Balança
MEAK
C01

Balança ler resumo

Algum tempo, algum lugar
Xien está no chão, sentou-se, com os joelhos para frente, pés para trás. Em frente, Uehfo, também sentou-se, com os pés sobre as coxas.
Não te interrompi dessa vez. (Xien)
Eu sei. (Uehfo)
Não vai desaparecer de novo, né?! (Xien)
Não. (Uehfo)
Então porque... (Xien)
Xien arregala os olhos.
Edmont. (Xien)
Que tem? (Uehfo)
Angely não ia sobreviver. (Xien)
Foi o que disseram. (Uehfo)
Então foi isso? Foi assim? Sem luta? (Xien)
Xien se deita no chão.
O fato de eu não querer mais fazer mal às pessoas... Quer dizer que eu... Não sou totalmente ruim, né? (Xien)
Só o fato de você se preocupar em ser Edmont já dizia algo. (Uehfo)
Xien volta a posição original.
Então agora a gente sai daqui? (Xien)
Eu não sei. Acho que, se fosse, já teria acontecido. (Uehfo)
Como assim? Você não tava guiando tudo? (Xien)
Uehfo balança a cabeça para os lados.
Eu nunca estive guiando nada. (Uehfo)
Não? (Xien)
Não sei se foi mais divertido ou irritante te ver achando que eu era babá. (Uehfo)
Então de onde veio tudo que eu vi?! (Xien)
Nós vimos. (Uehfo)
Você também não lembra de nada... (Xien)
Agora lembro. (Uehfo)
Mas quem é você? (Xien)
É até engraçado ver você entrando em parafuso porque não sabe entre DUAS pessoas quem você é. (Uehfo)
Não descobriu ainda, né? (Xien)
Ainda tô tentando. Mas meu estoque acabou, o que me faz deduzir que você quem tem que continuar. (Uehfo)
Como? (Xien)
Antes
Uehfo abre os olhos. Está no chão. Senta-se. Olha para os lados. Tudo vazio. Começa a andar. Olha para uma pessoa no chão. Se abaixa. É Xien. Uehfo chacoalha Xien.
Eu te acordei. (Onian)
Uehfo olha para Onian.
Onde a gente tá? (Uehfo)
Não sei. (Onian)
Aposto que já tentou correr pra todo lado e não deu em nada. (Uehfo)
Não acho que nossos corpos estejam aqui. (Onian)
Uehfo levanta.
Faz sentido. Purgatório? (Uehfo)
Fizemos algo? (Onian)
Não faço ideia. Mas não parece nem ruim nem bom. Bom, depende do quanto você gosta de não fazer nada. Espero que tenha algo pra fazer. (Uehfo)
Você tem alguma coisa no seu bolso? (Onian)
Uehfo começa a bater nos bolsos. Para em um. Olha para Onian. Abre o bolso. Pega uma pedra transparente, um diamante. A pedra começa a acizentar. Uehfo coloca a mão na cabeça, soltando a pedra. Cai de joelhos. Cai no chão. Vira para cima. Puxa a respiração, olhando para o alto. No chão, a pedra escurece e para, uma onix. Uehfo volta a respirar normal. Senta-se. Olha ao redor. Xien continua no chão. Olha mais ao redor. Vai até Xien. Dá um chute. Voa longe.
De volta
E o resto você sabe. (Uehfo)
Xien coloca a mão no bolso esquerdo da calça. Tira uma aquamarine. Xien aperta os olhos, Uehfo vai até Xien, segura antes que caia.
Se concentra. (Uehfo)
Xien puxa o ar.
Eu sei. Queria que quem me acordou tivesse me dito. Talvez nem soubesse. (Uehfo)
Uehfo abaixa, junto com Xien, deixando Xien no chão.
Parece que seu cérebro entrou em um furacão e vai sair só geleia. Se foca. A gente precisa do resto. (Uehfo)
Xien tenta puxar o ar mais um pouco. A respiração volta ao normal. Xien respira fundo. Olha pra Uehfo.
Valeu. (Xien)
Preciso saber do resto. Não queria que seu cérebro explodisse. Ia ficar aqui pra sempre. (Uehfo)
Xien olha para o chão. Estica o braço. Pega a pedra novamente, um rubi. Se senta.
Você não desaparecia de propósito. (Xien)
Não. Mas isso não vai me fazer ficar com menos raiva de você quando fizer isso. (Uehfo)
Uehfo levanta do chão.
Claro, vou tentar não ficar interrompendo. (Uehfo)
Podia ter me avisado. (Xien)
Você parece aquelas pessoas que ficam falando no meio do filme. Aposto que quem vai interromper toda hora é você. (Uehfo)
Você disse que fazia a mesma coisa! (Xien)
Mudei de ideia. Você é muito pior. (Uehfo)
Xien levanta.
Se eu tocar em você, a gente continua ou eu tomo choque e voo longe? (Xien)
Só tem um jeito de descobrir. (Uehfo)
Uehfo estende a mão a Xien.
Casa de Janaína. Trinity entra no quarto, com um sorriso. Desmancha o sorriso. Olha para o chão. Olha para a frente. Se vira para a porta. Balança a cabeça para os lados. Bate a porta com força. Estela e Janaína se sentam na cama, puxando o lençol.
Acho que não sentiu minha falta. (Trinity)
Eu... (Janaína)
Trinity olha para Janaína.
É muita cretinice. Eu achando que tinha feito uma burrada de ir embora... (Trinity)
Nit... (Janaína)
Sabe que tive a ilusão de que esse tempo tinha sido o suficiente pra refletir, que agora talvez assumisse?! (Trinity)
Não é isso, eu... (Janaína)
E você assumiu. Com outra pessoa. (Trinity)
Trinity olha para Estela.
Boa sorte. (Trinity)
Estela olha para Janaína.
Não dá pra simplesmente sair por aí declarando... (Janaína)
Eu não sou lésbica. (Estela)
Exatamente! (Janaína)
Não, você é lésbica. Aliás, bissexual. Eu não sou mesmo. (Estela)
Então, é que o que estou tentando dizer, às vezes pode ser que você até goste, mas não quer dizer que... (Janaína)
Não, ainda não entendeu. Eu não gostei. Não quero fazer de novo. (Estela)
Janaína olha para Estela. Abre a boca. Fecha. Estela levanta e vai ao banheiro. Trinity ri. Estela volta, com roupas.
Podia se assumir. Tem dinheiro pra mandar o mundo a merda se necessário, e ninguém ao seu redor que você precise enganar. (Estela)
Eu sou ruim de cama? (Janaína)
Estela fecha os olhos e respira fundo. Abre os olhos.
Tá, esquece. Tudo, de preferência. (Estela)
Estela olha para Trinity.
Será que eu podia... (Estela)
Trinity encolhe os ombros e volta. Estela vai até Trinity e beija. Trinity corresponde. Estela para. Se afasta.
É, não. Foi mal. (Estela)
O prazer foi meu. (Trinity)
Estela sai.
Disponha! (Trinity)
Janaína cruza os braços. Trinity olha para Janaína.
Precisava se oferecer assim?! (Janaína)
Que?! Escuta, quase deu pra sentir o gosto da sua... (Trinity)
Trinity respira fundo. Balança a cabeça para os lados. Sai.
Noite. Mel está no sofá. Glória dorme em seu colo. Etos entra com Edmont no ombro. Joga no meio da sala. Mel franze a sobrancelha.
De nada. (Etos)
Pois...? (Mel)
Valesca ia transformar em Hades. (Etos)
O que isso quer dizer isso? (Mel)
De duas linhagens. (Etos)
Mel solta o ar forte e fecha os olhos.
E você impediu. (Mel)
Mel olha para Etos. Etos franze a sobrancelha. Zenon entra.
Pera um segundo, eu devia ter deixado?! (Etos)
Achei que Hades era o nome que a... (Zenon)
Só não teve muita criatividade nesse sentido. (Etos)
Derik está com um livro em mãos, no sofá. Mel, Etos e Zenon estão em pé.
Aumento do poder... Das características primitivas... (Derik)
Foi o que eu disse, pior ideia que já tiveram. (Etos)
É pra salvar minha criança. (Mel)
Deve ter outro jeito. (Etos)
Qual o problema?! (Mel)
Vai entregar uma bomba nuclear pra uma criança sádica. Fora isso, nada. (Etos)
E a sua preocupação do nada? Resolveu salvar o mundo agora? (Mel)
É o único planeta que eu tenho. (Etos)
É uma boa ideia deixar Edmont aqui assim, sem amarrar... Ou acorrentar... (Zenon)
Zenon olha para Edmont.
Fazer um feitiço talvez? (Zenon)
Etos olha para Zenon.
Não vai acordar tão rápido. Valesca não teve tempo de dar o sangue para Edmont. (Etos)
Etos olha para Mel.
Me diz que não acabei nocautear e enfurecer minha única cria por nada. (Etos)
A conclusão que chegamos era que não tinha como matar Padoi sem apelar. A ideia foi de Angely e Edmont. (Mel)
Quem falou nisso primeiro, Angely ou Edmont? (Etos)
Angely quem falou comigo. Não disse o que ia fazer, só que eu teria que segurar Edmont. (Mel)
E você consegue? (Etos)
Zenon olha para Mel. Olha para Etos.
Consegue. (Zenon)
Etos olha para Zenon. Olha para Mel. Kat entra na sala. Etos olha para Kat. Kat para, olhando para Etos. Olha para Edmont. Olha para Mel.
Que caralhos tá acontecendo aqui? (Kat)
Edmont tentou se tornar de duas linhagens e Etos impediu. (Mel)
Valesca no momento está em correntes num lugar seguro. Qual o perigo pra sua criança mesmo? (Etos)
Padoi. Uma pessoa juntou todas as versões das Realidades e aprisionou. Uma seita tirou da prisão. Existe uma premonição que Glória vai matar Padoi, agora Padoi está atrás de Glória. (Mel)
Aquela criança tava meio grande para ter feito no tempo que... (Etos)
Foi antes de virmos. Ficou lá porque eu não sabia que não tinha morrido. Alguém da seita inventou que ia destruir o mundo e Edmont me derrubou. Só que não matou a criança, como achei que tinha feito. (Mel)
E o único jeito de destruir é transformar Edmont num monstro? (Zenon)
Não foi ideia minha, acha que Angely aprovaria se não fosse o único jeito? (Mel)
Angely. (Derik)
As pessoas olham para Derik.
Pra onde Angely foi? (Derik)
Saiu com Beatrice. (Zenon)
Derik vai até o telefone. Disca. Espera. Respira fundo. Coloca no gancho. Disca novamente. Espera.
Beatrice, é Derik. Não sei o que Angely te disse, mas Edmont pediu a cria de Etos pra transformar de novo e Etos impediu. Quando pegar essa mensagem, traz Angely para cá. (Derik)
Derik coloca o telefone no gancho.
Só a criança pode matar Padoi? (Etos)
Até onde sabemos, sim. (Fábio)
E o que não sabemos? (Etos)
Podemos procurar aqui se não tem algo que não encontramos lá. (Fábio)
Essa Realidade é uma cópia atrasada da outra. (Mel)
Mesmo assim... (Fábio)
Vai falar com o grupo. Ver se encontram alguma coisa. Eu duvido. (Mel)
Você não quer ter que controlar Edmont. (Fábio)
E é exatamente isso que estou tentando deixar de lado para não tomar uma decisão baseada só em mim. (Mel)
Etos ri.
Me explica como tornar Edmont pior que Padoi pra salvar sua criança não é uma decisão baseada só em você. (Etos)
Edmont eu controlo. (Mel)
Como?! (Etos)
Mel encosta Etos contra a parede. Seu cabelo fica vermelho, seus olhos roxos. O corpo de Kat fraqueja, Derik vai até Kat e segura.
Edmont eu controlo. (Mel)
Fábio coloca a mão no ombro de Mel. Mel solta Etos. Entra no quarto e bate a porta.
Achei que... (Kat)
Derik abraça Kat. Zenon olha para Fábio.
Melhor você ir ao grupo. Mesmo sendo um mundo atrás, provavelmente não tinham acesso ao grupo lá, então não tinham informações do grupo. (Zenon)
Porque não mandam Melody atrás de Padoi de uma vez? (Etos)
Porque Mel pode não voltar. (Derik)
Fábio sai. Kat se afasta de Derik e segue Fábio. Derik entra no quarto.
Devia ficar feliz. A última vez que isso aconteceu, o alvo pediu pra morrer. (Zenon)
E quem era? (Etos)
Você acabou de jogar no chão da sala. (Zenon)
Etos olha para Edmont. Olha para o quarto. Sai.
Fábio toca uma campainha. Soraia abre a porta. Arregala os olhos. Abraça Fábio.
Achei que tinha me trocado para sempre. (Soraia)
Alan vem até a sala. Fábio afasta. Soraia sai no caminho. Aponta o sofá.
O grupo sabe que... (Fábio)
Não sou mais bronze. (Soraia)
Fábio franze a sobrancelha.
Abriu mão de ser bronze pra ficar com Alan? (Fábio)
Não. Sai do cargo para seguir Aléxis. Você ficou fora por alguns anos, mas nem que tivesse ficado milênios ia ver eu largar meu trabalho por causa de um cara. (Soraia)
Alan cruza os braços.
Então sou só um cara?! (Alan)
Soraia e Fábio olham para Alan.
Meu trabalho é mais importante. Vai mesmo discordar? (Soraia)
Alan descruza os braços.
Bom, não é a toa que queimaram a minha tatuagem. (Alan)
Acho que tá aprendendo a entender prioridades. O convívio com Soraia te fez bem. Falando em prioridades... (Fábio)
Fábio olha para Soraia.
Estamos procurando qualquer coisa que exista sobre alguém de nome Padoi. (Fábio)
Mel voltou também? (Alan)
Então Edmont... (Soraia)
Sim. (Fábio)
Alan sorri.
Zenon vai poder mostrar pra Michele que gosta dela. (Alan)
Soraia franze a sobrancelha.
Dela Michele ou dela Mel? (Soraia)
Michele. (Alan)
Esse é o único interesse que você tem em Mel? (Soraia)
Alan se aproxima de Soraia.
Eu não quero ninguém além de você. (Alan)
E Estela. (Soraia)
Aquela nossa conversa sobre prioridades... (Fábio)
Soraia e Alan olham para Fábio.
Padoi. Alguma ideia de por onde começar? (Soraia)
Vampirs. Nem primeira nem segunda linhagem, uma variação diferente, também por magia. (Fábio)
Isso existe? (Soraia)
Também achava que não. Mas aparentemente tem até mais de uma. Minha esperança é que tenha alguém que saiba. (Fábio)
Tá. Eu vou subir o problema. Se tiver alguém que saiba, vão encontrar. (Soraia)
Vou procurar nos arquivos. (Alan)
Fábio franze a sobrancelha e olha para Alan.
Me deram acesso, tô sob a tutela de Soraia. Não posso agir em campo sem Soraia. (Alan)
Isso é meio que a cede da MEAK no Rio. (Soraia)
Fábio olha para Soraia.
Olha, ser da MEAK não é diferente de ser do grupo, só tenho mais fontes de informação. (Soraia)
É, definitivamente vocês mudaram. (Fábio)
Tem uma pessoa a mais. Alguém que vai ficar bem feliz de te ver. (Soraia)
Liane está na cozinha. Alan aparece na porta. Liane sai pela janela. Esbarra em Soraia. Soraia lhe crava uma estaca. Liane vira pó. Soraia entra pela janela. Passa por Alan, para a sala. Fábio está na sala.
Pois é. Cercada desses dois, daqui a pouco viro motivo de piada. (Soraia)
Como assim, daqui a pouco? (Dionísio)
Dionísio vem do quarto. Para e olha para Fábio. Sorri. Vai até Fábio e abraça. Afasta.
Terminou o tal treinamento? Me diz que agora sabe voar ou tem sopro de gelo, porque só assim pra... (Dionísio)
Aprendi outra língua. (Fábio)
Que língua que não poderia... (Dionísio)
Atlante. A língua do meu povo. (Fábio)
Quero. (Dionísio)
Trouxe aqui pra te ver porque sabia que ia me odiar se não trouxesse. Mas temos coisa pra fazer. Parece que tem outros tipos de vampiros, que não são de Lish ou Aléxis... (Soraia)
Os nascidos? (Dionísio)
Não, diz que é por magia. (Soraia)
E já falamos lá. Angely e Edmont falaram com Shy. Não sabem de outro jeito. (Fábio)
Bom, talvez lá o outro jeito tenha se extinto, mas aqui ainda não. (Soraia)
Acha que vale a pena irmos atrás? (Fábio)
A gente teria que invadir Zorana. (Alan)
Mel pega o celular. Balança a cabeça para os lados. Pousa de volta o celular em uma mesa. Olha para alguém com um uniforme, em amarras.
Por que não me diz de uma vez o motivo de Virgine não querer me ver? (Mel)
Tá procurando Virgine mesmo? (Rust)
Mel olha para Rust.
Espero que não esteja confundindo as coisas. (Mel)
Se eu não soubesse que está pouco se fodendo pra alguém que mata há oito séculos, acharia que isso foi preocupação comigo. (Rust)
Ia ter que cravar uma estaca em você. Não quero ninguém ao meu redor virando sua janta. (Mel)
Eu não entendi porque não cravou ainda. É isso que vocês fazem, não é? (Rust)
Se você quer se matar, vai ter que cuidar disso sem ajuda, tenho mais o que fazer. (Mel)
Virgine. Por quê? (Rust)
Mel respira fundo. Vai até a pessoa que está com amarras. Desamarra. A pessoa olha para Rust. Rust faz um movimento curto com a cabeça para baixo e volta. A pessoa sai correndo. Rust fica olhando para a porta por alguns segundos. Olha para Mel.
Beatrice. Sumiu. (Mel)
Que houve? (Rust)
Voltei com Angely e Edmont atrás de Padoi, tem toda uma premonição atrás... Enfim, quer pegar minha criança. Edmont e Angely disseram que podiam resolver. Edmont deveria ter se tornado de duas linhagens... (Mel)
Rust franze a sobrancelha.
Você não tá falando sério! (Rust)
... e Beatrice foi com Angely. Agora não encontro Beatrice. (Mel)
Se eu fosse Beatrice, com certeza teria me escondido no buraco mais fundo a essa hora, você faz ideia... (Rust)
Angely vai se sacrificar por isso, e não que Angely não tenha uma parcela de culpa nessa história, mas acha que depois disso eu deixaria Edmont encostar um dedo na pessoa que Angely mais ama?! (Mel)
Rust engole seco. Olha para baixo. Olha para Mel.
Tá procurando Beatrice para proteger? (Rust)
Pra me dizer onde Angely tá. Etos impediu que Valesca transformasse Edmont. As pessoas voltaram atrás e querem ficar de novo correndo atrás do rabo agora. (Mel)
Rust suspira. Olha para o alto. Olha para Mel.
Etos se mexeu para fazer algo. E foi contra Valesca. Você não percebe mesmo o tamanho do que tá fazendo? (Rust)
Mel franze a sobrancelha.
Você não conhecia Etos lá... (Mel)
Etos existia. Eu... Fui meio que o motivo de Etos morrer. Etos me escondeu. Virgine matou Valesca. Etos se matou. Dali pra frente o resto da primeira linhagem foi se extinguindo, se tem alguém lá, ninguém nem sabe, a história se perdeu. Por isso não se conhece sobre haver duas linhagens principais lá. (Rust)
Rust olha para cima.
Aqui eu não existia. Kassandra omitiu essa parte quando forçou a memória de todo mundo. Ninguém sabe que Etos poderia desafiar Virgine. Não vou me aproximar de Etos de novo. (Rust)
Rust olha para Mel.
Por que tá procurando Angely ao invés de só fazer o que quer? (Rust)
Me dei conta de que quando Edmont acordar, se houver qualquer fio de vida em Angely, é bom que esteja a salvo. (Mel)
Rust se aproxima de Mel.
Vou falar com Virgine e Kassandra. Se eu encontrar Beatrice, falo com você. (Rust)
Se encontrar Valesca também, seria uma boa ajuda. (Mel)
Rust se vira de costas e vai em direção a porta.
Não confundiu mesmo as coisas, né? (Mel)
Rust para e se vira.
Preciso me livrar de energia extra antes que faça uma cagada. (Mel)
São Paulo. Alan está em uma biblioteca, em uma mesa, com um livro na mão. Derik e Kat entram, se aproximam de Alan.
Oi... (Derik)
Alan olha para Derik e Kat.
Estela não veio, veio? (Alan)
Ainda está nas Ilhas. (Derik)
Senta aí então, tem bastante coisa para ler... (Alan)
Não esse aí. (Derik)
Alan franze a sobrancelha.
Já li tudo. Não tem nada sobre outras linhagens. Mas, apesar do título não contar isso, é uma boa leitura sobre fênix. (Derik)
Alan folheia as páginas que tinha lido. Fecha o livro. Olha a lateral. Uma pilha. Olha para Derik.
Ainda vou saber tanto quanto você desses troços. (Alan)
Derik franze a sobrancelha.
Isso foi um elogio? (Derik)
Senta aí e descarta mais uns, vai. (Alan)
Vou fazer melhor, vou lá atrás pegar mais. (Derik)
Derik sai. Kat se senta e pega um livro.
A outra pilha, essa eu já li. (Alan)
Kat devolve o livro. Pega da outra pilha. Abre. Alan coloca o livro que estava na mão na pilha que Kat tirara, e pega um da outra pilha.
Mel anda pela rua. Uma pessoa segue. Mel para. Respira fundo.
Fala. (Mel)
Fajim se aproxima.
Argo me pediu para descobrir porque está atrás de Virgine. (Fajim)
Rust eu entendo, mas realmente não achei que Argo se importaria. (Mel)
Não vou tentar nada se não falar. Mas vou continuar te seguindo. (Fajim)
Posso te matar. (Mel)
Essa parte é uma escolha sua. (Fajim)
Também endeusam Argo como as crias de Virgine fazem com Virgine? (Mel)
Ninguém endeusa. Virgine ajuda pessoas, como Argo. As crias de Virgine só têm mais revolta. (Fajim)
Então porque se dispõe a morrer? (Mel)
Se for para descobrir uma ameaça a minha família... (Fajim)
Não. Meu assunto nem é com Virgine diretamente. (Mel)
Algo que Argo possa ajudar? (Fajim)
Mel franze a sobrancelha.
Talvez. (Mel)
Soraia, Fábio e Dionísio estão na antiga entrada de Zorana. Soraia e Fábio estão mais para trás. Dionísio está com um livro nas mãos, em frente a entrada.
Tá tentando decorar? (Soraia)
Não preciso dizer um feitiço pra funcionar. Só me concentrar nas palavras. (Dionísio)
Dionísio olha para Soraia.
Mas preciso de silêncio, amor. (Dionísio)
Soraia revira os olhos. Dionísio continua olhando o livro. O livro se ilumina. Soraia endireita os ombros. Dionísio solta o livro, que cai no chão e pega fogo. Fábio puxa Dionísio e Soraia tira o casaco, joga em cima e abafa o fogo. Soraia olha para Dionísio.
Espero que nunca se concentre em mim. (Soraia)
Mel entra em um restaurante. Argo vem até Mel.
Nos conhecemos na outra Realidade? (Argo)
Me entregou pra Edmont. Mas acho que não era sua intenção cumprir a palavra e Edmont te matou, então considerei pago. (Mel)
Argo franze a sobrancelha.
Confieie em Edmont? (Argo)
Estou procurando Beatrice. Conhece? (Mel)
Virgine tentou botar coleira, mas não deu certo. (Argo)
Mel franze a sobrancelha. Argo aponta uma mesa, com a palma para cima. Mel vai até a mesa e se senta. Argo senta do outro lado.
Foi quando acordaram Aléxis. Me disseram que na sua realidade chamava Andrews. (Argo)
Já mataram? (Mel)
Não precisou. Inclusive se juntou ao seu grupo. (Argo)
Sabe se Aléxis sabe sobre outras raças de vampirs por magia? (Mel)
Padoi? (Argo)
Mel abre mais os olhos.
Como sabe? Conhece?! (Mel)
Tem uma raça... Pessoas que nasceram... (Argo)
Também libertaram aqui? (Mel)
Seu pessoal, na verdade. (Argo)
Realmente preciso me atualizar. Mas isso vai ter que ficar pra depois. (Mel)
Libertaram Padoi? (Argo)
Está atrás da minha criança. (Mel)
Katerine? (Argo)
A previsão era de uma criança minha. Tive mais uma criança, mas Padoi deixou pra trás. (Mel)
Talvez não devesse deixar Katerine só. Tenho experiência nisso. (Argo)
Pode me ajudar a pegar Padoi? (Mel)
Argo suspira.
Quem gerou uma linhagem pode. (Argo)
Aléxis. (Mel)
Michele acerta uma parede. Levanta. Aléxis vem com uma espada e gira em direção ao pescoço de Michele, Michele abaixa. Dá um soco no estômago de Aléxis, com um chute tira a espada. Aléxis rola, pega a espada, Michele arranca de novo. Michele olha para um machado jogado do outro lado da sala, corre na direção, pega o machado. Atrás de Michele, Aléxis coloca a espada em seu pescoço. Toca o telefone. Aléxis revira os olhos. Solta a espada. Estela entra. Pega o telefone.
MEAK. (Estela)
Podia ter atendido antes de eu parar. (Aléxis)
Estela tampa o telefone.
E me enfiar no meio de vocês?! Nem fo... Mel?! (Estela)
Aléxis franze a sobrancelha. Michele engole seco.
Quando vocês... ### Trinity? ### Eu vi, mas não achei... (Estela)
Estela olha para Aléxis.
Tá... (Estela)
Estela estende o telefone a Aléxis. Aléxis pega.
A gente se conhece? ### É? ### Caramba... ### Foi mal... ### Nossa, você não guarda mesmo... ### Padoi? (Aléxis)
Trinity entra. Michele olha para Trinity, levanta o machado e Estela entra na frente.
Tá com eles! (Estela)
Michele baixa o machado. Aléxis desliga o telefone. Olha pra Michele.
Temos coisa pra fazer. (Aléxis)
Padoi? (Trinity)
Sabe alguma coisa? (Aléxis)
Tava junto. Pegou Glória, aí deixou pra trás. Imaginaram que podia estar atrás de Katerine. Edmont descobriu que Padoi forçou a ligação entre as duas realidades. Viemos pra cá. (Trinity)
E porque Beatrice te transformou? (Aléxis)
Trinity franze a sobrancelha.
Foi Edmont. Deve estar confundindo, porque Beatrice transformou Edmont. (Trinity)
Aléxis franze a sobrancelha. Balança a cabeça para os lados.
Enfim... A gente tem que achar Padoi. Aparentemente, fora Glória, só eu posso matar. (Aléxis)
Michele, Aléxis, Trinity e Estela saem de um barco. Saem do porto. Se aproximam de um ponto de táxis. Estela se aproxima de um carro.
Tá livre? (Estela)
Joaquim, dentro do carro, franze a sobrancelha. Olha para Michele e Aléxis.
Vocês são maiores de idade? Porque eu não quero encrenca. (Joaquim)
Aléxis franze a sobrancelha.
Menor de idade não pode andar de carro?! Porque, por mim, a gente podia arranjar uns cavalos, sem problemas! (Aléxis)
Estela suspira.
A gente tá na cidade pra uma convenção de RPG. Temos que encontrar pessoas, precisamos ir nesse endereço aqui. (Estela)
Estela entrega um papel a Joaquim, que pega, lê, endireita o corpo e bota o cinto de segurança.
É meio longe, mas a gente chega! (Joaquim)
Estela entra no banco de carona, Trinity, Michele e Aléxis vão atrás.
Então a gente vai tentar derrubar Padoi? (Michele)
Estela arregala os olhos. Trinity bota a mão na cara.
A gente precisa matar antes que pegue Katerine. (Aléxis)
Não acredito ainda que Mel tentou transformar Edmont em duas linhagens. Como se já não fosse problema suficiente do jeito que é. (Michele)
Não conheci, então não sei. (Aléxis)
E Aqua? (Michele)
Trinity tira a mão do rosto e franze a sobrancelha.
Tô pensando em dar o anel pra alguém antes de tentar algo. (Aléxis)
Tava me referindo a ela ajudar. (Michele)
Pra isso eu teria que ficar com o anel. Parece arriscado. (Aléxis)
Se você morrer, o anel fica livre para outra pessoa, até Beatrice pode usar. (Michele)
Padoi também. (Aléxis)
E vai estar mais perto. (Michele)
Quem é Aqua? (Trinity)
Uma pessoa... (Aléxis)
Aléxis estica a mão, com um anel no dedo médio.
Esse anel prendeu essa pessoa a mim. Não sabemos como tirar. Tem que remover a magia de alguma forma. (Aléxis)
Se fizeram, deve dar pra desfazer. (Trinity)
Com certeza não vamos descobrir nesse meio tempo. (Aléxis)
Michele pode colocar o anel de fugir. (Trinity)
Não é imortal. (Aléxis)
Pode passar pra alguém depois. (Trinity)
Não pretendo fugir! (Michele)
A gente precisa de um plano. (Trinity)
Pera, cê não pretende enfrentar Padoi, pretende?! (Aléxis)
Porque não? (Michele)
Mel disse que só eu... (Aléxis)
Melody também achou que fazia sentido dar mais poder pra Edmont! Não é tudo isso que dizem! (Michele)
Aléxis revira os olhos.
Não é Mel quem disse... (Aléxis)
Dane-se quem disse! Eu vou tentar! Também sou primeira! (Michele)
Se quiserem minha opinião... (Joaquim)
Michele e Aléxis olham para Joaquim. Estela franze a sobrancelha. Trinity segura uma risada.
Se vão enfrentar um bicho tão forte assim, deviam todos atacar juntos. Coordenar o ataque, pra ir enfraquecendo. Se o golpe final tem que ser de um de vocês, beleza, mas podem atordoar e dão menos chance de quem tem que dar o golpe final ficar incapacitado. (Joaquim)
Michele e Aléxis se entreolham.
Parece uma boa ideia. (Aléxis)
Então melhor juntar todo mundo que der. (Michele)
Melhor Mel proteger Katerine. (Trinity)
Faz sentido. Katerine aprendeu a lutar, mas nem tanto. (Michele)
Cidade. Aléxis, Michele e Trinity descem do carro. Estela pega um cartão da carteira. Joaquim pega uma máquina, digita, entrega a Estela. Estela coloca o cartão, espera, coloca a senha. Espera. Tira o cartão e guarda. Coloca a mão na maçaneta, Joaquim pega um cartão de papel e estende a Estela. Estela pega.
Se precisarem de mais um, só chamar! (Joaquim)
Estela sorri. Sai do carro e vai até Trinity, que está na frente de um prédio.
Eles entraram? (Estela)
Trinity pega o cartão de papel de Estela.
Mu... Legal, o nickname é referência a Cavaleiros... (Trinity)
Nick... Pera... (Estela)
Não se tocou? Achou que a gente tava falando de RPG. (Trinity)
Estela fecha os olhos e respira fundo. Abre os olhos.
Na próxima esses dois vão dentro do inventário! (Estela)
Estela entra. Trinity ri. Entra também. Estela trava. Soraia olha para Estela e baixa a cabeça. Alan olha para Estela. Estela respira fundo. Olha ao redor. Derik e Katerine estão em um sofá, Zenon está em pé ao lado, olhando para a janela. Em outro lado, Beleno e Inês. Estela vai até o sofá. Derik e Kat olham para Estela.
Mel, o chá de climão tá completo! (Derik)
Mel vem do quarto, em seguida Fábio e Dionísio.
Que merda aconteceu aqui? (Mel)
Eu escrevi nos diários... (Zenon)
A versão TL;DR. (Mel)
DR foi o que mais teve... (Dionísio)
Silêncio.
Alan e Estela. (Mel)
Por que eu primeiro?! (Alan)
Ordem alfabética. (Mel)
Soraia não gosta de falar disso. (Alan)
Sei exatamente porque Melody tá fazendo isso. Anda. (Soraia)
Então explica pra gente, porque tá todo mundo sem saber! (Michele)
Alan. (Mel)
Alan respira fundo.
Eu e Estela começamos a namorar e depois terminamos. (Alan)
Alan terminou comigo porque disse que eu chamei a Kat dormindo. (Estela)
Várias vezes. (Alan)
E ninguém pensou em investigar? (Mel)
Alan franze a sobrancelha.
E não é óbvio?! (Alan)
Já teve algum sonho com cavalos? (Mel)
Já... (Alan)
Então curte zoofilia? (Mel)
Que??? (Alan)
Exato. (Mel)
Mas eu... (Alan)
Mel olha para Aléxis.
Sua vez. (Mel)
Eu tava com Beatrice, Michele tava com Zenon, mas antes Zenon e Beatrice tavam juntos, e antes disso Zenon gostava de você, e Beatrice de Angely, ou Edmont, e aí Beleno queria Beatrice... (Aléxis)
Porque vocês ainda tentam brincar disso? (Mel)
Do que? (Aléxis)
Monogamia. É um porre e vocês sempre acabam fazendo merda. (Mel)
O que é monogamia? (Beleno)
Ir pra cama com uma pessoa só. (Inês)
Ah... E o que não é? (Beleno)
Quando você faz isso também com outras pessoas. (Inês)
Por isso Beatrice não me quis? (Beleno)
Não era sua vez. (Zenon)
Com Beatrice? (Beleno)
Ah?! (Zenon)
Fala, Zenon. (Mel)
Zenon respira fundo.
Michele tinha ciúmes até da minha sombra, aí resolveu que o melhor jeito de resolver isso era pular no colo de Aléxis. (Zenon)
Você não me queria de verdade, que diferença fazia no colo de quem eu... (Michele)
Gente, olha o nível, faz favor! (Derik)
Eu te amo, porra! (Zenon)
Como eu disse, vocês não sabem brincar dessa merda. (Mel)
A gente podia fazer uma suruba e resolver tudo. (Dionísio)
Fábio tampa o rosto. O resto das pessoas olha para Dionísio.
Que foi? Dá certo na internet. (Dionísio)
Mel, acho que esse era o resumo. (Soraia)
Mel balança a cabeça para os lados.
Sabe o que é bizarro? A gente tá nesse lugar, depois de anos de eu estar fora, e tudo que lembraram de me contar foi dos seus umbigos. (Mel)
Estela, Michele, Alan, Zenon, Beleno e Aléxis baixam a cabeça.
Angely desapareceu. Beatrice também. (Mel)
Quê?! (Beleno)
Edmont não sabemos quando acorda. Trinity, Edmont transformou. (Mel)
Beleno abre as asas e corre pra fora.
É disso que eu tô falando! (Mel)
Mel aponta Aléxis.
Essa pessoa saiu do túmulo depois de séculos e, quando perguntei o que houve, pareceu que tava me contando um enredo de novela. (Mel)
Zenon olha pra Mel.
Os diários contam coisas mais importantes! (Zenon)
Porque sua cabeça ia estar ocupada demais com futilidade pra lembrar do que era importante? (Mel)
Zenon baixa a cabeça.
Se vocês querem derrubar alguma coisa, vão ter que resolver ou deixar pra lá rápido o que é menor. (Mel)
Aléxis olha para Mel.
O motorista do táxi deu a ideia de todo mundo cercar Padoi. (Aléxis)
Ah?! (Mel)
Michele e Aléxis desenbestaram no carro, mas a pessoa achou que tavam falando de RPG. (Trinity)
A gente não podia falar? (Michele)
O que é RPG? (Aléxis)
Atacar ao mesmo tempo. É uma boa ideia. Foi assim que derrubaram você. (Mel)
Aléxis engole seco.
Enfim. Amanhã eu vou voltar aqui. Realmente espero que tenham parado com a palhaçada. Porque a gente precisa de uma solução de verdade, pra um problema de verdade. Vocês precisam conseguir olhar nos olhos de cada pessoa aqui e continuar lutando, brigando, procurando um jeito de resolver encrencas reais. Quando chegamos aqui, ninguém tinha tido tempo pra esse tipo de asneira no caminho, porque não dá tempo de resolver os problemas e ficar de frescura. (Mel)
Mel sai. Katerine e Derik saem também. Então Trinity, Inês, Fábio, Dionísio. Soraia sai também. E fecha a porta.

Resumo do Capítulo

A fonte de memórias de Uehfo se esgota. Uehfo conta a Xien que vieram de uma pedra. Xien acha uma em seu bolso. Passam a usar a fonte de memórias de Xien. Trinity encontra Estela e Janaína junto. Fica com raiva, mas depois ri, porque Estela diz que não gostou, que não é lésbica mesmo e vai embora. Etos traz Edmont para a MEAK, inconsciente. Diz que Valesca transformaria em Hades. Mel diz que é para proteger sua criança. Etos discute, quer achar outra forma. Mel diz a Fábio para ir ao grupo ver se sabem algo. Diz que pode controlar Edmont. Etos tem dúvidas, Mel se transforma. Fábio faz Mel parar. Fábio fala com Soraia, Alan e Dionísio pede que procurem sobre Padoi. Fábio cita Shy. Falam em ir até Zorana. Mel pega alguém de Virgine, pergunta porque Virgine não quer lhe ver. Rust aparece. Mel diz que está procurando Beatrice, para achar Angely. Rust diz que, se Etos está tentando impedir, isso já é um sinal de que é sério demais. Mel está procurando Angely porque, se sobreviver, quer que esteja a salvo. Rust diz que dará notícias se souber de Angely. Derik e Kat vão a biblioteca, encontram Alan pesquisando já. Uma cria de Argo encontra Mel. Pergunta porque está atrás de Virgine, e se Argo pode ajudar em algo. Na entrada de Zorana, Dionísio tenta abrir a porta, mas o livro pega fogo. Mel fala com Argo. Argo conta que a MEAK libertou vampirs de nascimento ali, que Aléxis está com a MEAK, e que pode ajudar com Padoi. Mel liga para Hera, pede ajuda de Aléxis. Estela, Trinity, Michele e Aléxis vão para o continente. Falam sobre o que fazer, quem dirige o táxi, achando que falavam de RPG, diz para se juntarem e atacar todo mundo, e deixar apenas o golpe final para a pessoa que tem que fazer isso. Mel dá uma bronca geral pelo excesso de atenção em problemas menores e pessoais. Faz sobre Beatrice. Beleno sai para procurar. Mel deixa as pessoas a sós para resolverem.

Dara Keon