Ciúmes
MEAK
B18

Ciúmes ler resumo

Noite. Clítia entra em um bar. Se aproxima de Davi.
Você não é aquele empresário que mora com duas mulheres? (Clítia)
Davi. Morava, elas viraram lésbicas. (Davi)
Ah... (Clítia)
Clítia se senta ao lado de Davi.
Gostou da Europa? Tava escrito que você ia pra lá... (Clítia)
É. Extraviaram minha bagagem quando cheguei. Só fiquei com uma maleta de mão. (Davi)
Voltou quando? (Clítia)
Hoje. (Davi)
E por que tá bebendo? (Clítia)
Tinha algum dinheiro no bolso. (Davi)
Perguntei o motivo. (Clítia)
Era a única coisa que dava pra fazer com esse dinheiro. (Davi)
Por que não vai pra casa? (Clítia)
Elas venderam. (Davi)
As suas duas ex? (Clítia)
Sim. (Davi)
Que azar... Mas e suas coisas? (Clítia)
Venderam também. (Davi)
Tudo?! (Clítia)
Não deixaram nem as cuecas. (Davi)
Mas e as suas contas? (Clítia)
Tudo que eu tinha em bens eu não tinha. Tava no nome delas. (Davi)
Sem nenhuma exceção? (Clítia)
Quando voltei descobri que a única coisa que eu tinha agora era a maletinha de mão, já que extraviaram o resto no aeroporto. (Davi)
E cadê? (Clítia)
Um trombadinha roubou. (Davi)
Nossa, que azar... Então você só tinha o que tava no seu bolso? Não levou cartão de crédito? (Clítia)
Davi aponta o cartão picado sobre a mesa.
Vinte e sete anos com tudo isso de azar? (Clítia)
Vinte e cinco. Por que você veio falar comigo? (Davi)
Eu te vi jogado aqui, desse jeito... Estranhei. (Clítia)
Pena?! Com a sorte que eu estou, você é uma vampira. (Davi)
Por que diz isso? (Clítia)
Por que a única coisa que me resta é sangue! (Davi)
Eu tenho que ir, já passa da minha hora. (Clítia)
Não sei nem sua idade, nem seu nome... (Davi)
Clítia. Tenta adivinhar a idade. (Clítia)
Dezenove. (Davi)
Essa é a idade que aparento. (Clítia)
Como assim? (Davi)
A idade com que morri. (Clítia)
Davi franze a testa. Clítia sai do bar.
Quer saber? (Davi)
Davi vira o copo todo.
Foda-se também. (Davi)
Davi deixa uma nota de vinte no balcão e sai. Olha para os lados. Vê Clítia entrar em um beco. Corre, atravessa a rua. Entra. Vai até o fundo. Nada. Solta os ombros.
Duvida de mim? (Clítia)
Davi se vira.
Prova. (Davi)
Vou ter que te matar. (Clítia)
E o que eu tenho a perder? (Davi)
Clítia se aproxima de Davi. Puxa o cabelo para trás, deixando o pescoço a vista. Mostra os dentes. Se aproxima do pescoço. Zenon acorda em sua cama. Levanta, vai ao banheiro, abre a torneira e joga água no rosto. Michele entra no banheiro.
Que foi? (Michele)
Um sonho. (Zenon)
Ou lembrança? (Michele)
De quando Clítia me transformou. (Zenon)
Vai ver está com saudade, tem sonhado muito com isso. (Michele)
É, quem sabe. Vou atrás dela, quer que eu traga alguma coisa, amor? (Zenon)
Zenon sai do banheiro, pega uma camiseta em uma cadeira, sai. Beatrice sai de casa e Zenon passa.
Caçar? (Bea)
Zenon olha para Beatrice.
Soraia tá dormindo? (Zenon)
Não sei. E não me interessa. (Bea)
Beatrice sai andando. Zenon vai junto.
Acordou com um pesadelo? (Bea)
Clítia. (Zenon)
Sonho com Elian às vezes. Nojento. (Bea)
É, você venceu no quesito trauma. (Zenon)
Valeu. Tenta beber o chá menos concentrado antes de dormir. (Bea)
Zenon franze a sobrancelha.
Funciona? (Zenon)
Olha, pra pessoas normais, recomendam comer coisas leves, por causa da digestão. Não digerimos o chá, então não sei se o efeito é psicológico, mas também não me interessa. (Bea)
Por que Michele não pode simplesmente me abraçar e dizer que foi só um sonho? (Zenon)
Beatrice revira os olhos.
Por que não é babá. Poe os dentes embaixo do travesseiro também? (Bea)
Você me entendeu. (Zenon)
Que Michele fez? (Bea)
Disse que eu tava com saudade de Clítia. (Zenon)
Ciúmes. (Bea)
Eu precisava de alguém do meu lado, não de uma coleira. (Zenon)
Beatrice dá um meio riso.
Com essa idade? (Bea)
Casa comigo? (Zenon)
Ia ser lindo. Nos na igreja... Quando o padre fosse abençoar, a gente sairia correndo... E, na maternidade então! "Bebê, larga o pescoço, a pessoa ajudou você a nascer"! (Bea)
Zenon ri e balança a cabeça.
Agora larga de frescura e vamos ver o que achamos por aí. (Bea)
Dia seguinte. Tarde. Estela e Kat chegam em casa.
Ai, que alívio! Último dia de curso, última prova... (Kat)
Acho que passamos. (Estela)
Será que vão parar de nos tratar como se fôssemos crianças? (Kat)
Tá exagerando! (Estela)
Beatrice tem só um ano mais que a gente. (Kat)
É, mas já rodou o mundo inteiro. (Estela)
Grande coisa. Vim de outro planeta. (Kat)
Aposto que nem tinha aberto os olhos ainda. (Estela)
Devia ser o bebê mais fofo! (Derik)
Mataram a última aula? (Alan)
Esqueceu que eu tava estudando? Era prova hoje. Acho que fui bem. (Estela)
Eu já disse o quanto fico com remorso de ser seu namorado cada vez que cita que ainda tá estudando? (Alan)
Bobo. (Estela)
Estela beija Alan.
Acho que vou entrar em parafuso no dia da sua formatura. (Alan)
Pelo menos não vai mais poder dar a desculpas pra não fazermos nada. (Estela)
Eu sabia! (Soraia)
As pessoas se encolhem.
Sabia o que?! (Estela)
Nunca fez nada com ele, o que quer dizer que mentiam todas as vezes que fingiam estar... (Soraia)
A minha vida sexual com meu namorado não te interessa! E não é por isso que ele vai correr pra você! (Estela)
Ei! (Alan)
Estela olha para Alan.
Vai? (Estela)
Não, mas eu estou aqui, não me disputem como se eu fosse um objeto! (Alan)
Não estou te disputando! (Soraia)
Alan solta os ombros.
Não? Por quê? (Alan)
Soraia revira os olhos. Sai. Estela cruza os braços. Abre a boca. Fecha. Sai.
Não me deu sermão. (Alan)
Que bom... (Derik)
Não. Isso quer dizer que não se sentiu ofendida. (Alan)
Derik e Kat se entreolham.
Talvez só não tenha querido fazer isso. (Kat)
É, pode ser isso! (Alan)
Alan sai.
Aléxis derruba Michele. Michele levanta.
Não tá prestando atenção. (Aléxis)
Sabia que Zenon e Beatrice saíram ontem? (Michele)
Aléxis franze a sobrancelha.
Não, não sabia... (Aléxis)
Michele dá uma rasteira, Aléxis cai de costas no chão. Michele senta em cima de Aléxis. Aléxis tenta empurrar. Michele segura seus braços contra o chão.
Não tá prestando atenção. (Michele)
Michele olha nos olhos de Aléxis. Aléxis inverte a posição. Levanta. Dá a mão a Michele, ajuda a levantar.
Será que eles estão juntos ainda? (Michele)
Aléxis olha para o teto. Olha para Michele.
Pode fazer duas coisas, Michele: confiar ou acabar. Eu escolhi confiar. (Aléxis)
Tá com ela afinal? (Michele)
Eu, sim. Se ela está comigo, eu não sei. Mas não vou desistir enquanto ela não disser não. (Aléxis)
Mas... (Michele)
Melhor a gente parar por hoje. (Aléxis)
Aléxis sai andando.
Noite. Zenon está tomando banho. Uma pessoa entra no banheiro. Zenon franze a testa, se vira e desvira.
Que tá fazendo aqui? (Zenon)
Amor... Qual o problema? (Clítia)
Se veste e vai embora. (Zenon)
Sabe, eu percebi que estava tomando banho, aí pensei "ele pode estar armado". Tive mais vontade de entrar. (Clítia)
Clítia se aproxima de Zenon. Abraça. Zenon afasta Clítia e vai para o quarto. Pega uma toalha e se enrola.
Sai. (Zenon)
Clítia sai do banheiro.
Faz favor de botar sua roupa e ir embora. (Zenon)
Você bem que poderia estar com Beatrice ainda. Poderíamos nos divertir, os três. Ia ser bom. Mas Lish é tão sem graça... Aliás, o que viu nela? Sem sal nem açúcar, sem o fogo que Beatrice tem... (Clítia)
Beatrice não iria querer você. (Zenon)
Ela é que nem você. (Clítia)
Clítia começa a andar em direção a Zenon.
Faz doce, bate, xinga, briga, ameaça, mas acaba cedendo. É até divertido. Aumenta o tesão. (Clítia)
Clítia está a menos de um passo de Zenon. Segura o braço de Zenon, torce. A estaca que Zenon segurava cai no chão.
Pelas costas, amor? Adoro. Mas não essa arma. (Clítia)
Clítia leva Zenon pelo braço, para a cama. Bate a cabeça de Zenon na cabeceira. Zenon vira, Clítia senta-se em seu tórax, pega uma algema e prende uma mão. Zenon tenta tirar, Clítia prende a segunda mão. Clítia puxa a toalha de Zenon e joga na cabeceira. Beija o pescoço de Zenon. O tórax. Zenon olha para cima, fecha os olhos.
Pára, por favor... (Zenon)
Que tá acontecendo? (Bea)
Zenon abre os olhos. Vê Beatrice. Olha para os lados. Olha para baixo. Olha para a toalha na cabeceira. Tenta alcançar a toalha, inutilmente. Beatrice vai até a cabeceira da cama. Solta a trava das algemas. Zenon se senta, pega a toalha, coloca na frente do corpo, corre pro banheiro.
Bota o chuveiro no frio! (Bea)
Beatrice se aproxima da cama. Cheira a cama. Clítia empurra Beatrice na cama e vira. Fica por cima.
Procurando meu cheiro? (Clítia)
Vamos sair daqui, a gente resolve isso em outro lugar. (Bea)
Com medo que a namoradinha dele apareça? (Clítia)
Clítia beija Beatrice. Beatrice desmaia. Clítia sorri.
Clítia tira a roupa de Beatrice. Puxa Beatrice mais para cima, coloca a cabeça no travesseiro. Cobre Beatrice com um lençol. Ri.
Zenon, você pode estar bom ou mau, mas continua me divertindo. (Clítia)
Clítia ri novamente. Sai pela janela. Zenon sai do banheiro de toalha. Franze a testa. Vai até Beatrice. Chacoalha.
Beatrice, acorda... (Zenon)
Que tá acontecendo aqui?! (Michele)
Zenon fecha os olhos. Abre. Respira fundo. Vira para Michele.
Clítia apareceu. (Zenon)
Perfeito. Aí resolveram fazer uma festinha com ela?! (Michele)
Clítia me amarrou, Beatrice apareceu, Clítia fugiu. Voltei pro chuveiro, terminei meu banho e agora encontrei Beatrice desmaiada aqui. Chama Derik, por favor. Beatrice deve estar sob algum feitiço. (Zenon)
Feitiço? Acha que vou cair nessa? (Michele)
Tenta acordar Beatrice então! (Zenon)
Deve estar fingindo! (Michele)
Não fingiria! Costuma assumir o que faz! (Zenon)
Claro. Defende a sua amante! (Michele)
E você? Quem é pra falar? Onde tava até agora? (Zenon)
Quem sabe eu não estava fazendo a mesma coisa que você e ela faziam ontem a noite?! Ou acha que não sei que saiu com ela?! (Michele)
Estávamos procurando algo nas ilhas! (Zenon)
Bela desculpa! Passa mais tempo com ela que comigo! (Michele)
Quer saber o que eu fazia com ela?! Tava desabafando! Por que você prefere ter crise de ciúmes do que me ouvir! (Zenon)
É claro, você tá sempre com ela! (Michele)
Não é só dela, é de qualquer uma! Você olha pra mais mulher que eu, procurando quem eu possa olhar, isso é absurdo! (Zenon)
Não é qualquer uma, é ela! Porque você tá sempre grudado nela... (Michele)
Ela me ouve, não me julga. (Zenon)
Michele sai. Zenon se senta na cama. Olha para Beatrice. Se veste. Sai.
Zenon entra no quarto. Derik entra atrás, com um livro nas mãos. Senta ao lado de Beatrice. Abre o livro em uma página marcada. Pega a mão de Beatrice e coloca sobre um símbolo no livro. Beatrice abre os olhos e puxa a mão. Se senta na cama, puxando o lençol junto.
Que aconteceu? (Bea)
Melhor se vestir. (Zenon)
Derik sai do quarto. Zenon pega a roupa no chão, entrega a Beatrice. Vira de costas. Beatrice levanta e se veste. Zenon olha para Beatrice. Sai do quarto.
Pode vir. Já se vestiu. (Zenon)
Derik franze a sobrancelha.
Ficou olhando? (Derik)
Tava aproveitando pra bater punheta. Já não me basta Michele?! (Zenon)
Foi mal. É que tava exatamente pensando em Michele. Te faz em pedaços se souber. (Derik)
Zenon revira os olhos. Entra no quarto. Derik segue.
Pode dizer o que aconteceu com ela? (Zenon)
Qual a última coisa que lembra? (Derik)
Clítia me beijou. (Bea)
Ela fez isso comigo também, e não desmaiei. (Zenon)
Deve ter feito o feitiço ou seja lá o que for depois. Tem algum motivo pra Clítia querer deixar Beatrice sem roupa na sua cama? (Derik)
Fora o óbvio? (Zenon)
Normalmente isso nem sequer faria sentido. (Derik)
Queria que Michele me pegasse aqui, sem roupa, na cama de Zenon, enquanto Zenon toma banho. (Bea)
Não tinha pensado nisso. Clítia tava falando que preferia eu com Beatrice. (Zenon)
Por que? (Bea)
Sabe quando eu disse, "fora o óbvio"? (Zenon)
Não era de Michele que você tava falando... (Bea)
E do que era? (Derik)
Clítia não quer só Zenon. (Bea)
Não é hétero. Inclusive foi quem transformou Louise. (Zenon)
Beatrice revira os olhos.
A palavra é bissexual. Aprendi recentemente que a língua não queima quando você diz. (Bea)
Derik olha para Zenon.
Louise, sua cria? (Derik)
É. (Bea)
Mas pode não citar essa parte da próxima vez. (Zenon)
Então vocês vão matar Clítia? (Derik)
Vamos falar com o pessoal. (Bea)
MEAK. Dia seguinte.
Por que não a matou antes? (Soraia)
Não achei que devesse sair pelo mundo caçando. Já tem gente fazendo isso. (Zenon)
Quanta gente, exatamente? (Alan)
Sempre tinha alguém nos caçando. (Zenon)
E porque ninguém pegou? (Derik)
Clítia é boa. (Zenon)
Vamos sair e procurar. (Bea)
Ou usar você de isca. (Michele)
Ou isso. (Bea)
Não, isso não. Melhor você se esconder. (Aléxis)
Beatrice encara Aléxis.
Não preciso de proteção. (Bea)
Ela usa armas que você... (Aléxis)
Aléxis suspira.
Do que tá falando? (Bea)
Sabe do que estou falando, e sabe que tenho razão. Posso pegar Clítia. (Aléxis)
Beatrice suspira fundo.
Tá. (Bea)
Beatrice cruza os braços.
Seu prazo é amanhã à noite. (Bea)
Aléxis se levanta e sai. Michele olha para Zenon.
Vou com ele. (Michele)
Zenon senta no sofá. Michele balança a cabeça para os lados. Sai. Soraia olha para Zenon.
Brigaram? (Soraia)
Ela quer que eu diga não, pra poder jogar na minha cara depois. Aléxis pode proteger ela. (Zenon)
Zenon sai.
Vem comigo, Alan? (Soraia)
Eu... (Alan)
Pode ir, amor. (Estela)
Alan olha para Estela. Suspira. Baixa a cabeça. Sai. Soraia sai também.
Que eu fiz?! (Estela)
Acho que tava esperando ciúmes. (Kat)
Assim fica difícil! (Estela)
Ia ser bom ter Beleno aqui. (Derik)
Mas não temos. (Kat)
Tem eu! (Leo)
Meio invisível. (Dionísio)
Bom, acho que você vem comigo, Dionísio. (Kat)
Só pra esclarecer, depois da pequena confusão, devo ter ciúmes? (Derik)
Não. (Kat)
Derik sorri.
Valeu. (Derik)
Pelo quê? (Kat)
Por existir. (Derik)
Derik beija Kat. Sai. Kat franze a sobrancelha.
Onde foi? (Kat)
Não sei, mas vai sair todo mundo pra caçar, vou atrás. (Estela)
Estela sai. Kat e Dionísio saem.
Quer ir caçar comigo? (Leo)
Dei o prazo para Aléxis. (Bea)
Droga. (Leo)
Quer assistir TV? (Bea)
Pode ser... (Leo)
Beatrice liga a televisão. Senta-se no sofá. Leonardo se senta também. Beatrice suspira fundo. Leonardo olha para Beatrice.
Pode ir se quiser. (Leo)
Beatrice olha para Leo.
Certeza? (Bea)
Sim. (Leo)
Beatrice sai. Leo se deita no sofá.
Beatrice entra em casa. Zenon está no sofá da sala.
Transa comigo? (Zenon)
Não vou ser seu motivo pra terminar com Michele. (Bea)
Não agüento mais. (Zenon)
Termina. (Bea)
Eu gosto dela. (Zenon)
Não termina. (Bea)
As coisas não são tão simples. (Zenon)
Chegar e me dizer "Transa comigo?" também não. (Bea)
Dorme comigo então? (Zenon)
Desculpa, mas vai ter que fazer isso sem ajuda minha. (Bea)
Beatrice sobe. Zenon sai.
São Paulo. Juliana franze a sobrancelha. Sai de casa. Vai até o portão. Olha para fora. Volta. Colocando, a mão na maçaneta da porta, duas mãos seguram sua cintura e puxam.
Tá mais gostosa de dona de casa do que de puta. (Davi)
Juliana fecha os olhos. Suspira. Abre.
Não sou mais puta. (Juliana)
Melhor ainda. Qual a última vez que trepou? (Davi)
Quando era. Peguei nojo. Desencosta. (Juliana)
Juliana empurra Davi. Abre a porta. Entra. Empurra a porta, Davi segura.
Não vai me deixar entrar? (Davi)
Virou vampiro? (Juliana)
Davi franze a sobrancelha.
Já sabia que isso existia? (Davi)
Vou chamar a polícia se tentar. (Juliana)
Taco fogo na casa. (Davi)
Chegam antes. (Juliana)
Aqui? (Davi)
Davi ri.
Sei o que vai fazer se entrar. (Juliana)
Beijar seu corpo inteiro. Eu era bom nisso, não era? Agora que não é mais profissão, pode confessar... (Davi)
E suas esposas? (Juliana)
Duas vadias. Drenei até a última gota. O sangue era melhor que a transa. (Davi)
Esse é o problema dos vampiros. Muitos gostam mais do sangue. (Juliana)
Os gostos das coisas mudaram. Queria saber que gosto você tem agora. Imagina, minha língua descendo pelo seu pescoço, depois seus seios, seu ventre... Sabe que tenho muita grana. Poderia ter procurado alguém muito mais cara. (Davi)
Pois é, agora não é mais profissão, posso dizer muita coisa. Por exemplo, você ficou frustrado porque saí com o outro cara aquele dia. (Juliana)
Foi pedofilia. 14 anos. (Davi)
Você tinha 16. (Juliana)
Faltava metade do tempo que ele pra virar maior. E 16 já emancipa. Acha que isso não tem uma razão? (Davi)
Sou lésbica. Sinto muito. (Juliana)
Mentira. Não cobrou do Alan. (Davi)
Você e seu ciúmes... (Juliana)
Queria tanto transar com você sem camisinha... Acho que nunca transei sem camisinha. (Davi)
Nem com quem te transformou? (Juliana)
Como sabe que foi mulher? (Davi)
Eu não disse que foi mulher... Segunda linhagem? (Juliana)
Que? (Davi)
Quem é primeira linhagem vira bissexual. (Juliana)
Já transou com muitas mulheres? (Davi)
No começo eu não fazia. Depois não gostava. Mais algumas até que... Peraí, porque eu ainda tô conversando com você? (Juliana)
Juliana empurra de novo a porta, Davi segura de novo.
Ficou excitada. (Davi)
Tá falando besteira. (Juliana)
Imagina, eu por trás e ela pela frente... É linda, um tesão. (Davi)
Juliana sai e fecha a porta.
Eu não faço mais isso. (Juliana)
Quem disse que pretendo pagar? (Davi)
Eu vou ficar aqui na minha casa, com a minha filha. (Juliana)
Quanto tempo faz que não sente o corpo de outra pessoa... (Davi)
Davi puxa Juliana para si.
Perto assim? (Davi)
Davi cheira o pescoço de Juliana.
Sei que você quer. (Davi)
Não tenho isso porque não quero. (Juliana)
Sua falta de vontade não é física. (Davi)
Davi vira Juliana de costas e coloca a mão dentro da calça de Juliana. Juliana fecha os olhos e suspira forte.
Sua filha não tá em casa. Não faria isso se ela estivesse. (Davi)
Tá... na casa de uma... colega... (Juliana)
E porque não me deixou entrar? (Davi)
Juliana tira a mão de Davi, se vira de volta e dá um passo para trás.
Porque não poderia retirar o convite. (Juliana)
Então... (Davi)
Davi lambe os dedos.
...assume. (Davi)
Juliana se aproxima e beija Davi. Toca os lábios. Olha nos olhos.
Vamos fazer sua vontade e sair daqui. (Davi)
Davi segura a mão de Juliana. Saem. Uma pessoa olha de uma janela.
Aléxis está na floresta. Toca seu telefone. Aléxis atende. Michele revira os olhos.
Fala. (Aléxis)
Aléxis franze a sobrancelha. Michele também.
Ela não fez isso... (Aléxis)
Isso que?! Quem?! (Michele)
Eu vou praí. (Aléxis)
Aléxis desliga.
Tenho que ir. (Aléxis)
Aléxis sai andando.
O que?! Era da MEAK?! (Michele)
Aléxis apenas continua.
Nem sei porque ainda chamamos de MEAK... (Michele)
Manhã. Juliana abre os olhos. Se espreguiça. Clítia senta-se na cama. Passa a mão no rosto de Juliana.
Por que nunca aceitou a vida eterna? (Clítia)
Quem disse que alguém ofereceu? (Juliana)
Então aceita? (Clítia)
Não é eterna. E não, não aceito. (Juliana)
Clítia senta-se sobre as pernas de Juliana.
Você gosta disso. Gostou de mim. (Clítia)
Tesão e gostar são coisas diferentes. (Juliana)
Senti os dois. Pode sentir também. (Clítia)
Você tá ficando louca. (Juliana)
É sua filha? Esperamos ela crescer e... (Clítia)
Juliana começa a levantar, Clítia segura Juliana e faz deitar.
Posso pegar sua filha. (Clítia)
Tem quem seja mais forte que você pra proteger. (Juliana)
Posso te transformar à revelia. (Clítia)
Clítia suspira fundo.
Eu quero você, quero de verdade, te dou o que quiser... (Clítia)
Juliana olha para a porta.
Ela fica sempre louca assim? (Juliana)
Clítia olha para a porta. Davi está olhando fixamente. Davi mostra os dentes, joga Clítia em um canto. Morde Juliana. Grita. Clítia empurra Davi no chão, com uma escova de cabelo cravada nas costas, na altura do estômago. Clítia coloca a mão no pescoço de Juliana. Sai muito sangue. Juliana fecha os olhos.
Não era pra ser assim... (Clítia)
Clítia morde Juliana e bebe o resto do sangue. Corta o pulso e coloca na boca de Juliana. Davi está no chão, olhando para a escova. Clítia se levanta da cama e olha para Davi. Davi olha para Clítia.
Não vai me largar! (Davi)
Que acha, que sou sua?! Eu que tenho os outros, ninguém é meu dono! Você é muito burro, sabia?! Eu falei em te largar, seu merda?! (Clítia)
Mas ia! Como se apaixonou por ela assim?! Mal viu ela!!! (Davi)
Primeira coisa: você é meu brinquedo, nem é o preferido, a hora que eu quiser largar, eu largo. Segunda: eu não disse que largaria. Terceira: a próxima vez que tocar nela, o buraco não vai ser aí. (Clítia)
Vai ter mesmo que me matar pra se livrar de mim. (Davi)
Não é mais pra cima, é mais pra baixo. (Clítia)
Que ela tem que eu não tenho? (Davi)
Eu podia citar o fato de ser mulher. Ou podia citar seu drama agora. (Clítia)
Clítia abaixa e arranca a escova. Davi grita.
Mas não é nada disso. Gostei dela. Isso acontece. Contente-se que eu e ela gostamos de você e não vamos te largar. Por enquanto. (Clítia)
Clítia se deita de um lado de Juliana. Vira Juliana para si. Bate com a palma na cama duas vezes, do outro lado de Juliana. Davi levanta do chão. Deita do outro lado. Abraça Juliana. Clítia passa a mão no rosto de Davi.
Tarde. Ísis vê o carro de Juliana. Sorri. Corre. Entra. A pessoa na parte da frente do carro está de capuz. Ísis se encolhe no banco.
Não vou te machucar. (Aléxis)
Tio Alex? (Ísis)
Sabe onde tá sua mãe? (Aléxis)
Deve estar em casa... (Ísis)
Você não tava em casa ontem? (Aléxis)
Não... Aconteceu alguma coisa com ela? (Ísis)
Não sei. Ela saiu com alguém ontem e estou preocupado. (Aléxis)
Tô com fome. Um menino roubou meu lanche hoje. (Ísis)
Aléxis solta os ombros.
Devia ter trazido Derik. (Aléxis)
Juliana abre os olhos. Davi está dormindo a seu lado. Juliana olha o relógio. Arregala os olhos e levanta. Pega suas roupas e se veste. Davi se senta na cama.
Que diabos tá fazendo? (Davi)
Tenho que buscar minha filha na escola. (Juliana)
Davi se levanta e vai pro banheiro, tomar banho. Juliana sai. Corre pelas escadas. Coloca o pé para fora do prédio, sua pele queima, Juliana se encolhe e volta. Coloca a mão no sol. Tira rápido.
Acho melhor esperar anoitecer. (Clítia)
Lembro dele ter mordido, mas senti ele parar. Que fizeram? (Juliana)
Ele ficou enciumado. Você ia morrer. Eu não deixei. (Clítia)
Devia ter deixado. (Juliana)
E sua filha ficaria sozinha. (Clítia)
Ela tem quem cuide dela. (Juliana)
Clítia tira uma capa que vestia e cobre Juliana. Estende um papel a Juliana. Juliana pega e abre.
É o mapa de como chegar na sua casa. (Clítia)
Juliana sai. Clítia entra. Sobe. Entra no quarto. Davi sai do banheiro. Olha ao redor.
Desistiu? (Davi)
Agora ela volta. Não vai ter como. (Clítia)
Clítia se aproxima de Davi.
E meu brinquedo ciumento... Como tá o estômago? (Clítia)
Vou precisar que cuide de mim agora... (Davi)
Clítia dá um tapa no estômago de Davi. Davi contorce o rosto, coloca a mão no estômago, dá um passo atrás.
Manhoso. (Clítia)
Juliana chega em casa. Chega na cozinha e Ísis está almoçando. Juliana ajoelha e abraça Ísis.
Mamãe, você tá gelada, tá tudo bem? (Ísis)
Meu bebê... (Juliana)
Por que fez isso? (Aléxis)
Juliana levanta e se vira para Aléxis.
Aléxis... (Juliana)
Aléxis encosta Juliana na parede.
Agora ele vai continuar atrás de você. E vai matar sua filha. E é provável que você fique tão perdida, que viva o resto da sua "eternidade" perto do assassino dela, como amante dele! (Aléxis)
Ísis vai até Aléxis e começa a bater.
Solta ela! (Ísis)
Não queria... Ela pirou, aí ele me mordeu, e acordei assim... (Juliana)
Os olhos de Juliana ficam marejados.
Você pediu isso, saiu daqui com ele! (Aléxis)
Solta! (Ísis)
Aléxis olha para Ísis. Solta Juliana. Juliana começa a chorar. Ísis abraça Juliana. Juliana abaixa e abraça Ísis. Sente o cheiro. Seus dentes saem. Ísis olha para Juliana, vê os dentes, grita e corre.
Ela é minha filha, como... (Juliana)
Já comeu alguma coisa? (Aléxis)
Mas ela é minha filha! Eu não podia sentir isso! (Juliana)
Aléxis pega uma bolsa sobre a mesa. Pega um pacote, coloca na pia, devolve a bolsa na mesa. Pega uma leiteira, enche de água e coloca para esquentar.
Que isso? (Juliana)
Nunca viu? Substitui o sangue. (Aléxis)
Aléxis balança a cabeça para os lados.
Tá, os vampiros com quem saía provavelmente não usavam isso... (Aléxis)
Quer dizer que, tomando isso, não vou ter vontade de matar minha filha? (Juliana)
Pode resumir assim. (Aléxis)
Juliana entra no quarto. Se aproxima de Ísis.
Desculpa a mamãe, amor. (Juliana)
Juliana senta-se na beirada da cama. Mostra os caninos crescidos. Ísis se encolhe.
Mas agora é assim que sou. Se você quiser, eu te arranjo outro lugar para ficar. (Juliana)
Ísis abraça Juliana. Aléxis entra no quarto.
Não vai poder ficar com ela. (Aléxis)
Sai daqui! (Ísis)
Caçadores virão atrás da sua mãe. Caçadores de todos os tipos. (Aléxis)
Eu protejo ela. (Ísis)
Quem é o pai dela? (Aléxis)
Larga mão de ser cretino. Você sabe. (Juliana)
Então é ele mesmo... (Aléxis)
Só pode ser. Não era o mais experiente do mundo, mas... (Juliana)
Vamos para as Ilhas, lá veremos como cuidar disso. Precisamos matar quem te transformou. Citou um homem e uma mulher? (Aléxis)
Davi é o nome dele. Tinha ciúme do Alan, apesar de eu ter visto uma vez só. Acho que ele pensa que sou apaixonada pelo Alan. (Juliana)
Pelo jeito seguiu a vida dele de perto. (Aléxis)
É o pai da minha filha. (Juliana)
E a mulher? (Aléxis)
Não sei. (Juliana)
Disse que ela pirou... (Aléxis)
Tava com os dois. Até ontem eu achava que era hetero... Apesar de algumas exceções... (Juliana)
Deve ser primeira linhagem. Se tornam bissexuais. (Aléxis)
Foi antes de me morderem. Depois que acordei, fugi. (Juliana)
Vai ver que é porque fez isso sendo paga. Sei lá. Talvez o mundo não seja só "ou você gosta, ou não gosta". (Aléxis)
Já saiu com algum homem? (Juliana)
Não. Nem quero. Vamos indo. Antes que eles voltem aqui. (Aléxis)
MEAK. Noite. Aléxis, Juliana e Ísis entram. Derik se aproxima de Ísis.
Oi... Quantos anos você tem? (Derik)
Oito. (Ísis)
Tá com fome? (Derik)
Ísis balança a cabeça para cima e para baixo. Derik estende a mão. Ísis pega a mão de Derik. Vão para a cozinha.
Ele adora crianças. (Aléxis)
Tem certeza que não é pedófilo, né? (Juliana)
Tenho. (Aléxis)
Aléxis puxa Juliana e uma estaca acerta a parede.
Daqui a pouco isso aqui vira clube de vampiros. (Soraia)
É, mas até agora a única intrusa é você. (Aléxis)
É apaixonada pelo Alan, não é? (Juliana)
Soraia franze a sobrancelha.
Como conhece ele?! (Soraia)
Boa noite. (Zenon)
Juliana olha para Zenon. Vai até Zenon e cheira.
Por que parece que conheço você? (Juliana)
Identificando os outros pelo cheiro, deve ser bem antiga. (Soraia)
Zenon olha para Aléxis.
De onde tirou? (Zenon)
Estava em São Paulo. (Aléxis)
Precisamos conversar. (Zenon)
Zenon sai. Aléxis segue. Juliana vai atrás. Zenon olha para Juliana.
Você fica. (Zenon)
Com Soraia? (Aléxis)
Deve saber se defender. (Zenon)
Ela acabou de ser transformada. (Aléxis)
Juliana se vira, Aléxis segura-lhe o braço.
Vim junto porque achei que só vinham aqui fora. Minha filha tá aqui. (Juliana)
Não poderia estar em melhores mãos. (Aléxis)
Ele sabe lutar? (Juliana)
Kat! (Zenon)
Kat sai.
Fica alerta, alguém pode aparecer pra pegar a criança. (Zenon)
Ok. (Kat)
Não acha que vou confiar de deixar minha filha com alguém que mal saiu das fraldas, acha? (Juliana)
Kat não é que nem a gente... Era... Enfim... (Zenon)
Eu não sentiria isso? (Juliana)
Não. Mas você pode ficar aqui com a Soraia. Sua filha vai adorar ver a mãe virar pó, não deve estar suficientemente traumatizada de você ter virado vampira. (Aléxis)
Aléxis sai. Zenon segue. Juliana olha para a casa.
Sem você aqui, Soraia é uma garantia de proteger. Se eu tiver que proteger a criança de um intruso e você de Soraia, isso sim vai ser um problema. (Kat)
Juliana baixa a cabeça. Segue Zenon e Aléxis.
Casa de Beatrice. Zenon e Aléxis entram. Juliana trava na porta. Zenon franze a sobrancelha. Alan está no sofá.
E aí, vamos sair? (Alan)
A casa não é dele, pode entrar. (Zenon)
Juliana entra.
Eu não conheço você? (Alan)
Talvez. (Juliana)
Ah, você... (Alan)
Alan sorri. Olha para Zenon e Aléxis e desfaz o sorriso.
Não, só confundi mesmo. (Alan)
Zenon olha para Juliana.
Vocês se conhecem? (Zenon)
Fui a primeira dele. Por isso se lembrou. (Juliana)
É. Foi bom ver vocês. (Alan)
Alan sai. Aléxis revira os olhos, sai, traz Alan de volta.
Precisam de ajuda? (Alan)
Conta pra ele. (Aléxis)
Não. Não agora. (Juliana)
Se não fizer isso agora, não vai fazer nunca. (Aléxis)
Que aconteceu? (Alan)
Sou vampira. (Juliana)
Alan franze a sobrancelha. Aléxis suspira.
Mas não era na época, tava mais nova... (Alan)
Aléxis olha para Alan.
Não era isso. (Aléxis)
Aléxis olha para Juliana.
Para de enrolar. (Aléxis)
Juliana suspira. Pega Alan pela mão e sentam-se no sofá. Olha pro chão.
Você não tem filhos, certo? (Juliana)
Não... Eu ia casar, mas... (Alan)
Encontrou a vadia da sua noiva com a puta da sua mãe. (Juliana)
Obrigado. (Alan)
Tá com a sua prima agora, né? (Juliana)
Podia não citar o parentesco? Soa estranho. (Alan)
Ela gosta de crianças? (Juliana)
Alan se levanta bruscamente.
Ai, meu Deus, Estela tá grávida??? (Alan)
Alan... (Aléxis)
Mas, se eu não fiz nada... (Alan)
Alan se senta novamente.
Caralho, acho que nasci pra ser corno... (Alan)
Alan... (Juliana)
Vou terminar com ela agora! (Alan)
Alan sai. Aléxis vai atrás e traz de volta de novo.
Escuta aqui... (Alan)
Engravidou a Juliana quando transou com ela. (Aléxis)
Que? (Alan)
Peraí, a filha que ela falou é filha do Alan??? (Zenon)
Eu tenho uma filha... (Alan)
Alan sorri. Desmancha o sorriso.
Eu tenho uma filha... (Alan)
Alan levanta bruscamente, olhando para Juliana, franzindo o rosto.
Você tem uma filha! (Alan)
Aléxis e Zenon se entreolham, franzindo a testa.
É. Sua. (Aléxis)
Como pôde fazer isso com ela, como pode virar... Isso??? (Alan)
Eu não queria... (Juliana)
Claro, te deram o sangue deles enquanto dormia! Numa mamadeira quem sabe! (Alan)
Isso é possível. (Bea)
As pessoas olham para Beatrice.
A mamadeira? (Alan)
Beatrice tampa o rosto com a mão. Tira a mão da frente e volta a olhar para Alan.
Que te transformem sem você querer. Edmont achou que eu fosse matar. (Bea)
E não tentou fugir? (Aléxis)
Devia ter se matado. (Alan)
Tem como desfazer isso? (Juliana)
Não, não tem como voltar a ser o que era. (Bea)
Aléxis, eu preciso falar com você. (Zenon)
Zenon sai. Aléxis olha para Juliana, para Beatrice e sai. Zenon volta e olha para Alan.
Tava me procurando? (Zenon)
Como sabe? (Alan)
Eu cheguei e você disse "Vamos sair?". Por que veio me procurar aqui? (Zenon)
Michele disse que era mais fácil te encontrar aqui. (Alan)
Zenon bufa e sai.
Matou alguém? (Bea)
Não. (Juliana)
Juliana olha para o chão.
Mas quase mordi Ísis. (Juliana)
Ísis, esse é o nome dela? (Alan)
Sim... (Juliana)
Cadê ela? (Alan)
Aléxis disse que lá era a cede... (Juliana)
Você nunca mais vai ver ou encostar nela, será que me entendeu? (Alan)
Alan sai. Juliana balança a cabeça para os lados.
Tá com raiva. (Bea)
Eu criei ela. Se ele acha que pode... (Juliana)
Tem histórico na família. Por isso a revolta. (Bea)
Um dos pais dele. E tinha outro. (Juliana)
Sabe da história? Ficou observando? (Bea)
Talvez. Não interessa agora. (Juliana)
Quem te transformou, vai vir atrás de você? (Bea)
Isso interessa. (Juliana)
Zenon e Aléxis estão andando. Aléxis segura o braço de Zenon.
Aqui ela não vai ouvir. (Aléxis)
Clítia foi quem transformou. (Zenon)
Como sabe? (Aléxis)
Tá com o cheiro de Clítia. (Zenon)
Disse que não sabia o nome de quem transformou. (Aléxis)
Talvez Juliana tenha vindo por Clítia. (Zenon)
Não creio. (Aléxis)
Por que não? Pensa bem, aparece com um suposto filho de Alan... (Zenon)
Alan reconheceu. (Aléxis)
E daí? Era uma prostituta. (Zenon)
E você, um assassino. Quando eu cheguei aqui, conheci ela. Foi logo antes de Bea me encontrar. (Aléxis)
Muito conveniente. Estávamos atrás de você. (Zenon)
Acha que Clítia armaria algo há tanto tempo? Pra vir atrás de você? (Aléxis)
Tá, não. Talvez por você. Talve por Beatrice. (Zenon)
Juliana é inocente. Se Clítia vier atrás, pegamos. E resolvemos o problema. Simples assim. Ela disse que havia um homem com elas. (Aléxis)
Temos que saber quem é. (Zenon)
Então vamos voltar. (Aléxis)
MEAK. Ísis está com Derik na cozinha, comendo.
Ísis? (Alan)
Sim? (Ísis)
Qual o nome do seu pai? (Alan)
Derik franze a testa.
Alan. Alan Anjos. (Ísis)
Sua mãe quem te disse? (Alan)
Sim. Disse pra eu procurar ele, caso algo acontecesse. Disse que tem um serviço perigoso. Acho que é agente secreta, que nem nos filmes. (Ísis)
Alan chega perto de Ísis.
Querida, tenho que te contar uma coisa. Mamãe... (Alan)
Virou vampira. (Ísis)
Ainda não sabemos se ela é boazinha ou má. (Alan)
Eu já sei. É minha mãe. (Ísis)
As pessoas às vezes mudam quando isso acontece. Meu pai... Um deles, eu tinha dois. Um deles virou vampiro. Ele tentou matar minha mãe, e tentou me transformar também. Meu outro pai me salvou. (Alan)
Foi aí que começou a chamar ele de pai? (Ísis)
Não, já tinha dois pais antes. (Alan)
Eram gays? (Ísis)
Não, irmãos... Enfim, é uma história complicada. (Alan)
Talvez por isso ele tenha ficado mau. (Ísis)
Não sei, meu anjo. (Alan)
Alan pega a carteira no bolso. Abre, tira um documento.
Mas pode contar comigo. (Alan)
Alan estende o documento a Ísis.
Sabe ler? (Alan)
Ísis pega o documento. Olha. Olha para Alan.
Você é meu pai? (Ísis)
Parece que sim... (Alan)
Ísis sai da cadeira e abraça Alan. Derik levanta e sai. Kat está na sala, jogando uma estaca para o alto e pegando.
Quero uma criança minha. Assim ninguém vai chegar e dizer "vamos pra casa". (Derik)
Ok. A gente faz depois que pegarmos Clítia. (Kat)
Tava falando sério. (Derik)
Derik sai.
Madrugada. Casa de Beatrice. Aléxis e Zenon chegam. Michele está no sofá. Algumas coisas quebradas pela sala, uns rasgos na roupa de Michele e arranhões. Michele levanta, meio mancando.
Podem me explicar o que tá acontecendo? (Michele)
Zenon olha ao redor.
Acho que não é a gente que tá sabendo. (Zenon)
Cheguei aqui e tinha mais uma vampira. (Michele)
Se for um vampiro, você não liga? (Zenon)
Não sei. Se for bonito, posso ligar, vai saber se você não resolveu trocar de time? (Michele)
Ao menos fez pra ela a mesma pergunta que nos fez quando chegamos? Aliás, o que veio fazer aqui? (Zenon)
Te achar, que mais eu viria fazer? (Michele)
Não sei, talvez viesse atrás de Aléxis. (Zenon)
Ô, eu tô quieto aqui... (Aléxis)
Te fiz uma pergunta, falou ou saiu atacando? (Zenon)
Michele cruza os braços.
Perguntei primeiro. (Michele)
Então vamos decidir no par ou ímpar quem responde, já que estamos disputando isso como crianças! (Zenon)
Que foi, tá preocupado com sua amada? (Michele)
Zenon olha Michele de cima a baixo.
Me parece mulher que amo no máximo se esfolou um pouco. Ah, esqueci, eu não sei mais se te amo. (Zenon)
Michele descruza os braços.
Nunca disse que me amava. (Michele)
Fica difícil, é um espaço apertado entre uma justificativa e outra do porquê respirei fundo! Eu cheguei aqui e você simplesmente deduziu que eu sabia alguma coisa. E, só porque você tem ciúmes da Beatrice, saiu atacando sem perguntar nada. Isso tá ficando insuportável, Michele. (Zenon)
Era uma vampira. (Michele)
Eu também sou. (Zenon)
Zenon sai.
Nem quis saber se matei ela. (Michele)
Beatrice não teria ido embora, teria ficado aqui e te amarrado ou algo assim. E não tem cheiro de cinzas no ar. (Aléxis)
Michele sai. Aléxis olha ao redor. Olha para a porta. Balança a cabeça para os lados.
Não precisa, eu arrumo sozinho. (Aléxis)
MEAK. Beatrice deitou-se no sofá, olhando para o teto. Juliana sentou-se em outro sofá. Soraia está em frente ao balcão, olhando fixamente Juliana.
Não vou matar ninguém. (Juliana)
Não enquanto eu estiver de olho. (Soraia)
Não precisa se preocupar com Soraia. Tá na dúvida, então tá esperando um segundo de distração pra te carregar pra CVs. (Bea)
Tá me chamando de covarde? (Soraia)
Não. Mas sei que não desperdiça suas energias. (Bea)
Beatrice se senta no sofá.
Esquece, não vou me distrair. (Bea)
Manhã. Quarto de Estela e Alan. Alan está dormindo em sua cama, abraçou com Ísis. Há um livro na cama. Soraia pega. É de contos para crianças. Alan acorda. Esfrega os olhos.
Calma, ainda tá cedo. Tava bonitinho você dormindo abraçado com sua filha. (Soraia)
Parece um anjo, não parece? (Alan)
Parece com você. (Soraia)
Se você diz... (Alan)
Alan se levanta.
Vou fazer o café dela, quer tomar café com a gente? (Alan)
E a Estela? (Soraia)
Ela não vai ligar. (Alan)
Não, onde ela dormiu? (Soraia)
Alan olha ao redor.
É mesmo, ela não voltou pra casa... (Alan)
Alan sai. Bate na porta da casa de baixo. Derik atende.
Estela tá aqui? (Alan)
Ficou sem saber o que fazer, com essa história de Ísis... (Derik)
Já contaram?! (Alan)
Apareceu na MEAK antes de você ir lá pegar Ísis. (Derik)
Eu queria contar... Tudo bem, cadê ela? (Alan)
Tá no quarto. (Derik)
Derik aponta, Alan vai correndo. Alan abre a porta bruscamente, Kat senta na cama de uma vez, com um punhal na mão. Estela abre os olhos e se senta também, franzindo a testa, olhando pelos lados. Kat suspira. Guarda o punhal embaixo do travesseiro de volta.
Podia não tentar arrancar a porta na próxima. (Kat)
Pode pegar meu coração lá fora? Devo ter cuspido ele pela boca agora... (Estela)
Achei que ele era meu. (Alan)
Estela franze a sobrancelha.
E é... Tava brincando, amor... (Estela)
Amor? Acho melhor eu ir embora olhando pra vocês, pra não ser apunhalado pelas costas, né? (Alan)
Alan, só estavam dormindo. (Derik)
Como sabe? (Alan)
Porque eu dormi aqui. (Derik)
Os três na mesma cama? É o sonho de todo homem... (Alan)
Não, é o seu delírio, na verdade. Não fizemos nada. (Kat)
Não que ela não quisesse, com certeza. (Alan)
Eu não sou a sua mãe, e com certeza não sou Helena. Você tava lá com Ísis, eu não quis atrapalhar. (Estela)
Agora vai usar minha filha de desculpa? (Alan)
Não é uma desculpa! Alan! (Estela)
Escuta aqui... (Alan)
Não, você vai escutar agora! Eu te amo, te amo de um tempo que você me via como criança! Agora que consegui, você fica com essas esquisitices, parece que tá procurando um motivo pra me largar! Eu te amo, droga! (Estela)
É, mas não é o meu nome que fala dormindo! (Alan)
Alan sai. Estela abre a boca. Fecha. Começa a chorar. Kat abraça Estela. Olha para Derik. Alan entra em casa. Juliana está na sala. Alan pega uma besta e aponta pra Juliana. Ísis se coloca na frente.
Abaixa, mãe, abaixa pra eu proteger seu coração! (Ísis)
Eu disse pra não tentar chegar perto dela. (Alan)
Não mata minha mãe, por favor! (Ísis)
Sua mãe já está morta, meu anjo. Vem comigo. (Alan)
Alan estende a mão para Ísis.
Larga isso, Alan. (Janaína)
Você também? Que tá fazendo aqui? (Alan)
Vim procurar Estela, é quem cuida das coisas. Larga isso. (Janaína)
Por que? (Alan)
Lembra da Trinity? (Janaína)
Sua amiga que foi com a Mel? (Alan)
Sim. A mãe dela virou vampira quando ela tinha sete. O pai matou a mãe, quando Trinity ia abraçar ela. As cinzas caíram em cima dela, com as roupas. Ela nunca superou isso. (Janaína)
Conheço a história. Meus pais e os dela eram amigos. (Alan)
Então acho que devia largar isso. (Janaína)
Alan baixa a besta. Encara Juliana. Juliana veste o capuz da capa que trazia. Abaixa perto de Ísis, dá um beijo na testa. Levanta e sai. Ísis acompanha Juliana com os olhos.
Não quero mais que seja meu pai. (Ísis)
Ísis corre para o quarto. Janaína vai atrás. Ísis se senta em um canto, com os joelhos encolhidos, abraçando. Janaína se senta ao seu lado.
Seu pai só quer te proteger. (Janaína)
Matando minha mãe? (Ísis)
Ele sofreu muito. Já viu filmes de vampiro? (Janaína)
Alguns... (Ísis)
Pois é. Em alguns filmes eles são ruins, em outros tem um bonzinho lutando contra todos os outros, que são maus... Até hoje só vi um em que todos eram bonzinhos. (Janaína)
As pessoas também são boas e más. (Ísis)
É, mas é mais difícil aceitar que alguém que pode beber o sangue dos seus amigos seja bom. (Janaína)
Já conheceu muitos vampiros? (Ísis)
Um. Ele me criou e me traiu. (Janaína)
Tentou te matar? (Ísis)
Não, isso não. Mas não quer dizer que ele seja legal. (Janaína)
Ísis abraça Janaína.
Quero minha mãe. (Ísis)
Soraia entra no quarto.
Ouvi a discussão na sala. (Soraia)
Não veio piorar as coisas, veio? (Janaína)
Não. Sei que todos vocês acham que não tenho coração. Mas não é bem assim. (Soraia)
Preciso falar com você. (Janaína)
Janaína vai para o corredor. Soraia segue.
Que quer? Mata Juliana, casa com Alan e tem a família perfeita? (Janaína)
Sei que está acostumada a conviver com vampiros, mas... (Soraia)
Não, eu tava falando de humanos. (Janaína)
A mãe dessa criança morreu. E, quanto a eu querer ficar com Alan, caso não se lembre, ele tá com a prima dele agora. (Soraia)
Não me engana com esse papo de que está aqui pra ficar de olho em Beatrice e Zenon. (Janaína)
Por que, você acredita em vampiros bonzinhos? Por que não volta com Etos então? (Soraia)
Eles não vão matar ninguém, e sabe disso. Talvez não esteja enganando os outros, talvez esteja enganando a si mesma. (Janaína)
Como você, com sua preferência sexual? (Soraia)
Soraia volta pra dentro do quarto.
Não sou lésbica! (Janaína)
Janaína bufa. Soraia se aproxima de Ísis no quarto.
O que é preferência sexual? (Ísis)
Tava escutando? (Soraia)
Desculpa... (Ísis)
Tudo bem. Só não se acostume a fazer essas coisas, porque além de feio, pode escutar coisas que não vou ter como te explicar agora. (Soraia)
Por que eles acham que não tem coração? (Ísis)
Essa é uma das coisas. (Soraia)
Janaína volta à sala.
E aí? (Alan)
Só não aponte mais armas pra mãe dela. (Janaína)
Acha mesmo que Juliana pode não ser ruim? (Alan)
Janaína cruza os braços.
Se não me engano, a mãe não foi o único parente da menina a se envolver com vampiros. (Janaína)
Janaína sai.
Clítia me enganou! (Alan)
Juliana está assistindo TV na MEAK. Zenon chega.
Esse cara. É o cara que me mordeu. (Juliana)
Clítia quem te transformou. (Zenon)
Como sabe? (Juliana)
Lembra que disse que achou que me conhecia? (Zenon)
Sim. (Juliana)
A mesma pessoa transformou a gente. (Zenon)
E eu posso reconhecer quem foi transformado por ela? (Juliana)
Sabe se ele foi transformado por ela? (Zenon)
Não sei. Acho que ele morre de ciúmes dela. (Juliana)
Isso é um problema. Por isso te mordeu? (Zenon)
Sim. Ela começou a dizer que me amava, e... (Juliana)
Que te amava? (Zenon)
É. (Juliana)
Já enlouqueceu assim uma vez. Um caçador matou o brinquedo dela. Não queria ser ele. (Zenon)
Acha que ela vai vir atrás de mim? (Juliana)
Se não quiser Clítia, é melhor escondermos muito bem Ísis. (Zenon)
Agora ela é perseguida por vampiros. Podemos chamar o grupo. (Aléxis)
Por que tá passando na TV? (Zenon)
As duas ex foram encontradas mortas. Reconheceram os corpos agora. (Juliana)
Não quero nem saber o que ele fez com elas. (Aléxis)
Com certeza não foi pior do que Clítia fez com o caçador. (Zenon)
Vamos falar com Soraia. Acho que junto com Alan pode proteger Ísis. (Aléxis)
É melhor tirar daqui das Ilhas. (Zenon)
Falando de que? (Bea)
De tirar Ísis daqui. (Zenon)
Foi Clítia quem transformou Juliana. (Aléxis)
Não quero ficar longe da minha filha. (Juliana)
Quer sim. Você é o alvo. (Bea)
Beatrice olha para Aléxis.
E seu prazo para pegar Clítia acabou. (Bea)
Noite. MEAK. Quarto.
De que Alan tava falando? (Kat)
Não sei. Ele nunca disse nada... Ultimamente tem estado estranho. Não sei se é ciúmes do Derik... (Estela)
Kat franze a sobrancelha.
Falou o nome de Derik dormindo? (Kat)
Só eu me dei conta? (Derik)
Do que? (Kat)
Kat, meu amor, o ciúmes é de você. (Derik)
Mas ele não tem motivo pra isso... (Estela)
Não tem mesmo, Estela? (Derik)
Droga, eu passei a vida inteira babando por ele e ainda tenho que passar por isso??? Eu que devia estar com ciúmes!!! Ele é quem tá sendo cercado pela Soraia, agora essa aí apareceu com uma filha dele a tira-colo... (Estela)
Mas não tá. (Derik)
Estela abre a boca. Fecha. Olha para baixo.
Será que é isso? (Estela)
Acho que deveria parar pra pensar. Se não vai ficar que nem Janaína. (Derik)
Mas não sou lésbica. Não tenho nenhum preconceito, eu saberia se fosse. (Estela)
Desculpa, Estela, mas tá falando igualzinho. (Kat)
Estela olha para Kat. Sai.
Casa de Janaína. Janaína está no chão, diversos papéis ao redor. Estela entra. Janaína olha para Estela.
Ainda bem que veio. Fui te procurar na sua casa, você não tava... (Janaína)
Acha que sou lésbica? (Estela)
Janaína franze a testa.
Não sei. Essas coisas não vêm escritas na testa. (Janaína)
Estela olha para os papéis no chão.
As contas do mês? (Estela)
É. Me ajuda? (Janaína)
Estela se senta de frente para Janaína.
Tá misturando tudo. (Estela)
Imaginei. (Janaína)
Jardim da casa. Clítia e Davi olham pela janela.
Acha mesmo? (Davi)
A menina está bem guardada. Tem Aléxis, Michele, Alan, Soraia, Zenon, Beatrice e Katerine. Pelo menos três não hesitariam em apontar uma besta para Juliana. Raptamos Estela, e trocamos. Com Zenon e Beatrice. (Clítia)
Sabia que Alan e Estela discutiram? (Etos)
Davi se encolhe e olha para Etos.
Não. (Clítia)
Melhor levarem Estela e Janaína. (Etos)
Adoraria levar as duas, não? (Clítia)
Acho que por isso Estela me atraiu. Ouviu a conversa? Estela também tem um pé do outro lado. (Etos)
Clítia revira os olhos.
Estela te atraiu porque se mexe. (Clítia)
Quem é você? (Davi)
Etos. Foi transformado pela primeira vampira da primeira linhagem. (Clítia)
Criança? (Etos)
Sim. Transformei faz pouco tempo. (Clítia)
Hétero? (Etos)
Claro! (Davi)
E no escuro? (Etos)
Davi franze a sobrancelha.
Ah? (Davi)
Esquece, Etos. (Clítia)
Consegui até Dilan, com aquele jeito de "sou macho pra caralho". (Etos)
Clítia olha para Etos.
Sério?! (Clítia)
Vai negar se perguntar. (Etos)
Clítia franze a sobrancelha.
À força? (Clítia)
Não! Parece que não me conhece... (Etos)
Dá pra parar com esse papo? Não viemos aqui pra sequestrar ela? (Davi)
Voltam a olhar para dentro da casa.
Acho melhor levar Estela e Derik. (Etos)
Quem é Derik? (Davi)
Namorado de Katerine. (Clítia)
Quem é Katerine? (Davi)
Vou mesmo ter que explicar tudo? (Etos)
Ele acompanha eles como se fosse novela. (Clítia)
É mais divertido. Não pode interferir na novela. E novela não é o troca-troca que é isso aqui. (Etos)
Vamos ou não vamos fazer isso? (Davi)
Só um segundo. (Etos)
Etos pega cordas no chão. Entra. Janaína e Estela levantam. Janaína diz algo a Estela, Estela corre. Etos puxa Janaína, segura e amarra. Estela volta correndo com uma faca, Etos tira a faca de Estela, segura e amarra com a outra ponta da corda. Pega a faca que Estela trazia, corta a corda, que ligava Janaína com Estela. Davi e Clítia entram.
Agora só falta Derik. (Etos)
Não precisamos de Derik. Tem alguma fixação? (Clítia)
Não. Mas você tem medo de Katerine. (Etos)
Será que é por Katerine a fixação? Ou seria Melody? (Clítia)
Etos cruza os braços.
Inventei esse jogo, meu amor. Não vai me vencer nele. (Etos)
Acha mesmo? (Clítia)
Etos descruza os braços. Olha para Davi.
Juliana é mesmo tudo isso? (Etos)
Clítia encara Etos. Etos ri. Sai.
Ele que não tente encostar nela. (Clítia)
Luta melhor que ele? (Davi)
Isso não é da sua conta. (Clítia)
Kat abre os olhos.
Você tá bem? Desmaiou do nada... (Derik)
Estela. (Kat)
Que tem? (Derik)
Clítia sequestrou. Com ajuda de Etos. (Kat)
MEAK. As pessoas estão na sala. Aurium chega, como pássaro. Entra no banheiro. Sai Derik.
Nada. (Derik)
Ok, Katerine, porque chamou todos? (Soraia)
Clítia seqüestrou Estela e Janaína. (Kat)
O que Estela estava fazendo com Janaína? (Alan)
Kat cruza os braços.
Contas. Vai ter ciúmes agora? (Kat)
Alan levanta.
Vou tirar minha filha daqui. (Alan)
Juliana levanta.
Não vai tirar Ísis de perto de mim. (Juliana)
Você escolheu eles. (Alan)
Eu não escolhi nada. (Juliana)
Vai deixar Estela a própria sorte?! (Kat)
Você pode salvar ela! (Alan)
Será que pode parar um instante e se ouvir?! (Kat)
Alan sai.
Que houve? (Derik)
Traição demais. Vai voltar. Mesmo porque, esqueceu uma coisa. (Soraia)
Alan entra. Vai até a cozinha. Abaixa perto de Ísis.
Anjo, acorda... (Alan)
Ísis levanta a cabeça da mesa e olha para Alan.
Que foi? (Ísis)
Temos que ir. É perigoso aqui para você. (Alan)
Ísis se vira para Alan.
Sempre é perigoso. O mundo é perigoso. (Ísis)
Soraia entra na cozinha.
Há lugares menos perigosos. (Alan)
Resolveremos isso. Depois vamos. (Soraia)
Alan levanta e vira para Soraia.
Eles querem Juliana. Ela já se entregou pra eles. Por que ela acha que pode voltar, fingindo que nada aconteceu? (Alan)
A gente sempre quer voltar fingindo que nada aconteceu. É o único jeito de voltar. Acha que esqueci o que fiz com a irmã de Fábio? (Zenon)
Tenho que tirar Ísis disso. (Alan)
A gente vai tirar. (Zenon)
Mansão de Janaína. Beatrice entra. Etos puxa Beatrice pra junto de si, deixando de costas para si.
Onde Clítia levou Estela e Janaína? (Bea)
Não sei, mas posso descobrir. (Etos)
Fez isso porque Estela não te quis? Outras pessoas não te quiseram. (Bea)
Não tem a ver com isso. Eu não tenho o que fazer com a minha eternidade. Já fiz o que queria, o que não queria pra me contrariar... Não preciso de um motivo pra fazer nada. (Etos)
Que quer dessa vez? (Bea)
Como assim? (Etos)
Pra trazer as pessoas de volta. (Bea)
Juliana. (Etos)
Por que? (Bea)
É mais fácil recuperar Juliana, porque Clítia não vai matar Juliana se tentar pegar a força de volta. Já Janaína e Estela... (Etos)
E se matar Estela e Janaína quando entregarmos Juliana? (Bea)
Não acho que vá fazer isso. Por que Juliana vai pedir que não faça. (Etos)
Etos vira Beatrice e beija. Aléxis chega. Beatrice se afasta. Olha para Aléxis. Aléxis engole seco. Sai.
Não é quem você quer. (Etos)
Beatrice olha para Etos.
Acha que é você? (Bea)
Não. Mas pelo menos eu sei quem é. (Etos)
Etos puxa Beatrice e beija.
Madrugada. MEAK. Aléxis chega.
Encontrou Etos. Etos disse pra entregarmos Juliana e pegarmos de volta depois. (Aléxis)
E cadê ela? (Zenon)
Pagando a informação? (Michele)
Aléxis olha para Michele.
Pagar seria se ela não quisesse. Beatrice é do mundo. Juliana? (Aléxis)
Aléxis olha para Juliana.
Vamos. (Juliana)
Legal. Onde? (Kat)
Não. Só eu e ela. (Aléxis)
Vou junto. (Michele)
Nem pensar. Eu sou o único aqui que conhece Clítia de verdade. (Zenon)
Ela não vai deixar de matar você por causa disso. (Alan)
Vai sim. Matar não é o preferido dela. (Zenon)
Ela quer você. (Michele)
Vamos achar outro jeito. (Derik)
Voto pra entregar Juliana. (Alan)
Concordo. (Juliana)
Eu não. A gente devia matar ela. (Soraia)
Mesmo que eu concordasse com você, temos que tirar Estela e Janaína de perigo. (Kat)
Será que Derik também deveria ter ciúmes? (Alan)
Kat revira os olhos. Soraia olha para Alan.
Alan, isso já é demais. Pára com isso. Não precisa deixar de ser humano e sentir algo para não se ferir. Ou será que realmente tá tão cego? (Soraia)
É, se eu tomasse um sermão de Soraia sobre estar sendo duro demais, ia saber que cheguei no limite. (Zenon)
Soraia encara Zenon. Alan vai para a cozinha. Soraia vai atrás.
Não tem que escolher entre ela e Ísis. (Soraia)
Tenho que escolher entre ela e eu. (Alan)
Mesmo que ela não fique com você, estamos falando da sua prima. De uma pessoa que, mesmo que não te queira ao lado dela, te ama. De alguém que nunca fez mal a ninguém. (Soraia)
Por que tá dizendo isso? (Alan)
Você mantém minha humanidade. Eu mantenho a sua, quando perder. (Soraia)
Alan baixa a cabeça. Olha para Soraia. Volta para a sala. Soraia segue. Alan olha para os lados. Apenas Dionísio.
Que aconteceu? (Alan)
Zenon e Juliana foram procurar Clítia. Beatrice ainda não voltou. Katerine e Derik foram pra casa, pra ver se Katerine sonha algo. Michele e Aléxis saíram, sem explicar. (Dionísio)
Casa de Michele e Zenon. Michele e Aléxis entram.
Não quero ficar aqui esperando. Você e eu fomos os primeiros, é ridículo. (Michele)
Etos é tão bom assim? Por que ela sempre acaba cedendo a ele? (Aléxis)
Ela cede com qualquer um. (Michele)
Não o coração. (Aléxis)
Ela tem um? (Michele)
Sim, ela tem. E você está dizendo isso porque está com ciúmes. Sabe que ela te protegeu. Ela podia ter contado à Katerine. (Aléxis)
Michele baixa a cabeça e cruza os braços.
Pelo jeito, foi só pra Katerine que ela não contou. (Michele)
Ela contou pra quem não faria nada contra. (Aléxis)
Michele olha para Aléxis.
Por que gostam tanto dela? (Michele)
Michele descruza os braços e se aproxima de Aléxis.
E porque ninguém me ama? (Michele)
Eu já te amei. (Aléxis)
Não ama mais? (Michele)
Michele beija Aléxis. Aléxis corresponde. Afasta.
Zenon é meu amigo. (Aléxis)
Zenon não se importa. (Michele)
Michele beija de novo. Aléxis segura Michele pela cintura.
Jardim da casa de Janaína. Etos veste a calça.
Vai nascer o sol. (Etos)
E daí? (Bea)
Etos olha pra cima, suspira. Pega Beatrice no colo. Sai.
Amanhecer. Templo. Zenon e Juliana entram. Estela e Janaína estão com correntes. Clítia está perto. Davi sentou-se sobre uma das caixas.
Finalmente. (Clítia)
Estamos em quatro, vocês em dois. Se for com a gente, equilibramos. (Davi)
Foi pra isso que vim. (Juliana)
Clítia estende o braço a Zenon. Zenon joga a própria capa para Clítia. Clítia pega Juliana pela mão, vão em direção a porta. Davi segue. Vira pó. Clítia para e olha para Zenon, que baixa a besta. Juliana se agarra em Clítia.
Ciúmes, meu amor? Você nunca foi disso. (Clítia)
É mais fácil te controlar se for o único homem na sua vida. (Zenon)
Clítia ri. Puxa o capuz, cobrindo a cabeça. Sai, levando Juliana. Joga uma chave para o alto do lado de fora, a chave cai no chão. Zenon pega o celular.
Beatrice chega, com capuz. Pega a chave do chão. Joga um capuz para Zenon. Vai até Estela e Janaína e destranca as correntes. Se levantam.
Quero ir pra casa. (Janaína)
Eu te levo. (Bea)
Beatrice olha para Zenon.
Leva Estela? (Bea)
Não sei se tenho casa ainda... (Estela)
Casa de Estela e Alan. Estela e Zenon chegam. Estela abraça Alan.
Achei que ia morrer dessa vez... (Estela)
Estela se afasta. Olha para o meio da sala e vê as malas. Olha para Alan.
Vai me expulsar? (Estela)
Eu não faria isso. São minhas malas. (Alan)
Não pode me largar... Não tenho mais ninguém... (Estela)
Por isso você se apaixonou por mim. (Alan)
Não, não foi isso que eu disse! (Estela)
Alan coloca a mão na frente da boca de Estela.
Por favor. (Alan)
Estela baixa a cabeça. Alan baixa a mão. Estela olha para Alan.
Ainda tá com ciúmes de Kat? (Estela)
Vive sua vida sem mim. É isso que precisa. Se algum dia alguém te disser que foi meu nome que disse enquanto sonhava, me procura. (Alan)
Alan se aproxima das malas. Coloca uma nas costas, puxa a alça de outra, que tem rodas. Vira de novo para Estela.
Com a sorte que tenho, vou ter tomado mais alguns chutes até lá. (Alan)
Soraia vem com Ísis. Estela olha para Soraia.
Não fui eu. (Soraia)
Eu sei que não. Não jogaria sujo desse jeito. (Estela)
Soraia sai com Ísis. Alan segue. Zenon olha para Estela.
Quer que eu fique? (Zenon)
Vou ficar bem. (Estela)
Zenon sai.
Zenon se aproxima de casa. Vai colocar a mão na maçaneta, a porta abre. Aléxis sai. Zenon fareja. Aléxis baixa a cabeça.
Eu já entendi. (Zenon)
Aléxis olha para Zenon.
Desculpa. (Aléxis)
Tá pedindo demais. (Zenon)
Não, é sério. Sei que ela é sua namorada, e sei o que senti ontem quando vi Beatrice com Etos, você não gosta de Michele, mas ainda sim... (Aléxis)
Zenon ri e balança a cabeça para os lados.
Pior que gosto. (Zenon)
Tem certeza? (Aléxis)
Sim. Se não gostasse, tinha terminado antes. (Zenon)
Aléxis baixa a cabeça.
Vai terminar com ela por minha causa? (Aléxis)
Não, por causa dela. Eu amo ela. Mas ela fica tendo crises de ciúmes e depois dá pro primeiro que aparece... (Zenon)
Aléxis olha para Zenon.
Ela te ama também. (Aléxis)
De uma forma bem estranha, sem dúvida. (Zenon)
É sério. (Aléxis)
É melhor eu me afastar, e deixar ela aprender o que isso quer dizer. (Zenon)
Zenon se vira. Aléxis dá um passo, Zenon vira e segura seu braço.
Saiu correndo porque cheguei. Volta. Se aguentar o ciúmes dela, claro. (Zenon)
Zenon sai. Aléxis volta para dentro.
Tarde. Juliana e Clítia estão em um hotel na cama. Juliana vira para o lado, pega uma estaca embaixo do travesseiro, e crava no colchão. Olha para Clítia, que está em pé.
Sabe que sou mais rápida que isso. (Clítia)
Clítia se senta na cama. Juliana senta. Clítia tira a estaca do colchão, põe na mão de Juliana e aponta para o próprio coração.
Você ficou durante boa parte da sua vida entregando seu corpo pra pessoas de quem às vezes até tinha nojo. Eu sei o que é isso. Sei bem. Parte dela, pensava em juntar para sair dessa vida. Mas acabou perdendo as esperanças. O que não sei é o que pensava quando chegava em casa e olhava para sua filha, sem saber como ia sustentar, porque tava envelhecendo, e um dia não poderia mais fazer isso. Agora, além de não envelhecer mais, tem quem cuide dela. Quem pode dar a ela uma vida saudável, apesar de ter que proteger. Ainda que ela seja ameaçada, agora você tá mais forte, e tem uma amante pra quem pode pedir que te ajude, quando for realmente necessário. E sei que gosta, pelo menos do sexo. E tem chance de quem venha a gostar da companhia. Podemos até matar bêbados que acham que podem fazer o que quiserem com uma mulher, desde que estejam pagando, se isso te fizer sentir mais humana. A pergunta é: você realmente quer atravessar meu coração com um pedaço de madeira? (Clítia)
Juliana respira fundo. Deixa a mão cair.
Dessa idéia eu gostei. (Clítia)
Juliana franze a sobrancelha.
Que idéia? (Juliana)
Juliana olha para a estaca e desfranze a sobrancelha.
Ah, eu não... (Juliana)
Juliana joga a estaca no chão. Clítia beija Juliana.
Casa de Kat e Derik.
Eu perdoei uma traição. (Kat)
É diferente. Você e Derik se amam, e nunca teria te trocado. (Zenon)
Vocês também se amam. Michele não te trocaria. (Kat)
Já trocou. (Zenon)
Que quer fazer agora? (Derik)
Ir pra São Paulo. (Zenon)
Kat olha para Zenon.
A gente já esperou, Kat. Se voltarem, se conseguirem achar a gente entre as Realidades, com certeza não vão ter problemas de nos achar lá. Acho que tá na hora de dividir a MEAK. (Zenon)
Eu fico. (Estela)
Kat olha para Estela. Depois para Zenon.
Não precisa pensar. Você e Derik vão. (Estela)
Mas você... (Kat)
Se quero que Alan acredite em mim, tenho que me afastar de você. (Estela)
Estela sai. Kat se senta no sofá.
Vai se afastar de mim por causa de Alan? (Kat)
Não. Vai se afastar de você porque precisa descobrir quem é. (Derik)
Aléxis fica. Michele também. Beatrice vem com a gente. (Zenon)
Pra onde? (Bea)
São Paulo. (Zenon)
Dionísio fica. (Bea)
Tá decidindo por Dionísio? (Zenon)
Tá com a gente porque tá esperando Fábio voltar. E você decidiu por mim. (Bea)
Me desculpe. (Zenon)
Sem problemas. (Bea)
Não, me desculpe. Eu não tava decidindo por você. Tava decidindo por minha causa. Me faz ter esperanças que não seja tudo em vão. Preciso de você. (Zenon)
Eu sei. (Bea)
Algum tempo, algum lugar
Michele nunca acreditaria em Zenon mesmo, acreditaria? (Xien)
Mel. Era muito para Michele acreditar que seria possível Zenon esquecer. (Uehfo)
Inclusive porque Beatrice não esqueceu Angely. (Xien)
Ao menos deu um passo para isso. (Uehfo)
Como assim? (Xien)
O simples fato de aceitar ficar perto de Zenon e deixar isso para trás, sem receio. (Uehfo)
Tem razão. Só Kat teve receio. (Xien)
Xien senta no chão.
Saíram mesmo de Hera e Ares? (Xien)
Uehfo senta na frente de Xien. Pega suas mãos.

Resumo do Capítulo

Clítia encontra Davi, que perdeu tudo. Morde. Zenon acorda, de ter sonhado com quando Clítia lhe transformou. Michele fica com ciúmes. Zenon sai para caçar, Beatrice vai junto. Kat e Estela voltam do último dia de aula. Soraia diz que acha que estavam mentindo para si. Acontece uma discussão, Alan se preocupa, por Estela não lhe dar bronca. Michele e Aléxis estão treinando. Michele fala de Zenon e Beatrice. Aléxis diz que escolheu confiar em Beatrice. Vai embora. Clítia derruba Zenon e amarra. Some. Beatrice desamarra. Zenon volta ao banheiro. Clítia derruba Beatrice. Clítia tira a roupa de Beatrice e deita na cama. Sai. Michele encontra Zenon tentando acordar Beatrice. Brigam. Zenon pede ajuda a Derik. Derik acorda Beatrice. Acham que Clítia quer Zenon e Beatrice. Aléxis pede para Beatrice não ir atrás de Clítia. Aléxis e Michele saem para caçar Clítia. Alan sai com Soraia, de cabeça baixa, por Estela não ter ciúmes. Derik e Estela saem. Kat e Dionísio vão caçar também. Beatrice fica. Davi vai atrás de Juliana. Juliana sai com Davi. Avisam Aléxis. Aléxis vai. Juliana acorda ao lado de Clítia. Clítia se oferece para transformar. Juliana não aceita. Davi vê e fica com ciúmes. Morde Juliana. Clítia faz largar, mas é tarde. Clítia transforma Juliana. Aléxis pega Ísis na escola. Juliana acorda e descobre que transformaram. Vai para casa. Encontra Aléxis. Diz que não queria. Aléxis dá Daxlidan. Fala em irem atrás de Alan, para que cuide de Ísis, porque vão caçar Juliana agora. Deixam Ísis com Derik e Kat e saem, Aléxis, Zenon e Juliana. Juliana conta a Alan sobre Ísis. Alan vai para a MEAK atrás. Zenon conta a Aléxis que Clítia quem transformou Juliana. Alan se apresenta a Ísis. Zenon e Aléxis voltam para a casa, desobrem apenas Michele e sinais de luta. Michele e Zenon brigam. Na MEAK, Soraia e Beatrice estão com Juliana, por motivos opostos. Estela dorme na casa de Kat e Derik, Alan tem um ataque de ciúmes e diz que Estela fala o nome de outra pessoa dormindo. Aponta uma arma para Juliana em frente a Ísis. Janaína chega e lembra Alan da história de Trinity. Alan baixa a arma, Juliana sai, Ísis diz a Alan que não quer mais como pai. Janaína acalma Ísis. Soraia e Janaína discutem. Zenon diz que devem esconder Ísis agora, por causa de Clítia. Derik fala que o ciúmes de Alan é em relação a Kat. Davi e Clítia planejam sequestrar Estela. Etos aparece. Sugere levar Janaína também. Entra e amarra tanto Janaína quanto Estela. Kat sonha com o sequestro. Alan fala em ir embora com Ísis. Soraia diz para resolver as coisas primeiro. Beatrice vai a mansão de Janaína. Encontra Etos. Etos sugere fazer a troca por Juliana, porque Clítia não mataria Juliana e Juliana vai pedir que não mate Estela e Janaína. Beija Beatrice, Aléxis vê e sai. Zenon e Juliana vão procurar Clítia. Michele e Aléxis ficam juntos. Juliana se entrega a Clítia, mas Zenon mata Davi. Recuperam Estela e Janaína. Alan deixa Estela, diz que Estela só se apaixonou por ter ficado tanto tempo apenas consigo. Alan, Soraia e Ísis vão embora. Zenon descobre que Michele lhe traiu. Aléxis diz que Zenon não gosta de Michele, Zenon diz que gosta. Mas fala para Aléxis ficar com Michele. Juliana tenta enfiar uma estaca em Clítia, mas acaba aceitando ficarem junto. Decidem separar a MEAK. Zenon, Derik, Kat e Beatrice vão para São Paulo.

Dara Keon