Por que você me ama
MEAK
C04

Por que você me ama ler resumo

Kat está na cama. Então, está em um descampado. Zenon e Renata lutam. Derik segura uma besta. Aponta, para a luta. Alan está no chão, desmaiou. Kat, que está na cena mesmo, olha para a luta, com os punhos cerrados.
Que eu faço?! (Derik)
Eu não sei! (Kat)
A gente precisa fazer logo, vai acabar errado isso! (Derik)
Pera... (Kat)
Kat da cena olha para Kat sonhando. Sorri.
Eu sei... (Kat)
Renata chuta Zenon, que cai mais perto de Derik e Kat. Renata olha para trás, abaixa, pega uma estaca e atira contra Zenon. Zenon desvia, a estaca vem em direção a Derik. Kat, do sonho, se vê em frente a Derik, segurando a estaca. Kat acorda. Se senta na cama.
Derik... (Kat)
Derik abre os olhos e se vira para Kat. Esfrega os olhos, senta na cama.
O que sonhou? (Derik)
Zenon. (Kat)
Tá em perigo? (Derik)
Não sei. (Kat)
Kat está na cozinha. Senta. Derik entra.
Não precisa me dizer se não quiser. (Derik)
Renata. Tava lutando com Zenon. (Kat)
Alguém pode ter feito algum outro feitiço? (Derik)
Não sei. (Kat)
É um daqueles que você volta sem informação nenhuma. (Derik)
Foi mais estranho. Acho que eu meio que me fundi comigo. (Kat)
Derik franze a sobrancelha.
Eu tava lá. Era num lugar aberto. A minha versão do sonho me viu. (Kat)
E como que se fundiram? (Derik)
Não tenho certeza. Vi uma estaca vindo, fui segurar, aí eu tava segurando a estaca, percebi que a gente se fundiu. A gente se separou, parece que o que eu tinha descoberto ficou com a minha parte que tava na cena. Aí eu acordei. (Kat)
Seja lá o que for, vamos descobrir depois então. (Derik)
Acho que a gente não sabia em quem atirar. (Kat)
Derik engole seco.
Zenon ou Renata? (Derik)
Alan tinha desmaiado. (Kat)
A luta terminou no seu sonho? (Derik)
Não sei. (Kat)
Zenon está no sofá da sala de Soraia e Alan, deitou-se, está com um cobertor. Alan passa e vai para a cozinha. Zenon se senta.
Se preparando pra buscar Ísis? (Zenon)
Alan volta.
É ruim eu ficar feliz que vou ver minha filha? (Alan)
Acho que a gente precisa se focar no que ainda tem. (Zenon)
Alan se senta no sofá.
Estela sumiu no meio daquilo tudo. Disse que tá vindo pra casa. (Alan)
Vocês vão morar junto? (Zenon)
Espero que sim. Sinto falta. (Alan)
Soraia não vai ficar com ciúmes? (Zenon)
Disse que não. Não acho que isso vá ser problema. (Alan)
Zenon sorri.
Cuidado elas virarem amigas demais, hein? (Zenon)
Alan arregala os olhos. Zenon fecha a expressão.
Cara, eu tava brincando... (Zenon)
Etos entra, apoiando uma pessoa. A pessoa anda devagar. Alan se levanta.
Estela??? Alguém te machucou??? Por isso você sumiu??? (Alan)
Ninguém me machucou. Eu... (Pessoa)
A pessoa baixa a cabeça.
Meu anjo, você não tem que ter vergonha de nada. (Etos)
O que você fez com ela??? (Alan)
ELE! (Pessoa)
Alan franze a sobrancelha.
Isso, o que ele... (Alan)
Não! Eu não... Eu não sou ela... (Pessoa)
Os olhos da pessoa marejam. Alan franze mais a sobrancelha. Soraia entra na sala. Encara Etos. Olha para Alan.
Que tá acontecendo aqui? O cessar fogo acabou, até onde sei. (Soraia)
Ela disse que ela não é ela... (Alan)
Soraia franze a sobrancelha.
Hein?! (Soraia)
A pessoa desabotoa a camisa. Um grande curativo, na parte do tórax. Soraia desfranze a sobrancelha.
Você é trans. (Soraia)
Que?! (Alan)
A pessoa baixa a cabeça.
conteúdo oculto (+)
Pera... Isso... Tá falando que ela é aquelas sapatão que acha que é homem??? (Alan)
A pessoa aperta mais firme a mão de Etos, engole seco, não levanta a cabeça.
É gay, na verdade. (Etos)
Foi você que fez isso com ela... Sabia que não devia ter deixado você perto dela! (Alan)
Cala a boca, Alan. Agora. (Soraia)
Mas ela... (Alan)
ELE. Você não ouviu? (Soraia)
Alan tira uma estaca da cintura, vai na direção de Etos, a pessoa se coloca na frente. Alan para. Cerra os dentes.
Já que quer virar aberração, melhor morrer mesmo! (Alan)
Alan levanta a estaca pra acertar a pessoa, no segundo seguinte está contra a parede, a mão de Etos em seu pescoço. Solta a estaca. Tenta tirar a mão de Etos. Olha para Soraia. Etos olha para Soraia.
Pode soltar. Não vai fazer mais nada. (Soraia)
Etos solta Alan e vai até a pessoa. A pessoa está com lágrimas nos olhos. Etos segura a mão esquerda com sua esquerda, passa o braço direito atrás do corpo. Saem.
Você não fez nada. (Alan)
Talvez devesse não ter feito. Você se deu conta do tamanho do absurdo?! Atacou alguém que você supostamente ama e te ama também! (Soraia)
Fábio é viado e nem por isso sai por aí se vestindo de mulher! (Alan)
Caralho, se ouve! Você acha que é quem??? (Soraia)
Eu não sei mais quem ela é. (Alan)
Velho, cala a boca! Quanto mais você fala, mais merda fica! (Soraia)
É sério! Eu achei que ela tava apaixonada pela Kat... Mas Etos disse que ela gosta de homem, talvez ainda tenha... (Alan)
conteúdo oculto (–)
Soraia pega Alan pelo colarinho e encosta na parede.
Um vampiro acabou de proteger alguém de você. Se você tentar chegar perto dessa pessoa pra fazer qualquer coisa, vou ser eu quem vai impedir, e vai ser a qualquer custo. (Soraia)
Soraia solta Alan e vai para a cozinha. Do lado de fora, Etos abre a porta do banco de trás e ajuda a pessoa a entrar no carro. Fecha a porta, vai para o lado de motorista, abre a porta, entra, fecha a porta. A pessoa coloca o cinto do meio, que passa apenas pela cintura. Etos olha para trás.
Já escolheu qual dos dois? (Etos)
A pessoa limpa as lágrimas dos olhos. Olha para Etos.
Murilo. (Murilo)
Etos vira para a frente e sorri.
Yago era uma boa escolha também. (Etos)
Etos liga o carro. Saem. Dentro da casa, Zenon se aproxima de Alan.
Eu tô errado? (Alan)
Sim. (Zenon)
Se fosse lésbica eu até conseguiria deixar passar, mas isso... (Alan)
É demais. (Zenon)
Então não tô errado. (Alan)
Tá. Não podia ter reagido assim. Achou que as pessoas iam fazer o que? (Zenon)
Alan franze a sobrancelha. Zenon passa a falar baixo.
Eu também cansei, ok? De tentar entender e fingir que essas coisas são normais. A pessoa que falava e dava tanta bronca não tá mais aqui. Deixou Rust matar ela pra fugir disso. E quem tá aqui agora, quem pode arrumar as coisas, quem são os adultos que sobraram? (Zenon)
A gente. (Alan)
Isso. A gente tem que cuidar de tudo agora. E precisamos nos livrar de algumas coisas que ficaram pra trás. Erros que cometemos. (Zenon)
Alan olha para a cozinha. Olha para Zenon.
Tipo o que? (Alan)
Vampiras que deixamos vivas. (Zenon)
Juliana. (Alan)
Também. (Zenon)
Aléxis chega a casa de Naian. Bate na porta. Espera. Bate de novo. Nada. Aléxis sai.
Aléxis entra na MEAK de São Paulo. Derik está no balcão.
Zenon tá por aí? (Aléxis)
A gente também tava procurando. (Derik)
Queria saber se sabe onde tá Naian. (Aléxis)
Derik franze a sobrancelha.
Quem? (Derik)
Uma pessoa que fomos ver, quando a gente tava tentando encontrar Padoi. Tinha pedido pra apresentar atlantes, pensei em trazer aqui. Mas bati na casa e não respondeu. (Aléxis)
De repente não tava em casa. Porque pediu isso? (Derik)
É atlante também. (Aléxis)
Mel teria gostado. (Derik)
Fábio e Kat talvez ficassem felizes. (Aléxis)
Fábio e Dionísio viajaram. Foram ver as famílias. (Derik)
Soraia e Alan resolveram ficar em São Paulo mesmo, me deram o endereço... (Aléxis)
Aléxis pega o celular. Derik franze a sobrancelha.
Soraia te deu o endereço? (Derik)
Disse algo sobre meu sangue e o sangue dela... (Aléxis)
Derik desfranze.
Soraia é CV de sangue. (Derik)
Aléxis entrega o celular para Derik.
Pode compartilhar o contato. (Derik)
Isso. Pra você ver. (Aléxis)
Derik vai para o lado de Aléxis.
Por aqui mesmo. Vou te mostrar como. (Derik)
Kat está no quarto, deitou-se. Olha para o teto. Levanta. Vai até a entrada.
A gente devia voltar para as ilhas. (Kat)
Derik e Aléxis olham para Kat.
Como assim? (Aléxis)
Depois que Janaína fizer o que vai fazer. (Kat)
Não tem ninguém lá pra proteger. (Derik)
Etos entra. Murilo entra também.
Tá tudo bem? (Aléxis)
Posso ficar aqui com vocês? (Murilo)
Aconteceu algo com Alan? (Kat)
Murilo desabotoa a camisa. Aléxis franze a sobrancelha.
Alan fez isso?! Ou pegaram Alan também??? (Aléxis)
Mastectomia. (Derik)
Isso é o nome de algum demônio ou seita? (Aléxis)
Continua usando o nome de registro? (Kat)
Murilo vai até Kat e estende a mão. Kat aperta.
Prazer, Murilo. (Murilo)
Aléxis sorri.
Caramba, você parece com a Estela! (Aléxis)
Derik olha para Etos.
Aléxis, que tal uma volta pela cidade? (Etos)
Ah? (Aléxis)
Vai lá. (Derik)
Aléxis sai. Etos segue.
Tá comendo direito? (Derik)
Etos não precisa entender muito de comida, acho que comi risoles nos lugares mais variados possíveis. (Murilo)
Você tá em recuperação de cirurgia! (Derik)
Vem, melhor cê deitar, aproveito e te conto do último sonho que tive. (Kat)
Murilo e Kat vão pro quarto. Derik balança a cabeça para os lados e vai para a cozinha.
Noite. Zenon e Alan estão em um carro. Zenon dirige. Param em frente ao prédio da MEAK São Paulo. Tiram os cintos.
Ok. Agora vamos recaptular. (Zenon)
Alan respira fundo.
Estela não tem culpa do que fez. (Alan)
Ok... (Zenon)
Essa parte é fácil. Não sei como achei que tinha. É óbvio que Etos influenciou ela. E a culpa é minha, eu não podia ter deixado ela sozinha. (Alan)
Aos poucos a gente ajuda ela, de repente até ajuda a achar um namorado. (Zenon)
Isso! E tem cirurgia pra reverter o que fez, né? (Alan)
Mas não era isso que eu falei em recapitular. (Zenon)
Alan olha para o prédio. Olha para Zenon.
Não é pra eu brigar com Etos nem tentar falar o que nós queremos fazer pra ninguém. (Alan)
Isso. Se você falar, eu vou ter que fingir que não sei do que tá falando. Se eu fizer isso, saiba que você tá falando na hora errada. (Zenon)
Ok. (Alan)
Zenon sai do carro. Alan respira fundo. Sai também. Zenon coloca a mão no ombro de Alan.
Por Estela. E pelos outros. (Zenon)
Bora. (Alan)
Alan entra no prédio. Zenon segue. Sobem as escadas. Atravessam o corredor. Alan bate na porta. Kat abre. Cruza os braços.
Estela tá aqui? (Alan)
Não. Mas Murilo tá. (Kat)
Alan franze a sobrancelha.
Deve ser o novo nome. (Zenon)
Como assim no... (Alan)
Você veio pedir desculpas, esqueceu? (Zenon)
Alan suspira.
Posso ver E... (Alan)
Alan olha para o teto.
Vou demorar a me acostumar. (Alan)
Se estiver tentando, não tem problema. (Murilo)
Kat sai da frente. Murilo está no sofá, com uma mesinha em frente e um prato de comida. Alan entra.
Vai voltar pra casa? (Alan)
Eu não morava lá antes pra ser voltar. (Murilo)
Já morou comigo antes. Sua casa sempre foi comigo. (Alan)
Até a gente conhecer todo mundo, e eu ter ficado em Hera pra não morrer. (Murilo)
Alan baixa a cabeça. Olha para Murilo.
Agora estou com Soraia, a gente pode te proteger. Não precisa ficar com Etos. É um vampiro, isso é perigoso. (Alan)
Da última vez que chequei, o cenário não era bem esse. (Etos)
Alan se vira para Etos, que está na porta. Aléxis passa, olha para Murilo, abre a boca, fecha, vai para o quarto. Murilo baixa a cabeça.
Não precisa ficar triste, disse pra Aléxis que tem que tomar cuidado com o tipo de pergunta que vai fazer. A coisa ficou bem confusa depois disso, acho que ia te perguntar se tava tudo bem. (Etos)
Alan olha para Murilo.
Este... (Alan)
Zenon entra e olha para Alan.
Murilo, é isso? (Alan)
Murilo olha para Alan e sorri.
Não quer mais morar comigo? (Alan)
Derik entra na sala.
Cê não ia buscar as crianças? (Derik)
Eu... Ia... (Alan)
Então, você busca as crianças, volta, eu te ensino a cozinhar alguma coisa e aí você pode começar a pensar em cuidar de alguém que passou por uma cirurgia. (Derik)
Alan baixa a cabeça. Vai em direção a porta. Zenon sai. Alan para. Se vira.
Dói? (Alan)
Murilo franze a sobrancelha. Alan coloca a mão em seu tórax.
Só do lado de dentro, toda vez que alguém me trata errado. (Murilo)
Alan baixa a cabeça. Sai.
Eu vou estar por perto qualquer coisa. (Etos)
Valeu. (Murilo)
Etos sai. Michele entra, com sacolas.
Oi. (Michele)
Oi. (Murilo)
Trouxe umas coisas. (Michele)
Pra que? (Murilo)
Ué, roupas. Alguém tem que lembrar disso. (Michele)
Murilo olha para Kat.
Nem me olha, não consegui opinar. (Kat)
Murilo sorri. Derik cruza os braços. Murilo volta a comer.
Alan entra no carro. Zenon está no volante.
Vamos buscar as crianças? (Alan)
Não podemos ainda. Não é seguro. (Zenon)
Então? (Alan)
Vamos falar com Naian. Ver se tem um jeito de encontrar Renata. (Zenon)
A que você transformou. (Alan)
Zenon baixa a cabeça.
Foi mal. (Alan)
Zenon olha para Alan.
Renata me procurou recentemente, perguntou se alguém poderia ajudar, como guia. Indiquei Naian. Vamos ver se foi lá. (Zenon)
Casa de Naian, madrugada. Zenon bate na porta. Ester abre.
Sim? (Ester)
Naian tá? (Zenon)
Não. Entra aí. (Ester)
Ester sai da frente. Zenon franze a sobrancelha. Entra. Alan segue.
Que vieram fazer aqui? (Ester)
Uma consulta. (Zenon)
Eram amigos dela? (Ester)
Zenon franze a sobrancelha.
Eram? (Zenon)
Naian morreu. (Ester)
Zenon engole seco. Alan franze a sobrancelha.
Quando mandou Renata aqui? (Alan)
Zenon olha para Alan. Olha para Ester.
Faz uns dias, foi pouco antes de irmos pras ilhas. (Zenon)
Quem é Renata? (Ester)
Uma mulher... Ela... Tem uns problemas... Tava procurando alguém pra guiar. (Zenon)
Ester cruza os braços.
Que tipo de problemas? (Ester)
Isso não podemos dizer. (Zenon)
Ester tira a carteira do bolso. Abre. Mostra um distintivo.
Vocês escolhem: aqui ou na delegacia. (Ester)
Zenon e Alan entram no carro.
Desculpa. Nem me toquei quando sai falando de Renata. (Alan)
Tá tudo bem. (Zenon)
Alan franze a sobrancelha. Zenon olha para Alan. Olha para a frente.
Só não faz mais. (Zenon)
Faz ideia de onde pode estar Renata? (Alan)
Eu tenho o telefone. (Zenon)
Alan cruza os braços.
Que foi? Queria que eu ligasse e perguntasse "oi, sei que você gosta de mim, tava pensando num programa romântico, assistir o sol nascer, que tal?" (Zenon)
Ela gosta de você? (Alan)
Gosta. (Zenon)
Quem sabe não conseguimos salvar? (Alan)
Não tem como. (Zenon)
Porque não? (Alan)
Zenon olha para Alan.
Ok. Vamos encontrar Renata. (Zenon)
Zenon pega o celular.
Tarde. Renata está em uma lanchonete. Olha o relógio. Olha para fora. Levanta, vai até o banheiro. Olha no espelho. Balança a cabeça para os lados.
Será que algum dia eu vou parar de esquecer disso? (Renata)
Renata sai do banheiro. Passa a mão no cabelo. Volta a mesa. Senta. Alan entra na lanchonete. Olha em volta. Vai até Renata.
Você é Renata? (Alan)
Sim. Zenon não vem? (Renata)
Ele falou... (Alan)
Alan puxa o braço da camisa.
... disso? (Alan)
Renata olha.
Te expulsaram, mas tão aceitando freela seu. (Renata)
Isso. (Alan)
Achei que Zenon viria. (Renata)
Ele tá esperando a gente em outro lugar. (Alan)
Renata levanta e tira a capa da cadeira. Veste. Alan sai, Renata segue. Alan entra no carro, abre o pino, Renata entra. Saem com o carro.
Chegou a visitar Naian? (Alan)
Sim. Me falou que eu preciso mudar coisas na minha vida. (Renata)
Onde é sua fonte de daxlidan? (Alan)
Ah? (Renata)
A gente tá procurando uma fonte nova aqui em São Paulo. (Alan)
O que é daxlidan? (Renata)
Pera, mas tá se alimentando como? (Alan)
Renata olha pela janela.
A gente demora muito pra chegar? (Renata)
Não. (Alan)
Kat abre os olhos. Senta na cama. Murilo está dormindo ao lado. Kat levanta e vai até a sala.
Alguma coisa? (Derik)
Sonhei com chocolate. O mundo inteiro era de chocolate. Inclusive as pessoas, e começaram a morder umas as outras. (Kat)
Isso conta como apocalipse zumbi? (Derik)
Conta como "nada de útil pro nosso problema". (Kat)
Kat pega o celular. Desbloqueia. Digita. Coloca na orelha. Espera.
Zenon? ### Pode vir pra cá? ### É meio complicado pra falar por telefone. ### Ok. (Kat)
Kat desliga.
Sabe quando Fábio volta? (Kat)
Não faço ideia. (Derik)
Murilo sai do quarto.
Eu sei que isso é brincar de matrix, mas, se você nunca tivesse sonhado, você estaria na dúvida? (Murilo)
A última vez que vimos Renata, Zenon pediu pra gente não matar. (Derik)
Mas a gente imaginaria que Renata fez algo. Então precisamos descobrir o que Renata teria feito. (Kat)
Soraia? (Murilo)
Kat pega o telefone. Digita. Coloca na orelha. Espera.
O grupo mapeia informações de vampirs? Tem alguma chance de sabermos se alguém já matou? ### É Renata, te mando o nome inteiro quando ver aqui, não lembro. ### Sim, vimos transformar, foi Zenon, sob feitiço. ### Eu ia frizar o sob feitiço, mas aconteceu uma coisa, só vou te pedir pra não atacar antes de sabermos. ### Sim, Alan está com Zenon, mas... Quer vir aqui e a gente explica? ### Ok, a gente te espera aqui. (Kat)
Kat desliga.
Não sei se é uma boa ideia contar a Soraia, já desconfia de Zenon. (Murilo)
Talvez seja nossa melhor ideia. É uma das pessoas mais fortes, fora eu possivelmente em frenesi. (Kat)
Derik engole seco.
A gente já perdeu gente demais. (Murilo)
Renata entra em um galpão. Alan entra atrás.
Zenon! (Renata)
Zenon sai por uma porta. Vem até perto de Alan e Renata. Está com uma besta.
Que tá acontecendo? (Renata)
Eu passei por um julgamento quando cheguei nessa Realidade. (Zenon)
Que julgamento? (Renata)
O tribunal do Grupo. (Alan)
O mesmo que queimou sua tatuagem? (Renata)
Isso. Eu fiz merda. (Alan)
A gente tava pensando em você se entregar e ser julgada também. (Zenon)
Quem te defendeu? (Renata)
Mel tentou. (Zenon)
Alan baixa a cabeça.
Como assim, tentou? Cê tá aqui. (Renata)
A Diamante me absolveu. (Zenon)
Quer que eu me submeta? (Renata)
Sim. (Zenon)
Eu te amo. Faço isso por você. (Renata)
Alan sorri. Zenon dá um passo em direção a Renata, Renata se coloca atrás de Alan, segurando Alan pelo pescoço. Zenon levanta a besta.
Quantas vezes alguém já teve absolvição? (Renata)
Alan se debate.
Só eu. (Zenon)
Passa lá de novo então, aí eu vou. (Renata)
Renata joga Alan no chão, segura a estaca que Zenon atira, tenta cravar em Zenon, Zenon desarma Renata, Alan levanta, pega a estaca do chão. Zenon estende a mão, Alan franze a testa. Então joga a estaca. Zenon olha ao redor. Renata sumiu. Zenon joga a estaca no chão.
Que tal ser mais lento da próxima vez??? (Zenon)
Eu... Eu ia atirar eu mesmo... Minha mira é boa... (Alan)
Só a inteligência não é grande coisa! (Zenon)
Alan engole seco. Zenon suspira.
Desculpa. A culpa é obviamente minha, se eu não tivesse... (Zenon)
Zenon baixa a cabeça. Olha para Alan, com lágrimas nos olhos.
Era pra ela estar viva, sabe? (Zenon)
Alan vai até Zenon. Zenon abraça Alan. Alan franze a sobrancelha e abraça Zenon de volta. Zenon afasta, limpa os olhos.
A gente precisa de ajuda de todo mundo. (Zenon)
Zenon sai do galpão. Alan segue.
MEAK. Soraia está na sala, com Kat, Derik e Murilo. Michele e Aléxis entram.
Receberam a mensagem? (Kat)
As duas. (Michele)
Ah? (Kat)
Kat pega o celular. Derik pega também. Kat entrega o celular a Murilo. Derik estende a Soraia.
Zenon? (Soraia)
Isso. (Derik)
Já li. (Soraia)
Bate com o sonho. Zenon e Renata se enfrentaram, e Zenon quer pegar Renata. (Murilo)
Mas se mandou pra todo mundo, como só eu, Kat e Alan estávamos lá? (Derik)
Zenon ainda não sabe, vamos esperar chegar e ver se o plano que fez só inclue vocês. (Michele)
Se sim, isso significa alguma coisa? (Aléxis)
Que ainda estamos no mesmo caminho. (Derik)
E se a gente tirar algum dos fatores? (Murilo)
Corremos o risco de Kat nunca descobrir o que descobriu. (Derik)
Mas aí Katerine não teria que resonhar? (Soraia)
A gente mudar um sonho não faz isso. Acho. (Derik)
Então a gente ouve o plano e concorda se o final for esse? (Aléxis)
Acho que sim. (Derik)
Murilo, pro quarto. (Kat)
Por quê? (Murilo)
Se der merda, a única pessoa nessa sala além de você que não luta, no mínimo pode morder Zenon. (Kat)
Murilo vai para o quarto.
Precisou de um monte de gente pra me segurar na outra Realidade, não querem mesmo que eu faça isso? (Aléxis)
Não sabemos se Zenon é ruim. Se for, fica a vontade. (Kat)
Se conseguir fazer isso antes de mim. (Soraia)
Alan entra na sala.
Cadê Zenon? (Aléxis)
Zenon entra, com um DVD na mão.
Fui buscar isso! (Zenon)
Zenon estende a Derik. Derik pega. Coloca no computador. Digita algumas coisas.
Tem vários vídeos por datas... (Derik)
Olha o do dia que saímos das ilhas. (Zenon)
A gente levou dois dias depois de você sair. (Murilo)
Ok, o dia que eu saí. (Zenon)
Derik digita mais. Vira a tela para todo mundo e se afasta. É uma câmera de segurança. Naian aparece na sala que atende. Abre a porta. Franze a sobrancelha. Dá passos para trás. Zenon aparece na câmera. Passa pela sala. Algum tempo depois, volta. Segundos, Naian aparece. Então volta para o quarto.
Isso foi aquele dia. Fui lá para ver se conseguia encontrar Beatrice. Aí tentei voltar para as ilhas. Precisa acelerar o vídeo agora, fica um bom tempo em branco. (Zenon)
Derik se aproxima de novo e acelera o vídeo. Naian aparece, Derik volta a velocidade. Naian vai até a porta. Abre. Dá passagem. Renata entra. Alguns segundos, Naian pega as mãos de Renata. Solta. Vai para outra sala. Renata segue.
Agora precisa acelerar de novo. (Zenon)
Derik acelera. Para. Renata vem até a sala, volta, retorna com um cobertor em cima de si. Sai.
Pode parar já. (Zenon)
Derik pausa o vídeo.
O que Renata foi fazer lá? (Aléxis)
A culpa foi minha. Eu disse para Renata ir lá, ela disse que precisava de alguém pra guiar ela. (Zenon)
Como assim, culpa? (Michele)
Zenon baixa a cabeça. Olha para Michele.
O corpo foi encontrado no dia seguinte ao dia que fui lá. Eu e Alan fomos ver, demos de cara com uma policial. Peguei esse DVD com ela. (Zenon)
Renata matou Naian? (Aléxis)
Tentamos falar direto com Renata mais cedo, falar em passar pelo mesmo julgamento que Zenon passou, fingiu que ia colaborar e atacou a gente. (Alan)
É o que parece. (Zenon)
E o que vamos fazer? (Michele)
Tô pensando em a gente achar Renata. Kat, sonhou com algo? (Zenon)
Que resolva isso, não. (Kat)
Derik, consegue procurar Renata pela cidade? (Zenon)
E se saísse todo mundo para procurar? Em grupos, quem sabe? (Michele)
Tipo, eu, Kat e Alan, você, Soraia e Aléxis? (Zenon)
Parece bom. Derik poderia revezar entre os grupos, qualquer sinal de perigo, corre e avisa o outro grupo. (Michele)
Zenon franze a sobrancelha. Desfranze.
Parece ok. (Zenon)
Michele pega um casaco e sai. Aléxis segue. Soraia olha para Zenon. Sai.
Vamos? (Zenon)
Kat sai. Derik segue. Então Alan e Zenon. Murilo abre a porta do quarto.
Acho que vou ter que ficar aqui rezando mesmo. (Murilo)
Madrugada. Zenon, Alan, Kat e Derik andam pela cidade.
A gente já andou bastante. (Alan)
Tá afim de parar? (Zenon)
Derik franze a sobrancelha.
Não lembro de você ser tão legal comigo há uns anos atrás. (Derik)
Bom, uma hora tinha que aprender. (Zenon)
Tem muito cemitério aqui perto? (Kat)
Tem um, porque? (Zenon)
Sonhei com um cemitério outro dia. (Kat)
Derik engole seco.
Era premonição? (Alan)
Kat para e olha para Zenon.
Você não comentou que Renata gostava de cemitério? (Kat)
Zenon arregala os olhos.
Porque eu não pensei nisso antes?! (Zenon)
Zenon muda de rumo e começa a andar mais rápido. Kat, Derik e Alan se entreolham. Seguem Zenon.
Zenon anda por um cemitério. Derik desacelera o passo e fica mais para trás. Kat desacelera também. Olha para os lados, olhando os túmulos.
Era aqui? (Derik)
Cada vez mais parecido. (Kat)
Pra mim é tudo parecido desde que entramos aqui. (Derik)
As árvores. (Kat)
Derik olha para as árvores. Fixa os olhos em uma. Abre mais os olhos.
Eu já disse que enxergo um pouco melhor que a maioria das pessoas? (Derik)
Kat olha na mesma direção. Renata pula da árvore e vem correndo. Chuta a besta de Alan. Alan tenta chutar Renata. Renata pega o pé de Alan e joga Alan no chão. Alan bate a cabeça e desmaia. Renata abaixa, desviando de um soco de Zenon. Dá um chute alto, Zenon desvia. Tenta pegar a besta no chão, Zenon chuta longe, para perto de Derik e Kat. Kat arregala os olhos. Derik pega a besta do chão. Levanta. Kat cerra os punhos.
Que eu faço?! (Derik)
Eu não sei! (Kat)
A gente precisa fazer logo, vai acabar errado isso! (Derik)
Pera... (Kat)
Kat olha para uma direção. Derik olha. Nada. Baixa a besta, franze os olhos.
Eu sei... (Kat)
Renata chuta Zenon, que cai mais perto de Derik e Kat. Renata olha para trás, abaixa, pega um pedaço de madeira e atira contra Zenon. Zenon desvia, a estaca vem em direção a Derik. Kat corre e segura a estaca. Derik dá alguns passos para trás. Kat puxa o ar de uma vez e arregala os olhos. Fecha os olhos e cai no chão. Renata arregala os olhos e coloca a mão na boca.
Meu deus, ela não fez isso... (Renata)
Derik solta a besta, abaixa perto de Kat. Puxa Kat para seu colo.
Kat!!! KAT!!! (Derik)
Zenon olha a besta no chão. Corre e pega. Atira em Renata, no meio do peito. Renata contrai o corpo. Solta a mão. Desfaz em cinzas, caindo estaca, cinzas e roupas no chão. Zenon solta a besta, coloca as mãos na cabeça, fecha os olhos com força. Cai no chão. Derik, com lágrimas nos olhos, chacoalha Kat.
Acorda!!! Por favor!!! Eu não vou embora!!! Acorda!!! (Derik)
Alan abre os olhos. Senta. Olha para Derik e Kat. Para Zenon. Para as cinzas. Levanta e vai até Derik.
Ela feriu Kat?! (Alan)
Derik fica em silêncio. Alan abaixa perto de Derik. Pega o pulso de Kat.
Kat me salvou... (Derik)
O coração tá batendo normal... (Alan)
Derik pega o pulso de Kat. Respira, fecha os olhos. Lágrimas caem. Derik debruça sobre Kat.
Manhã. MEAK. Zenon acorda no quarto. Vê Mel ao seu lado. Levanta da cama em um pulo. Olha de novo. É Kat. Balança a cabeça para os lados. Sai do quarto. Todas as pessoas olham para Zenon. Derik e Murilo estão no sofá, Derik encolheu-se, olhos inchados. Soraia e Michele estão próximo a janela. Alan está mais ou menos no centro da sala. Aléxis está em um canto.
Que aconteceu? (Zenon)
Kat tinha sonhado com a luta. (Alan)
Que? (Zenon)
Sonhou com tudo. No sonho, tanto a versão desse mundo quanto a versão que estava sonhando interferiram ao mesmo tempo, pra salvar Derik. (Michele)
Derik se encolhe mais, escondendo os olhos.
Achamos que teve um choque por isso, desmaiou, não acordou ainda. (Soraia)
E não contaram pra gente. (Alan)
Você não desgrudou do Zenon. E não é como se tivesse dando motivos pra não te estranharmos. (Soraia)
Eu não... Não dá pra se acostumar de uma hora pra outra! (Alan)
Nem pra sair matando as pessoas de uma hora pra outra também, mas isso você tentou! (Soraia)
Alan baixa a cabeça.
Eu sei. Eu... Não pensei. Eu pedi desculpa. Quero que Estela venha morar com a gente. (Alan)
Bom, talvez esse seja o problema. (Soraia)
Murilo. Desculpa. (Alan)
Zenon franze a sobrancelha. Alan olha para Zenon.
O ponto é que acharam que você poderia ser o lado ruim da história, e aí fizeram a coisa ficar como no sonho de Kat, porque Kat disse que no sonho, descobria se isso tava certo ou não. Só que agora Kat não acorda. (Alan)
Derik se contrai.
A gente vai procurar porque. Se abusar, Kat até acorda antes e explica. (Murilo)
Fábio ficou aprendendo com Mel sobre atlantes, deve ter alguma informação sobre isso. (Soraia)
Os sonhos podem não ser da parte atlante de Kat. Encontramos alguém que conseguia fazer a mesma coisa. (Murilo)
E não podemos consultar essa pessoa? (Soraia)
Tá em outra Realidade. (Murilo)
Alan olha para Zenon.
Mas você tá se sentindo normal? Desmaiou também... (Alan)
De repente a causa é até a mesma, e Kat vai acordar daqui a pouco. (Soraia)
Do que vocês tão falando? (Zenon)
Do que aconteceu ontem. (Aléxis)
Ele desmaiou também, pode ser que esteja difícil de lembrar. (Alan)
Eu não lutei com ninguém ontem. Eu... (Zenon)
Zenon olha para o quarto. Olha para as pessoas.
A gente enterrou a Mel ontem. (Zenon)
Alan franze a sobrancelha. Soraia cruza os braços. Derik levanta os olhos, olhando para Zenon. Murilo engole seco. Aléxis desencosta da parede. Michele se aproxima de Zenon.
Você não lembra de nada além disso? (Michele)
Eu pulei no mar. (Zenon)
Zenon olha para as pessoas.
Como eu vim parar aqui? (Zenon)

Resumo do Capítulo

Kat sonha com uma luta entre Zenon e Renata. Alan está inconsciente. Derik está com uma arma, sem saber o que fazer. E Kat também está na cena. Kat da cena vê Kat que está sonhando, uma estaca quase acerta Derik, mas Kat pega a estaca. Conta a Derik, e diz que se fundiu com a sua versão no sonho, que se separaram, e o que tinha descoberto ficou com a versão do sonho. Zenon está na casa de Alan e Soraia. Etos chega com uma pessoa. Alan reconhece. Murilo conta que é trans. Alan chama de aberração, tenta matar. Etos impede. Sai com Murilo. Soraia se enraivece e diz que se Alan atacar Murilo de novo, vai derrubar Alan a qualquer custo. Zenon diz a Alan que acha que isso está errado, mas que não podia ter reagido desse jeito. E que eles têm que cuidar de tudo agora. Aléxis tenta ver Naian, mas ninguém atende. Aléxis vai a MEAK, perguntando sobre Zenon. Fala de Naian, e que pensou em trazer, por ser atlante. Diz que Soraia e Alan resolveram ficar em São Paulo. Murilo vai para a MEAK. Etos sai com Aléxis para explicar, Kat vai com Murilo para o quarto, pra descansar, Derik vai fazer comida. Zenon e Alan chegam. Antes de entrar, Zenon lembra a Alan que tem que esconder o plano, e que vai fingir que não sabe do que está falando se falar demais. Alan pede desculpas e tenta convencer Murilo a voltar a morar consigo. Derik interfere e diz que só se Alan aprender a cuidar de alguém que fez cirurgia. Michele traz roupas novas para Murilo. Zenon fala em não buscar as crianças, por não ser seguro. Fala em encontrar Renata, e que mandou Renata a Naian, e que devem começar de lá. Encontram uma pessoa da polícia, Ester. Fala que Naian morreu. Alan deixa escapar sobre Renata. Acabam tendo que contar. Zenon liga para Renata. Alan encontra Renata. Tenta saber como Renata se alimenta, Renata desvia do assunto. Na MEAK, Kat liga para Zenon e pede para vir. Pede informações pra Soraia, sobre Renata. Pede para Soraia vir também. Zenon fala em submeter Renata ao julgamento do grupo. Renata diz que aceita porque ama Zenon, Zenon aceita. Usa Alan de escudo, diz pra Zenon se submeter de novo e depois vai. Zenon e Renata lutam, Renata foge. Zenon chora dizendo que Renata deveria estar com vida. Resolvem pedir ajuda das outras pessoas. Soraia, Kat, Derik, Murilo, Aléxis e Michele estão na MEAK. Recebem o recado de Zenon. Combinam de ver se o plano de Zenon inclue apenas Kat, Derik, Zenon e Alan. Zenon traz um CD com o vídeo que mostra Renata na casa de Naian. Diz que encontraram o corpo no dia seguinte. Fazem dois grupos, um Kat, Zenon e Alan, outro Soraia, Michele e Aléxis. Derik deve ser revesar entre os dois grupos. Kat diz que sonhou com cemitério e que Renata gostava de cemitérios. Vão. Acham Renata. Renata desmaia Alan. O sonho se concretiza. Renata percebe o que Kat fez, e isso dá tempo a Zenon de atirar. Renata vira pó. Zenon sente dor de cabeça e desmaia também. Zenon acorda e alucina que vê Mel, mas é Kat dormindo a seu lado. Alan conta sobre o sonho, e que não tinham lhes contado. Zenon diz que só lembra até o momento que, na cerimônia no lago, pulou no mar.

Dara Keon