Daxlidan
MEAK
C09

Daxlidan ler resumo

Uma porta se abre, pouca luz entra. A luz acende. Etos suspira. Olha para suas armas. Sai. Volta com o machado. Vai até uma ponta da linha da machados. Pendura no espaço vazio. Olha para o machado, franze a sobrancelha, puxa o ar forte com a boca entreaberta. Solta o ar de leve.
Pode soprar. (Rust)
Você nunca gostou de Andrews. (Etos)
Aqui o nome era outro. (Rust)
Mas aqui você não conheceu. (Etos)
Duvido que fosse gostar. (Rust)
Não sei também. (Etos)
Etos olha para Rust.
Eu ainda tava lá? (Etos)
Rust olha para o machado.
Fiquei sabendo que precisam de ajuda com Padoi. (Rust)
Acha que Virgine ajudaria? (Etos)
É a minha ajuda que eu tô oferecendo. (Rust)
Te passou pela cabeça que Aléxis transformou Virgine do mesmo jeito, mesmo sem a sua interferência? (Etos)
Rust franze a sobrancelha. Desfranze.
Já tinha esquecido como você e Kassandra tinham tanta proximidade. (Rust)
Etos dá um meio riso. Rust fecha os olhos. Abre de novo.
Poderia falar no passado porque Kassandra morreu. (Rust)
Kassandra morreu pouco antes das pessoas virem pra cá. Se tinha esquecido, é coisa de tempos. (Etos)
Etos se aproxima de Rust, olhando nos olhos. Chega a um palmo.
E você é a variável diferente. Foi você quem me matou? (Etos)
Mais ou menos isso. (Rust)
Etos coloca a mão no rosto de Rust. Rust fecha os olhos.
Porque eu duvido? (Etos)
Rust pega a mão de Etos e tira de seu rosto.
Não vou deixar que Melody tenha morrido e essa coisa fique por aí. (Rust)
Etos passa por Rust e sai. Rust vai até o machado, assopra as cinzas. Passa a mão para limpar o resto. Volta para a porta, apaga a luz, sai e fecha a porta.
Derik abre os olhos. Se senta na cama. Kat se senta também.
Tem razão. A vontade que dá é de deitar de novo, mas dormir de verdade dessa vez. (Derik)
Que houve? (Kat)
Aqua levou Michele pra Argo. Acho que foi por instrução de Aléxis, mas não diretamente. (Derik)
Argo entende alguma coisa disso? (Kat)
Talvez. Acho que foi Argo quem criou Daxlidan. (Derik)
Sério? (Kat)
Não sei de onde eu tirei isso, mas... (Derik)
Eu entendo. (Kat)
A sensação é melhor quando li as coisas em algum livro. (Derik)
Argo conseguiu limpar Zorana? (Kat)
Sim. (Derik)
E Aqua está em Zorana com Michele? (Kat)
Não sei como vamos chegar lá. (Derik)
O que viu no sonho? (Kat)
Michele em uma cama. Aqua ao lado, solas dos pés juntas e coladas no corpo, braços estendidos, sobre Michele, com as palmas pra baixo. Acho que tava tentando curar Michele. O resto é só... Como se alguém tivesse me contado. (Derik)
Será que alguém sabe como contatar Argo? (Kat)
Kassandra talvez. A gente já apelou antes. (Derik)
Lá Kassandra queria saber alguma coisa da gente. Viu alguma coisa do nosso futuro. Mas não disse. (Kat)
A gente tem uma moeda de troca então? (Derik)
Mel, Angely e Edmont, que foi o que Kassandra viu, já não tão mais por aqui. Não sei se tem algo que Kassandra queira saber de mim. (Kat)
Podemos pedir pra Etos achar. (Derik)
Ok. Vou mandar mensagem pra Murilo. (Kat)
Kat levanta da cama, pega o celular em uma cômoda. Derik levanta.
Não quer dormir de verdade? (Kat)
Preciso de água. (Derik)
Derik sai do quarto. Kat mexe no celular. Depois devolve. Deita de novo. Levanta. Vai até a cozinha. Derik está com o copo de água, olhando pela janela. Kat abraça Derik pelas costas.
Maçã. (Kat)
Que? (Derik)
É melhor que água, tem gosto. E te dá alguma coisa pra mastigar e arrancar pedaço. (Kat)
Derik pousa o copo de água na janela. Abraça os braços de Kat e encosta a cabeça para trás.
Quando cê ficou com mais altura que eu? (Derik)
Kat sorri.
Não lembro de ter tido menos. (Kat)
Fábio está olhando para a aliança. Vira no dedo. Toca um celular na outra cabeceira. Murilo se senta na cama. Pega o celular.
Não tem problema mesmo eu ficar aqui? (Fábio)
Não tem ninguém pra ter ciúmes. Pediram pra eu chamar Etos. (Murilo)
Pra que? (Fábio)
Acho que, já que o Grupo se recusa a mexer a bunda, tão apelando. (Murilo)
Deixar Zenon com Alan não é meio que amarrar cachorro com linguiça? (Fábio)
Trinity tá lá também. (Murilo)
Mas isso não é tacar fogo no cachorro e na linguiça junto? (Fábio)
Murilo encolhe e solta dos ombros.
Beleno vem? (Murilo)
Deve voltar de mais uma tentativa de achar Padoi e Clítia em algum momento. (Fábio)
Fábio deita. Murilo também.
Acha mesmo que foi Clítia quem jogou Aléxis e atirou em Etos? (Fábio)
Me pareceu um vestido embaixo da capa. Aléxis tentou dizer que não era Padoi. (Murilo)
E Zenon ficou no carro. (Fábio)
Bom, essa parte você confirmou, fez dizer com todas as palavras exatas. (Murilo)
Não consigo ter pena de Clítia. Mas não consigo parar de pensar em Ísis. (Fábio)
Murilo levanta o corpo e olha para Fábio.
Pera, Trinity... (Murilo)
Tem dois motivos pra odiar Alan. (Fábio)
A gente tacou fogo na linguiça e no cachorro com um lança-chamas. (Murilo)
Murilo deita.
O clima deve estar leve lá. (Murilo)
Argo está em uma sala com alvos. Está com arco e flecha, apontado para um alvo. Gimu entra. Argo baixa a arma.
Uma pessoa está aqui. Não sei como entrou, mas veio em paz. Eu acho. (Gimu)
Onde? (Argo)
No parque. (Gimu)
Veio só? (Argo)
Veio com outra pessoa. Mas não consciente. (Gimu)
Argo fecha os olhos, suspira, abre. Pousa arco e flecha no chão. Sai. Gimu segue. Argo e Gimu atravessam um corredor. Saem da edificação. Andam pela cidade. Chegam a um lugar arborizado. Aqua olha para Argo. Seus olhos brilham como fogo. Argo coloca o braço na frente de Gimu. Os olhos de Aqua voltam ao normal.
Kassandra entende de magia, mas me disse que você entende mais de cura. (Aqua)
Argo olha para Michele, no banco de pedra.
Lish. (Argo)
Sim. Ainda vive. (Aqua)
Eu sei. Quem foi? (Argo)
Padoi ou alguém que levou o corpo. (Aqua)
Argo baixa o braço.
Por que? (Argo)
Pode ser que Lish possa matar Padoi de vez. (Aqua)
Argo suspira.
Vem comigo. (Argo)
Argo caminha na direção oposta de onde veio. Aqua olha para Michele.
Deixa que eu cuido. (Gimu)
Aqua olha para Gimu. Vai até Argo. Segue ao lado.
Você sabe que quem fez isso com Lish esteve aqui? (Argo)
Não. (Aqua)
Isso quer dizer que pode entrar de novo. (Argo)
Os olhos de Aqua acendem.
Vai ter que desfazer o feitiço e vamos saber na hora que começar a tentar quebrar. (Argo)
Os olhos voltam ao normal.
Onde a gente tá indo? (Aqua)
Quando esteve aqui, essa criatura estava aqui pra matar Shy. Shy enfrentou. Aparentemente a luta foi bem feia. (Argo)
Shy conseguiu? (Aqua)
Não. Foi antes de Lish. (Argo)
Então não conseguiram segurar. (Aqua)
As pessoas tentaram atacar. E quase derrubaram. Até a segunda pessoa que caiu levantar. (Argo)
Todo mundo se infectou. Por isso só tem sua família aqui. (Aqua)
Nem todo mundo. (Argo)
Argo anda ainda alguns passos com Aqua. Chega a uma grande edificação. Abre as portas. É um refeitório. Incontáveis crianças. Parte albinismo, parte caninos afiados. Comem e conversam com animação. Aqua olha para as crianças. Olha para Argo.
Preciso que Lish vá embora o mais rápido possível. (Argo)
O que houve? (Aqua)
Quando a barreira se quebrou, esconderam as crianças. Cheguei aqui, encontrei anjos escondidos e demônios enfurecidos caçando para todo lado. Não sabe o que foi dizer a essas crianças que não tinham mais as famílias. (Argo)
Argo olha para Aqua.
Não derrubaram uma lágrima. Todo mundo tentou enfrentar com a coragem que só gente adulta deveria ter. (Argo)
Argo olha novamente para as crianças.
Me agradeceram por salvar elas. Matei as famílias todas, e elas me agradeceram por isso. (Argo)
Argo sai. Aqua segue.
Me dá uma direção pra seguir. (Aqua)
Não tenho. Preciso que vá embora. (Argo)
Aqua acelera, para em frente a Argo, que para. Aqua vira de costas e levanta a camiseta. Uma marca, como uma tatuagem, que parece um animal de quatro patas e focinho comprido. Argo suspira. Aqua solta a camiseta e desvira.
Você não tem escolha. (Argo)
Pode agradecer Aléxis por isso. (Aqua)
Existe alguém que tenha seu sangue ainda? (Argo)
Não. (Aqua)
Se conseguir achar alguém, pode pedir pra essa pessoa te livrar disso. (Argo)
Essa pessoa conseguiria me matar? (Aqua)
Sim. (Argo)
Não tem ninguém. O que faço quanto a Lish? (Aqua)
Só ajudo se me tirar daqui com Lish. (Argo)
Está impondo isso porque sabe que, se for o único jeito, consigo fazer em um segundo. (Aqua)
Preciso que faça isso. Pelas crianças. Cada segundo é um risco a mais. (Argo)
Os olhos de Aqua queimam. Argo e Aqua somem. Michele também. Gimu arregala os olhos. Olha ao redor.
Etos entra na MEAK. Estende o braço. Rust entra. Kat está atrás do balcão. Derik no sofá.
Querem pegar Padoi. (Rust)
Essa é a ideia. (Derik)
E vão esconder o corpo de novo para alguém achar? (Rust)
Tentaram matar Michele. A gente acha que pode resolver isso. (Kat)
E se não puder? (Rust)
Eu era a pessoa que podia fazer isso. (Kat)
E se acontecer o que aconteceu com Melody? (Rust)
Não vai. Mel já tava perto de perder o controle, e não era Mel quem deveria fazer isso, pela tal profecia. (Derik)
Como sabem que a profecia era com Melody? (Rust)
Derik franze a sobrancelha.
Padoi não ia estar atrás da pessoa errada... (Derik)
Derik olha para Kat.
Mel me disse. (Kat)
Derik franze a sobrancelha de novo.
Como Melody sabia? (Rust)
Não sei. (Kat)
A gente podia chamar Kassandra pra resolver tudo isso. (Etos)
Precisamos. Pra achar Padoi e Michele. (Kat)
Rust cruza os braços.
Não sabem onde tá Michele? (Rust)
Aqua levou, Aléxis colocou o anel no corpo de Michele. Foi pouco antes de morrer. (Derik)
Devem estar achando uma pessoa super legal agora... (Rust)
Acho que o sacrifício por Etos daria mais crédito. (Kat)
Rust olha para Etos. Olha para Kat.
Talvez Murilo, Derik e Fábio conseguissem levantar o machado. Mas não daria tempo de salvar Etos também. (Kat)
Rust solta os braços revira os olhos e balança a cabeça para os lados.
Vou falar com Kassandra. Espero que saibam o que tão fazendo. (Rust)
Se a gente não souber, você já sabe o que fazer. (Kat)
Derik engole seco. Rust sai.
E Murilo? (Etos)
Você tá sabendo que tá criando esperança na pessoa, né? (Kat)
Etos sorri.
Ninguém morre de coração partido, amor. (Etos)
Mas você podia dizer. (Kat)
Murilo sabe. (Etos)
Kat franze a sobrancelha.
Então já... (Kat)
Bom, antes gostando de você que de Alan. (Derik)
Eu nunca disse que tinha deixado de gostar de Alan. (Etos)
Quer merda, hein? (Derik)
Trinity atira dardos na parede. Uma cela ao lado. Zenon do lado de dentro, em um banco. Alan do lado de fora, sentou-se no chão.
Alan, o que a gente falou? (Zenon)
Hein? (Alan)
O que a gente fez? (Zenon)
Alan olha para Trinity. Trinity joga um último dardo, levanta, vai até a parede, pega os dardos, volta e senta, sem olhar para Alan ou Zenon. Continua atirando.
Do que você não lembra? (Alan)
Como diabos eu saberia? (Zenon)
Alan fecha os olhos e balança a cabeça para os lados. Abre os olhos. Levanta.
Eu quis dizer que pedaços tão faltando. (Alan)
Zenon olha para cima.
Eu lembro do que houve com Mel. (Zenon)
Não lembrava do que houve com Renata, certo? (Alan)
Sim. (Zenon)
E Juliana? (Alan)
Zenon franze a sobrancelha. Trinity para e olha para Zenon. Respira fundo e continua jogando dardos. Zenon olha para o chão. Levanta.
Eu não... Eu... Eu fiz? (Zenon)
Fui eu. (Alan)
Por que? (Zenon)
Não faz diferença. (Trinity)
Alan e Zenon olham para Trinity.
Quando Ísis crescer e me pedir pra te matar, vou fazer isso com gosto. (Trinity)
Trinity joga um último dardo. Sai.
Por que fez isso? (Zenon)
Você não... (Alan)
Zenon coloca as duas mãos na cabeça e cai de joelhos, apertando forte os olhos, travando o rosto. Alan se aproxima da cela. Zenon levanta.
Cê precisa me tirar aqui. (Zenon)
Que aconteceu? (Alan)
Eu já não te disse que a perda de memória é teatro?! (Zenon)
Alan engole seco.
Olha, a gente precisa sair daqui logo, e terminar o que começamos. (Zenon)
Clítia? (Alan)
Zenon olha para a porta. Olha para Alan.
Sabe que vai ter que matar ela também, não sabe? (Zenon)
Como assim? (Alan)
Zenon encara Alan. Alan baixa a cabeça. Volta a olhar para Zenon.
Vai ser melhor pra ela. Ela nem queria ser vampira. Enfim... (Zenon)
Zenon olha para a porta.
Não vamos gastar tempo com ela por agora. Tá sobre controle. Mas precisa me tirar daqui. (Zenon)
E essas dores? (Alan)
Acho que é o outro espírito tentando assumir. (Zenon)
Merda. (Alan)
Pois é. (Zenon)
Como eu faço isso? (Alan)
Vai ter que provocar Trinity. Se conseguir fazer ela se aproximar daqui, consigo dar um jeito. (Zenon)
Será que não vai acabar vindo pra cima de mim? (Alan)
Bom, aí é com você. Pode ficar perto da grade, assim, quando ela se aproximar, eu pego. (Zenon)
Mas provocar com o quem? (Alan)
Começa a dizer que hoje você sabe que o pai dela tava certo, sei lá! Seria verdade mesmo! Mulher é emotiva, é fácil. Se bem é ela é sapatão, né? (Zenon)
Eu não sei se concordo com o pai dela. (Alan)
Zenon cruza os braços.
Cara, na frente dela, aí foi demais... (Alan)
Talvez. (Zenon)
Zenon descruza os braços.
Não precisa ser verdade também. Enfim, a gente precisa terminar logo o que começou. (Zenon)
Zenon olha para baixo.
Para eu ir ser julgado por meus pecados também. (Zenon)
Zenon olha para Alan. Alan franze a sobrancelha. Desfranze. Olha para a porta. Respira fundo. Senta a um canto de novo.
Argo está mexendo uma panela. Aqua está no quarto. Anda de um lado a outro. Sai. Vai até a cozinha.
A situação é pior que imaginei. (Argo)
Tá em coma, pior, só morte. (Aqua)
Não é só físico. (Argo)
Aqua franze a sobrancelha.
Por isso não consegui resolver. (Aqua)
Argo desliga o fogo.
Alguém fez alguma coisa antes mesmo de causar a primeira lesão física. (Argo)
Argo pega uma garrafa e um funil embaixo pia.
Eu sinto cheiro de uma coisa que já senti antes. (Argo)
Sabe o que é? (Aqua)
Argo pega um pano de prato e pega a panela pelas alças.
Você se queima? (Aqua)
Não é insuportável, mas não é agradável. (Argo)
Argo despeja na garrafa o que está na panela. Pousa a panela dentro da pia, o funil também, e pega a garrafa. Vai até o quarto. Aqua segue. Abre a boca de Michele, os olhos de Aqua iluminam, o braço de Argo com a garrafa é travado.
Precisa ser quente. (Argo)
Não vai machucar? (Aqua)
É Lish. Se cura. (Argo)
Mas e se sentir dor? (Aqua)
Seria ótimo que sentisse. Mas não tenho esperança que levante gritando aqui. (Argo)
Argo olha para Aqua.
Sangue de Padoi. Foi esse o cheiro que senti. (Argo)
Os olhos de Aqua apagam.
Acha que fizeram algo pra envenenar Lish? (Aqua)
Pode até mesmo ter tentado matar Padoi do mesmo jeito que Rust me disse que Mel tentou. (Argo)
Argo vira o líquido fervendo na boca de Michele, aos poucos. O líquido desce.
Não corre risco de afogar? (Aqua)
Não importa onde o líquido vai entrar no corpo. Vai entrar nas células. Mas jogar na pele é menos eficiente. (Argo)
Argo esvazia a garrafa. Pousa na cabeceira. Senta-se na cama. Coloca uma mão na cabeça, outra no ventre de Lish. Fecha os olhos.
Isso vai limpar o sangue... (Aqua)
É uma das coisas que deveria fazer. (Argo)
Argo faz uma melodia com a boca fechada. Aqua se senta ao pé da cama.
Trinity entra na sala de novo.
Por que virou vampira? (Alan)
Não é da sua conta. (Trinity)
Era uma forma de se sentir mais perto da sua mãe? (Zenon)
Vocês tão mesmo querendo morrer mais cedo? (Trinity)
Você não precisava ter feito isso. (Alan)
Fala isso pra Edmont. (Trinity)
Faz ideia de porque usou o sangue de Beatrice? (Zenon)
Como assim? (Trinity)
É a única explicação pra parecer que foi Beatrice quem te transformou. (Zenon)
Foda-se. Tanto faz pra mim. (Trinity)
Não fica com medo de perder o controle e acabar machucando alguém? (Alan)
Trinity cruza os braços.
Depois do que você fez com Murilo, vai ter mesmo a cara de pau de querer me dar essa lição de moral? (Trinity)
Alan olha para a janela.
É diferente. (Alan)
Tem razão. Você escolheu ser um saco de bosta. Se eu fizesse isso, ia ser por instinto. Você é só babaca mesmo. (Trinity)
Você já beijou ela, se achasse que é homem mesmo, não ia mais ser golden star. (Zenon)
Trinity descruza os braços, franze os olhos e, com os braços dobrados, vira a palma pra cima.
Cara, você devia parar de assistir TV. (Trinity)
Não existe isso? (Zenon)
Alan olha para Trinity. Trinity solta os braços e revira os olhos.
Você realmente acha que eu me importo mais com afirmar minha sexualidade do que com o bem estar de outro ser humano? Eu posso até vestir roupas masculinas, mas não tô querendo fazer cosplay de macho nesse nível. (Trinity)
Mas você só pega mulher mesmo? Nunca tentou sair com um cara? (Alan)
Cara, vocês são inacreditáveis! Por mim já eram, mas vocês acreditam mesmo que eu quero conversar com vocês sobre a minha intimidade?! (Trinity)
Zenon senta.
Tô com fome. (Zenon)
Foda-se. (Trinity)
Eu pego... (Alan)
O que tem aí é meu. (Trinity)
Não posso pegar pra Zenon? (Alan)
Você pode ir buscar seja lá onde estiver. (Trinity)
Se eu sair daqui, você mata ele. (Alan)
Olha só, a criatura até que pensa. (Trinity)
Se quer tanto a gente morto, porque não mata então? (Alan)
Por que aí eu vou estar matando parente de duas pessoas que não merecem. (Trinity)
Deixa quieto, Alan. (Zenon)
Eu posso te alimentar. (Alan)
Zenon franze a sobrancelha.
Tá falando do... (Zenon)
Meu sangue. Peço pra alguém trazer daxlidan depois. (Alan)
Tá. (Zenon)
Alan franze a sobrancelha. Desfranze. Se aproxima da cela. Coloca o braço dentro. Zenon pega e morde. Alan trava os dentes. Zenon bebe algum tempo.
Zenon... Não tá... (Alan)
Alan tenta puxar o braço, Zenon segura. Trinity ri.
Me ajuda, ele não quer soltar!!! (Alan)
Trinity revira os olhos e se aproxima. Zenon solta Alan, puxa Trinity pela roupa, acertando a cara contra a grade, depois joga contra a parede, acertando a cabeça e caindo no chão. Alan se afasta.
Pronto. Agora pega a chave. (Zenon)
Alan olha para Trinity, olha para o braço, olha para Zenon.
Cê aceitou rápido demais. (Alan)
Zenon solta os braços.
Cê tá de sacanagem comigo que não era um plano?! (Zenon)
Mas cê podia ter... Sei lá... Pelo menos fingido... (Alan)
Para de frescura, a gente ia derrubar ela em seguida, e ela não acha que sou do lado certo, fingir pra que? Vai ficar fazendo charme?! Não vai demorar pra ela levantar, porra, vai logo! (Zenon)
Alan abaixa perto de Trinity. Pega um molho de chaves. Abre cinco cadeados e uma fechadura. Abre a porta. Zenon sai.
Eu vou sair. Você vai dizer, não na frente do Fábio, obviamente, que Clítia entrou aqui e me levou. (Zenon)
Clítia te levou mesmo da outra vez? (Alan)
Levou. Por isso que as pessoas vão acreditar dessa vez. Diz que eu fiquei tentando te catar, como se fosse feitiço, caí com um tranquilizante e Clítia apareceu. E te derrubou. (Zenon)
As pessoas não vão acreditar que ela me derrubou, só tem a mordida no braço. (Alan)
Que bom que percebeu isso sozinho, vai ser mais fácil. (Zenon)
Zenon dá um soco em Alan. Alan cai no chão. Coloca a mão no rosto. Olha ao redor. Zenon não está mais.
Rust entra em um quarto. Kassandra está penteando o cabelo.
É bom te ver em pé de novo. (Kassandra)
Precisamos achar Padoi. (Rust)
Eu adoraria que isso fosse acontecer em um futuro próximo. (Kassandra)
Viu alguma coisa que Padoi vai fazer? (Rust)
Não sei porque ainda me pergunta. Sabe que, ou não vai acreditar, ou não vai conseguir impedir. (Kassandra)
Pode nos dizer onde Padoi tá agora. (Rust)
Posso. E também posso piorar as coisas. (Kassandra)
Kassandra vira para Rust.
Falou coisa que não devia pra Etos. (Rust)
Não. Acho que fiquei na beira. Com tantos anos, você começa a saber quando tá abrindo mais do que deveria. (Kassandra)
Kassandra sorri.
O bom é que, ao invés de esperar para lamentar, você pode aproveitar enquanto tem o que sabe que vai perder. (Kassandra)
Quem a gente vai perder? (Rust)
Não é Virgine, relaxa. Ao menos não num futuro próximo. (Kassandra)
Rust olha para baixo.
Etos? (Rust)
Kassandra sorri. Levanta. Vai até Rust. Toca-lhe o rosto.
Etos veio me fazer perguntas sobre o futuro também. Parece que não aprendem. (Kassandra)
Você tá mais frágil do que eu lembrava. (Rust)
Você trouxe bastante coisa pra mim. Nem faz ideia. (Kassandra)
Kassandra passa por Rust e vai em direção a porta.
Não vai ajudar? (Rust)
A dificuldade de achar Padoi é porque, com tantas partes que juntaram em uma só coisa, deixa um pedaço de espírito quando deixa um pedaço do corpo. (Kassandra)
A coisa que Etos falou de Zenon, do segundo espírito, pode ser isso? (Rust)
Kassandra abraça Rust pelas costas.
Uma das coisas que me trouxe foi saudade de você. Eu não te conhecia antes, mas foi como se conhecesse, e como se tivesse te perdido. (Kassandra)
Pode nos ajudar a encontrar todas as partes? (Rust)
Será que é mesmo o que querem? (Kassandra)
Eu já perguntei isso. Não sei se vai sobrar alguém. (Rust)
C'est la vie. É a vida. (Kassandra)
Argo está ainda com Michele. Segura as mãos agora, ainda a melodia. Está com olheiras, a pela mais pálida. Abre os olhos.
Aqua... (Argo)
Aqua entra no quarto.
Sua voz tá fraca... (Aqua)
Preciso que leve Michele daqui. (Argo)
Como assim? Terminou? (Aqua)
Não completamente. Mas acho que acharam. (Argo)
Eu vou tirar vocês... (Aqua)
Não. Por causa do feitiço, vai precisar de mais força pra levar Michele. (Argo)
Pra onde eu levo? (Aqua)
Pro lugar onde vai estar mais em segurança. Sem eu continuar, vai levar mais tempo, mas acho que já consegue se recuperar. (Argo)
E que lugar é esse? (Aqua)
Pra junto de Katerine. (Argo)
Aqua franze a sobrancelha.
Não dá tempo de explicar. (Argo)
Os olhos de Aqua iluminam. Aqua fecha os punhos.
Eu disse. Precisa se concentrar mais. (Argo)
Aqua cerra os dentes. Aqua e Michele somem. Argo se levanta. Anda devagar até a sala. Passa, vai para a cozinha. Vai até a geladeira. Pega uma garrafa de tequila. Senta na mesa. Coloca tequila em um copo na mesa. Olha para baixo. Olha para a garrafa. Pega a garrafa, coloca a boca em sua boca. Bebe toda a garrafa.
Aceita uma bebida? (Argo)
Uma pessoa de capuz está na porta. Vem até Argo.
Está bem. (Argo)
Argo vira o copo.
Sabe que isso não vai durar muito tempo, não sabe? (Argo)
Silêncio. Argo levanta. Inclina o pescoço. A pessoa se aproxima. Morde. Alguns segundos, segura o corpo de Argo.
Lynn... (Argo)
Argo fecha os olhos. Mais alguns segundos. O corpo de Argo cai no chão. A pessoa sai.
Kat está no quarto da MEAK. Um barulho de baque no chão. Vai até a sala. Se abaixa perto de Aqua. Vira. Está de olhos fechados. Vai até a cozinha. Pega um copo, coloca água, volta. Levanta o tronco de Aqua. Aqua abre os olhos. Kat aproxima o copo da boca de Aqua e vira devagar. Aqua bebe. Kat pousa o copo na mesa de centro. Aqua senta. Olha para o sofá. Kat se aproxima de Michele, que está no sofá.
Conseguiram? (Kat)
Como sabe? (Aqua)
Sonhos. (Kat)
Argo não chegou a terminar. Disse para trazer para perto de você. Tinham encontrado a gente. (Aqua)
Padoi? (Kat)
Provável. (Aqua)
Argo fugiu então? (Kat)
Derik vem até a sala.
Morreu. (Derik)
Kat olha para Derik. Olha para Michele. Pega Michele no colo. Leva até a cama. Volta para a sala. Derik sai da cozinha, com uma maçã, mastigando.
Rust foi atrás de Kassandra. Vai tentar achar onde Padoi tá. (Kat)
Toca o telefone.
Sala da MEAK. Alan está no sofá, segura uma bolsa térmica no rosto. Trinity está com hematomas no rosto, em pé. Kat está perto da janela. Derik no balcão. Murilo ao lado de Alan.
Então era Zenon mesmo. (Kat)
Sim. É Clítia quem tá fazendo tudo isso, tenho certeza. (Alan)
Não é como se não tivesse motivo. (Trinity)
Vai se juntar a ela? (Alan)
Se fosse pra te entregar, não seria uma ideia ruim. (Trinity)
Rust tá vindo com Kassandra. (Kat)
Deu certo Kassandra ajudando lá? Nunca sabia quando tava mentindo, quando tava falando a verdade... (Trinity)
Isso é o normal, meu anjo. (Kassandra)
Alan levanta. Kassandra entra na sala.
Ninguém nunca sabe. (Kassandra)
Sabe dizer se Michele tava tentando matar Padoi? (Aqua)
Não. Foi em paz? (Kassandra)
Derik franze a sobrancelha. Desfranze.
Argo gostava de tequila? (Derik)
Odiava. (Rust)
Rust entra na sala.
Jurava que ficava no sangue das pessoas por dias. (Rust)
Derik aperta os olhos.
Então, agora você quem vê as coisas. (Kassandra)
Derik volta os olhos ao normal.
Não tão longe quanto você. (Derik)
Nem queira isso. (Kassandra)
Já sabe alguma coisa? (Alan)
Que um dos meus irmãos morreu. (Kassandra)
De Padoi. (Alan)
Que você não vai viver mais que ele. (Kassandra)
Murilo olha para Alan. Alan engole seco, baixa a bolsa. Kassandra ri. Kat revira os olhos.
Seres humanos não vivem nem um século direito, a idade de Padoi é bem mais que isso. (Trinity)
Alan volta a botar a bolsa no rosto.
Você consegue achar Padoi? (Kat)
Sabe que eu lembro de trechos da última vez que precisaram da minha ajuda? (Kassandra)
Padoi não é só a gente. Não é problema só nosso. (Kat)
Eu sei. Não gosto dessa coisa também. (Kassandra)
Kassandra olha para Rust. Olha para a mesa de centro. Rust pega a mesa de centro e coloca atrás de um sofá. Kassandra deita no chão, meio diagonal.
As pessoas tendem a achar que vampirs são criaturas que adoram caos e guerras. Gosto demais de luxo pra isso. E de luxo fácil, disponível em qualquer esquina. (Kassandra)
Kassandra coloca as duas mãos no rosto. Desce até o ventre. Deita os braços no chão, palmas para cima.
Imagino que não está no quarto aqui do lado. (Kassandra)
Aqua arregala os olhos, vai até a porta do quarto e abre. Fecha.
Só Michele. (Murilo)
Argo disse que talvez tivesse sangue de Padoi em Michele. Mas que o que fez ia tirar isso. (Aqua)
E quase terminou. Não tem quase nada. (Kassandra)
Kassandra estende o braço para cima.
Tem alguma coisa pra escrever no chão? (Rust)
Atrás do balcão, Derik abre gavetas. Pega um rolo de durex. Entrega para Rust. Rust se abaixa perto de Kassandra. Tira um pedaço de durex. Coloca o dedo no começo do braço de Kassandra. Vai subindo. Kassandra fecha a mão. Rust cola ao lado do braço. Repete a mesma coisa cinco vezes, horas com braços, horas com pernas. Kassandra se senta no chão. Levanta. Vai em direção a porta.
Pera, não vai dizer o que é isso?! (Alan)
Kassandra olha para o chão.
Durex colado no chão. (Kassandra)
Kassandra ri. Sai.
São coordenadas. Cada uma é um rastro que Padoi deixou. (Rust)
Mas como deixou rastros? (Trinity)
Pelo que entendi, como todas as versões de Padoi se juntaram, isso faz com que tenha muita coisa num único recipiente e deixe algo quando deixa algo físico. (Rust)
Tipo quando sangra? (Murilo)
Exato. (Rust)
Então parte dessas coordenadas são Hera, Zorana e aqui, por causa de Michele. (Derik)
As outras três são onde prendemos, se tiver sangrado; outra é a pessoa que tá servindo, porque desconfiamos que tenha pego algo para causar o caos em Zorana; e Padoi. (Kat)
Kat olha para Derik.
Tira uma foto, o mais reto possível, com o norte pra cima. (Kat)
Derik pega o celular. Tira uma foto. Olha. Deleta. Vai a cozinha. Volta com seis laranjas. Posiciona no chão. Tira a foto. Vai para o computador. Conecta o celular. Espera. Abre a pasta de fotos, copia a foto para o computador. Abre um programa. Digita um endereço, dá enter. Uma bolinha aparece no mapa. Faz mais duas vezes. Na segunda, o mapa se afasta. Kat e Murilo se aproximam. Kat olha para as coordenadas no chão.
Hera deve ser o rastro mais longe, é o que colocou ali no chão, é bem pra leste em relação ao resto. (Kat)
Derik muda para o programa que tem a foto. Diminue e arrasta, alternando entre os programas, de forma de três laranjas fiquem nas posições certas. Clica nas posições das outras três. Mais três pontinhos aparecem no mapa.
Tira Hera. Dá pra melhorar a posição. (Murilo)
Derik apaga os três que acabou de clicar. Clica no pontinho de Hera. Deleta também. Dá zoom no mapa. Redimensiona e reposiciona a foto. Coloca novamente os três pontos novos.
Tinha razão sobre onde prendemos. (Murilo)
Tem chance de Michele ter tentado matar Padoi. (Aqua)
As pessoas olham para Aqua.
Isso pode ter envenenado Michele e tornado a coisa pior. (Aqua)
Vamos fazer dois grupos? (Alan)
Não. Ninguém mais vai atrás de Padoi sem mim. (Kat)

Resumo do Capítulo

Etos pergunta a Rust se tinha morrido na outra Realidade, Rust acaba deixando perceber que sim. Derik vê em sonho que Aqua levou Michele para Argo. Murilo e Fábio falam sobre Trinity e Alan terem ficado de guarda de Zenon. Aqua explica a Argo que Padoi ou alguém a mando fez o que fez com Michele, e que pode ser por ser origem de linhagem vampira. Argo conta que quem fez isso esteve ali também. Pede que Aqua vá embora com Lish, pelo bem das crianças. Aqua conta que não pode, por causa do anel. Argo diz que ajuda, se saírem dali. Aqua leva Argo e Michele embora. Rust vai a MEAK para ajudar. Kat diz ter certeza que são o alvo de Padoi porque Mel lhe contou. Conta sobre Aqua e Michele. Rust diz que trará Kassandra. Zenon tem outra dor de cabeça e fala para Alan lhe soltar. Diz que Alan terá que matar Trinity também. Fala para Alan provocar Trinity, para fazer se aproximar da jaula. Argo diz a Aqua que Michele tem algo de sangue de Padoi em seu corpo. Usa um feitiço para tentar curar Michele. Enganam Trinity que Zenon pegou Alan para derrubar. Zenon diz para Alan dizer que foi Clítia, dá um soco em Alan e some. Rust pede ajuda a Kassandra. Kassandra diz que Padoi tem muitos espíritos em um lugar só, portanto deixa partes de seu espírito onde há partes do corpo. Argo pede que Aqua leve Michele para perto de Katerine. Está com fraqueza. Bebe tequila. Alguém aparece, Argo não tenta resistir. Aqua chega a MEAK. Derik viu a morte de Argo em sonho. Alan mente para as pessoas na MEAK sobre o sumiço de Zenon. Kassandra vai a MEAK com Rust. Indica direções onde há sinais de Padoi. Kat diz que ninguém mais vai atrás de Padoi sem que esteja junto.

Dara Keon