Bola de Cristal
MEAK
C03

Bola de Cristal ler resumo

É dia. Um barco grande atraca no porto de Hera. Um pássaro dourado passa. Começa a sobrevoar Hera. Próximo a escola, corpos para todo lado. Nos condomínios, casas com vidros quebrados, outras intactas. Ares. Alguns poucos corpos pelas ruas. Condomínio dos casarões. Sem corpos nas ruas. Entra em uma casa. Corpos em um salão grande, sangue misturado aos restos de uma festa, manchando as roupas caras. Sai. Voa em direção ao teatro. O telhado está branco, coberto de penas. Aproxima, sobrevoa. Pégasus, corpos jogados. Pousa ao lado de Beleno. Canta. Beleno abre os olhos. Senta. Se espreguiça, pernas, braços, asas. O pássaro levanta voo. Beleno fica em pé e voa também. Segue. Pousam na praia de Hera. Fábio, Dionísio, Soraia e Alan estão na areia. Derik se transforma, Fábio joga roupas, Derik se veste.
Trouxe Mel aqui? (Fábio)
Mel disse que Rust achou Padoi aqui. Deixei na casa de Janaína. Aí chamei pégasus pra me ajudarem com as ilhas. (Beleno)
Como assim? (Soraia)
Alguma coisa saiu matando tudo. (Derik)
Não pareciam vampirs que conhecemos. Pareciam bem menos racionais, mas conseguiam atacar em bando. Tivemos que nos organizar. (Beleno)
Beleno cheira o ar.
Etos, Trinity, Zenon e Aléxis. (Fábio)
Melhor não saírem do barco. (Beleno)
Conseguiram dar conta de tudo? (Soraia)
Tem escondido. Precisamos parar pra descansar. (Beleno)
E pessoas? (Dionísio)
Não acho que tenha sobrado alguém. (Beleno)
Fábio baixa a cabeça.
Falou com Mel depois? (Alan)
Não tive tempo. Não tenho certeza se é seguro avançarem daqui. (Beleno)
A gente vai ter que fazer ser. (Soraia)
Katerine tá procurando? (Beleno)
Fábio olha para Derik. Derik baixa a cabeça.
Katerine desmaiou algumas horas depois que saímos. Estela e Michele estão cuidando. (Dionísio)
Vai lá, Derik. O que você podia, já fez. (Fábio)
Fala pra Michele vir com a gente. (Soraia)
Derik entra no barco.
Rola levar a gente lá? (Alan)
Não é uma boa largar alguém só lá. (Beleno)
A gente não vai estar só, Mel... (Alan)
Alan olha para Fábio. Fábio engole seco.
Não pode pedir ajuda de mais asas? (Alan)
Teria que parar e explicar os quatro dentro do barco. (Beleno)
Talvez não seja uma boa ideia você sequer sair daqui então, caso precise explicar. (Fábio)
Posso ficar por via das dúvidas, mas essas coisas não estão vindo pra praia. (Beleno)
Então pégasus não têm muito motivo pra vir também. (Soraia)
Michele sai do barco. Beleno entra.
Vamos pra casa de Janaína, Beleno deixou Melody lá. É um bom lugar pra começar a procurar. (Soraia)
Não ficaram muito felizes lá dentro. (Michele)
São livres pra saírem e virarem janta, eu é que não vou me opor. (Soraia)
Janaína se aproxima de Rust, que está no chão, com as costas na parede, olhando para Mel.
Eu queria te oferecer algo pra comer, mas eu só poderia oferecer eu... Ok, isso soou mais estranho do que parecia na minha cabeça... (Janaína)
Janaína abaixa.
Pode ser, se você me disser que consegue se controlar. (Janaína)
Rust continua com o olhar fixo.
Quer que eu fale com Virgine? (Janaína)
Rust olha para Janaína.
Você não sente nada? (Rust)
Janaína respira fundo.
Faz horas que você não fala, então eu no momento estou tentando me preocupar com você. (Janaína)
Rust olha para Mel.
Não devia. O fato de você ser mulher não te obriga a cuidar de mim. (Rust)
Mas se eu pensar nisso... Eu... (Janaína)
Rust olha para Janaína.
Se eu tenho séculos e tenho o direito de ficar mal, você também tem. (Rust)
Janaína senta ao lado de Rust. Rust volta a olhar para Mel.
Como que isso foi acontecer? Mel não era a pessoa mais forte de todo mundo? (Janaína)
Era. Forte demais. (Rust)
Mas porque... Eu cheguei aqui... Padoi derrotou Mel... (Janaína)
Padoi não tá de pé. (Rust)
Ouvi falar que Angely já tomou até flechada e o caralho a quatro... (Janaína)
Angely também não tá de pé. (Rust)
E Edmont, que diz que você enfia a estaca e Edmont volta! (Janaína)
Edmont... Acho que você sabe. (Rust)
Também não tá de pé. (Janaína)
Isso. (Rust)
A gente tava ok sem Mel aqui, não tava? (Janaína)
Pelo que Beatrice falava, todo mundo esperava Melody voltar uma hora. (Rust)
Engraçado que Mel voltou e pareceu que os problemas sumiram. (Janaína)
Problemas não somem. Ou você resolve, ou não resolve. (Rust)
Parece que resolveram! Ou só eram pequenos demais. (Janaína)
Mel morreu. Acho que as outras coisas vão continuar parecendo pequenas. (Rust)
Você gostava dela? (Janaína)
Rust olha para Janaína. Levanta as mãos e olha para o sangue espalhado. Olha para Mel.
Vocês superestimam essas coisas. Não importa se eu gostava. Melody não devia ter morrido. (Rust)
Eu queria ressuscitar Padoi e matar de novo! (Janaína)
Vai fazer você se sentir melhor cravar aquela espada em quem cravou em Melody? (Rust)
Sim! (Janaína)
Rust levanta. Vai até a espada. Abaixa. Pega do chão. Levanta. Vai até Janaína. Janaína franze a sobrancelha e levanta. Rust segura a espada pela lâmina. Janaína pega a espada, quase derrubando com o peso. Rust levanta a lâmina e aponta para o próprio peito. Janaína arregala os olhos.
Izikaum. (Rust)
Quê?! (Janaína)
A coisa que tem dentro da gente. Uma coisa que pode estar lá, mas que não pode dominar a gente. Te torna mais forte, mas te torna sem controle. (Rust)
Pera... (Janaína)
Janaína afasta, derrubando a lâmina da espada no chão, balança a cabeça para os lados.
Você... Perdeu o controle...? (Janaína)
Melody perdeu. Mas não fez nada de errado para cair nisso. Eu não podia deixar isso acontecer. Mas não consigo me sentir bem. Então, se enfiar essa espada em mim vai fazer você se sentir melhor, faz, porque faria eu me sentir melhor também. (Rust)
Sai uma lágrima dos olhos de Janaína. Janaína pega a espada com as duas mãos e levanta. Aponta no peito de Rust. Dá passos para trás. Crava a espada em Rust, que contorce o rosto, mas a espada só entra a ponta. Rust segura na lâmina, e puxa a espada para si. Rust se desfaz em pó. Janaína solta a espada, que cai no chão, em cima das roupas com cinzas. As cinzas começam a subir no ar. Rust reaparece, das cinzas. Janaína franze a sobrancelha.
Você... (Janaína)
Melody não fez nada. Eu fiz. (Rust)
Por que me deixou... (Janaína)
Você se sente melhor? (Rust)
Não. (Janaína)
Por isso. (Rust)
Você sabia então? (Janaína)
Se eu achasse que ia conseguir, teria te impedido. Me matar deixaria você a merce do que está nas ilhas. (Rust)
Por que a gente não tenta sair daqui então? (Janaína)
Por que não é um jogo. Posso sair daqui, mas não posso garantir que você saia. (Rust)
Rust pega a calça do chão. Veste. Vai até a parede. Se senta no chão, com as costas na parede. Janaína se senta ao lado. Encosta a cabeça no ombro de Rust.
O que a gente vai fazer sem Mel? (Janaína)
Zenon anda de um lado a outro. Trinity deitou-se com as pernas para o alto na parede. Etos está ao seu lado, no chão, costas na parede. Aléxis sentou-se em um caixote, olha Zenon andar.
Vai fazer um buraco no chão. (Etos)
Zenon para.
Não consigo ficar aqui parado. (Zenon)
A gente não pode fazer nada. (Etos)
Eu sei. Eu ouvi Beleno. (Zenon)
Tava falando de sol, não de pégasus. (Etos)
E o que vai fazer quanto a pégasus? (Trinity)
Ir pelo mar. (Etos)
A gente pode dar a volta pelo mar com o barco. (Aléxis)
Sabe levar o barco? (Zenon)
Eu sei. (Trinity)
E vamos arriscar Katerine, Estela e Derik? Beleno disse que não chegam na praia, não disse nada sobre as pedras e as cachoeiras. (Etos)
E você agora se importa? (Zenon)
Estela é uma pessoa legal. (Etos)
Zenon franze a sobrancelha.
Meu deus... Você não tá pensando em... (Zenon)
Você sabe a idade que Estela tem?! (Aléxis)
A mesma de Michele. (Trinity)
Aléxis e Zenon olha para Trinity. Zenon baixa a cabeça.
E vocês não conseguem mesmo pensar em nada além de sexo? (Etos)
Etos sai.
Era Etos mesmo? (Zenon)
Não sei se espero que sim ou que não. (Aléxis)
Se Edmont acordar, juro que vai tomar no mínimo um soco! (Trinity)
Trinity levanta e sai.
Foi com a gente? (Aléxis)
Acho que Trinity também não gosta de ficar sem fazer nada. (Zenon)
Será que está preocupada com Mel? (Aléxis)
Tem alguém que não tá? (Zenon)
Etos para em frente a porta de um cômodo. Estela e Derik sentaram-se ao lado da cama onde está Katerine. Estela olha para a porta. Levanta e vai até Etos. Seguem pelo corredor.
Estão falando em dar a volta nas ilhas e ir até a casa de Janaína pelo mar. (Etos)
Sem problemas. (Estela)
Acho que seria melhor vocês ficarem. (Etos)
Estela para.
Sem proteção, na praia? (Estela)
Etos para.
Beleno ficou. Pode chamar pégasus para proteger vocês. Talvez até tirar da ilha. (Etos)
Já dissemos que não vamos. (Estela)
Não tem o que vocês ajudarem aqui. Inclusive, se quiserem ajudar, os livros não estão aqui. (Etos)
Etos... (Estela)
É depois de amanhã. (Etos)
Estela suspira.
Não posso pensar nisso. (Estela)
Não vou te deixar adiar. (Etos)
Com tudo que tá acontecendo... (Estela)
Se você não cuidar de você, não vai conseguir cuidar de mais nada. A sua máscara de oxigênio primeiro, lembra? (Etos)
Ainda tô... Eu não sei se eu quero mesmo... (Estela)
Não dá pra abrir mão de você por causa de outra pessoa. (Etos)
Estela olha para baixo.
Eu sei. Acho que, no fundo, ainda tenho esperança. (Estela)
De estar do lado de alguém pra ser quem você não é? Eu realmente espero que não! (Etos)
Estela suspira.
Me conta quando decidir qual dos dois. (Etos)
Estela olha para Etos e sorri. Etos sai.
Derik pega a mão de Katerine. Trinity entra no quarto.
Tá menos quente. (Derik)
Parece um pouco mais normal que antes. (Trinity)
Uma vez Andrews torturou Mel. Kat acabou meio que passando junto com Mel o que aconteceu. Talvez tenham uma conexão mais forte. (Derik)
Então pode ser que Mel esteja em algum lugar, que tenham machucado, mas que esteja melhorando? (Trinity)
Talvez. (Derik)
Derik olha para Trinity.
Você se apegou a Mel. (Derik)
E tem como não admirar alguém tão forte? (Trinity)
Derik olha para Katerine. Passa a mão nos cabelos.
Queria poder tirar esse peso de cima de Katerine. (Derik)
Será que você aguentaria? (Trinity)
Não sei. Mas acho que nunca vou saber. (Derik)
A gente precisa fazer alguma coisa. (Trinity)
E vamos. Quando anoitecer, saio pra vigiar. (Derik)
Kat e Estela? (Trinity)
Duas pessoas vão comigo, duas ficam. Beleno ainda vai estar por aí. (Derik)
Estela entra no cômodo.
Ligo pra vocês se Kat der qualquer sinal. (Estela)
Estavam querendo contornar as ilhas com... (Trinity)
Etos me disse. Podemos fazer isso com o barco. (Estela)
Eu fico. Levo o barco, te mostro como ir pro mar, caso dê merda. (Trinity)
Anoitecer. Janaína adormeceu com a cabeça no colo de Rust. Rust toca o ombro de Janaína. Janaína acorda e se senta. Olha para Mel. Baixa a cabeça.
Não era um pesadelo. (Rust)
Não vou contar para as pessoas que foi você. (Janaína)
Não faz muita diferença se vai contar ou não. Ninguém que importa vai me odiar mais ou menos. (Rust)
Rust levanta. Vai até a porta e abre.
A gente vai sair agora? (Janaína)
Tem gente chegando. Tá com cheiro de cinzas, e a última coisa que eu tô precisando agora é lutar com mais alguém. (Rust)
E pra onde vamos? (Janaína)
Rust sai da sala. Janaína levanta, vai até a porta. Olha para os lados no corredor. Entra e fecha a porta. Passos correndo do lado de fora. Janaína vai até um banco, tenta puxar, com esforço começa a arrastar. Batidas na porta. Janaína se vira para a porta e dá dois passos para trás.
Mel?! (Fábio)
Janaína relaxa o corpo. Olha para Mel. Senta no chão. Começa a chorar. A porta vem abaixo. Soraia entra. Olha para Janaína. Fábio entra. Olha para Janaína também. Olha para Mel. Solta a arma. Dá um passo em direção a Mel, Soraia segura seu braço e aponta Padoi.
Mel matou... (Janaína)
Mas... Como... (Fábio)
A espada. Eu... Desculpa... (Janaína)
Soraia solta o braço de Fábio. Fábio vai até Mel. Abaixa. Puxa Mel para seu colo. Saem lágrimas de seus olhos. Fábio tira a corrente do pescoço. Tira uma aliança, olha, coloca em seu dedo. Tira outra e coloca no dedo de Mel. Soraia se aproxima de Janaína. Senta no chão, ao lado. Puxa Janaína para si. Janaína continua chorando.
A gente precisa limpar as ilhas. (Fábio)
Do jeito que ficou, acho que é mais fácil botar fogo em tudo. (Soraia)
Não! (Janaína)
Fábio e Soraia olham para Janaína. Janaína levanta.
Mel me pediu para fazer uma fortaleza. Foi a última coisa que me pediu. (Janaína)
Mel matou Padoi. (Fábio)
Soraia levanta.
Padoi não é a única coisa ruim nesse mundo. (Soraia)
Fábio pega Mel no colo. Levanta.
A gente precisa contar para o resto das pessoas. (Janaína)
Será que Katerine vai acordar? (Soraia)
Como assim? (Janaína)
Desmaiou pouco depois de entrarmos no barco. (Soraia)
Talvez Kat estivesse se despedindo de Mel. (Fábio)
Dionísio entra. Arregala os olhos. Sai. Se coloca em frente a Alan.
Que foi? (Alan)
Mel. (Dionísio)
Tá muito ferida? (Alan)
Acho que é mais que isso. (Dionísio)
Não, cê deve tá enganado... (Alan)
Alan passa por Dionísio e entra. Vai até Fábio. Pega o pulso de Mel.
Quanto tempo faz? (Alan)
Algumas horas agora. (Janaína)
Era pro corpo estar duro. (Alan)
Será que... (Dionísio)
Não, não era. Não acontece assim com atlantes. (Fábio)
E como sabe que morreu? Mel não ia morrer fácil assim. (Alan)
Não tá sangrando. O corpo tá gelado. (Fábio)
Mas e se ainda der tempo? (Alan)
Soraia vai até Alan. Vira Alan. Uma lágrima cai dos olhos de Alan.
Não pode ser... Mel não... (Alan)
Soraia abraça Alan. Alan abraça de volta. Dionísio olha para Janaína.
Eu cheguei já tinha acontecido. (Janaína)
Não devia ter vindo, se Mel não tivesse conseguido... (Dionísio)
Eu tava com Rust. (Janaína)
Soraia se afasta de Alan e olha para Janaína.
Tava aqui quando cheguei já, me salvou. Fui eu quem emprestou o celular pra que falasse com Mel. (Janaína)
Janaína olha para baixo.
Se eu não tivesse... (Janaína)
O que tava dominando as ilhas podia se espalhar pelo mundo. (Soraia)
Fábio segue em direção a porta. Passa. Janaína segue. Dionísio também. Soraia olha para Padoi.
Melhor não deixarmos isso aqui. (Soraia)
Alan pega embaixo dos ombros de Padoi. Levanta o corpo. Soraia se aproxima, abaixa, passa o braço na frente da cintura e levanta Padoi no ombro. Saem.
Praia. Zenon e Aléxis saem do barco. Michele olha para Zenon.
Não tinha ido com as pessoas? (Zenon)
Pediram pra levar todo mundo pra MEAK. (Michele)
Não foi perigoso você vir sem ninguém? (Aléxis)
Na ida tivemos que brigar, mas na volta não achamos mais ninguém. (Michele)
Aléxis olha para o céu.
Pégasus. Voltaram a caçar. (Aléxis)
Melhor a gente ir com o barco mesmo. (Zenon)
Michele entra no barco, depois Zenon e Aléxis.
Ilha da MEAK. Derik pousa, se transformando. Aléxis sobe por uma corda, com Katerine nas costas, com amarras, ainda não acordou. Zenon sobe com Estela, Estela solta Zenon. Aléxis tira as amarras e pousa Katerine no chão. Michele sobe atrás, entrega as roupas de Derik. Então Etos e Trinity sobem. Derik se veste, enquanto Zenon entra na casa. Olha para Mel no centro da sala e trava. Soraia está na sala, assim como Fábio.
Michele disse que acharam Mel. (Zenon)
Michele entra.
Eu não... Não sabia como dizer... (Michele)
Estela entra. Derik entra.
Mel... (Derik)
Lágrimas saem dos olhos de Derik. Derik vai até Mel. Toca o ventre, tira a mão rápido. Levanta, dá passos para trás. Olha a mão suja de sangue. Estela abraça Derik. Aléxis entra. Etos e Trinity também. Trinity vai até Mel. Chacoalha. Morde o próprio pulso, solta, leva em direção ao rosto de Mel. Etos segura seu pulso.
Mesmo que ainda adiantasse, você estaria fazendo quase o que fizeram com você. (Etos)
Etos solta. Trinity volta o pulso para junto do corpo e senta no chão.
Eu achei que Mel não podia... (Trinity)
Morrer. Acho que todo mundo achou. (Soraia)
Zenon sai correndo. Pula no mar. Michele vai até a beira do penhasco.
Zenon! (Michele)
Michele dá passos para trás, Aléxis segura Michele.
Não vai conseguir alcançar. (Aléxis)
Mas você consegue. (Michele)
Aléxis corre e pula no mar. Michele pega Katerine no colo. Volta pra dentro. Deita Katerine no sofá. Olha para Derik, agora no chão, junto com Estela, sentaram-se, Derik chora em silêncio. Derik olha para Michele. Se afasta de Estela e vai até Katerine. Passa a mão no rosto, sujando de sangue. Katerine abre os olhos, devagar. Olha para Derik. Se senta, pega o rosto de Derik entre as mãos.
Que houve?! (Kat)
Kat olha para as pessoas ao redor. Vê Mel.
Não, não, não, não, não, não, não, não, não, não, não, não, não... (Kat)
Kat levanta e vai até Mel. Coloca a mão na ferida. Tira. Fábio puxa Kat para trás, Kat empurra Fábio, acertando contra a parede. Olha ao redor.
Cadê Padoi?! (Kat)
Já era. (Soraia)
Fábio levanta.
Mel não ia morrer e deixar Padoi a solta pra te pegar. (Fábio)
Kat grita. Cai no chão. Derik se encolhe. Estela dá um passo em direção a Kat, Fábio segura Estela.
A gente não podia ter deixado! Era pra eu ter matado essa coisa! Era... Pra eu... (Kat)
Alan entra na sala. Janaína entra também. Janaína olha para Kat. Se aproxima, vai tocar o cabelo, Kat desvia a mão com o braço. Janaína se afasta.
Kat, seu cabelo... (Janaína)
Kat puxa a ponta dos cabelos. Está avermelhada. Rust entra na sala, com a espada. Aponta para Kat. Soraia vai na direção, Kat levanta a mão espalmada na direção de Soraia.
Vai cravar isso em mim? (Kat)
Você é cria de Melody. Não deixei acontecer com Melody, não posso deixar acontecer com você. (Rust)
Soraia arregala os olhos.
Rust... (Janaína)
O que vão fazer, Janaína? A mesma coisa que você já fez e viu que não adiantou? (Rust)
O que aconteceu com Mel? (Kat)
Izikaum. Foi longe demais pra matar Padoi. (Rust)
Pra me salvar. (Kat)
O sangue de Padoi, eu vi o que fez nas pessoas por aqui. Melody já estava na beirada. (Rust)
Qual foi a última coisa que Mel disse? (Kat)
Disse que sabia que eu faria isso, que não deixaria viver assim. (Rust)
Kat olha para baixo.
A gente precisa enterrar agora. (Kat)
Rust baixa a espada. Sai.
Quer enterrar Mel aqui? (Fábio)
Conhece a palavra que Rust disse? (Kat)
Sim. E falou a verdade. (Fábio)
Eu sei. Você teria atacado se fosse mentira. (Kat)
Kat limpa os olhos.
Vamos enterrar Mel, Angely e Edmont aqui. (Kat)
Quer enterrar todo mundo ao lado da MEAK? (Michele)
Kat olha para Michele.
Você sabe o que significa MEAK? (Kat)
Salvar. Em atlante. (Fábio)
Kat olha para Fábio.
Mel morreu pra isso. De um jeito ou de outro, não existe mais MEAK. (Kat)
Um porto. Dedos na beirada, mãos. Zenon sobe. Deixa cair o corpo de lado. Olha para o horizonte. Levanta e corre.
Aléxis entra na MEAK. Michele olha. Vai até a cozinha. Aléxis segue.
Não conseguiu? (Michele)
Perdi de vista. Até tentei procurar, mas, se eu não voltasse, ia acabar nascendo o sol. (Aléxis)
Michele baixa a cabeça.
Acha que Zenon vai conseguir abrigo? (Michele)
Queria poder te dizer que sim, mas acho improvável. (Aléxis)
Michele abraça Aléxis. Aléxis abraça de volta.
Amanhecer. Kat está em uma cama, olhando para o teto. Derik entra no quarto.
Beleno já trouxe Angely. (Derik)
Devíamos ter mandado trazer Edmont primeiro. (Kat)
Por quê? (Derik)
Se Edmont acorda, vai estar sem controle. (Kat)
Se Angely acordar também, Angely dá um jeito. Se não acordar, não faria diferença estar aqui ou lá. (Derik)
Mas Edmont estaria no ar com Beleno. Ou aqui. (Kat)
Acha que consegue controlar Edmont? (Derik)
Kat levanta da cama. Mostra as mechas de cabelo vermelhas no final.
Vou ter que conseguir. Mel não tá mais aqui. (Kat)
Derik baixa a cabeça.
Todo mundo ficou aí? (Kat)
Derik olha para Kat.
Zenon sumiu. Aléxis foi atrás, mas perdeu de vista. (Derik)
Sabe se já podemos andar pelas ilhas? (Kat)
Tá amanhecendo. Não tem muito mais pégasus no céu. (Derik)
São um bando. Alguém deve ter assumido a liderança. Preciso falar com essa pessoa. Vou explicar sobre Aléxis, Etos e Trinity. (Kat)
Acha que vão entender? (Derik)
Vão ter que. (Kat)
Beleno deve chegar entre tarde e noite. (Derik)
Tá. Então vou ter que fazer isso sem Beleno. (Kat)
Derik franze a sobrancelha.
Estamos correndo risco aqui. Alguém pode passar, achar que estamos reféns e direcionar todo o bando pra cá. (Kat)
Como vamos conseguir chamar atenção de alguém? (Derik)
Trinity entra.
Vou com Katerine até o centro, com uma capa. (Kat)
Alguém pode te levar. (Derik)
A gente se prende com correntes. (Kat)
Posso voar e chamar a atenção de alguém. (Derik)
Valeu. (Kat)
Kat sai. Trinity segue.
Era pra ser um plano alternativo. (Derik)
Derik respira fundo. Sai também.
Naian está dormindo. Abre os olhos. Vira os olhos pra um lado e pra outro. Senta na cama de sopetão. Zenon está em pé, no meio do quarto.
Preciso de ajuda. (Zenon)
Que houve? Você tá parecendo que vai sair do corpo a qualquer hora... (Naian)
Zenon franze a sobrancelha. Fecha os olhos, balança a cabeça para os lados, abre de novo.
Preciso encontrar Beatrice. (Zenon)
Não sei se consigo encontrar. (Naian)
Zenon sai. Volta com o globo de Naian, pousa na cama. Naian respira fundo. Começa a tocar o globo.
Consegue saber onde há atlantes? (Zenon)
A esmeralda. Não tinha pensado nisso. (Naian)
Naian sai do quarto. Zenon segue. Na sala com chão verde, Naian abre um dos bancos. Pega uma ametista.
Nem preciso tocar. Valeu por me poupar de passar mal. (Naian)
Naian volta ao quarto. Zenon segue. Naian começa a passar a ametista pelo globo.
Se eu fizesse também, iria mais rápido? (Zenon)
Não. Ainda é por minha causa. (Naian)
Naian segue passando. A pedra acende em Atlântico, próximo a costa brasileira, Naian para.
Tem alguém aqui. (Naian)
Zenon vai em direção a porta. Para. Volta.
Pode ver se existem mais pontos? Pode ser Rust. (Zenon)
Naian franze a sobrancelha, volta ao globo, voltando a passar a ametista por cima das outras pedras.
Não me falou de Rust... (Naian)
Também tem a pedra. Matei, peguei a pedra, trouxe comigo e, de alguma forma, Rust voltou. (Zenon)
Naian arregala os olhos e para, olhando para Zenon.
Eu não sei se eu quero me meter nisso. (Naian)
Procura, por favor. Eu já... (Zenon)
Zenon baixa a cabeça. Olha para Naian. Uma lágrima cai de seu olho.
Acabei de perder alguém muito importante. Não posso perder Beatrice também. (Zenon)
Naian respira fundo. Continua passando a pedra pelo globo. Passa pela Ásia, Oceania. Américas. África. Antártida. Europa. Os oceanos. Para.
Achou? (Zenon)
Naian respira fundo.
Tem certeza que Rust ainda vive? (Naian)
Imagino que sim, cravei uma estaca e ainda ficou vivo... (Zenon)
Naian levanta. Respira fundo.
Se Rust vive, Beatrice... Não vive mais. (Naian)
Zenon balança a cabeça para os lados.
Do que você tá falando? (Zenon)
Só tem uma pessoa atlante usando uma esmeralda. Não tem como ser Rust e Beatrice ao mesmo tempo. (Naian)
Zenon baixa a cabeça. Sai.
Tarde. Kat e Trinity, com um capuz, andam pela cidade. O pássaro dourado pousa em frente. Pégasus descem, cercando. Kat segura a corrente.
Se a ideia era trazer um lanche, a gente já tá comendo até demais. (Zeiro)
Não. Preciso que não ataquem quem está comigo. (Kat)
Zeiro fareja o ar.
Nem beber sangue nunca bebeu. É de Argo? A gente não ataca gente de Argo. (Zeiro)
Kat franze a sobrancelha.
Voce sabe quem é Argo? (Zeiro)
Sei. Só não sabia desse acordo. (Kat)
Eu tento conhecer todo mundo que consigo. A gente tá tentando acabar com o que conseguir. (Zeiro)
E como evitam morrer? (Kat)
Se eu matar o pai de outro pégasus, ele não morre. (Zeiro)
E sobre meu pedido? (Kat)
Não precisa se preocupar com ela. Se ela não matar nada, nunca vai ter traço nenhum, e a gente não caça gente assim. (Zeiro)
Tem mais quatro. E já caçaram. (Kat)
Zeiro cruza os braços.
Aléxis é quem deu origem a segunda linhagem. Ensinou CVs a caçarem. Zenon tá com a gente há algum tempo, se arrependeu, até CVs deram licença pra que continuasse por aqui. Nos responsabilizamos por Zenon. Beatrice também é um caso assim, quem criou foi alguém com uma mente distorcida demais, e depois caiu na mão de alguém que não devia também. Etos... (Kat)
Kat olha para Trinity. Volta a olhar para Zeiro.
Etos é temporário. Mas acho que não vão conseguir pegar. (Kat)
Pra que a gente ia querer pegar Etos, evitar surubas? (Zeiro)
Ok. (Kat)
Aléxis sabemos da história também, mas Zenon e Beatrice... (Zeiro)
Estão caçando vampirs também. (Kat)
Zeiro suspira fundo. Solta os braços, coloca a mão na cintura. Mira o céu.
Ok. (Zeiro)
Zeiro olha para Kat.
Mas só porque conheço atlantes. Se desviarem, você derruba, certo? (Zeiro)
Tem minha palavra. (Kat)
Zenon é quem saiu a nado? (Zeiro)
Sim. Beatrice talvez apareça por aqui. Carrega uma esmeralda no tornozelo. (Kat)
Como Rust? (Zeiro)
Kat franze a sobrancelha.
Não tem tanto atlante que vira vampir por aí. (Zeiro)
Sim. Como Rust. (Kat)
Zeiro bate asas. Voa. Outros pégasus levantam voo.
Achei que seria mais difícil. (Kat)
Seu sangue. Foi isso que teve respeito. (Trinity)
Provavelmente pararam pra ouvir por sua causa. (Kat)
Nunca fiquei tão feliz de não ter escutado Etos. (Trinity)
Anoitecer. Beleno chega a ilha, trazendo um grande embrulho preto. Solta do alto. O embrulho rola no chão. Beleno aterriza. Kat sai. Olha para o embrulho. Se aproxima. Abaixa. Abre. Edmont. Fábio se aproxima de Kat.
Não sei se queria que chegasse logo ou nunca. (Fábio)
Tem medo que Edmont faça algo? (Kat)
Não. Porque agora a gente vai ter que terminar isso. (Fábio)
Kat se levanta.
Mel te disse o que atlantes fazem quando alguém morre? (Kat)
Quer que seja da mesma forma? (Fábio)
São atlantes, não são? (Kat)
Edmont e Angely não... (Fábio)
Kat tira uma faca da cintura e crava em Edmont. Tira a faca. Não sai sangue. Fábio olha para a ferida aberta. Olha para Kat. Entra na casa. Vai té um quarto. Mel está na cama de cima, Angely na de baixo. Fábio abaixa e toca o braço de Angely. Baixa a cabeça. Respira fundo, olha para cima. Lágrimas nos olhos. Levanta, limpa as lágrimas. Desce. Vai até Katerine.
Colocamos na água. Vai ser no mar ou na lagoa? (Fábio)
Na lagoa. Pedi a Derik e Estela que encontrassem um feitiço para ninguém poder ver ou mexer com os corpos. (Kat)
Parece uma boa ideia. (Fábio)
Noite. Etos entra na biblioteca. Olha para Estela. Estela pega um livro e vai até Derik.
Acho que isso serviria. (Estela)
Derik pega o livro. Passa o dedos nos primeiros parágrafos de um subtítulo da página da esquerda.
Parece que sim. Agora acho que Etos tá te esperando. (Derik)
Estela franze a sobrancelha.
Do que você... (Estela)
Derik olha para Estela.
Desculpa. Eu achei os exames. Li o laudo, não devia ter feito. (Derik)
Estela baixa a cabeça.
Não... Tá tudo bem. Eu não vou largar as pessoas aqui e... (Estela)
Tem gente suficiente aqui. Vai conseguir voltar a nos ajudar cedo suficiente. Você não luta. E o mundo não acabou, apesar... (Derik)
Derik pousa o livro na mesa.
Apesar de parecer isso. (Derik)
Estela abraça Derik. Derik abraça de volta. Afasta, limpa os olhos.
Mas eu vou perder o... Enterro... Não sei se chama assim... (Estela)
Não tem problema. Seja lá onde Mel estiver, tenho certeza que preferiria que você estivesse resolvendo isso. (Derik)
Não contei pra Alan ainda... Não sei se vou conseguir que vá comigo no hospital... (Estela)
Mas pra isso você tem seu irmão mais velho. (Etos)
Estela se vira. Etos entrega um RG. Os olhos de Estela marejam.
Eu sou ruim por sentir alguma felicidade pensando nisso? Depois de tudo que houve? (Estela)
Talvez a gente vá precisar de um pouquinho da sua felicidade depois. (Derik)
Estela abraça Derik. Derik abraça de volta. Afasta.
Agora vai logo. (Derik)
Estela e Etos saem. Derik pega o livro. Dobra a página. Fecha. Coloca em uma mochila. Estica e coloca nas costas. Se transforma em cachorro. Sai correndo.
Lua no topo no céu. Lagoa. Pégasus por toda a borda. Michele, Aléxis, Trinity, Dionísio, Janaína, Alan e Soraia estão perto de Mel, Angely e Edmont, que estão no chão. Fábio, Kat e Derik estão mais perto do lago, Derik com o livro nas mãos e uma bolsa a tira-colo. Rust cai em pé ao lado de Kat, Beleno pousa mais para trás, perto das outras pessoas.
A gente precisa... (Kat)
Beleno me explicou. (Rust)
Não imaginei que pararia para explicar. (Kat)
Tentou não parar, caímos no mar. (Rust)
Agradeço. (Kat)
Não precisa. Pra selar Edmont, não é qualquer esforço. (Rust)
Zenon olha de longe. Balança a cabeça para os lados. Pula no mar. Kat olha.
Zenon. (Beleno)
Michele olha para o mar. Aléxis segura a mão de Michele.
Voltou agora, vamos encontrar depois. (Aléxis)
Kat abaixa perto do lago. Pega água com as mãos, bebe. Rust e Fábio fazem também.
Tem certeza que serve? Foi meio rápido de encontrarem. (Beleno)
A gente tinha separado os livros com feitiços de proteção. (Derik)
Derik entrega o livro a Kat e tira um punhal da bolsa. Michele se aproxima e pega o livro. Segura aberto, virado para Derik. Kat vira de costas. Derik faz um corte na nuca de Kat. Passa a mão no sangue. Vai até Angely, abaixa, seus olhos marejam. Toca a testa e passa até o queixo. Vai ao lago e lava a mão. Se aproxima de Fábio, que vira de costas. Corta a nuca de Fábio, passa a mão no sangue. Vai até Mel, abaixa. Cai uma lágrima de seus olhos. Passa no rosto de Mel, como Angely. Lava a mão no lago novamente. Vai até Rust. Rust vira de costas. Corta a nuca, passa a mão no sangue. Rust se vira de volta. Derik vai até Edmont. Abaixa.
Você não podia ter deixado a gente. (Derik)
Derik passa o sangue no rosto de Edmont. Se levanta. Os olhos de Kat marejam, Kat cerra os dentes. Vai até Edmont, quase correndo. Abaixa e pega Edmont pelo colarinho da roupa.
Você não podia ter feito isso! Não tem o direito de descansar! Espero que esteja no inferno! (Kat)
Kat... (Derik)
Não... No inferno, não... Você tem que voltar e pagar por tudo que fez! Tem que voltar e resolver tudo! (Kat)
Kat... Amor... (Derik)
Tem que voltar... Ficar com a gente... (Kat)
Kat senta, puxando Edmont para si.
Vocês não podiam ter me abandonado... Não podiam... Têm que voltar, a gente... A gente não podia ter se separado... (Kat)
Derik abaixa, deita Edmont de volta. Abraça Kat.
Quanta gente eu ainda vou perder? Isso não é justo... (Kat)
Derik se afasta. Limpa os olhos de Kat. Beija.
A gente vai seguir agora. Eu tô aqui. (Derik)
Por quanto tempo? (Kat)
Não posso prometer nada. Só que vou fazer o que puder pra ser o máximo possível. (Derik)
Kat abraça Derik. Se afasta. Levanta. Derik levanta. Pega um pote da bolsa, com um pó roxo. Derruba sobre o rosto de Edmont, depois Angely e então Mel. Alguns instantes. O pó é absorvido pela pele, junto com o sangue. Beleno vai até Edmont. Olha para Derik.
Pode. (Derik)
Beleno pega Edmont no colo. Voa até o meio do lago. Solta Edmont na água, devagar. Edmont afunda. Vai até Angely. Abaixa. Dá um beijo na testa. Pega no colo. Vai até o meio. Desce. Solta o corpo, mais devagar. Angely afunda. Beleno vai até Mel. Alan aperta a mão de Soraia. Fábio baixa a cabeça. Derik abraça Kat, por trás. Kat passa a mão nos cabelos de Derik. Trinity cerra o punho. Beleno pega Mel no colo. Voa. Pousa Mel no lago. Solta. Mel afunda.
Noite seguinte. Policiais andando pela casa de Naian. Ester entra no quarto. Naian está com os olhos fechados, palidez, pescoço virado de lado.
Alguma coisa? (Ester)
Parece que era alguém que conhecia. (Cláudio)
Não consigo distinguir olhando, é homem ou mulher? (Ester)
Ninguém mexeu ainda. (Cláudio)
Bom, alguém que conhecia, considerando que atendia pessoas, deve ter gente demais. Vê se acha uma lista de clientes, vamos começar por aí. (Ester)
Ester olha para cima.
E por aquilo. (Ester)
Ester aponta para o teto. Cláudio olha. Uma câmera.

Resumo do Capítulo

Chegam a Hera e Ares. Derik encontra morte por todos os lugares. Acha pégasus no telhado do teatro. Traz Beleno para a praia. Kat desmaiou algumas horas depois que saíram. Derik fica para cuidar de Kat com Estela. Por causa de pégasus, Etos, Trinity, Zenon e Aléxis ficam no barco. Soraia, Fábio, Michele e Alan vão. Beleno fica, para explicar caso mais pégasus apareçam. Janaína e Rust ainda estão onde tudo aconteceu. Rust conta que foi quem cravou a espada em Mel. Deixa Janaína cravar em si, mas volta das cinzas. No barco, Aléxis e Zenon acham que Etos quer algo com Estela, Etos diz que não pensam em nada além de sexo. Trinity se irrita e sai também. Etos e Estela conversam sobre algo que está marcado para acontecer, que deve por um fim na possibilidade de relacionamento com Alan. Etos diz que não deixará Estela adiar. Quem ficou no barco faz um plano para agir. A noite, pessoas se aproximam da sala. Rust sai. Fábio e Soraia entram. Fábio vai até Mel, Soraia consola Janaína. Falam em colocar fogo nas ilhas, Janaína diz que o último pedido de Mel para si foi a fortaleza. Alan e Dionísio também chegam. Levam Mel e Padoi. Vai todo mundo para a MEAK em Hera. Descobrem sobre Mel. Zenon pula no mar. Aléxis diz que Michele não vai alcançar, Michele pede que Aléxis vá atrás. Kat acorda, tem uma crise de fúria. A ponta dos cabelos fica vermelha. Rust entra e lhe aponta uma espada. Diz o que houve. Falam em enterrar Mel. Rust sai. Zenon chega a um porto. Aléxis perdeu, e acha que Zenon não vai sobreviver. Kat decide falar com quem lidera entre pégasus, por causa de Trinity, Etos e Aléxis. Zenon encontra Naian. Naian encontra apenas uma esmeralda em alguém atlante. Diz que, se Rust vive, Beatrice não vive mais. Kat encontra Zeiro. Zeiro diz que não atacam quem se alimenta de Daxlidan. Resolvem colocar Mel, Angely e Edmont no lago. Farão um feitiço para que ninguém mexa nos corpos. Derik fala para Estela ir. Diz que achou os exames. Estela e Etos vão. Beleno traz Rust. Zenon chega, vê e vai embora. Usam o sangue de Kat para selar Angely, o de Fábio para Mel, o de Rust para Edmont. Colocam no lago. Na noite seguinte, na casa de Naian, a polícia acha seu corpo.

Dara Keon