xien)
Então você conhece Edmont tão bem? (Uehfo)
Meg. Tem mais alguma coisa sobre Meg. (Xien)
Que coisa? (Uehfo)
Você não vai me contar mesmo. (Xien)
Tá aprendendo. Merece até um biscoito. (Uehfo)
Deixa pra Derik. (Xien)
Que ácido. (Uehfo)
Eu lutei de novo, seja lá quem eu for. Não consigo identificar se quem morreria ou mataria. Continua a história, sei que estão faltando peças ainda. Principalmente com relação a Mel. (Xien)

Resumo do Capítulo

Mel e Kat armam para Edmont encontrar Agatha tentando ficar com Angely. Edmont tenta matar Agatha. Mel leva Agatha para o apartamento do presidente da empresa de Agatha e Kat, Jeremy. Mel e Kat conversam sobre um segredo. Jak as aconselha a contar para Edmont e Angely. Mel descobre que Agatha teve um caso com Jeremy, conta para Kat e Edmont ouve. Jeremy desconfia que Agatha tem uma doença. Angely começa a ouvir vozes. Jeremy promete a Mel que convencerá Agatha a ver um médico, e Mel mente para Angely que Agatha fugiu, para que Edmont ouça. Derik mostra que é Aurium. Mel conta a Edmont e Angely que a explosão do lar Atlante foi armada por Domnik para subjulgar Nilrem, que era um bruxo muito forte. Angely tenta pular da varanda atrás de Meg. Mel vai atrás de Edmont e Derik fica cuidando de Angely. Derik e Kat deixam Angely sozinho. Meg aparece e manda Angely ir atrás de Edmont, para detê-lo. Conta a Jak que quer que Edmont mate Angely, para que ela fique livre, pois Angely a prendeu. Angely luta com Edmont e vence. Agatha pega a espada e ameaça Angely, achando que ele poderia realmente matar Edmont. Angely sai. Edmont se acalma. Angely encontra Meg, e ela tenta levá-lo para o fundo de um lago. Edmont impede. Angely liberta Meg. Os dois vão para casa.

Dara Keon