Caçula
MEAK
A19

Caçula ler resumo

Agosto de 2023
Angely bate a porta do banheiro.
Quanto tempo ainda fica aí? (Angely)
Só mais um instante... (Mel)
Mel? Que cheiro de queimado é esse? (Angely)
Mel abre a porta.
Nada. (Mel)
Dancan tá esperando no telefone faz um tempão. (Angely)
Mel vai até a sala. Pega o telefone. Desliga.
Desligou. (Mel)
Parecia que tava realmente querendo falar com você. (Angely)
Acha que devo ligar de volta? (Mel)
Tavam saindo, não tavam? (Angely)
Não adianta Dancan ter esperanças, não temos nada. (Mel)
Tava queimando o que lá dentro? (Angely)
Quer mesmo saber? (Mel)
Se você quiser contar... (Angely)
Não quero. (Mel)
Mel vai para seu quarto.
Alarme falso. (Mel)
Angely se senta na sala. Pega o notebook. Conecta no celular.
Melhor arranjar logo um emprego. (Angely)
Mel pega o celular. Disca.
Dan? (Mel)
Preciso falar com você. (Dan)
Por que? (Mel)
Não posso falar por telefone. (Dan)
Então por que ligou ao invés de vir aqui? (Mel)
Tá livre à noite? (Dan)
Mel franze a testa.
Desde que não vá me pedir em casamento, tô. (Mel)
Juro que não faço. (Dan)
Onde? (Mel)
Noite. Mel desce a escada. Angely está no sofá, com um livro.
Deixa eu adivinhar... Dancan? (Angely)
Como sabe? (Mel)
Parece que vai pra uma festa, estão saindo há seis meses... (Angely)
Não é tanto assim. (Mel)
Ou melhor, foi a única pessoa com quem saiu nos últimos seis meses. O que é bem estranho. (Angely)
Nós estamos apenas passando o tempo. E não é como seu eu tivesse tempo pra ficar saindo com várias pessoas. (Mel)
Mel vai na direção da porta, mas se segura na parede. Angely levanta.
Não é nada, só tontura. (Mel)
Liga pra Dancan e diz que não vai. (Angely)
Mel se endireita e encara Angely.
Acha que vou te deixar dirigir desse jeito? (Angely)
Eu tô bem! (Mel)
Você quase caiu no chão. (Angely)
E como vai me impedir? Vai me amarrar na cama? Depois quer saber por que quero separar de casa! (Mel)
Eu te levo. (Angely)
Vê se pode! Se enxerga! (Mel)
Acabou de ter tontura, não posso te deixar sair assim. (Angely)
Mel encara de novo. Bufa e revira os olhos. Estende a chave a Angely. Angely sorri e pega a chave. Mel abre a porta e sai. Angely segue.
O carro para na porta de um bar.
Eu disse pra estacionar do outro lado. (Mel)
Não me importa se você acha que tá "pagando mico". (Angely)
King Kong. (Mel)
Me importo com você. (Angely)
Eu ainda me vingo. (Mel)
Já fez isso. (Angely)
Mel abre a porta do carro e sai. Para na porta do bar. Entrega a CNH.
Se passar mal de novo, me liga, tá? (Angely)
Mel olha para trás e encara Angely. Angely baixa a cabeça. Liga o carro, olha para frente e arranca. Mel pega CNH e comanda, entra. Senta-se a mesa de Dan.
Ainda bem que veio. (Dan)
Tava olhando lá pra fora? (Mel)
Tá se referindo ao seu irmão? (Dan)
Me sinto uma criança de três anos. (Mel)
Ele falou algo sobre você passar mal... (Dan)
Ainda não se convenceu que quem tem que cuidar sou eu, que tenho mais idade. (Mel)
Acredite, eu sei o que é pagar um mico por causa de irmãos. (Dan)
Ao menos no seu caso, mora nos Estados Unidos. (Mel)
Ela resolveu se mudar. Bom, mas eu tenho algo sério pra conversar com você. (Dan)
Dione senta-se a mesa.
Me deixa lá, cuidando daquelas três, enquanto vem se divertir??? (Dione)
Não é isso... (Dan)
Você não é namorada dele, é? (Dione)
E se fosse? (Mel)
Seu canalha! (Dione)
Era isso que queria me falar? (Mel)
Melody, ela... (Dan)
Temos laços muito fortes! Coisa que você nunca poderia ter! (Dione)
Mel encara Dan.
Não é o que está pensando! (Dan)
Nos conhecemos desde crianças e... (Dione)
É sério, eu te disse, não tem problema arranjar outra pessoa, se quiser até arranjar um relacionamento que vá terminar comigo, termina, mas não me arranja encrenca nem engana ninguém. Era a única regra. E você conseguiu furar. (Mel)
Mel se levanta da mesa. Dan segura o braço de Mel. Mel encara Dan e Dan larga.
Dione, pára de palhaçada! (Dan)
É claro! Se você fosse irmã dele ou ao menos conhecesse ele desde criança, provavelmente não ia querer nada com ele! Você não tem com ele a ligação que tenho... Sorte sua e azar meu! (Dione)
Mel encara Dione.
Olha, desculpa, a minha irmã é meio... (Dan)
Pensou mesmo que eu era alguma coisa dele? (Dione)
Melody... (Dan)
Achei inclusive que tava falando de crianças de vocês. (Mel)
Nem que eu caísse de cabeça! (Dione)
Eu preciso falar algo sério com você... (Dan)
Falou em três, três o quê? (Mel)
Ele não te contou??? Te garanto que é bem pior do que... (Dione)
Dan se levanta e bate na mesa.
Podem me dar um pouco de atenção??? (Dan)
Mel dá um tapa em Dancan.
Au! (Dan)
É atenção suficiente, homem das cavernas?! É assim que resolvem nos filmes, resolveu seu ataque?! (Mel)
Dancan olha em volta. Todo mundo está olhando.
Se gostaram, a peça está em cartaz, começa às 18h, tenho convites vip! (Dan)
As pessoas param de olhar. Dan se senta. Mel senta também.
Caralho, tenho que reconhecer, você sabe se promover. (Dione)
Era pra ser um soco, então espero que esteja feliz. (Mel)
Posso falar com ela sozinho, Dione? (Dan)
Não, não pode. (Dione)
Por que não? (Dan)
Por que eu não vou voltar pra casa e agüentar aquelas coisas. Não podia ter encontrado piores? (Dione)
Tô começando a duvidar se Dione tá falando de seres humanos. Se encheu sua casa de cachorros ou gatos, não tem problema, eu gosto de bichos. (Mel)
Há quanto tempo está com ele? (Dione)
Seis meses. (Dan)
Mel franze a testa.
A gente não tá junto. (Mel)
Não??? (Dan)
Não era só pra passar o tempo? (Mel)
Dan levanta.
Já foram seis meses! (Dan)
Com licença, isso não está meio invertido? Não é geralmente o cara que não quer compromisso? (Dione)
Mel olha para Dione. Olha para Dan. Dan senta.
Você saiu com outros caras? (Dan)
Não é da sua conta, não temos nada. (Mel)
Mel se levanta. Dan segura-lhe o braço.
Segunda vez que faz isso. Tá mesmo querendo aquele soco? (Mel)
Dancan solta o braço.
Não era isso que eu tinha pra falar. (Dan)
Não quero ouvir. (Mel)
Detesto casaisinhos melodramáticos. (Dione)
Não somos um casal. Eu não sou parte de nenhum casal. (Mel)
Dan sorri. Mel encara. Dan fecha a expressão.
Acho que você não entendeu nada. Talvez não tenha sido uma boa ideia ficar todo esse tempo com você. (Mel)
Olha, é o seguinte: Dan engravidou três mulheres na mesma noite. Ele sabe que, alguns meses depois, ele engravidou uma outra. E ele acha que foi você. (Dione)
Mel meneia a cabeça. Sai.
Viu o que você fez??? (Dan)
Tava mentindo por acaso? (Dione)
Esqueceu de falar pra ela que foi antes de nos conhecermos! (Dan)
Só um detalhe. (Dione)
Só um detalhe??? (Dan)
MEAK. Mel entra e bate a porta.
Que foi? (Angely)
Acredita que Dancan engravidou três pessoas?! (Mel)
Foi um mês antes de te conhecer. Aparentemente fez exames depois, pra ver se não tinha pego nada, e não pretende abandonar as pessoas. (Angely)
Peraí, desgraça, você sabia?! (Mel)
Veio me pedir conselho, não sabia como explicar pra você. Não achei que fosse ficar com tanta raiva. (Angely)
Vou pro meu quarto e vou dormir. Dane-se se saiu por aí metendo o pau sem proteger ninguém! Aliás, por que veio me contar?! Acha que eu vou ajudar a sustentar por acaso?! Ou que vamos casar e vou criar as crianças e cozinhar pro meu maridinho?! (Mel)
Acha que também pode ter te engravidado. (Angely)
Camisinha. Tenho certeza que conhece porque usamos, e não parecia que era a primeira vez que via. Aliás, ainda bem que usamos, por que, pra ter engravidado três, deve ter realmente saído com um monte de gente sem se proteger! Tava a perigo de pegar uma doença até! (Mel)
A gente não pega, somos... (Angely)
Dancan não sabe disso! Tá simplesmente pouco se fodendo! (Mel)
Mel vai pra seu quarto. Angely segue. Mel fecha a porta, quase acertando Angely.
E não me perturbe! Tô com sono! (Mel)
Se tomaram precauções, por que acharia que você engravidou? (Angely)
Deve ter esquecido! (Mel)
Mel... (Angely)
Tô com sono, dá licença?! (Mel)
Amanhã conversamos. (Angely)
Se me vier com esse papo amanhã, eu volto pra cama! Ou saio e te deixo falando! (Mel)
Angely vai pra seu quarto.
Dia seguinte. Tarde. Toca o telefone. Angely atende. Baixa os ombros. Sobe. Bate na porta de Mel.
Diz que eu não quero falar! (Mel)
Mas disse que é... (Angely)
Mel liga o rádio. Aumenta o som para o maior volume. Angely volta pra sala. Pega o telefone.
Não quer falar com você, não. (Angely)
Mas eu preciso... (Dan)
Tem mais coisa nessa história. (Angely)
Você acharia idiota. (Dan)
Se quer fazer uma declaração de amor, telefone não é... (Angely)
Não é isso. Quer dizer, não que eu não goste da sua irmã... (Dan)
Então o que é? (Angely)
Acredita em premonições? (Dan)
Noite. Casa de Dan. Dione vai de toalha até a porta. Abre.
Veio falar com Dan? (Dione)
Sim, e você é... (Angely)
Deve ser o irmão da Melody. Ela não quer realmente falar com ele, né? (Dione)
Dancan falou algo sobre premonição... (Angely)
Entra aí, eu vou me trocar. Dan foi até o supermercado com as três. (Dione)
Angely entra. Dione vai até o quarto. Volta.
Já conhece as três, né? (Dione)
Sim, Dancan me apresentou. (Angely)
Eles voltam daqui a pouco. (Dione)
Dione vai pra seu quarto. Angely senta. Olha ao redor. Pega o celular. Descarta notificações. Guarda o celular. Vozes. Dan, com diversas sacolas. Entram atrás de Dancan: Laura, Tifani e Julieta.
Fala uma de cada vez! (Dan)
Falou pra eu vir, mas acho que... (Angely)
Desculpa, é que elas cismaram que queriam ir ao supermercado... Pelo jeito, Mel não quis mesmo vir. (Dan)
Ei, vai ficar aí dando atenção a ele??? (Laura)
Olha, meninas, peguem essas sacolas e vão lá pra dentro, tá? (Dan)
Não, você vem com a gente! (Tifani)
Tá pensando o que??? (Julieta)
Minutos depois, Dan volta.
Pronto, podemos... (Dan)
Sem mim? (Dione)
Dione senta-se no sofá.
Sou a profetiza aqui, esqueceu? (Dione)
Se acha demais só por que... (Dan)
Previ o desastre da sua vida? Imagina... Eu bem que te avisei que sexta treze dá azar, mas você não acreditou. (Dione)
Que história é essa? (Angely)
Ele saiu com essas três aí na sexta treze de janeiro. (Dione)
Alguém te drogou? (Angely)
Não, é um exibido mesmo. Ele saiu com uma de manhã, outra de tarde e outra de noite. (Dione)
Dan tampa o rosto.
E o que Mel tem a ver com isso? (Angely)
Bom, eu sei que o sétimo foi concebido meio ano depois desses seis... (Dione)
Seis? (Angely)
Sim. (Dan)
Dan olha para Angely.
São gêmeos. (Dan)
Angely arqueia a sobrancelha.
Três vezes? (Angely)
Cala a boca e deixa que eu falo. Como ele diz que só saiu com a sua irmã, ela deve estar grávida de um mês agora. (Dione)
Mais algum detalhe? (Angely)
Tipo o que? (Dione)
Sei lá... (Angely)
Ah! Vai conhecer o vampiro quando for criança. Isso vai, digamos que, prepará-lo pra ser mal... (Dione)
Seis anos? (Angely)
Como sabe? (Dione)
Números. Sua professia tem números repetidos. Seres humanos... Pessoas usam muito números com feitiços e essas coisas. Ouvi dizer. (Angely)
Dione e Dan se entreolham.
Tem certeza de tudo isso? Não pode ser apenas... (Angely)
Eu previ que ele engravidaria as três no mesmo dia. (Dione)
Ela vai ter que... (Dan)
Dan baixa a cabeça.
Ainda é só um feto. (Angely)
Não acreditaria no que vi que essa simples criança faria. Melhor prevenir do que remediar. (Dione)
Angely levanta do sofá. Vai até a janela.
Não vou conseguir falar com Mel. (Angely)
Angely se vira de volta para Dione e Dancan.
É a sétima criança, talvez seja sete o número. Então quem fez isso acontecer pode estar usando sete, não seis. (Angely)
Mas então como explica o seis da idade e da diferença de idade entre eles? (Dan)
Descobriram quando estavam de sete meses e, se contarmos a idade a partir da concepção, terá sete anos quando conhecer a influência. (Angely)
Então é isso... (Dione)
Isso o que? (Angely)
A influência mais forte é o seis, mas depois vai se arrepender. Quando completar 777 anos. (Dione)
Não é por isso que deixaremos fazer os 776 anos e 364 dias de maldades. (Dan)
Quem vai falar com ela então? (Dione)
Não sei nem se concordo em falar. (Angely)
Bom, então não vai poder nos... (Dan)
Não posso voltar pra casa. (Angely)
Como assim? (Dione)
Não posso olhar pra Mel e mentir. (Angely)
Não vai tá mentindo... (Dione)
Vou, se perguntar. Já guardo algo, isso já está quase me sufocando. Dois segredos eu não aguento. (Angely)
Guarda algo dela? (Dan)
Não tenho como contar. Posso ficar aqui? (Angely)
Claro. (Dan)
Escute meu conselho, não vai conseguir aguentar essas três! (Dione)
Dione sai da sala.
Dia seguinte. Dione abre a porta da casa.
Cadê Angely? (Mel)
Ah? (Dione)
Não finge que não entendeu, criança. (Mel)
Dancan entra na sala. Está com o cabelo bagunçado e olheiras.
Mel, eu precisava... (Dan)
Escutei a conversa de vocês no telefone, sei que tá aqui. (Mel)
Na verdade, acabou de sair. (Dione)
Tava dormindo até essa hora? (Mel)
Sim, fiquei acordado até tarde. (Dan)
E não devia estar procurando um emprego? (Mel)
Recebi uma proposta de filme, vamos começar a gravar amanhã... (Dan)
Dan arregala os olhos e olha no relógio.
Droga eu devia pegar um avião! (Dan)
Não vou ficar aqui com elas enquanto grava seu filme! (Dione)
Dan olha para Dione.
Te dou metade do que ganhar. (Dan)
Adoro festas do pijama com grávidas! Vou fazer um chá de bebê pra todo mundo! (Dione)
Dan corre pro quarto. Dione sorri.
Que história é essa de premonição? (Mel)
Dione fecha a expressão.
Dancan, volta aqui! (Dione)
Você quem disse que viu, vai ter que me explicar. (Mel)
Dione solta o corpo no sofá. Mel cruza os braços.
Sempre sobra pra mim. (Dione)
Angely está andando pela rua. Pessoas passam. Angely para. Olha ao redor.
Todo mundo cuidando de suas vidas... Imagina como todas essas pessoas reagiriam se soubessem que sou de outro planeta... (Angely)
Lena e Maria se aproximam.
Você é o... (Lena)
Angely LK. Saturn. (Angely)
Ai, não acredito que encontramos você aqui! (Maria)
Nunca conseguimos ir num show! (Lena)
A gente não faz mais shows. (Angely)
Nós temos todos os CDs... (Maria)
Droga, eu nem tenho uma caneta! (Lena)
Vimos seu irmão outro dia, quer dizer, noite, mas ele tava dentro de um carro e o sinal abriu... (Maria)
Tem caneta??? (Lena)
Não, não costumo andar com canetas... (Angely)
Droga... (Lena)
Bom, não tenho canetas, mas se servir... (Angely)
Angely pega um chaveiro com chaves do bolso. Retira os dois chaveiros e dá a Lena e Maria.
Isso é melhor que ganhar na loto! (Maria)
Angely dá um sorriso contido.
Nossa, você de novo! (Milene)
Ah? (Angely)
Ah, não deve lembrar de mim, tem tantas fãs... Mas assinou meu caderno errado. Aliás, onde aprendeu a falsificar a assinatura do seu irmão? (Milene)
Falsificar? (Angely)
É, outro dia tava numa lanchonete aqui perto, me deu um autógrafo... Até pego o caderno aqui... (Milene)
Angely olha para trás. Volta a olhar para Milene.
Tenho que ir. (Angely)
Claro. (Milene)
Angely sai.
Você viu aquele sorriso??? (Lena)
Tão bonitinho, ele deu o chaveiro dele! Será que foi a Mel que deu pra ele??? (Maria)
Devia ter perguntado se ele tinha alguma foto dela! Quem sabe ele te dava também?! (Lena)
Odeio tiete... (Milene)
Angely entra em um prédio. Vai até uma sala nos fundos.
Tem coisa pior que perder a hora e ter que passar o dia num lugar sem saída pro subterrâneo? (Edmont)
Perder a hora de vez e nem isso encontrar. (Angely)
Tudo que pode dar errado, vai dar errado. Se pudesse acontecer isso, tinha acontecido. (Edmont)
Deu um autógrafo numa das trocas. (Angely)
E qual o problema? (Edmont)
Assinou seu nome quando estava com a minha cara. (Angely)
Milene. (Edmont)
Te disse o nome? (Angely)
Ouvi alguém chamando. (Edmont)
Ah... Melhor tomar mais cuidado quando fizer isso. (Angely)
Por que? Ninguém sabe que morri. (Edmont)
Milene estranhou. (Angely)
Deve estar estranhando mais ainda nossa conversa, né, Milene? (Edmont)
Milene sai de trás da parede.
Realmente. (Milene)
Pera, eu lembro de você... (Angely)
Não lembra, não. (Edmont)
Edmont encara Angely.
Mas eu... (Angely)
Angely para. Edmont continua encarando Angely.
Não é minha, é sua. (Angely)
"mas eu..."? (Milene)
Ah, sim. Você já foi numa das coletivas, não foi só aquele dia. Angely tem boa memória. (Edmont)
Você também. (Milene)
Mentira. Aliás, além de péssima memória, tem uma péssima educação também. (Kassandra)
Você tava na frente do prédio... Aliás, encontramos você em outro lugar também... Aqui. (Angely)
Kassandra olha para Milene.
Viu? Se estiver procurando namorado, escolha o loirinho. Ele é bem melhor. (Kassandra)
Melhor? Angely nem quer mais nada com ninguém. (Edmont)
Angely abre mais os olhos e olha para Kassandra.
Todo mundo quer. Vai dizer que descobriu que é assexuado agora? (Kassandra)
Amava alguém, morreu. Aí, pra não esquecer, aconteceu de novo. (Edmont)
Daquela época já era? (Angely)
Ah? (Kassandra)
Sabe do que estou falando. (Angely)
Peraí, você disse que tá morto... (Milene)
Eles falam dos sentimentos. (Kassandra)
Não, eles estavam falando na assinatura quando... (Milene)
Artistas. Sempre loucos. Devia saber disso, é repórter. (Kassandra)
Milene olha para Angely. Depois para Edmont.
Claro. (Milene)
Milene, vamos sair daqui. (Angely)
Só se me der uma exclusiva. (Milene)
Pode ser uma informação exclusiva? (Angely)
Depende. (Milene)
Sua vida não vai muito longe ficando aqui. (Angely)
Vai fazer o que comigo? (Milene)
Eu nada. (Angely)
Eu te dou a entrevista. (Edmont)
Vi a entrevista que deu pra última. (Kassandra)
Je partage pour me aider! Eu divido se me ajudar! (Edmont)
Kassandra ri.
Repórteres costumam saber várias línguas. (Kassandra)
Milene olha pra Edmont. Olha para Angely. Sai. Angely olha para Kassandra. Então para Edmont. Segue Milene.
Valeu, eu tava com sede. (Edmont)
Invadiu meu esconderijo. (Kassandra)
Pra que quer um lugar sem acesso? (Edmont)
Engano seu. Você que é inexperiente ainda, não sabe encontrar esse tipo de coisa. (Kassandra)
Sabe o que descobri? (Edmont)
Provavelmente nada que me interesse. (Kassandra)
Melody engravidou. (Edmont)
Eu não disse? Peraí, ele não te contou isso... (Kassandra)
Como acha que descobriu que eu estava com sede? (Edmont)
Tá, você lê a mente do seu irmão gêmeo. Já vi gêmeos com truques melhores. (Kassandra)
Não é esse o ponto. Tô falando da criança. Tinha preocupação. (Edmont)
Onde quer chegar? (Kassandra)
Tinha algo sobre uma profecia, mas não consegui perceber mais nada. (Edmont)
Milene está andando com Angely.
O que que é o seu irmão? (Milene)
Não posso dizer. (Angely)
Por que não? (Milene)
Por que você simplesmente não acreditaria. (Angely)
Ah, ele é um vampiro por acaso? (Milene)
Angely para.
Sabe alguma coisa sobre isso? (Angely)
Michele para, arregala os olhos e olha para Angely.
Ah, meu Deus, eu tava só... (Milene)
Já entrou na sua casa alguma vez? (Angely)
Não, ele... (Milene)
Fique longe e se mantenha em casa a noite. Vai ser mais seguro. (Angely)
Então vampiros não podem mesmo entrar se não forem convidados? (Milene)
Sim. (Angely)
Me fala mais. (Milene)
Ah? (Angely)
Sou curiosa, por que acha que virei repórter??? (Milene)
MEAK. Kat chega. Mel está arrumando malas.
Que isso??? Pra onde vai??? (Kat)
Me mudar. (Mel)
Preciso te contar, tive um sonho... (Kat)
Fala com Angely! (Mel)
Não, não vai acreditar! (Kat)
É com Edmont? (Mel)
Por que outro motivo Angely não acreditaria??? (Kat)
Podia ser Zenon. (Mel)
Faz um tempão que Zenon sumiu! (Kat)
Tá, eu acho que tenho o telefone de Alexander... (Mel)
Quem??? (Kat)
Que caça-vampiros... (Mel)
Dione entra na sala.
Eu sabia que ia estar aqui! (Dione)
Já disse que não vou fazer o que querem! (Mel)
Mel, precisa ser com você! (Kat)
Ah? (Dione)
Eu tenho sonhos sobre o futuro... E você é... (Kat)
Dione, profetiza. (Dione)
Mel bufa.
Tá, qual o problema??? (Mel)
Edmont vai transformar alguém, e vai ser... (Kat)
Ser o vampiro mais cruel que existe? (Dione)
Kat franze a testa.
Não faria tanto drama, mas é tipo isso. (Kat)
Cheguei mais cedo. Deve ser o filho da Mel. (Dione)
Por isso tá fugindo??? (Kat)
Querem que eu aborte! Quem tem que decidir, se for fazer isso, sou eu! (Mel)
Mel, você quem tem que resolver, eu vi isso!!! (Kat)
Dane-se o que pensam! (Mel)
Não vai sair daqui! (Dione)
Mel levanta a almofada da sala e tira uma besta.
Vou sim. (Mel)
Mel, pensa... (Kat)
É minha criança, entenderam??? Minha criança! Ninguém vai tocar! Não vão me tirar de novo! (Mel)
Eu tô aqui ainda. A gente se encontrou de novo. A gente tá junto. (Kat)
Dione olha para Kat.
E vamos estar junto depois que eu impedir de me tirarem esta. E sei que você não vai tentar me impedir. (Mel)
Mel aponta a besta para Dione.
Pro canto. Agora. (Mel)
Noite. Edmont está em um beco, no chão, sentou-se. Perto, um corpo. Beatrice chega.
Descansando? (Beatrice)
Deu trabalho. (Edmont)
Tô vendo seu braço. (Beatrice)
Por pouco você não ia estar vendo no chão. (Edmont)
Falei que era uma caça-vampiros. (Beatrice)
Tanto faz. Eu tava morrendo de sede. (Edmont)
Não pode morrer de sede. Além do que, já está morto. (Beatrice)
Não é o que diz quando está embaixo de mim. (Edmont)
Edmont se levanta.
Sabia que agora Angely vai pra um sanatório? (Edmont)
Por que? (Beatrice)
Bom, se for falar para repórter que eu sou vampir... (Edmont)
Ela não vai ter como provar. (Beatrice)
Vai sim. Tava com gravador. (Edmont)
Tadinho. (Beatrice)
Tá com pena? É um sentimento humano, cuidado. (Edmont)
E ciúmes, é humano? (Beatrice)
Edmont franze a testa.
De quem? (Edmont)
Quem andou com Kassandra? (Beatrice)
Edmont ri.
Jogo legal. Quem andou com Virgine? (Edmont)
Ela é poderosa. (Beatrice)
Tenho certeza que seu motivo foi outro. Até rima. (Edmont)
Edmont beija Beatrice.
Para de se negar. Não precisa. (Edmont)
E você? (Beatrice)
Edmont ri.
Jura que ainda acha que sou hétero? (Edmont)
Nunca te vi com um cara. (Beatrice)
Já viu as espectativas de vida da população LGBT? A pessoa já vai morrer nova sozinha, não precisa de ajuda. (Edmont)
Edmont se afasta e olha para fora do beco.
Mas eu devo mudar de ideia. Gosto de variar o cardápio. (Edmont)
Não em todos os sentidos. Ultimamente só tem se alimentado de caça-vampiros. (Beatrice)
É meu paladar. (Edmont)
Quem sabe você não está viciado? (Beatrice)
Besteira. Não tem diferença de sangue de quem caça pra sangue comum. (Edmont)
Você quem pensa. (Beatrice)
Edmont olha para Beatrice de volta e franze a testa. Beatrice sorri de canto de boca.
MEAK. Angely chega, abaixa perto de Dione. Dione abre os olhos e começa a tossir. Kat entra na sala.
Que aconteceu? (Angely)
Mel. (Kat)
Por que faria isso? (Angely)
Acontece que não tem outro jeito de evitar a tragédia, a não ser ela tirar essa criança, antes que seja tarde! (Dione)
Mas... (Angely)
Nem mais nem menos, temos que ir atrás! (Kat)
Você dorme, eu e Angely vamos procurar. (Dione)
Precisamos de Derik, pra encontrar vocês caso eu veja algo! (Kat)
Ouvi meu... (Derik)
Na hora! (Kat)
Kat pega Derik pela mão e sobem.
Aeroporto.
Como, cancelado?! (Mel)
Cancelado, senhorita. Nenhum vôo sai daqui nesse tempo. (Mariana)
Mas que merda... (Mel)
Você não é a... (Mariana)
Não! Aliás, odeio essa pessoa! (Mel)
Mel sai andando. Coloca sua mala ao lado dos bancos. Deixa o corpo cair em um banco ao lado da mala. Dancan chega correndo.
Que tá fazendo aqui??? (Dan)
Mel levanta e olha para Dan. Cruza os braços.
Vou embora do país. (Mel)
Ah??? (Dan)
Se tentar algo, começo a gritar aqui. Imagina a manchete: ator no auge da carreira tenta atacar integrante da extinta Saturn. Sua vida vai pro espaço. E não seria mentira, considerando o que tão querendo fazer. (Mel)
Não vai adiantar isso. (Dan)
Ah, não? Quer que eu prove? (Mel)
Não tô falando de você gritar, e tô falando de fugir. (Dan)
Edmont é quem vai fazer com que a criança se transforme num monstro. Se ficar longe, evito. Kat disse que eu quem tenho poder de evitar. (Mel)
Ele vai te seguir! Aliás, que história é essa do seu irmão... (Dan)
Não é mais ser humano. (Mel)
Como assim? (Dan)
Não dá pra explicar. Tenho que ir. (Mel)
Não vou deixar você ir sozinha! (Dan)
Se enxerga! Você não tem o que deixar! (Mel)
Sou o pai, não sou??? (Dan)
Mel solta os braços e encara Dan.
Tá dentro do meu corpo, não aluguei meu corpo pra você. (Mel)
Peraí, já sabia que tava grávida??? (Dan)
Sabia. (Mel)
De quanto tempo? (Dan)
Um mês. Como disseram. Provavelmente os testes não funcionavam porque só funcionam com seres... (Mel)
Se vai fugir, vou com você. (Dan)
Quem foi que te disse que isso é escolha sua?! (Mel)
Você pode ir comigo... Posso te ajudar... (Dan)
Mel revira os olhos.
E onde pretende ir? (Mel)
Gravar o filme. Ele não vai poder entrar... (Dan)
Edmont também tem fama, esqueceu? (Mel)
Por isso mesmo. Mandamos não deixar ele se aproximar, qualquer um reconhece ele. (Dan)
Não vai mesmo querer... (Mel)
Vou pagar pensão! Eu levo as crianças comigo se puder, se não puder... (Dan)
Pai herói de final de semana. (Mel)
Se eu puder compartilhar a guarda, vou fazer isso! Nem que tenha que pagar o aluguel delas! Eu quero casar com você! (Dan)
E quem disse que eu quero casar com você?! Quando foi que eu te disse isso?! (Mel)
Dan baixa a cabeça. Olha para Mel.
Tenho um quarto num hotel aqui perto. Podemos ficar lá. (Dan)
Não sei. (Mel)
Por favor... (Dan)
Madrugada. Mel e Dan estão na cama, olhando para o teto.
Eu tava lembrando de uma coisa... Não, você vai achar idiota. (Dan)
Fala. (Mel)
Não, eu... (Dan)
Mel senta-se na cama.
Ou fala, ou apanha. (Mel)
Dan senta.
É que, quando eu era mais novo, sonhava com aquelas histórias de romance proibido, fugir com a pessoa que eu amasse... (Dan)
Sei... (Mel)
Eu jurei pra mim mesmo que, se tivesse uma vida comum, pelo menos a lua-de-mel seria uma fuga. (Dan)
Iam voltar depois. (Mel)
Voltaríamos. Mas fugiria com ela quantas vezes pudesse. (Dan)
Ah. Bom, cada pessoa tem seus sonhos. (Mel)
Sabia que ia me zoar... (Dan)
Não. Cada pessoa faz o que quer da vida. Só não parecia ter esse tipo de sonho quando nos conhecemos. (Mel)
Estava tentando enterrar meu coração. (Dan)
Não devia. (Mel)
Devia sim. levanta e se vira Não quer ele. (Dan)
Mel revira os olhos.
O que não devia é ficar condicionando seu amor a ser seu motivo de vida ou fazer sua felicidade depender de te corresponderem amor. Ou agir como se fosse encontrar a pessoa da sua vida uma vez e nunca mais. (Mel)
Você me falou de um cara quando demos um tempo, então voltamos... Você ama ele? (Dan)
Isso é besteira. (Mel)
Não é, não. Vou cuidar de você por que está grávida e por que te amo, dito em ordem de importância. Mas você não me ama. (Dan)
Zenon foi embora. E eu já te disse que eu gostar de uma pessoa não interfere em gostar de outra. (Mel)
Estou falando de amar, não gostar. (Dan)
Às vezes eu me pergunto se você dá descarga no que digo. (Mel)
Ok, eu sei, mas o jeito que você age... (Dan)
Eu não sei se eu ainda sou capaz de amar. (Mel)
Dan deita e vira para o lado.
Tomara que esqueça ele. (Dan)
Mel revira os olhos. Deita e vira para o outro lado.
Dia seguinte, manhã. Zenon está andando pelo subterrâneo.
Agora ela vai casar e você vai ficar sem. (Kassandra)
Do que tá falando? (Zenon)
Decidiu virar caçador de vampiros, solitário... (Kassandra)
Se está se referindo à Melody, desejo que ela seja muito feliz. (Zenon)
Que lindo... Vou chorar! (Kassandra)
Não seria feliz ao meu lado. (Zenon)
Não, largou ela por que sabe que ia ter mais galhos que se tem na Amazônia. (Kassandra)
Ela não se chama Kassandra. (Zenon)
Troca de amante como de roupa. (Kassandra)
E você já teve tantos como água há no mar. (Zenon)
Tenho 803 anos andando sobre a Terra. Ela tem vinte e sete. (Kassandra)
Vinte e oito. (Zenon)
A idade com que Andrews me encontrou. (Kassandra)
E deu nisso. (Zenon)
Agora ela vai casar, formar uma família, ter muitos filhos, envelhecer... Ai, que alergia! (Kassandra)
Pra isso que veio atrás de mim? (Zenon)
Pra te dizer que vai ver ela morrer, e os filhos dela, os filhos dos filhos dela... (Kassandra)
Não sei, mas o que me deixaria feliz é ver você morrer. (Zenon)
Por que não tenta? (Kassandra)
Você me venceria. (Zenon)
Quer dizer que eu poderia te matar agora? (Kassandra)
Pra que? (Zenon)
É um caça-vampiros agora... (Kassandra)
Zenon encosta Kassandra na parede.
Acha que não sei que não sabe lutar e que só enfrenta alguém com alguma sombra? (Zenon)
E quem seria? (Kassandra)
Pra mim? Virgine, melhor sair daí... (Zenon)
Virgine aparece.
Um vagabundo sedutor de virgenzinhas inocentes como você... (Virgine)
Ah, claro, e você casa com todas elas! (Zenon)
Zenon se vira, puxando Kassandra para a sua frente.
Ainda não derrubou a organização. (Zenon)
São uma praga, da qual agora você faz parte. (Virgine)
Eles não aceitam vampiros. (Zenon)
Eu sei. Mas Andrews quem os criou. (Virgine)
Nós é que somos a praga. (Zenon)
Me poupem de ouvir mais uma conversa de vocês... Por que não atira nele logo? (Kassandra)
Por que não é esse meu propósito. (Virgine)
Agora sua seita adotou algum ritual pra matar caça-vampiros? (Zenon)
Temos planos pros caça-vampiros de verdade. Mas você eu quero pra descobrir o que aconteceu e impedir que aconteça com outros. (Virgine)
Peraí, "descobrir o que aconteceu e impedir que aconteça com outros"?! (Zenon)
Vampiros não caçam os outros à toa. Andrews foi culpa de uma santa. (Virgine)
Fala tanto do Andrews, acho que é apaixonada por ele... (Zenon)
Ela não gosta de homem, imbecil. (Kassandra)
Então por que não me mata? (Zenon)
Já dei o motivo. (Virgine)
Então, por que acha que eu vou soltar Kassandra e ir com você? (Zenon)
Talvez ainda tenha uma parte má e queira se livrar desse seu lado bonzinho... Ou será que vamos ter que enterrar você por quinhentos anos também? (Virgine)
Nem por mil. (Zenon)
Atira logo. (Kassandra)
Já disse que... (Virgine)
Depois eu quem não penso! Não precisa acertar! (Kassandra)
Zenon joga Kassandra em cima de Virgine. Corre. Edmont estava andando, de cabeça baixa. Vira a cabeça para cima e fecha os olhos, mas segue andando. Toma uma trombada e vai parar no chão.
Será que não olha onde anda?! (Edmont)
Edmont levanta. Zenon também.
Eu eava fugindo, você que devia prestar atenção! (Zenon)
Achei que sentisse quando alguém se aproximava! (Edmont)
E sinto. Tava distraído. (Zenon)
Então assume? (Edmont)
Você também deveria ter sentido! (Zenon)
Um desastre vir correndo na minha direção pra testar as leis da física? Não é perigo. (Edmont)
Tá, homem-aranha, considera perigo uma vampira com uma besta na mão? (Zenon)
Depende. Não se for Virgine. (Edmont)
Como sabe? (Zenon)
Que é Virgine ou que não é perigo pra mim? (Edmont)
Melhor sair daqui... (Zenon)
Sabia que Mel vai fugir com uma pessoa? (Edmont)
Que droga, só eu que não tava sabendo??? (Zenon)
Eu sei por causa de Angely... Quem mais sabe? (Edmont)
Virgine. (Zenon)
Quem sabe a criança irá destruir caça-vampiros... (Edmont)
Como assim? (Zenon)
Seria um motivo pra Virgine querer a criança. (Edmont)
Ah... (Zenon)
Zenon olha para o chão. Arregala os olhos e olha novamente para Edmont.
Peraí, que criança??? E fugir por que??? (Zenon)
Guiness tem recorde de distração? Pergunta pras suas amizades. Tem alguém que acho que talvez tenha essa informação pra você, cabelo loiro, olhos azuis, uma pessoa linda... (Edmont)
Quanto modéstia falar assim do irmão gêmeo... (Beatrice)
Por que tá me seguindo? (Edmont)
Não queria a passagem? (Beatrice)
Vai atrás de Melody? (Zenon)
Edmont sai. Zenon vira para o outro lado, mas Beatrice lhe segura o braço e Zenon desvira.
Nem oi? (Beatrice)
Zenon puxa o braço.
Tchau. (Zenon)
Zenon vira e dá um passo, mas Beatrice puxa Zenon e beija. Dá um sorriso e sai. Zenon dá de ombros e continua seu caminho. Beatrice segue na terceira direção, de onde Zenon vinha. Encontra Virgine e Kassandra.
Pra que tanta raiva? Você pega ele depois. (Kassandra)
"Se me desse com prostitutas, andava com Kassandra"... (Beatrice)
Que tá fazendo aqui? (Virgine)
Resumindo? Absolutamente nada. E vocês? (Beatrice)
Ela tá caçando Zenon. (Kassandra)
E por que tá ajudando? (Beatrice)
Também não tenho mais o que fazer. (Kassandra)
Primeiro morreu Andrews, Dilan, Rust... (Beatrice)
Todos eles por idiotice. Fazer o que, eram homens. (Virgine)
Podem ser as próximas. (Beatrice)
Kassandra ri e sai.
Por que está caçando Zenon? (Beatrice)
Se apaixonou por ele como por Andrews? (Virgine)
Não. Eu já tenho alguém. (Beatrice)
Pelo que sei, ele quem tem você. Te domaram, Beatrice? (Virgine)
Beatrice olha para o chão.
Talvez fosse isso que estivesse precisando. (Virgine)
Beatrice olha novamente para Virgine, com a boca travada. Virigine ri. Beatrice sai.
Enquanto isso, Angely chega em casa, com Dione.
Nada, nada, nada... (Dione)
Pelo menos sabemos que não saiu da cidade. (Angely)
Kat não sonhou nada. (Derik)
Zenon chega, com uma capa preta, colocando a capa no sofá.
Você desapareceu... (Angely)
Preciso falar com a Mel. (Zenon)
Pega a senha. (Dione)
Quem é essa? (Zenon)
Kat desce até a sala.
Dione, é... (Kat)
Prazer, sou a profetiza que previu que o filho da Melody Lorrage Kallend será a desgraça do mundo. (Dione)
Que??? (Zenon)
Não podia ter falado com um pouquinho mais de jeito??? (Kat)
Não sabia que ele não sabia. (Dione)
Acha que colocamos isso no jornal por acaso??? (Derik)
Por que ninguém me contou??? (Zenon)
Não sabíamos como te encontrar. (Angely)
Quer o quê? Você desapareceu por seis meses! (Kat)
Eu não queria incomodar vocês novamente. (Zenon)
E aquele papo de agência? Tava fugindo da responsabilidade... (Kat)
Eu pensei direito. É loucura dela. (Zenon)
Não vai ter mais, ela foi embora com meu irmão... (Dione)
E que história é essa de "desgraça do mundo"? (Zenon)
É, a criança de Mel é o sétimo filho de Dancan. (Derik)
Descobri que... (Dione)
Sétimo??? (Zenon)
Engravidou três, há sete meses, no mesmo dia. (Kat)
Nossa, isso que é azar... (Zenon)
Sexta treze. Posso continuar? (Dione)
Não quero escutar isso de novo, se não se importam, tô com sono. (Derik)
Derik sobe a escada.
Continue. (Zenon)
Obrigado. Como eu ia dizendo... (Dione)
Sala.
E eu vi que ia ser Edmont... (Kat)
Viu ele? (Zenon)
Como assim? (Kat)
Viu o rosto, ele inteiro? (Zenon)
Não, na verdade era vulto, mas... (Kat)
Por que acha que é o Edmont? (Zenon)
Tem o jeito, é quem conheço de vampir ruim e eu senti que conhecia. (Kat)
Zenon dá uma meia risada, parecida com de deboche.
Não era Edmont, é você... (Kat)
Angely olha pra Zenon, que senta-se no sofá, sem querer olhar nos olhos de ninguém.
Sabia de tudo, se afastou pra que acontecesse... (Kat)
Ele é um vampiro??? (Dione)
Tem algo errado. (Angely)
Claro que tem, a pessoa que vai criar a besta do apocalipse tá dentro da nossa casa! (Kat)
Não é isso... Zenon, você não é ruim. (Angely)
Seu irmão é uma graça, mas tem uns parafusos a menos! (Dione)
Angely nasceu sem parafuso algum! (Kat)
Tem alguma arma aqui? (Dione)
Zenon já teria reagido. (Angely)
A menos que tenha gente vindo pra cá... (Kat)
Talvez elas estejam certas. (Zenon)
Levanta do sofá.
Acho que vão ter que fazer isso. (Zenon)
Tem a ver com o que te fez trocar de lado para o bem? (Angely)
Você não explicou pra nós o que era. (Kat)
Não vão saber. (Zenon)
Zenon se dirige a saída. Angely segura o braço de Zenon.
Não tá esquecendo nada? (Angely)
Não. (Zenon)
Angely solta o braço de Zenon. Encara.
Não pode fazer isso. (Angely)
Zenon vai sair, mas Angely joga Zenon na parede de divisória cozinha/sala. Zenon desmaia. A parede fica destruída.
Não sabia que seu irmão era tão forte... (Dione)
Ainda bem que não estamos na minha casa. (Kat)
Que houve?! Cadê o demônio de cinco braços que fez isso??? (Derik)
Foi Angely. (Kat)
Ia se matar se eu não fizesse. (Angely)
Por quê?! (Derik)
Acha que o sonho pode ser sobre sim. (Angely)
E a premonição! Não esqueça da premonição! Eu vi primeiro! (Dione)
E salvou Zenon pois... (Derik)
Assim inconsciente no chão, com um empurrãozinho de Angely, já não parece mesmo a coisa que vi no meu sonho. (Kat)
Dione, quem está cuidando das pessoas? (Angely)
Que pessoas? (Dione)
Gestantes. (Angely)
Elas têm idade pra se cuidar! (Dione)
Gravidez não é a mesma coisa. E parecem estar bem fora de si. (Angely)
Tá, eu vou arranjar quem cuide. (Dione)
Nós cinco vamos até a biblioteca procurar como evitar esse mal. (Angely)
Pera, eu, você, Dione, Derik... Tá incluindo Zenon?! Porque não vou ficar dentro de uma biblioteca com... (Derik)
Kata cruza os braços e encara Derik.
Adoro ler. (Derik)
Mel não tá aqui pra organizar as coisas, então temos que fazer isso. Por Mel. (Angely)
Angely pega Zenon no colo e sobe.
Mel, onde você tá? (Kat)
Por que obedece ele? (Dione)
Não é bem obedecer... Temos uma agência. Bom, não tivemos nenhum trabalho até agora, mas... (Kat)
Legal, desde quando têm ela? (Dione)
Desde o início do ano. Quem vai pedir pra cuidar, alguém que conhece? (Kat)
Talvez eu dê a elas uma passagem pra Europa. (Dione)
Acho que é melhor colocar alguém que conheça. E é bom ser alguém de confiança. (Derik)
De noite, estão na cozinha. Angely encostou-se na pia; Kat está mexendo na geladeira; Dione está numa das cadeiras; Zenon em outra, segurando um saco de gelo na cabeça.
Alexander sabe mesmo dessa tal biblioteca? (Kat)
Sabe, vai nos levar... (Angely)
Uma buzina. Angely olha para fora. Olha ao redor.
Cadê Derik? (Angely)
Na casa de Dan, Derik está na cozinha. Mexe uma panela aberta com arroz, há também uma panela de pressão ao lado.
Eu e minha grande língua de trapo... (Derik)
Biblioteca. Zenon tem um livro aberto em sua frente, seus olhos estão quase fechando. Fecham e o livro tomba na mesa.
Dormiu oito horas! (Kat)
Zenon abre os olhos e se ajeita na cadeira.
Costumo dormir doze. (Zenon)
Acontece que o normal é oito horas por dia, como temos feito. E você fica aí, dormindo em cima de um livro que poderia ser... (Kat)
Kat pega o livro e arregala os olhos.
Dione, precisa ver isso! Dione?! (Kat)
Zenon levanta. Angely vem até Kat. Kat entrega o livro e Angely olha.
Dione! (Kat)
Dione tira um chapéu do rosto.
Não acabaram minhas oito horas, coloquei o relógio pra... (Dione)
O relógio começa a apitar. Dione encara o relógio. Desliga. Pousa o chapéu na mesa e vai até o resto das pessoas.
Sabe se é isso aqui? (Angely)
Dione pega o livro da mão de Angely. Arregala os olhos.
É isso!!! Quem achou?! (Dione)
Bom, tecnicamente, foi você quem trouxe a última leva de livros que pegamos na prateleira, então... (Zenon)
Não importa!!! Vamo logo, já perdemos tempo demais!!! (Dione)
Saem da biblioteca. Tudo está escuro. A rua está deserta.
Será que o apocalipse já aconteceu? (Dione)
Ou são três horas da manhã. (Kat)
Dione olha o relógio.
Mas o apocalipse pode ter acontecido ainda sim. (Dione)
Carro. Angely está dirigindo. Kat dorme no banco da frente. Dione dorme também, deitou-se no colo de Zenon, no banco de trás. Zenon também dorme. Angely estaciona o carro na garagem. Pega Kat e leva para dentro no colo. Coloca na cama de Mel. Zenon acorda e olha para o horizonte. Entra correndo. Angely está na sala. Ri. Sai e pega Dione. Fecha o carro com o pé. Entra de volta. Sobe a escada. Zenon segue.
Quarto de Angely.
Temos que ir! Dar a boa notícia pra Mel! (Kat)
Angely sai do banheiro com a escova de dentes na boca. Zenon senta na cama e esfrega o olho.
Eu fico muito feio bronzeado. (Zenon)
Alguém de vocês lembrou de Derik??? (Kat)
Como será que ele tá agüentando as três? (Dione)
Angely volta para o banheiro, cospe e volta.
Não sei, mas eu vou comprar uma passagem pra Europa, descobrir onde tá Mel e falar pra não se afligir mais. (Angely)
Kat e Dione saem. Zenon vira para o lado e continua dormindo. Angely termina de escovar os dentes, senta na escrivaninha e liga o notebook. Na cozinha, Kat pega duas torradas e põe no prato. Passa manteiga. Senta-se. Morde. Angely entra na cozinha. Olha para Kat.
Alguma coisa com Mel? (Kat)
Passamos três meses na biblioteca. (Angely)
Que??? (Kat)
Eu ouço muito bem, mas acho que devo estar com algum problema... (Zenon)
Mel já está de quatro meses. (Angely)
Estava de um quando fomos pra lá. (Kat)
Comprei a passagem para ir quanto antes. Tá na Espanha e eu... (Angely)
Angely sente algo estranho. Coloca a mão no rosto. Olha para as outras pessoas. Sai correndo. Kat segue. Zenon vai, mas para na porta.
Que tá fazendo??? (Kat)
Temos que encontrar Mel mais que rápido. (Angely)
Então vamos... (Kat)
Espanha, 14h. Edmont bate a porta de um apartamento de hotel. Dan abre.
Edmont?! (Dan)
Qual o espanto, achou que ninguém acharia vocês? (Edmont)
Ah... Eu... (Dan)
Você tem fama agora, tá quase terminando o filme do século, Melody era de uma banda que acabou no auge, o que pensou que iria acontecer? (Edmont)
Melody me disse que você tinha se afastado de todos, aliás, você sim conseguiu driblar revistas, jornais e... (Dan)
Posso entrar ou vamos ficar conversando aqui na porta? (Edmont)
Ah, desculpa, entra... (Dan)
Edmont entra.
Melody? (Edmont)
Dormindo. Você não veio aqui tentar convencer Mel a... (Dan)
Edmont franze a sobrancelha.
Ao que? (Edmont)
Nada. Ah, eu não tô quase terminando. Já terminaram as gravações, já até recebi meu cache inteiro... (Dan)
Sério? (Edmont)
Aeroporto. Angely anda de um lado a outro. Toca o telefone. Angely atende.
Saiu correndo daqui e nem... (Kat)
Tenho que ir só. (Angely)
Angely, por que tá desse jeito??? (Kat)
Essa hora que não passa... (Angely)
Angely olha o relógio de pulso. Bate o dedo. Arregala os olhos. Olha a tela do celular.
Meu relógio quebrou, me atrasei! (Angely)
Angely desliga e sai correndo. Na MEAK, Zenon está no sofá.
Vai falar com Mel. (Kat)
Esqueceu o livro. (Zenon)
Vai trazer... (Kat)
Ela não vai acreditar nele. (Zenon)
Mel sabe que Ang não mente. (Kat)
Nem pelo bem dela? Nem pelo bem do mundo? (Zenon)
Melhor a gente levar então. (Kat)
Eu levo. Assim que anoitecer. (Zenon)
Por que todo mundo me deixa de fora??? (Kat)
Acha que vou querer ser o responsável se acontecer alguma coisa com você? (Zenon)
Se me deixar aqui sem ninguém, vai ser. (Kat)
Você fica aí com a irmã do atorzinho. (Zenon)
Ah, já entendi, você tá é com ciúmes de Dancan! (Kat)
Até parece! (Zenon)
Não, é só minha imaginação. (Kat)
É isso mesmo, você tem uma imaginação muito fértil. Fazer o que, as crianças... (Zenon)
Eu não sou criança, tenho quatorze anos! (Kat)
E eu duzentos e vinte e dois, bebê! (Zenon)
Não era cento e noventa e sete? (Kat)
Mais vinte e cinco de vida. Bom, eu tô indo, tenho que arrumar as coisas pra ir... (Zenon)
Kat cruza os braços.
E você tem alguma coisa? (Kat)
Zenon encara Kat.
Eu tenho armas, tenho roupas. Não saio roubando as coisas dos outros. (Zenon)
E com que dinheiro você comprou? (Kat)
Zenon sai.
Eu compro uma passagem e vou! (Kat)
Você é menor, bebê! (Zenon)
Kat se joga no sofá. Dione desce a escada.
Onde estão os dois? (Dione)
Angely já foi pra Europa e Zenon foi buscar coisas pra ir atrás. (Kat)
Ciúmes da sua irmã. E aí, quais as novas? (Dione)
Ficamos três meses na biblioteca. (Kat)
Ai, meus sobrinhos... (Dione)
Kat arregala os olhos.
É mesmo, esquecemos... Já devem ter nascido! (Kat)
Já tô até com pena do seu namorado... (Dione)
Apartamento de Dan.
Então tá com as crianças... (Kat)
Dormindo, sorte de vocês. Três chorões e três cagonas! Ainda bem que pelo menos acesso a conta de Dancan eu tinha! (Derik)
Mas elas foram pra onde? (Dione)
Derik se senta.
Bom, Tifani morreu no parto. Tava feliz com as crianças, deu dó. Laura me disseram que saiu dizendo que não tinha tido criança nenhuma. Julieta, depois de três dias aqui comigo, cuidando dessas crianças chatas, disse que ia sair pra comprar cigarros e não voltou... (Derik)
Derik olha na direção do quarto e segue pra lá. Dione franze a testa. Kat segue, Dione também. Derik pega uma das crianças.
Calma, não fica assim, eu disse que Dancan já vem... Eu sei, tá demorando, mas não me olha com essa carinha... (Derik)
Kat e Dione se entreolham.
Eles vão... (Dione)
Vai acordar os outros! (Derik)
Derik devolve a criança ao berço, aponta a porta. Dione e Kat saem. Derik passa a mão na cabeça da criança que acordara e sai. Fecha a porta e volta pra sala.
Tá parecendo um berçário aquilo... (Dione)
Por que ficaram três meses naquela biblioteca??? (Derik)
Foi tão ruim assim? (Kat)
Agüentei Laura, Tifani e Julieta três dias... Daí todas as crianças quiseram dar uma olhada no sol! Aliás, na lua! Três da madruga, acreditam??? (Derik)
Angely foi pra Europa, encontramos a solução. (Kat)
E porque Dancan ainda não voltou?! (Derik)
Dancan não voltaria enquanto Mel não tivesse a criança. (Kat)
Eles vão voltar. Até lá, cuidaremos das crianças. (Dione)
Bom, pelo menos agora vou ter ajuda. (Derik)
Espanha. Edmont olha pro relógio. 17h.
Melody não acorda mesmo... (Edmont)
Edmont franze a testa.
Não costumava dormir tanto. (Edmont)
Edmont abre a porta do quarto. Um bilhete sobre a cama. Edmont pega.
Sinto muito, Dancan. Não posso mais ficar.
Edmont volta a sala. Abaixa perto de Dan.
Te fiz um favor no final das contas. (Edmont)
Edmont coloca o bilhete sobre Dancan. Levanta.
Foi embora acreditando nos seus contos de fadas. (Edmont)
Angely está saindo do aeroporto espanhol.
Agora é só encontrar Mel. (Edmont/Angely)
Mel está num porto, olhando para o mar. Um capuz se aproxima.
Conheço você. (criatura)
Grande novidade, metade do mundo me conhece e eu conheço menos de um décimo dessas pessoas. (Mel)
Mas eu sou diferente. (criatura)
Vai levar o navio que vai pra Austrália? (Mel)
Não, nem poderia. (criatura)
Então não me interessa. (Mel)
Não poderia por que o corpo está na cabine, deve estar sendo achado agora. (criatura)
Eu só atraio isso mesmo... (Mel)
Bom, se atrai tanto e está viva, deve ter alguém que te protege. (criatura)
Mel puxa a criatura pelo capuz e joga na água.
Não é como se eu precisasse. (Mel)
Pega a mochila e coloca nas costas.
Mel vai andando até um navio. Franze a testa. As pessoas estão embarcando. Mel se aproxima da pessoa que controlava o embarque.
¿Cómo están embarcando las personas si quien iba a pilotar murió? Como estão embarcando as pessoas se quem ia pilotar morreu? (Mel)
Muerto? Señorita, debe haber algún error... Morto? Senhorita, deve haver algum engano... (Serena)
Mataron al capitán! Mataron al capitán! Mataram o capitão! Mataram o capitão! (Rosário)
Serena e Mel olham na direção de Rosário, que estava no navio. Serena olha para Mel.
¿Cómo lo sabes? Como sabia? (Serena)
Noite. Cela de prisão.
Por que eu fiquei e perguntei quando simplesmente podia ir embora? (Mel)
Um barulho estranho. Levanta. A criatura de capuz vem andando até a frente da cela.
Tô com pena de você. (criatura)
Valeu a enrascada. (Mel)
Você me jogou no mar. (criatura)
Você já tinha me falado. (Mel)
Se tivesse continuado falando comigo, talvez eu tivesse dito tudo. (criatura)
Matou quem tava de guarda. (Mel)
Por que acha isso? (criatura)
Não foi uma pergunta. (Mel)
Apenas adormeci. Não é por estar na prisão que estou com pena de você. (criatura)
Que bom saber isso, não sabe o quanto me importo com sua opinião! (Mel)
Essa gravidez... Você é tão jovem... (criatura)
Não é como se eu fosse morrer por isso. (Mel)
É o que dizem. (criatura)
Por que tá atrás de mim? (Mel)
Cisma. (criatura)
E com que? (Mel)
Você não é humana. (criatura)
Mais que você. (Mel)
Aí é que você se engana. Atlantes estão mais anos distantes dos humanos que vampiros. (criatura)
Quem é você afinal? (Mel)
Meu nome é Argo. Quer chutar minha idade? (Argo)
Trezentos. (Mel)
Triplica. (Argo)
Angely para em um bar. Uma TV está ligada.
(...) escapó de la prisión, donde estuvo bajo sospecha de haber participado en el asesinato del capitán de esta tarde. Los aficionados dicen que han pedido la dedicatoria y que Melody no podía estar en el barco en ese momento (...) (...) fugiu da prisão, onde estava por suspeita de envolvimento no assassinato do capitão hoje a tarde. Fãs afirmam terem pedido o autógrafo e que Melody não poderia estar no navio naquele momento (...) (TV)
Angely sai do bar. Olha pros lados.
Se fosse eu sabia... (Angely)
Angely olha para o outro lado da rua. Vai até Edmont.
Você jurou. (Angely)
Não estou aqui para me vingar. Além do mais, eu podia driblar você. Poderia estar atrás da cria. Prometi deixar Mel e Kat em paz, não falei nada sobre... (Edmont)
Por que tá aqui então? (Angely)
Por que sou a única criatura com coragem pra evitar isso. (Edmont)
Já achamos a solução. (Angely)
Duvido. (Edmont)
Sabe que achamos. (Angely)
Edmont encara Angely. Silêncio.
Tudo bem, se acharam realmente uma solução verdadeira, eu ajudo vocês. Se não, farei do meu jeito. (Edmont)
Angely dá um sorriso.
Hotel. Angely entra no quarto. Zenon levanta da cama.
Você esqueceu... (Zenon)
Quanto tempo. (Edmont)
O que ele tá fazendo aqui?! (Zenon)
Veio ajudar. (Angely)
Edmont pega o livro sobre a mesa.
É isso? (Edmont)
Zenon vai até Edmont e toma-lhe o livro. Encara Angely.
Será que ainda não entendeu que ele não é mais aquele que conheceu??? (Zenon)
Achei que estavam precisando de ajuda. (Edmont)
Não da sua. (Zenon)
Por favor, Zenon... (Angely)
E sabe onde tá Melody? (Edmont)
Já desconfiava que a "ajuda misteriosa" fosse você! (Zenon)
Não foi Edmont. (Angely)
Então ele disse isso e você acreditou? (Zenon)
Não, eu só sei. (Angely)
Zenon franze a testa.
Temos que ir atrás logo. (Edmont)
Zenon cruza os braços.
Como sabe onde tá? (Zenon)
Deve conhecer Argo, não? (Edmont)
Sei quem é. (Zenon)
Ouvi rumores que estava atrás de Mel, que ouviu falar disso tudo. (Edmont)
Se esconde perto do porto. (Angely)
Zenon franze a testa novamente.
Edmont me disse. (Angely)
Qual porto? (Zenon)
Porto.
Conheço esse lugar. Peguei meu primeiro navio aqui. (Zenon)
Que emocionante! (Edmont)
Zenon encara Edmont.
Só tem um lugar pra se esconder aqui. (Zenon)
Chegam a uma porta, abaixo do porto.
Vou esperar aqui. (Edmont)
Tá amarelando? (Zenon)
A essa hora Argo sai pra caçar. Creio que não vá querer que te ache dentro do esconderijo. (Edmont)
Angely e Zenon entram. Olham ao redor. Silêncio.
Isso tá muito estranho. (Zenon)
Talvez tenham saído. (Angely)
Então não deixariam a Mel aqui. (Zenon)
Se você que tem ouvidos melhores não tá ouvindo nada... (Angely)
Continuam andando pelos corredores. Chegam a uma sala. Zenon dá um passo para trás. Aparecem pessoas com caninos grandes atrás. Viram. Mais pessoas.
Nos cercaram. (Angely)
É, eu notei. (Zenon)
Zenon acerta uma pessoa com uma estaca. Duas mais atacam. Zenon consegue jogar no chão. Crava a estaca em uma. Mais aparecem. Mais viram pó, além de quem Zenon mata. Mas não para de aparecer. Uma pessoa segura Zenon por trás.
Você é da linhagem de Kassandra, não devia sair achando que pode lutar. (Argo)
A gente pode jogar dados pra descobrir se quiser. (Zenon)
Zenon olha para Angely e franze a testa.
Peraí, achei que você não pudesse... (Zenon)
Zenon olha nos olhos: cinzas.
Desde quando? (Zenon)
Do começo da luta. E você tem razão, Angely não consegue. (Edmont)
Edmont olha para Argo.
Trouxe até você, cadê meu pagamento? (Edmont)
Segurem aí. (Argo)
Argo dá passagem. Edmont passa e Argo segue. Entram em um corredor. Seguem andando.
Então, como é ser quem tem mais idade na espécie? (Edmont)
Entediante. (Argo)
Sério? (Edmont)
Vai saber se chegar na minha idade. (Argo)
Quantos? (Edmont)
Muitos. (Argo)
Você não é de muitas palavras... (Edmont)
Depois de mais de novecentos anos algumas coisas se tornam cansativas. (Argo)
Chegam a um quarto.
Não feriu? (Edmont)
Costumo cumprir meus tratos. (Argo)
Edmont baixa perto da cama.
E o que pretende fazer? Um incesto? (Argo)
Por que acha isso? (Edmont)
Você também é de Kassandra. Kassandra não guarda ninguém por amor. (Argo)
Sabe o que acho? Você se apaixonou por Mel. (Edmont)
Argo desce uma estaca de dentro da roupa para a mão. Edmont continua olhando para Mel.
Tem outra lição que deveria aprender: não confiar em vampiros. (Argo)
Já aprendi. Mas parece que você não. (Edmont)
Argo franze a testa. Arregala os olhos. Se desfaz em pó.
Angely já carregou Zenon, mas tive que matar os vampiros. (Beatrice)
Já tinham caído pela fumaça. (Edmont)
Beatrice baixa a cabeça.
Não tô te desvalorizando. (Edmont)
Edmont levanta. Vai até Beatrice e levanta seu rosto. Beija. Beatrice passa as mãos em volta do pescoço de Edmont. Angely entra. Olha para o chão.
Desculpa, eu... (Angely)
Cadê Zenon? (Edmont)
Beatrice se afasta de Edmont. Sai.
Bom, vamos levar Mel. (Edmont)
Hotel. Angely entra no quarto com Mel no colo. Pousa Mel na cama.
Será que o atorzinho não vai vir atrás da gente? (Zenon)
Está filmando. Quando se der conta, já estamos no Brasil com o problema resolvido. (Edmont)
MEAK. Kat está na frente da TV, com a respiração ligeiramente suspensa.
(...) testemunhas dizem ter visto Edmont L. K., irmão da agora viúva Melody L. K., entrando no hotel na hora da morte de (...)
Olha só, eu tô no jornal... (Edmont)
Kat dá um pulo para trás no sofá.
Você... Você... (Kat)
Não, mandei um holograma pra avisar que tava chegando. (Edmont)
Angely e Mel entram na sala. Mel se apoia em Angely.
Mel??? Que fizeram com você??? (Kat)
Uma pessoa me drogou. Virou pó já. (Mel)
Mérito de Beatrice. (Edmont)
Mel encara Edmont.
Melhor ir pro quarto de Angely. (Kat)
Que tem de errado com... (Mel)
Não, é sua vez de trocar! (Derik)
Por favor, Derik, só dessa vez... (Dione)
Dessa, da última, da penúltima... (Derik)
Angely, Melody, ainda bem que chegaram! (Dione)
Mel fraqueja e Angely segura. Mel encara Kat. Sobe a escada. Angely segue.
Ei, volta... Ah, você não é o Edmont? (Dione)
Derik olha para Edmont, arregala os olhos e se esconde atrás de Dione.
Como entrou aqui??? (Derik)
Com as pernas. (Edmont)
Não veio pra almoçar ninguém... (Kat)
Kat franze a testa e olha para Edmont.
Acho. (Kat)
Kat olha na direção da escada.
Não, vim ver se esse tal ritual não vai prejudicar Mel. (Edmont)
Não, não vai. É para a purificação do bebê. (Dione)
Kat, vem comigo trocar as fraudas? (Derik)
Mas não era vez de... (Kat)
Zenon entra, tira um capuz, encara Edmont, e pousa o capuz e livro na mesa da sala.
Tá, se estão de má vontade, eu troco! Não quero que machuquem meus bebês! (Derik)
Derik sobe a escada.
Derik teve filhos enquanto a gente tava fora? (Zenon)
A gente ficou fora três meses. (Kat)
Se for na forma de cachorro, ele poderia... (Zenon)
Kat franze as sobrancelhas, com a boca entreaberta.
Derik!!! (Kat)
Kat sobe a escada.
Esse sim seria um nível novo de não-monogamia. (Edmont)
Eu só percebi o quanto isso era nojento depois que tinha saído. (Zenon)
Zenon sobe atrás de Katerine.
Então, você é um vampiro? (Dione)
Sim. (Edmont)
Dorme em caixões? (Dione)
Grande parte do que dizem é mentira. (Edmont)
Você chegou a fazer parte da agência? (Dione)
Ajudar as pessoas não é pra mim. (Edmont)
Está ajudando Melody. (Dione)
É diferente. (Edmont)
Pensei que os vampiros matassem a família inteira... (Dione)
Aparentemente acontece bastante. A maioria talvez. (Edmont)
E quantos formam a minoria? (Dione)
Que eu conheça, eu. (Edmont)
Isso é... Muito animador. E Zenon? (Dione)
Matou. Mas diz que se arrepende de tudo que fez. Posso ver o livro? (Edmont)
Claro. (Dione)
Tarde. Angely coloca a mão na maçaneta do quarto que pertence a Mel. Zenon abre antes e sai.
Tá todo mundo dormindo, não vamos fazer barulho. (Zenon)
Descem. Vão até a cozinha.
Comeu tudo? Não jogou fora? (Angely)
Só falta querer me dar comida na boca. Comi sim. Vai verificar o lixo? (Mel)
Bom, então vamos. (Zenon)
Mel vai até a sala. Há um bilhete grudado na TV.
Nos encontrem no endereço abaixo.
Galpão. Mel, Angely e Zenon entram. Dione tem uma corda amarrando seus braços, está em uma cadeira. Edmont está atrás, com uma espada.
Até que enfim, eu já tava cansando. (Edmont)
Sabia que você... (Zenon)
Nem mais uma palavra. Mel, vem comigo. (Edmont)
Mel dá um passo, Zenon segura. Mel encara Zenon.
Por favor, não... (Zenon)
Mel puxa o braço.
Não vou levar a vida de Dione na consciência. Posso me defender. (Mel)
Angely olha nos olhos de Edmont. Franze a testa. Mel vai até Edmont. Edmont amarra os punhos de Mel. Saem. Angely acompanha, com os olhos, ainda com a testa franzida, e a respiração suspensa. Dione se levanta da cadeira. Zenon vai até Dione e desamarra.
Obrigada. (Dione)
Zenon vai na direção da porta por onde Mel e Edmont saíram, mas Dione acerta-lhe com a cadeira. Zenon desmaia. Angely pega a cadeira de Dione. Dione olha ao redor.
Que aconteceu? (Angely)
Eu sei que o planeta de vocês explodiu. (Dione)
E o que isso tem a ver? (Angely)
Não leu o livro? Vocês precisavam ir a terra natal de vocês... (Dione)
Não pode ser... (Angely)
Angely dá um passo para trás.
Mas é. (Dione)
Edmont vai matar? (Angely)
Mel está contra a parede. Edmont segura Mel pelos braços, mas as mãos não têm mais a corda. Mel tem lágrimas nos olhos.
Entende por que estou fazendo isso? (Edmont)
Me solta! Por favor! (Mel)
Não posso, e sabe disso! (Edmont)
Eu nunca vou te perdoar se fizer isso! (Mel)
Edmont beija a testa de Mel. Morde-lhe o pescoço. Mel grita. No galpão, Angely cai no chão de joelhos. Dione balança a cabeça para os lados. Sai correndo. Angely senta sobre os calcanhares. Olha para cima. Cai de lado e se encolhe.
Hospital.
Não tinha esse direito. Fez isso por vingança. (Mel)
Não faria... Desculpa... (Angely)
Por que você pede tanta desculpa em nome de Edmont? (Mel)
Não sei. Eu não consegui evitar... (Angely)
Minha vida não era mais importante. E quem tinha que decidir isso era eu. (Mel)
Angely baixa a cabeça.
O dia que eu descobrir como te separar dessa coisa, mando pro inferno. (Mel)
E se não der? (Angely)
Mel olha para a janela.
Algum tempo, algum lugar
Uehfo está olhando para longe, de costas para Xien.
Eu não tinha o direito de fazer o que fiz. (Xien)
Uehfo vira-se.
Sabe quem é você? (Uehfo)
Se eu sou Edmont, não podia ter feito. Se sou Angely, não tinha o direito de deixar Edmont fazer. (Xien)
Tem razão. Agora. (Uehfo)
Mel ia morrer pelas mãos da criança? (Xien)
Posso te dar um soco, se fizer você se sentir melhor. (Uehfo)
Não pagaria o que fiz. (Xien)
Uehfo dá um soco em Xien, Xien cai no chão.
Agora podemos continuar. (Uehfo)
Podemos. (Xien)
Uehfo estende a mão para Xien, Xien pega e Uehfo levanta Xien, ficando com o rosto a menos de um palmo do de Xien.
Não era uma pergunta. (Uehfo)

Resumo do Capítulo

Dancan liga querendo falar com Melody. Combinam de se ver a noite. Mel passa mal. Angely leva Mel até o bar. Mel senta-se. Logo em seguida, Dione se senta. Entre brigas sobre serem ou não um casal, Dione conta a Mel que Dancan engravidara outras quatro pessoas, e que desconfiava que Melody fosse o número quatro. Mel vai embora. Em casa, fala com Angely, que já sabia. Está com raiva por causa da falta de cuidado de Dancan com outras pessoas. Discutem e Mel vai dormir, com raiva. Dancan liga no dia seguinte, Mel não atende e Dancan acaba pedindo a Angely que venha até sua casa. Dancan e Dione contam a Angely uma premonição que Dione tivera: Dancan teria sete crianças, seis concebidas no mesmo dia, três pares de gêmeos. Uma sétima criança seria concebida seis meses depois. Que essa criança conheceria um vampiro ainda criança, aos seis anos, e isso a prepararia para se tornar ruim. Angely diz que não conseguirá falar com Mel. Pede para ficar na casa de Dancan. No dia seguinte, sai pouco antes de Mel chegar. Dancan sai correndo para pegar um avião, por causa de um filme que irá gravar. Dione explica para Mel sobre a premonição. Angely está andando pela cidade e encontra Milene, a quem Edmont tinha dado um autógrafo com o corpo de Angely, mas assinando o próprio nome. Entra em um prédio, onde Edmont estava. Milene segue e ouve Angely e Edmont falando do autógrafo. Kassandra entra também. Angely tenta convencer Milene a sair, mas Milene só sai quando Edmont tenta convencer Kassandra a ajudar com Milene, falando em francês, sem saber que Milene entenderia. Edmont diz a Kassandra que Mel engravidou, e que existe alguma profecia sobre isso, mas não conseguiu ler mais nada de Angely. Angely e Milene estão andando pela rua, Milene pergunta ironicamente se Edmont é vampiro, Angely entrega. Na MEAK, Kat chega, com agonia, querendo falar com Mel. Mel está arrumando as malas para ir embora. Dione chega. Mel fala para que Kat conte. Kat fala que Edmont vai transformar alguém. Dione diz que bate com sua profecia. Kat diz que viu que Mel quem tem o poder de resolver isso. Mel foge. Angely chega em casa mais tarde. Encontra Dione no chão. Angely e Dione vão atrás de Mel, enquanto Kat dorme, aos cuidados de Derik. Mel está no aeroporto. Dancan encontra Mel. Acaba convencendo Mel a ir consigo. Kassandra encontra Zenon no esgoto e fala sobre Mel estar indo embora com Dancan. Zenon percebe emboscada e puxa Kassandra para sua frente. Virigine aponta uma arma. Zenon foge. Esbarra em Edmont. Edmont fala sobre a fuga e a criança. Beatrice chega e fala sobre uma passagem. Edmont sai. Beatrice encontra Virgine e Kassandra. Comenta as mortes de Andrews, Rust e Dilan. Virgine fala sobre o poder de Edmont sobre Beatrice. Zenon vai até a casa de Mel. Contam a Zenon a história inteira. Kat diz que, no sonho, era um vampiro conhecido, e que era o único vampiro ruim que conhecia. Zenon dá uma meia-risada e Kat passa a achar que é Zenon. Zenon vai em direção a porta, Angely segura e diz que não se mate. Zenon tenta sair ainda sim, e Angely atira contra a parede, desmaiando Zenon. Kat conclue que não poderia ser Zenon, por ser derrubável. Decidem ir até uma biblioteca, procurar uma solução. Depois de algum tempo, Kat pega um livro que Zenon estava lendo, de uma pilha que Dione trouxera, e acha a resposta. Vão para casa. Angely descobre que passaram três meses na biblioteca, que Mel já está de quatro meses. Na Espanha, Edmont acha onde estão Dancan e Mel. Dancan deixa Edmont entrar. Angely está com agonia no aeroporto. Zenon reclama que Angely não levará o livro e decide ir atrás a noite. Anoitecendo, Edmont vai verificar o quarto e acha um bilhete de Mel para Dancan, dizendo que ia embora. Deixa o bilhete sobre o corpo de Dancan e sai. Angely chega em Espanha. Mel está em um porto e uma criatura diz que não terá como pegar o navio, porque quem iria levar morreu. Ao se aproximar, Mel pergunta e descobre que ainda não sabiam disso. Vai para a prisão. A criatura vem até Mel. Se apresenta, é Argo. No jornal, a notícia de que alguém teria tirado Mel da cadeia. Angely encontra Edmont e diz que Mel está com Argo. Edmont, Angely e Zenon vão até o porto. Angely e Zenon entram no esconderijo, Edmont fica de guarda. Um cerco, lutam. Seguram Zenon. Zenon percebe que Edmont trocara de lugar com Angely. Argo aparece. Argo e Edmont vão para uma sala onde está Mel, para Argo entregar sua parte no acordo. Argo pega uma arma para matar Edmont, para ficar com Mel. Beatrice mata Argo. Levam Mel de volta para o Brasil. Na MEAK, Kat vê a notícia da morte de Dancan, dizendo que Edmont fora visto. Edmont chega. Angely e Mel também, Mel diz a Kat que Argo drogou, mas que já morreu. Edmont e Dione ficam a sós. Edmont pede para ver o livro. Mais tarde, Mel, Angely e Zenon acham um bilhete de Edmont. Vão até Edmont em um galpão. Edmont está com Dione e exige a troca por Mel. Mel aceita. Mel e Edmont saem. Zenon desamarra Dione e Dione nocauteia Zenon. Fala a Angely que o feitiço que pararia tudo exige que fossem a sua terra natal. Em outro lugar, Edmont encosta Mel contra a parede. Mel implora que não faça, mas Edmont morde Mel. Mel acorda no hospital e diz a Angely que Edmont não tinha esse direito, e que a decisão de qual vida era mais importante, a sua ou a da criança, era sua não de Edmont. Promete matar Edmont quando conseguir separar Angely. Angely pergunta se não conseguir, Mel não responde.

Dara Keon