Parentes
MEAK
C07

Parentes ler resumo

Aléxis entra na MEAK. Derik está no sofá.
Já decidiram o que fazer? (Aléxis)
Não. (Derik)
Derik olha para Aléxis.
Era uma boa ideia ter avisado de Beleno. (Derik)
Eu tentei. (Aléxis)
Aléxis tira o celular no bolso.
Tô quase desistindo desse troço. (Aléxis)
Derik levanta, vai até atrás do balcão. Abre uma gaveta, pega uma caixa de celular. Senta no sofá. Aléxis senta do lado. Derik tira o celular na caixa. Começa a configuração inicial, com e-mail e senha. Segue. Chega a uma parte onde pede digital. Entrega o celular a Aléxis.
Isso que parece um botão embaixo, coloca seu dedo. (Derik)
Aléxis coloca o polegar esquerdo. Segura. Mais uma vez. Devolve o celular a Derik. Derik termina a configuração. Entrega a Aléxis.
Quando terminar, me entrega que vou colocar nossos contatos na primeira tela. Então você liga pra alguém e a pessoa manda mensagem pra todo mundo. (Derik)
Valeu. (Aléxis)
Sem problemas. (Derik)
Leonardo não consegue ver se alguém consegue se comunicar de alguma forma? (Aléxis)
Leo sumiu. (Derik)
Ah. (Aléxis)
Murilo sai do quarto.
Katerine ainda não respondeu nada. (Murilo)
Eu sei. (Derik)
Não consigo imaginar que não tenha concordado. Porque, se não tiver concordado, tá muito pior do que a gente imagina. (Murilo)
Derik levanta.
Quem vai ser? (Derik)
Você já tem poderes. Talvez causasse o mesmo problema. (Murilo)
Você acha que não tem poderes? (Derik)
Bom, nada que tenha... (Murilo)
Os feitiços que faz. Não é qualquer pessoa que consegue. (Derik)
Tá falando sério? (Murilo)
Eu te disse isso já. (Derik)
Quem temos? (Murilo)
Todo mundo seria eu, vocês, Beatrice, Michele, Aqua, Soraia, Fábio, Dionísio, Alan, Etos, Inês, Beleno, Andrea, Trinity, Zenon e Leonardo. (Aléxis)
Tira quem é vampir. (Derik)
Murilo vai atrás do balcão, pega um caderno, coloca em cima do balcão e pega uma caneta.
Fala de novo. (Murilo)
Eu, vocês, Beatrice, Michele, Aqua, Soraia, Fábio, Dionísio, Alan, Etos, Inês, Beleno, Andrea, Trinity, Zenon e Leonardo. (Aléxis)
Murilo escreve:
Aléxis
Murilo
Derik
Beatrice
Michele
Aqua
Soraia
Fábio
Dionísio
Alan
Etos
Inês
Beleno
Andrea
Trinity
Zenon
Leonardo
Aléxis e Derik se aproximam do balcão.
Zenon não sabemos se podemos confiar. (Derik)
Murilo risca Zenon. Então risca Leonardo.
Leonardo sumiu. (Murilo)
Eu tiraria tudo que for vampir. Não sei nem se o poder funcionaria. (Aléxis)
Murilo risca Aléxis, Beatrice, Etos, Andrea e Trinity.
Beleno já vimos que não pode assumir uma responsabilidade dessas. (Murilo)
Murilo risca Beleno.
Aqua alguém pode levar o anel. (Aléxis)
Murilo risca Aqua.
Têm falado com Aqua? (Derik)
Não desde que falei pra sair pelo mundo e aprender o que pudesse. Não passei nenhum perigo que pudesse trazer para cá, aparentemente. (Aléxis)
Murilo risca Michele.
Michele é início de linhagem de vampir, também não parece uma boa ideia. (Murilo)
Fábio já lê mentes das pessoas. Não descartaria completamente, mas não me parece uma boa primeira opção. (Derik)
Murilo risca Fábio, então Soraia.
Soraia sairia sem ajuda, também não me parece uma boa ideia. (Murilo)
Não leva a mal, mas eu descartaria Alan também. (Derik)
Não levo. Até agora não temos certeza do que rolou com Zenon, antes de prendermos. E parece estar com segredo demais disso. (Murilo)
Murilo risca Alan.
Inês acho que seria ruim, com a coisa de ser fênix. Kat já me jogou da cama, Inês poderia incendiar tudo ao redor. (Derik)
Murilo risca Inês.
Então temos possivelmente eu, você, Fábio e Dionísio. (Murilo)
Sendo que a única pessoa que não falaram nada contra foi Dionísio. (Aléxis)
Murilo circula o nome de Dionísio. Derik olha para o quarto.
Vai lá. (Murilo)
Derik olha para Murilo. Então para Aléxis. Vai até o quarto. Entra e fecha a porta. Vai para o lado da cama que Kat está. Ajoelha ao lado de Kat.
Eu não sei se você quer mesmo isso. Pedi para responder, você não disse nada. Eu sei que eu disse que, se não respondesse, queria dizer que... (Derik)
O livro se abre. Vira algumas páginas. Derik olha para o livro. Para de virar na página do feitiço. Derik se levanta. Abaixa, beija a testa de Kat. Uma lágrima cai de seus olhos. Derik pega o livro e sai. Os dedos de Kat fecham um pouco. Derik coloca o livro no centro da sala, sentando no chão.
Hora de ligar pra Dionísio? (Murilo)
Aléxis pega o celular. Coloca o dedo no leitor de digital. Sorri. Vai até Derik e entrega o celular. Derik pega. Mexe. Devolve o celular a Aléxis. Aléxis pega o celular, sorri, clica no nome de Dionísio. Coloca o celular na orelha.
Dionísio? (Aléxis)
Aléxis?! Finalmente aprendeu??? (Dionísio)
Derik me ajudou. (Aléxis)
Derik cruza os braços.
A gente vai fazer o feitiço. (Aléxis)
Que feitiço? (Dionísio)
Pra transferir os poderes de Kat. (Aléxis)
Derik descruza os braços e vai até a janela.
Legal, Derik vai ficar com isso agora então? (Dionísio)
Murilo estende a mão para Aléxis. Aléxis entrega o celular. Murilo coloca no ouvido.
Na verdade, a gente tava olhando quem temos disponível. Em quanto tempo você consegue chegar aqui? (Murilo)
Beleno abre os olhos. Está em uma cama com dossel. Se senta. Olha para a caixa de metal em cima de uma penteadeira. Vai até a caixa. Rust entra no quarto.
Está melhor? (Rust)
Talvez eu que devesse te perguntar isso. (Beleno)
Alguém tentou quebrar o feitiço que sela os corpos. Conseguiu danificar. Não sei qual a extensão disso. (Rust)
Foi você quem achou? (Beleno)
Rust baixa a cabeça.
Não tô tentando ler sua mente. Já tá doendo dentro de mim, não quero juntar com o que você pode tá sentindo. (Beleno)
Não estou tentando esconder. Só é difícil olhar pra frente sabendo que Beatrice se foi também. (Rust)
O também é por Mel? (Beleno)
Rust olha para Beleno.
Desde quem me botou no mundo, a única pessoa que não foi embora até agora foi Virgine. (Rust)
Bastante gente perdeu pessoas por sua causa. (Beleno)
Eu sei. Mas o que dói não é eu estar sem essas pessoas. É que não acho que mereciam. (Rust)
Beleno se aproxima de Rust.
Será que eu mereço? (Beleno)
Rust passa a mão no rosto de Beleno. Beleno beija Rust. Rust se afasta.
Acho que não. (Rust)
Então é bom nem me aproximar, né? (Beleno)
As pessoas estão precisando da sua ajuda. (Rust)
Beleno franze a sobrancelha. Vai em direção a porta. Rust segura seu braço. Beleno vira para Rust. Rust solta o braço, pega a caixa de metal, abre o armário, pega uma mochila, coloca a caixa de metal dentro e entrega a Beleno. Beleno veste a mochila e sai.
Aléxis bate na porta da casa de Soraia e Alan. Soraia abre a porta.
Murilo falou pra eu vir aqui. (Aléxis)
Pra...? (Soraia)
Alan me perguntou se o sangue era de Zenon. Mas pode ser que tenha sangue de quem levou Zenon também. (Aléxis)
Soraia sai da frente. Aléxis passa. Soraia fecha a porta. Passam por outra porta, descem as escadas. Soraia abre a cela. Aléxis entra. Se agacha. Fareja o ar.
Murilo tinha razão. Tem até mais sangue. (Aléxis)
Imagino que não, já que dormiu tantos anos, mas sabe de quem é? (Soraia)
Não, mas Zenon veio da linhagem dessa pessoa. (Aléxis)
É próximo? (Soraia)
Sim. Poderia ser quem criou Zenon, inclusive. (Aléxis)
Clítia. (Soraia)
Soraia sobe a escada. Vai até o quarto. Pega o celular. Desbloqueia, mexe, coloca o celular na orelha. Espera.
Clítia sabe que mataram Juliana? (Soraia)
Não sei, porque? (Alan)
Clítia foi quem pegou Zenon. (Soraia)
Alan arregala os olhos.
O que a gente vai fazer? (Alan)
Liga pra Janaína, se não atender, liga pra Michele, e avisa que encontrar Clítia serve. (Soraia)
Ok. (Alan)
Soraia desliga o telefone. Se vira. Aléxis está na porta.
Você pretende levar em frente? (Aléxis)
O que? (Soraia)
Aléxis franze os olhos.
Você não sabe? (Aléxis)
Soraia cruza os braços.
Vocês bem que podiam ser um pouco menos intrometidos. Saem fazendo diagnóstico dos outros assim? Taí, bem que podiam ser médicos! (Soraia)
Você precisa de repouso. E seu corpo de uma alimentação melhor. (Aléxis)
E você de um gato. Vai ter sete vidas pra cuidar e vai deixar a minha em paz. (Soraia)
Desculpa. (Aléxis)
Soraia solta os braços.
Eu não vou conseguir manter de qualquer jeito. Não consegui antes, que tinha menos idade, porque ia conseguir agora? (Soraia)
Posso te ajudar. Posso pedir a Aqua para te ajudar. (Aléxis)
Soraia olha para cima.
Eu não quero criar esperanças. (Soraia)
Aléxis vai até Soraia e abraça. Soraia fecha os olhos, abraça de volta. Caem lágrimas de seus olhos. Dionísio aparece na porta e arregala os olhos.
Sai desse corpo que não te pertence! (Dionísio)
Soraia se afasta de Aléxis.
O grupo sabe de alguma coisa? (Soraia)
Quem eu falei não, mas me pediram pra voltar. Passei aqui pra você ir junto comigo, que sozinho eu não vou ter coragem, não... (Dionísio)
Coragem de que? (Soraia)
MEAK. Derik e Murilo estão em um sofá, Aléxis e Soraia em outro, Dionísio anda de um lado a outro.
E se eu não conseguir falar pra vocês? (Dionísio)
Tinha coisas que Kat não conseguia descrever. Outras vezes tinha detalhes demais. Isso é normal. (Derik)
E se não funcionar em mim? (Dionísio)
Não tá mais funcionando com Kat também. (Murilo)
Mas e se... (Dionísio)
Dionísio para de andar.
Tá, não tem nenhum e se a mais. (Dionísio)
Do que você tá com medo? (Soraia)
Dionísio olha para Soraia.
Louis. (Dionísio)
Também tinha esse poder. (Soraia)
Eu vi isso desde criança. Parecia legal. Mas nunca pensei que podia... Eu não sei. Eu nunca me imaginei nesse lugar. Não sei se dou conta. Não sou a melhor pessoa do mundo. (Dionísio)
Derik levanta, pega nos braços de Dionísio.
Isso não existe. A gente vai te ajudar. Eu faria isso, se pudesse... (Derik)
Mas você já tem o seu fardo. (Dionísio)
A gente tem medo que não funcione. (Murilo)
Dionísio se senta no sofá.
Tá, vamo. (Dionísio)
Derik vai até o quarto. Pega uma faca que está ao lado de Kat. Pega a mão de Kat e beija. Vira a palma para cima. Faz um pequeno corte. Passa o indicador no sangue. Sai do quarto e vai até Dionísio. Estende a mão. Dionísio coloca a mão sobre a de Derik, com a palma virada para cima e fecha os olhos. Derik passa o sangue na palma de Dionísio. Dionísio abre os olhos. Derik tira a mão, Dionísio olha para sua palma.
Era só isso? (Dionísio)
A gente já tinha feito o resto do que precisava. (Derik)
Então se alguém viesse aqui e... (Dionísio)
Não, Derik teria que fazer. (Murilo)
Mas... Ai, ai, ai, AAIIII.... (Dionísio)
Dionísio corre para o banheiro. Derik cerra os dentes e olha para a própria mão. O sangue brilha e some. Olha para Dionísio, corre, puxa a mão que Dionísio ia colocar embaixo da torneira. Murilo chega e ajuda a segurar. Dionísio para. Murilo e Derik soltam Dionísio.
Não sabia que ia doer... Podiam ter avisado... Ou, não, porque a espectativa é pior que... (Dionísio)
Dionísio olha para Derik, então para Murilo.
Tá, o que deu errado? (Dionísio)
É normal que você sinta alguma coisa, essas coisas nunca vêm com aviso disso. (Murilo)
Soraia levanta.
Mas você não devia ter sentido nada, devia, Derik? (Soraia)
Não. (Derik)
Um barulho no quarto. Derik corre, entra, se aproxima de Kat, que está no chão, abaixa. Toca os braços de Kat, Kat empurra.
Amor... (Derik)
Vocês não podiam ter feito isso... (Kat)
Mas você... (Derik)
Foi Renata!!! (Kat)
Derik senta no chão. Olha para o teto. Olha para Kat.
Desculpa... (Derik)
Kat suspira. Olha para Derik. Derik se aproxima. Kat se apoia e abraça Derik.
Achei que eu não ia conseguir voltar... (Kat)
Derik abraça Kat forte. Olha para a porta. Murilo está olhando. Atrás, Soraia, Aléxis e Dionísio. Kat afasta e olha para a porta. Murilo se aproxima. Derik e Murilo ajudam Kat a levantar. Soltando, Kat quase cai novamente, mas Derik e Murilo seguram. Ajudam a sentar na cama.
Que aconteceu? (Murilo)
Foi Renata quem jogou o livro no chão. Percebeu alguma coisa do que aconteceu comigo, antes de morrer. E foi Renata quem abriu o livro hoje. Eu não tinha força para nada. Nem meu espírito conseguia sair do corpo. Percebia parte do que acontecia ao redor. Foi Renata quem me disse o que iam fazer. Não autorizei a responder pra vocês que podiam fazer. (Kat)
Preferia que a gente não tivesse feito? (Derik)
Kat respira fundo.
Não adianta pensar nisso agora. A gente precisa resolver o problema de Zenon. (Kat)
Você lembra o que viu? (Murilo)
Lembrava. Até fazerem o feitiço. (Kat)
Não contou pra Renata? (Soraia)
Eu não conseguia me comunicar direito. Eu disse, não tinha força pra nada! (Kat)
A gente já sabe que Zenon está com dois espíritos. Deve ter sido isso. (Aléxis)
É recente a mudança, então deve ser recentemente que o espírito possuiu. (Murilo)
Kat olha na direção da porta. Murilo olha para trás, e sai da frente. Aléxis e Soraia abrem o caminho também. Dionísio dá um passo para trás. Kat continua olhando. Dionísio entra no quarto. Senta do outro lado da cama.
Acho que agora essa cama é sua. (Kat)
Oxi, imagina, cê que tá precisando descansar! (Dionísio)
Os sonhos, Dionísio. (Kat)
Ah, tá... (Dionísio)
Dionísio deita.
Cê tem algum truque pra dormir? (Dionísio)
Kat abre a boca.
Conta carneirinho aí. (Derik)
Kat fecha a boca. Derik dá um beijo na testa de Kat.
Vou fazer alguma coisa leve pra você comer. (Derik)
Tava com saudade da sua comida. (Kat)
Não vai poder ser nada temperado. (Derik)
Depois desse tempo todo aqui, acredita em mim, qualquer coisa vai servir. (Kat)
Etos desce de um barco na praia de Hera. Trinity desce atrás. Em seguida, Michele. Zeiro desce na praia.
Sabe de Janaína? (Trinity)
Deixei os mapas das ilhas na casa e fomos ver de construir nosso ninho. (Zeiro)
Ninho? (Trinity)
Janaína nos deixou ficar com o teatro. (Zeiro)
Ah, ninho tipo casa? (Trinity)
Você quer dizer casa tipo ninho? (Zeiro)
Foi mal. A casa de Janaína ficou no mesmo lugar? (Trinity)
Sim. Conseguem chegar? (Zeiro)
Acho que sim. (Trinity)
A minha casa... Também... (Michele)
Você era daqui? (Zeiro)
Sim. (Michele)
Não houve sobreviventes ao que aconteceu aqui. (Zeiro)
Michele baixa a cabeça.
O que fizeram com os corpos? (Trinity)
Transformamos em adubo... (Zeiro)
Que tal a gente ir indo? (Etos)
Zeiro baixa a cabeça e levanta. Voa.
Quem eu conheci ou virou comida de pégasos, ou adubo. (Michele)
Talvez não tenha sido a melhor ideia do mundo você vir pra cá. (Trinity)
Que tal a gente ir encontrar Janaína? (Etos)
Etos segue andando em direção a Hera. Trinity segue. Michele suspira e vai também.
Shy está em uma cama. Acorda. Senta-se. Se espreguiça. Dhauire entra no quarto. Estende o braço.
Bom dia. (Shy)
Precisa se alimentar. (Dhauire)
Algum problema? (Shy)
Longe de mim negar sua autoridade... (Dhauire)
Não sou autoridade. Não precisa se rebaixar de forma alguma. (Shy)
Então precisa se alimentar antes de eu falar. (Dhauire)
Shy se levanta. Pega o pulso de Dhauire e morde. Bebe alguns segundos. Solta. Dhauire lambe o pulso, que cicatriza em seguida, sumindo a cicatriz em instantes.
Alguém conseguiu entrar em Zorana. (Dhauire)
Como sabem? (Shy)
Perturbações nos nossos céus. (Dhauire)
As crianças estão seguras? (Shy)
As nascidas e as nossas estão já no centro, trancamos já. (Dhauire)
Os relatos estão sendo escritos já? (Shy)
Cada detalhe do que achamos. (Dhauire)
Minhas armas? (Shy)
Estão preparadas. E os encantamentos já estão em andamento. (Dhauire)
O sinal para Argo? (Shy)
Está pronto para quando decidir. (Dhauire)
Se decidir. (Shy)
Shy sai do quarto, Dhauire segue.
Etos sai da casa. Levanta um sinalizador e atira. No teatro, Pégasus olham. Zeiro levanta voo. Atravessa Ares. Pousa no jardim da casa de Janaína.
Alguma chance de Janaína ter saído das ilhas? (Etos)
Não sei. Mas é pouco provável. (Zeiro)
Os mapas que mandou foto... (Etos)
Nós que fizemos. Aparentemente não sabia que havia subterrâneo nas ilhas. (Zeiro)
Tem alguma coisa perigosa no subterrâneo? (Etos)
Não. Apenas Padoi. Colocamos no terceiro. (Zeiro)
Mas Padoi morreu, certo? (Etos)
Pelo que entendi, sim. (Zeiro)
Porque não comeram Padoi? (Etos)
Tava morto fazia tempo. Tentamos queimar, mas não queimava. Então colocamos num lugar seguro. (Zeiro)
E ninguém pode ressuscitar, certo? (Etos)
Eu não sairia afirmando nada desse tipo. (Zeiro)
Janaína pode ter descido? (Etos)
Por que faria isso? (Zeiro)
Etos suspira.
Como eu desço? (Etos)
Terceiro subsolo. Trinity sai do elevador. Etos sai atrás. Michele em seguida.
E aí, esquerda ou direita? (Michele)
Trinity olha o celular. Segue para a esquerda, até a virada. Para. Olha para as portas. Conta com o dedo. Segue em direção a uma porta. Etos e Michele vem atrás. Etos fareja o ar. Abre mais os olhos. Acelera e entra em uma porta. Dá passos para trás, saindo novamente. Trinity para. Etos olha para Trinity. Michele entra no lugar. Abaixa perto do corpo de Janaína. Vira. Trinity entra. Coloca a mão na frente da boca. Do lado de fora, Etos senta no chão. Michele levanta e vai até um caixão. Abre. O corpo de Padoi. Fecha. Olha para Trinity.
A gente precisa enfiar isso no ponto mais fundo do oceano. (Michele)
Vai estar mais seguro aqui. (Trinity)
Alguém veio aqui tentar tirar Padoi. Não foi Padoi quem matou Janaína. (Michele)
Trinity fecha os olhos. Sai lágrimas dos cantos dos olhos. Trinity deixa cair o braço. Etos levanta, vai até Trinity, vira e abraça. Michele abaixa no chão, pega o corpo de Janaína no colo. Levanta. Sai. Trinity se afasta.
Alguém queria Padoi. (Trinity)
Mandaram mensagem dizendo que Clítia quem levou Zenon. (Etos)
Porque faria isso? (Trinity)
Mataram Juliana. (Etos)
Quem é Juliana? (Trinity)
Quem pariu a criança de Alan. Clítia transformou. Parece que tavam vivendo em paz sei lá onde, mas Alan e Zenon chamaram, pra matar Juliana e Clítia. (Etos)
Trinity balança a cabeça para os lados. Chuta a porta, arrancando do lugar. Limpa os olhos. Sai. Etos segue.
MEAK, uma semana depois. Michele e Aléxis entram, de mãos dadas. Em seguida, Trinity, depois Murilo e Etos. Então Soraia e Alan. Dionísio entra. Derik, Fábio, Kat e Beleno por último. Kat fica de costas para o balcão. As outras pessoas se sentam.
A gente perdeu mais duas pessoas. (Kat)
Trinity olha para Alan. Alan baixa a cabeça.
Talvez até três. (Kat)
Tomara. (Trinity)
Precisamos achar Clítia. Nenhum sonho ainda, Dionísio? (Kat)
Nada. Não pelo que você diz, ou Louis dizia. Dá pra saber, não dá? (Dionísio)
Dá. (Kat)
Soraia se levanta.
Eu... Preciso contar uma coisa... (Soraia)
Vai em frente. (Kat)
Eu... Eu tô... (Soraia)
Alan endireita o corpo.
Doente?! (Alan)
Grávida. (Soraia)
Ah... Ah?! (Alan)
Kat cruza os braços.
Não precisa se envergonhar se precisa se cuidar. (Kat)
Por isso precisava falar. Eu não... Não posso continuar aqui. (Soraia)
Pelo mesmo motivo que tiramos as crianças. (Kat)
Soraia coloca a mão no ventre.
Tem grandes chances de eu perder, na verdade. (Soraia)
Se isso acontecer, a gente vai estar aqui pra te ajudar. (Dionísio)
Então a gente vai embora? (Alan)
Não. Soraia vai. Você vai ficar e resolver a merda que fez. (Trinity)
Alan olha para Soraia.
Se não fizer isso, não quero você do meu lado. Não vou dizer pra minha criança que o pai dela fez merda e fugiu. (Soraia)
Alan baixa a cabeça.
Eu vou com você. (Fábio)
Alan olha para Fábio.
Obrigado. (Alan)
Soraia sai. Fábio segue.
Noite. Dionísio levanta. Vai até a cozinha. Pega um copo de água.
Não consegue dormir? (Alan)
Dionísio olha para Alan.
Fica um pouco mais difícil quando quer se forçar a dormir para prever o futuro. (Dionísio)
Aléxis e Michele já trouxeram as coisas. (Alan)
A gente devia era fazer uma grande república. Morar todo mundo junto. Ia ser mais fácil de resolver as tretas. (Dionísio)
E de Trinity me rasgar a garganta no meio da noite. (Alan)
Não tinha pensado nisso. (Dionísio)
A gente já teve isso. Consegui até ser expulso por Mel. (Alan)
E o que houve? (Dionísio)
Derik derrubou com um feitiço. (Alan)
Nossa. Divertido. (Dionísio)
Será que foi uma boa ideia jogar as cinzas no lago, onde Edmont está? (Alan)
Não sei onde Beatrice está, mas, pelo que dizem, gostaria de estar com Mel. E Angely. E mesmo Edmont. (Dionísio)
Fico pensando em Kat ter perdido a família toda. (Alan)
Como conseguiu matar Juliana? (Dionísio)
Era o certo a fazer. (Alan)
Isso não faz sentido! (Dionísio)
Vindo de alguém que trepa vampiros ao invés de matar, imagino que não faça mesmo! (Alan)
Alan sai da cozinha. Dionísio suspira.
Até que não sou mesmo o pior ser humano que podiam escolher. (Dionísio)
Dionísio bebe o copo d'água, pousa o copo na pia e sai.
Kat passa a mão na cabeça de Aurium. Aurium abre os olhos. Abana o rabo.
Não quer tentar dormir em forma humana hoje? (Kat)
Aurium choraminga.
Tô com saudade de dormir com você. (Kat)
Aurium levanta. Se sacode. Vira Derik. Fica em pé.
Sinto mais sono em forma canina. (Derik)
Vamos tentar pelo menos. (Kat)
Kat deita na cama. Derik deita ao lado de Kat. Abraça Kat.
Beleno está no alto de um prédio, com uma garrafa quase vazia na mão. Vira para trás, olhando para Trinity e Etos, que estão com garrafas também, próximo a um latão com fogo dentro.
Já contei pra vocês que beijei Rust? (Beleno)
Não. Essa é novidade. (Etos)
Rust lembra Beatrice. (Beleno)
Se você diz... (Trinity)
É sério. Tem alguma coisa. (Beleno)
Eu pegaria Rust. (Etos)
Tem alguma coisa que você não pegaria?! (Trinity)
Ei, coisa não, aí tá esculhambando! (Etos)
Será que eu sou gay? (Beleno)
Se sente atração por mulheres, não, é bi. (Trinity)
Pera, cê não pode falar muita coisa, não pega homem, mas seu filtro pra mulher quase não existe! (Etos)
Não pegando homem já é um filtro bem bom. (Trinity)
E você já beijou um cara! (Etos)
Eu não sabia que era um cara, não conta! (Trinity)
Trinity vira a garrafa.
Nem a pessoa sabia. E tava com gosto de Janaína. (Trinity)
De quem ceis tão falando? (Beleno)
Murilo. (Etos)
Pera, conta como um cara se não era um cara? (Beleno)
Era um cara. Só que ninguém sabia. (Trinity)
Eu sabia. (Etos)
Então devia ter me contado! (Trinity)
Como sabia? (Beleno)
Depois de tantos anos de vida você começa a reconhecer padrões em pessoas. (Etos)
Eu sou bi? (Beleno)
Isso não precisa de anos de vida, não, cê catou Rust! (Trinity)
Foi só um beijo! (Beleno)
Quem parou foi você ou Rust? (Trinity)
Beleno vira a garrafa. Tira da boca. Vira de ponta cabeça. Joga a garrafa dentro do latão. Trinity estende a garrafa, Beleno pega e bebe.
Quis beber porque deduziu que é? (Trinity)
Não. Porque, com a minha sorte, ainda vou me apaixonar por esse desgraçado. E ele não vai me querer também. (Beleno)
Boas vindas ao mundo de se apaixonar pelo que o mundo acha que devia ser sua comida. (Etos)
Não vale. Não consigo transformar vocês em pégasus. (Beleno)
Eu ia adorar ter esse par de asas. (Etos)
Meu deus, Etos, calma, mal saiu do armário e cê já tá querendo botar na sua cama! (Trinity)
Beleno franze a sobrancelha. Vira a garrafa de novo.
Aléxis e Michele estão na cama, sem roupas. Olham para o teto.
Acha que vamos conseguir salvar Zenon? (Michele)
De Clítia ou do espírito? (Aléxis)
Dos dois. (Michele)
Talvez. (Aléxis)
Bem que Dionísio podia sonhar logo com isso. (Michele)
Se ele não está sonhando, quer dizer que não tá acontecendo nada? (Aléxis)
Os celulares fazem barulho. Michele e Aléxis se entreolham. Sentam e pegam os celulares.
Kat entra no quarto, com um copo de água. Entrega a Derik. Derik pega a bebe. Coloca o copo na cabeceira.
Não tem chance de eu estar confundindo? (Derik)
Eu duvido. (Kat)
Então, no final das contas... (Derik)
Deve ter ficado com você. (Kat)
Será que intepretamos errado? (Derik)
A gente precisa primeiro resolver o que houve. Depois descobrimos isso. (Kat)
Zorana. (Derik)
Shy está em perigo? (Kat)
Shy morreu. Tem coisas... Escritas pra Argo. Não deu tempo de dar o sinal para Argo. (Derik)
Que sinal? (Kat)
Não sei. Mas precisamos achar Argo. (Derik)
Algo no sonho de onde encontramos? (Kat)
A localização exata, o que é bem bizarro. (Derik)
Agora você entende como é. (Kat)
Um bar. Etos entra. Rodrigo olha para Etos e dá passos para trás.
Vim em paz dessa vez. (Etos)
Rodrigo se aproxima.
Argo disse para tomar cuidado com você. (Rodrigo)
Imagino. Não fui muito legal da última vez. (Etos)
Eu não acho que caiba um eufemismo no que fez. (Rodrigo)
Uma cria de Argo com raiva ia ser novidade. (Etos)
Rodrigo fecha os olhos, bufa e abre.
O que quer? (Rodrigo)
Argo está aqui dessa vez? (Etos)
Só estava aqui da outra vez porque seguiu a rota de sangue de vocês. (Rodrigo)
Não costuma vir aqui? (Etos)
Não. (Rodrigo)
Etos olha para uma escada. Argo está descendo.
Realmente não costuma, mas dessa vez está. (Rodrigo)
Etos vai até Argo.
Você não tá com cara de quem veio tirar vantagem de algo. Isso nunca é bom. (Argo)
É sobre Shy. (Etos)
Que houve? (Argo)
Invadiram Zorana. Não sabemos quantas pessoas mataram. (Etos)
Shy protegeria todo mundo. (Argo)
Shy... Foi a primeira pessoa. (Etos)
Argo olha para o teto. Rodrigo se aproxima. Argo olha para Rodrigo.
Precisamos de todo mundo em armas. Vamos descer. (Argo)
Todo mundo aqui? (Rodrigo)
Todo mundo de verdade. (Argo)
Escadaria de Zorana. Argo sai. Em alguns minutos, todo seu exército está fora. Um pássaro pousa no ombro de Argo. Voa. Argo segue. Faz sinal para que esperem. Chega a uma grande construção. Coloca a mão na porta, se vê do lado de dentro. Muitas crianças olham para Argo. Abrem caminho. Dhauire está no chão, com faixas ao redor do abdomen, sangue ao redor. Argo se abaixa.
O que houve? (Argo)
Os detalhes as crianças te contarão. Não tenho muito tempo. (Dhauire)
Que te fizeram? (Argo)
Consegui fugir de me morderem. Mas acho que toda a nossa descendência, nascida e nativa, tá aqui dentro agora. (Dhauire)
Vampirs? (Argo)
Parecia muito pior. Só um deles era racional, o que chegou aqui. Quem ele mordeu, e que mordeu outros depois... Monstros sem controle... (Dhauire)
E Shy? (Argo)
Foi quem mordeu primeiro. Mas consegui impedir que virasse monstro. (Dhauire)
Dhauire estende o pulso.
Não é honroso morrer desse jeito. Se eu vou morrer, que minha força fique com você, para que limpe nosso reino. (Dhauire)
Argo pega o pulso de Dhauire. Morde. Dhauire suspira. Fecha os olhos aos poucos. As crianças se sentam no chão. Dão as mãos. Fecham os olhos. Começam a cantar baixo. Argo solta o pulso de Dhauire. Levanta. Volta até a porta e a toca. Está do lado de fora. Etos está ali.
Agradeço por ter nos avisado. Conseguiremos salvar ao menos as crianças. (Argo)
Precisa de ajuda? (Etos)
Preciso. Preciso que pegue quem fez isso, do lado de fora. Teremos trabalho aqui, não sei quando conseguiremos sair. (Argo)
Como sabe que saiu? (Etos)
Rust me disse o que aconteceu nas ilhas. Shy era a primeira criatura nascida. Mesmo tendo reencarnado, quem veio aqui veio pra garantir que não tinha chance de Shy derrotar Padoi de vez. Talvez ainda dê para trazer de volta. Ou talvez tenha pego o sangue de Padoi e se tornado cria, mas pode só ter infectado quem estava aqui. Fez aqui o que aconteceu lá. Mas não veio para ficar aqui. (Argo)
Vou avisar as pessoas. (Etos)
Agradeça por mim. (Argo)
Etos baixa a cabeça e levanta. Segue na direção da escada.
Dionísio está na sala da MEAK. Deitou-se no chão, está de olhos fechados. Abre novamente. Senta.
É, não. (Dionísio)
Dionísio levanta. Derik deita no lugar. Kat cruza os braços. Murilo engole seco.
O que a gente fez de errado? (Murilo)
Derik levanta. Olha para Kat.
Também não consegui. (Derik)
Conseguiu, sim. (Renata)
Derik olha para Renata. Olha para baixo, vê seu corpo.
Você... Mentiu pra gente. (Derik)
Eu tive que fazer isso. O que Katerine fez não deveria ser feito. (Renata)
Ter me protegido? (Derik)
Misturou os dois poderes. Usou a projeção com o sonho, para interferir. Isso é demais. Nem deveria conseguir fazer isso. Mas Kat é diferente. (Renata)
Por ser atlante? (Derik)
Não é só isso. Não sei tudo, não sei quase nada, mas nem o que sei posso dizer. (Renata)
Então não podemos devolver o poder a Kat. (Derik)
Não conseguiriam. (Renata)
Por que eu fiquei com isso, ao invés de Dionísio? (Derik)
Porque era o que Katerine queria. (Renata)
Como assim? (Derik)
Não era uma vontade consciente. Mas, se fosse para passar para alguém, seria para você. (Renata)
Renata começa a sumir.
Espera... (Derik)
Não posso. Está na minha hora. Já até demorei demais. (Renata)
Derik abre os olhos em seu corpo. Puxa o ar forte. Kat está a seu lado.
Tudo bem? (Kat)
Sim. (Derik)
Derik se senta. Olha para Dionísio. Dionísio sai da sala. Olha para Kat.
Você tá com raiva de mim? (Derik)
Fiquei, no começo. (Kat)
Kat se levanta e senta no sofá. Derik se senta ao seu lado. Kat suspira.
Não queria ficar sem meus poderes. Mas essa coisa que veio... (Kat)
A mesma coisa que Mel tem? (Derik)
A mesma coisa que matou Mel. (Kat)
Eu tô aqui, agora consigo até sair do corpo pra te segurar. (Derik)
Kat sorri. Olha para baixo.
Não sabemos se vai ser assim. (Kat)
Derik baixa a cabeça. Kat olha para Derik.
Mas foi melhor assim. (Kat)
Derik olha para Kat.
Renata foi embora. Falou comigo antes, foi o que a gente tava achando mesmo. Porque acha que foi melhor assim? (Derik)
De qualquer forma, eu tô assumindo o lugar de Mel. Não podia ficar como vidente também. (Kat)
Kat se levanta do sofá.
E, se eu precisasse escolher alguém para dar isso, alguém que eu confiasse, que eu achasse que pode fazer isso... (Kat)
Derik levanta.
Você me escolheria. (Derik)
Kat olha para Derik.
Renata. (Derik)
Falou algo de Zenon? (Kat)
Não. Mas só por ter falado comigo, por ter ajudado a gente... (Derik)
Zenon quem matou Naian. (Kat)
Vamos falar com Alan? (Derik)
Sim. Só não sei se vai acreditar. (Kat)
Pode ter sido o espírito ruim. (Derik)
Sendo ou não, precisamos acabar com isso. Antes que fira mais alguém. (Kat)

Resumo do Capítulo

Murilo, Derik e Aléxis decidem a quem transferir o poder de Kat. Fazem uma lista de deduzem que a única pessoa possível é Dionísio. Derik pergunta a Kat. O livro vai até a página do feitiço. Ligam para Dionísio. Beleno acorda. Fala com Rust. Beija Rust, mas Rust se afasta. Fala para Beleno voltar a MEAK. Aléxis percebe sangue de Clítia também na cela onde Zenon estava. Liga para quem está indo as ilhas, pede que fale ao grupo de pégasus que tentar encontrar Clítia serve. Aléxis percebe a gravidez de Soraia. Dionísio pede a Soraia que vá junto a MEAK. Fazem o feitiço de transferência de poder para Dionísio, mas Derik sente algo. Kat acorda, em fúria. Diz que Renata quem respondeu virando as páginas do livro. E que percebeu algo antes de morrer. E que esqueceu o que tinha visto no sonho, depois de fazerem o feitiço. Trinity, Michele e Etos chegam às ilhas. Em Zorana, alguém entra sem permissão. Etos pergunta a Zeiro sobre Janaína. Usando os mapas, Trinity, Michele e Etos descem. Encontram o corpo de Janaína. Soraia conta a todo mundo da gravidez e vai embora, para se cuidar. Fábio vai junto. Alan comenta de terem jogado as cinzas de Beatrice no lago. Beleno conta a Trinity e Etos que beijou Rust e diz que Rust e Beatrice se parecem, de alguma forma. Derik sonha com o que houve em Zorana, e diz que precisam falar com Argo. Etos fala com Argo. Argo vai com seu exército a Zorana. Sem transformação, restaram apenas as crianças, e uma pessoa nativa, quase morrendo, para contar o que houve. Argo diz que acha que alguém apenas veio ali e infectou todo mundo, por Shy ser primeira criatura nascida, para garantir que não houvesse chances de derrubar Padoi. Derik usa o poder de sair do corpo. Encontra Renata. Renata diz que Kat foi de fato longe demais, misturou a projeção com o sonho, e que nem deveria conseguir fazer isso. E que o poder ficou com Derik porque, inconscientemente, Kat preferiria isso. Quando Derik volta ao corpo, Kat confirma.

Dara Keon